terça-feira, setembro 09, 2014

NOTICIAS DO MUNDO GAY

LGBTs em Brasília convocam voto consciente!




Por Karine Melo - Repórter da Agência Brasil

"A sociedade tem assistido a gente viver uma série de ataques aos direitos da comunidade LGBT especialmente por parte do fundamentalismo, que tem crescido e se organizado cada vez mais no Parlamento, nos espaços de poder. A gente está convocando a comunidade LGBT para votar consciente, para não anular o voto, para olhar bem quem são os candidatos, para ver quem tem compromisso", disse Michel Platini, coordenador da 17ª Parada do Orgulho LGBTS de Brasília; recentemente, a causa gay rompeu com a candidata Marina Silva, que mudou seu programa de governo por pressão dos evangélicos

A menos de um mês do primeiro turno das eleições, o voto consciente foi o tema escolhido para 17ª Parada do Orgulho LGBTS de Brasília, realizada neste domingo (7). “A sociedade tem assistido a gente viver uma série de ataques aos direitos da comunidade LGBT [lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros] especialmente por parte do fundamentalismo, que tem crescido e se organizado cada vez mais no Parlamento, nos espaços de poder. A gente está convocando a comunidade LGBT para votar consciente, para não anular o voto, para olhar bem quem são os candidatos, para ver quem tem compromisso”, explicou Michel Platini, coordenador do evento.

Na pauta de reivindicações do movimento, estão temas como a criminalização da homofobia, casamento civil igualitário, além de campanhas para o enfrentamento da homofobia. “A gente tem que empoderar essa comunidade, para que ela denuncie e, é claro, quando houver violação de seus direitos, que ela não acredite que, se ela assumir sua homossexualidade, não vai ser discriminada ou não vai sofrer ou morrer. Você tem que tirar esse estigma que está posto e você tira isso dando uma visibilidade positiva”, reforça Platini.



Em relação ao casamento igualitário, o movimento LGBT acredita que a aprovação de uma lei nesse sentido é simbólica, já que o direito, na prática, já foi garantido. Isso porque uma resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), órgão de controle externo das atividades do Judiciário, obriga todos os cartórios do país a cumprirem decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de maio de 2011, de reconhecer a união estável de casais do mesmo sexo. A mesma resolução também obriga a conversão da união em casamento e também a realização direta de casamento civil entre pessoas do mesmo sexo. Porém, não há nenhuma lei no país que regulamente o assunto.

Ainda na concentração da parada, no Eixão Sul, avenida do Plano Piloto do Distrito Federal, do alto de trios elétricos, ativistas se revezavam em discursos contra homofobia e pela conquista de direitos. No chão, muitos, jovens fantasiados, drag queens e travestis, animaram e divertiram a multidão que, às 19h, já era estimada em 25 mil pessoas pela Polícia Militar do Distrito Federal. Os organizadores estimaram os participantes em 30 mil.

“Acho fundamental não só o debate, que tem que ser cotidiano sobre os direitos, sobre os avanços nas pautas que garantam os direitos não só da população LGBT, mas de todas as minorias. No caso deles, acho que a visibilidade é importante. Todo mundo tem direito de andar de mãos dadas, de se beijar, como o público hetero também faz”, diz a servidora pública Daniela Matos, simpatizante do movimento LGBT.

O clima muito festivo foi criticado por alguns participantes ouvidos pela Agência Brasil. “A gente vem à parada com a intenção de resgatar o objetivo original, que era trazer para a rua a nossa cara, a nossa festa, mas também a luta pelas bandeiras que a gente defende. Hoje, a gente tem muita festa, por isso a gente vem com cartazes para tentar chamar atenção das pessoas”, reclama o estudante Leonardo Teixeira, que há cinco anos participa do ato em Brasília. O servidor público, Fábio Henrique Ferreira, também acredita que a maioria, especialmente os mais jovens, vão à parada preocupados em conhecer pessoas e não efetivamente com a luta por direitos.

Leonardo Boff critica Marina Silva por omissão e recuo na questão LGBT




O ex frei católico catarinense, hoje afastado da Igreja depois de liderar o movimento da Teologia da Libertação, abafado pelo Vaticano nos anos 70 e 80, Leonardo Boff se dedica atualmente sobretudo ao meio ambiente. Ele conehce Marina de suas origens. Teólogo, escritor e professor universitário, um dos expoentes e fundador da Teologia da Libertação. Atualmente dedica-se, sobretudo, às questões ambientais. Ele conhece Marina Silva desde seu início e hoje discorda da visão da ribeirinha que era ligada à Igreja mas hoje se converteu ao evangelismo neo pentecostal. Para o intelectual, Marina peca na fome pessoal de chegar ao poder. Boff falou com o Viomundo que não apóia mais Marina e opinou sobre a candidata com propriedade.
 
