sexta-feira, setembro 26, 2014

MINHA VIDA GAY

NY- Pela causa
Pais de adolescente gay que cometeu suicídio tornam-se ativistas LGBT.




Jane e Joseph Clementi, os pais do norte-americano Tyler Clementi, que cometeu suicídio aos 18 anos em 2010, após ser vítima de bullying, dedicam a vida para garantir o bem estar de pessoas LGBTs.

Jane e Joseph Clementi, pais de Tyler Clementi

Por meio de uma ONG que leva a nome do filho, eles enfrentam a dor da perda e lutam para que a tolerância e o respeito sobre o grupo LGBT seja disseminado para a sociedade.

O adolescente se jogou da ponte George Washington, que une Nova York e Nova Jersey, em setembro de 2010, depois que descobriu que havia sido gravado pelo companheiro de quarto fazendo sexo com outro rapaz, e que as imagens estavam na internet.

A "Tyler Clementi Foundation" visa conscientizar e dar suporte sobre o bullying e o cyberbullying contra o grupo LGBT e suas famílias. Eles usam o caso do filho como exemplo e diz que, Tyler tivesse dito o que aconteceu, poderia ter impedido a sequência de fatos que levou ao suicídio.

"Nós poderíamos ter nos escondido. Mas nós não queríamos ver isso acontecendo com outros jovens, afetando outras famílias como afetou a nossa", afirmou Joseph a um jornal. A página da ONG dá assessoria e apoio às famílias LGBT afetadas com o cyberbullying e, neste mês, foi mencionada pela cantora Demi Lovato.

Vale ressaltar que o responsável pela gravação, Dharun Ravi, foi condenado a uma pena de 30 dias de prisão e três anos de liberdade assistida.


USA- Aceite-me, eu amo isso!
Senador americano sai do armário durante coletiva de imprensa




Os participantes de uma coletiva de imprensa convocada para condenar crimes homofóbicos no Estado da Pensilvânia, nos EUA, foram surpreendidos pela declaração do senador democrata Jim Ferlo (foto), que saiu do armário no meio do evento. "Eu sou gay. Aceite. Eu amo isso", disse o parlamentar, de acordo com um áudio publicado na web e repercutido pela imprensa do país.

A jornalista Mary Wilson, que gravou as palavras, publicou em seguida um tweet afirmando que ele é o primeiro senador assumido do Estado a se declarar publicamente. Ferlo é o responsável por um projeto de lei para expandir os crimes de ódio, incluindo agressões a lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transsexuais. A iniciativa foi motivada por um incidente no início do mês no qual dois gays foram espancados no estado.

"Nunca neguei minha homossexualidade... Só nunca fiz uma declaração oficial", disse o político. "Centenas de pessoas sabem que eu sou gay. Nunca senti que precisava usar um outdoor na minha testa. Mas eu sou gay. Aceite. Eu amo isso. É uma vida ótima", afirmou Ferlo, que depois garantiu não ter planejado tocar no assunto.

Três pessoas foram acusadas por agredir dois gays na Filadélfia no último dia 11 de setembro. Eles foram indiciados por agressão, levar perigo a outros e conspiração criminosa. Mas não puderam ser acusados por crime de ódio. Já foram expedidos mandados de prisão contra eles.

Assista o trailer: Favela Gay revela a vida dos homossexuais nos morros cariocas




“Carnaval sem cola quente, sem paetê e sem viado, não tem Carnaval”, revela um dos personagens ouvidos no documentário Favela Gay, que tem a assinatura do renomado cineasta Cacá Diegues na produção. O trabalho é dirigido pelo diretor Rodrigo Felha (5x Favela) e expõe o cotidiano de LGBTs nas favelas do Rio de Janeiro, o preconceito e a vida nas comunidades carentes.

Gays, travestis e transexuais de comunidades como Rocinha, Cidade de Deus, Vidigal, falarão de preconceito, do cotidiano violento e a alegria de viver na margem da sociedade na Cidade Maravilhosa. As travestis nos bailes funk, os gays no Carnaval, Parada gay da favela, a vida noturna, a relação com a família e as particularidades desse ambiente são mostrados de forma crua, por meio de diversos depoimentos e linguagens. É um choque de realidade na imagem do gay urbano, sempre mostrado como apreciador de marcas e de um universo fútil. “Viver, sem a vergonha de ser feliz” e em busca do amanhã que há será um novo dia.

O filme estréia no Canal Brasil ainda este ano e tem ainda participação do deputado Jean Wyllys, de Carlinhos Borges, coreógrafo do Salgueiro, entre outras personalidades gays cariocas.

Confira o trailer do filme:



Trilha Especial: Thiago Pethit - "ROMEO"




 

Nenhum comentário:

Postar um comentário