domingo, junho 09, 2013

NOTICIAS DO MUNDO GAY


Senado vai acelerar tramitação de projeto que criminaliza homofobia, evangélicos protestam
O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) disse nesta terça-feira que irá agilizar no Congresso a tramitação do projeto que visa criminalizar a homofobia no país. Mesmo não havendo acordo entre os fundamentalistas religiosos e ativistas LGBTs, Calheiros prometeu “priorizar” esta questão que já tramita há um bom tempo pelo Congresso. Calheiros teria afirmado ainda que o processo caminha melhor quando “forçado” para votação.
"O processo legislativo caminha mais facilmente pelo acordo, pelo consenso, pelo entendimento. Quando isso não acontece, tem que submeter à votação, à apreciação. É o que vai acontecer em relação ao projeto da homofobia", disse o senador ao site UOL.

Reunido com a ministra Maria do Rosário (Secretaria Especial de Direitos Humanos), o presidente do Senado prometeu incluir o quanto antes a pauta na agenda de Direitos Humanos. A ideia, segundo a proposta 122/06, é estabelecer uma lei própria contra crimes homofóbicos. Esta semana, Brasília recebe dois protestos de evangélicos contra o aborto e a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo, além da própria criminalização da homofobia, com o argumento de que o tema invade a liberdade religiosa de discordar da homossexualidade publicamente com base na Bíblia.
SP: Lei contra a homofobia ganha reforço com projeto de Leci Brandão
Pioneira no Brasil, a Lei paulista 10.948/2001, que pune a homofobia em estabelecimentos comerciais e em órgãos públicos, ganhou um reforço em sua atuação por meio de uma proposta da deputada estadual Leci Brandão (PCdoB). Na última terça-feira, 5 de junho, foi aprovado o projeto de Lei nº 727/2011, que permite a firmação de convênios municipais parta aplicação da lei.
O artigo 5º diz que “A Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, para cumprir o disposto nesta lei e fiscalizar o seu cumprimento, poderá firmar convênios com os Municípios, com a Assembleia Legislativa e com as Câmaras Municipais”. Isso quer dizer que prefeituras também poderão receber e analisar denúncias baseadas na lei 10.948.
Em sua justificativa, a deputada atenta que “com a formalização de acordos com municípios do Estado, a aplicabilidade da Lei 10.948/01, de combate à discriminação homofóbica, terá eficácia mais abrangente, vez que a denúncia do cidadão poderá ser acompanhada próximo da sua localidade”.
Isso significa mais gente atenta à homofobia em todo o território paulista. Abaixo você confere a íntegra do projeto de Leci:
PROJETO DE LEI Nº 727, DE 2011
Altera a Lei nº 10.948 de 5 de novembro de 2001, que dispõe sobre as penalidades a serem aplicadas à prática de discriminação em razão de orientação sexual.
A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECRETA:
Artigo 1º - A Lei nº 10.948 de 5 de novembro de 2001, fica acrescida do seguinte artigo 5º-A:
“Artigo 5º-A - A Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, para cumprir o disposto nesta lei e fiscalizar o seu cumprimento, poderá firmar convênios com os Municípios, com a Assembleia Legislativa e com as Câmaras Municipais”.
Artigo 2º - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.
JUSTIFICATIVA

A população LGBTT, vítima do preconceito e da violência, residente nas periferias e nas cidades do interior, encontra dificuldades para deslocar-se até a Capital de São Paulo e acompanhar o processo administrativo na sede da Secretaria Estadual da Justiça e da Defesa da Cidadania.
Com a formalização de acordos com municípios do Estado, a aplicabilidade da Lei 10.948/01, de combate à discriminação homofóbica, terá eficácia mais abrangente, vez que a denúncia do cidadão poderá ser acompanhada próximo da sua localidade.
Há um convênio firmado entre a Secretaria da Justiça e a Procuradoria Geral do Estado, prevendo que denúncias de discriminação homofóbica, ocorridas nas cidades do interior de São Paulo sejam processadas pelas Procuradorias Regionais, evitando o deslocamento das vítimas até a Capital. Após preparação dos processos, eles seguem para julgamento na Comissão Processante Especial, instalada em São Paulo.
Ocorre que as procuradorias regionais existem apenas em 28 cidades e o Estado possui ao todo 645 municípios.
As leis só são respeitadas e eficazes quando a sociedade se apropria delas.
É nestes termos que apresento o presente projeto de lei, na expectativa de contar com o indispensável apoio de meus Nobres Pares.
Após adiamento de votação da cura gay, Feliciano diz que homossexualidade não é doença
Felizmente, caminha a passos lentos na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (CDHM) o projeto que permite a chamada “cura gay”, com parecer favorável de seu relator, o deputado federal Anderson Ferreira (PR-PE). De autoria do deputado federal João Campos (PSDB-GO), a Proposta de Decreto Legislativo (PDC) 234/11 estava em pauta para ser votada já na última terça-feira, 4 de junho, mas teve sua votação adiada.
O adiamento se deu com pedido conjunto de vistas dos deputados Simplício Araújo (PPS-MA) e Marcos Rogério (PDT-RO). “Eu vejo que há um conflito muito grande. Não existe uma sintonia em torno do projeto. Portanto, eu não me senti seguro e preferi adiar essa votação”, afirmou Simplício, segundo a Agência Câmara.
O deputado considera que seu pedido de vista não foi um truque para adiar a votação pela quarta vez e acredita que é “um desrespeito falar em manobra, pois qualquer deputado tem o direito de pedir vista de qualquer projeto que esteja em qualquer comissão dessa Casa”.
Presidente da Comissão, o deputado e pastor Marco Feliciano (PSC-SP) garantiu que o projeto será votado imediatamente após o prazo de duas sessões, previsto no Regimento Interno da Câmara. Segundo Feliciano, os psicólogos estão perdendo o registro profissional quando atendem pessoas que querem deixar de ser homossexuais.
“O projeto foi tratado de maneira maliciosa e desonrosa até. O projeto não tem nada a ver com o nome maligno que deram a ele de 'cura gay', porque ele não cura nada, até porque isso não é doença, isso é uma orientação sexual”, afirmou o deputado. Na avaliação dele, o projeto “protege os direitos da pessoa que quer aliviar a sua angústia interior e protege o profissional que quer atuar com liberdade e isso hoje não acontece”.