“Está ficando cada vez mais claro que Marina tem um projeto pessoal de ser presidente, custe o que custar. Numa ocasião, ela chegou a declarar que um dos objetivos desta eleição é tirar o PT do poder, o que faz supor mágoas não digeridas contra o PT que ajudou a fundar. O Malafaia, líder da Igreja Assembleia de Deus à qual Marina pertence, é o seu Papa. O Papa falou, ela, fundamentalisticamente obedece, pois vê nisso a vontade de Deus. E, aí, muda de opinião. Creio que não o faz por oportunismo político, mas por obediência à autoridade religiosa, o que acho, no regime democrático, injustificável. Um presidente deve obediência à Constituição e ao povo que a elegeu e não a uma autoridade exterior à sociedade”, afirmou o ex frei.

“Um fundamentalista é um dos atores políticos menos indicado para exercer o cargo da responsabilidade de um presidente. Este deve tomar decisões dentro dos parâmetros constitucionais, da democracia e de um estado laico e pluralista. Este tolera todas as expressões religiosas, não opta por nenhuma, embora reconheça o valor delas para a qualidade ética e espiritual da vida em sociedade. Se um presidente obedece mais aos preceitos de sua religião do que aos da Constituição, fere a democracia e entra em conflito permanente com outros até de sua base de sustentação, pois os preceitos de uma religião particular não podem prevalecer sobre a totalidade da sociedade. A seguir estritamente nesta linha, pode acontecer um impeachment à Marina, por inabilidade de coordenar as tensões políticas e gerenciar conflitos sempre presentes em sociedades abertas”.
 
Leonardo Boff fala ainda de propostas da candidata como descentralização do Banco Central, ao que chama de “falta de brasilidade”, das questões ambientais, quais discorda da candidata. Afirmou ainda que a Igreja Assembleia de Deus, a qual Marina se converteu,m “se caracteriza por um cristianismo fundamentalista, pietista e afastado das causas da pobreza e da opressão do povo. Sua pregação é a Bíblia, preferentemente o Antigo Testamento, com uma leitura totalmente descontextualizada daquele tempo e do nosso tempo. Como fundamentalista é uma leitura literalista, no estilo dos muçulmanos”, disse Boff.


STF deve decidir se transexuais podem mudar RG sem passar por cirurgia



ParouTudo

O Supremo Tribunal Federal (STF) deve julgar, em breve, se transexuais poderão fazer a mudança do nome no RG sem a necessidade de passarem por cirurgia de redesignação sexual. Atualmente, somente após o processo cirúrgico é permitida a alteração.

Segundo o jornal O Estado de S.Paulo, o recurso é de uma pessoa com iniciais STC e corre em segredo de justiça. Como a maioria dos integrantes do STF já reconheceu que este é um caso de repercussão geral, é provável que a decisão deste processo seja aplicada em casos semelhantes pelo Poder Judiciário.

“As questões postas apresentam nítida densidade constitucional e extrapolam os interesses subjetivos das partes, pois, além de alcançarem todo o universo das pessoas que buscam adequar sua identidade de sexo à sua identidade de gênero, também repercutem no seio de toda a sociedade, revelando-se de inegável relevância jurídica e social”, disse o ministro Dias Toffoli, relator do caso.

 Egito ordena prisão de homens que aparecem em vídeo de casamento gay



O Globo

Grupo que participou de cerimônia é acusado de ‘incitação à libertinagem’ e ‘violação da moral pública’

Autoridades egípcias ordenaram a prisão de nove homens que aparecem em um vídeo que se propõe a mostrar o primeiro casamento gay do país. Eles são acusados de “incitação à libertinagem” e “violação da moral pública”.

O casamento gay não é legalizado na sociedade islâmica do Egito, onde ocorreu a filmagem que causou uma grande polêmica na internet. O registro da cerimônia percorreu o mundo e se tornou viral nas redes sociais no mês passado.