Reino Unido: Câmara dos Lordes aprova casamento gay

Ontem (05/06/2013), a Câmara dos Lordes do Reino Unido aprovou o projeto de alteração das leis do Reino Unido proposto pelo gabinete do primeiro ministro David Cameron para legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo na Inglaterra e País de Gales. Com 390 votos a favor e 148 contra, após dois dias de debate, e depois de ter sido aprovado na Câmara dos Comuns no mês passado, o projeto segue para as Comissões e a expectativa é que até 2014 seja proclamado oficialmente.
O argumento mais usado nos debates a favor do casamento gay foi que este, ao contrário do que alguns pensam, reforçaria a importância do casamento como instituição na sociedade. Compõem a Câmara Alta britânica, ou Câmara dos Lordes, 737 lordes temporários indicados pro Buckingham e Downing Street, e 26 lordes espirituais da igreja anglicana, incluindo o arcebispo de Canterbury.

Os lordes encaminharam o projeto de forma original, para agilizar sua aprovação, sem a emenda proposta pelo parlamentar independente Geoffrey Dear na segunda-feira. Mais de 90 lordes e bispos anglicanos tomaram a palavra durante a discussão. E do lado de fora do Parlamento manifestações contra e a favor da legalização do casamento gay. A decisão foi comemorada pela comunidade gay.

SP: Grupo antifacista denuncia participação de DJ com tatuagens nazistas e escolta policial durante Parada Gay

O coletivo RASH-SP, de skinhead comunistas e narquistas, denunciou por meio do site do grupo que na Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, no Domingo, foram acompanhados por policiais durante todo o evento. Segundo eles, também foram impedidos de participar da Feira Cultural no Vale do Anhangabaú, na quinta-feira. Assim como os punks, eles chegaram a ser impedidos no ano passado de participar do protesto, alegam. Este ano, porém, fizeram outra grave denúncia, que culminou com o cancelamento da participação do DJ Enrico Tank da Parada de Santo André e o caso sendo levado à polícia. Enrico já posou para a G Magazine, em 2002, e integrou a boy band Twister, nos anos 2000.

Chamado pelo grupo de metrossexual nazi, Tank exibe mais de 10 tatuagens de cunho racista e nazista em seu corpo, segundo estudo divulgado pelo grupo. A assessoria do DJ afirma que ele ama a história das guerras e que as imagens já foram cobertas por novas tatuagens. O DJ se apresentou no domingo na Parada do Orgulho LGBT de São Paulo e tem histórico de participações em casas noturnas gays. Entre elas, suásticas, referências a Hitler, III Reich e grupos de skinheads nazistas.

A celeuma do grupo antifacista mistura críticas aos empresários e militantes gays a fatos contestáveis. Em outra denúncia, chegaram a afirmar que a cruz que a militante do Femen, também DJ, Sara Winter, é uma cruz nazista e seu codinome uma referência a uma histórica militante nazi inglesa. A jovem rebateu dizendo que se trata de uma cruz templária da Idade Média e que nunca participou de grupos de supremacia branca.
Covardes sem face!
Skinheads mascarados atacam maior ativista gay da Rússia.
RÚSSIA - Três homens mascarados atacaram o maior ativista gay da Rússia, Nikolai Alekseev, pouco antes dele pegar um trem que seguia de Kostroma para Moscou na manhã desta quarta-feira.
Os agressores estavam vestidos de preto e usando máscaras cobrindo o rosto. Além de bater no ativista, eles também disseram palavras de humilhação contra ele.
O ativista sempre esteve no centro da polêmica sobre os direitos dos gays na Rússia. Foi ele que criou a Parada Gay de Moscou proibida pelos próximos cem anos e também o GayRussia, portal de notícias voltado para a diversidade.
Nikolai contou ao site "Star News" que ele estava a cerca de cem metros da estação quando alguém passou por trás dele numa bicicleta.
"Primeiro eu pensei que fosse um engano, mas eles começaram a gritar: "F… seu viado", disse o ativista. Logo depois, eles atiraram ovos na cabeça do ativista e puxaram a orelha dele.

4 comentários:

  1. Ficou muito bom o novo formato, principalmente a maior facilidade de comunicação. Parabéns ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vlw, ficamos felizes pela sua opiniao. Vamos tentar melhorar cada vez mais . nao para nos, mas para voces !!

      Excluir
  2. eu me apaixonei pelo dj tank gostoso,sarado e maravilhoso,eu sou gay.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...