Embora a homossexualidade não seja expressamente proibida no Egito, a discriminação no país é grande. Prisões de homens gays, ocasionalmente, chegam às manchetes. Os indivíduos costumam ser acusados ??de devassidão, imoralidade ou blasfêmia, atraindo críticas de grupos que lutam pelo direto à liberdade individual.

O vídeo, que foi postado no YouTube, mostra um grupo de homens que aparentemente comemora um casamento gay em um barco do rio Nilo.



A promotoria pública disse em um comunicado, na noite de sábado, que a festa aconteceu em abril, mas a filmagem só se tornou mundialmente famosa em agosto, tornando possível que a polícia identificase os homens. A declaração diz que as imagens são “humilhantes, lamentáveis e irritariam Deus”, concluindo, então, que se trata de um ato criminoso que precisa ser investigado.

O promotor pediu à polícia que os homens sejam presos e ordenou que um médico realize exames físicos em todos os acusados??, com a finalidade de apresentar queixa contra eles por incitar a libertinagem e difundir imagens que violam a decência pública.

A agência de notícias estatal Mena informou que sete homens já foram detidos e mais dois ainda estão sendo procurados. O promotor disse que os homens permanecerão detidos por quatro dias, enquanto é feita uma investigação completa.

A maior repressão a homossexuais no Egito ocorreu em 2001, quando a polícia invadiu uma boate flutuante chamada Queen Boat. Cinquenta e dois homens foram julgados no caso que atraiu muitas críticas de grupos de direitos humanos e governos ocidentais.

Encontro com o Preconceito- Após combater racismo, Fabricio Carpinejar é chamado de viado, boiola e bixa por torcedor.



O jornalista, cronista e apresentador Fabricio Carpinejar participou do programa Encontro com Fátima Bernardes e fez um discurso em combate ao racismo no futebol, referindo-se ao caso em que uma torcedora do Grêmio chamou o goleiro Aranha, do Santos, de "macaco".

Quando saiu da atração, ele recebeu uma mensagem de ameaça e ofensas. E, o pior, regadas de termos homofóbicos.

"Você é um lixo de pessoa (...) Pode ter certeza sua Bixa Inrustida (sic) a torcida do Grêmio vai quebrar a tua cara (...) Viado do caralho. Teu lugar é lá no meio de programa de culinária boiola", escreveu o torcedor que assinou como Pepe Blue.

A seguidora Karina se atentou: “Além de tudo que foi dito, é lamentável ver que termos pejorativos que se referem à homossexualidade ainda são usados como ofensa”.

Fabricio desabafou em seu Instagram: "É só se manifestar contra o racismo na televisão e já começam a vir ameaças de torcedores. É só falar de modo civilizado de futebol que me torno alvo de juras de espancamento. Onde vamos parar?".

Sinal de que, assim como o combate ao racismo, o combate à homofobia também deve entrar em pauta no futebol.


TRE rejeita impedimento de beijo homoafetivo em TV


O Povo

Dois beijos homoafetivos em um programa no horário eleitoral fez com que o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) recebesse denúncias e reclamações, entre elas, pedidos de que o programa fosse tirado do ar. Os beijos foram veiculados no programa eleitoral sobre diversidade sexual do candidato ao Governo do Estado Ailton Lopes (Psol), em que ele também indicou ser homossexual.

Com o pedido de retirada, a resposta da Procuradoria Regional Eleitoral veio em documento de sete páginas em que o bom senso, a Constituição Federal, decisões do Supremo Tribunal Federal e portaria do Ministério da Justiça foram conclamados para explicar que as cenas de beijo no programa eleitoral não ferem qualquer lei e, por isso, não passariam por cerceamento.

Em trechos do documento, o procurador regional eleitoral Rômulo Moreira Conrado, reitera a igualdade entre as pessoas, o fato de o beijo ser um gesto normal de afeto entre pessoas, assim como o alargamento da abrangência do direito à família para justificar a indicação que não havia providências a serem tomadas.




Programa mais visto

O candidato Ailton Lopes indicou que esse foi o programa mais visto da campanha, com mais de 80 mil visualizações no site Youtube, o que demonstra como a questão da sexualidade, da diversidade precisa de mais debate e mais abertura na sociedade. “Temos outras coisas para passar”, comentou Ailton sobre as produções para a campanha política.

Ailton ressaltou ainda que seu programa de governo tem diversas propostas de pontos importantes, não sendo monotemática. Afirmando que respeita as diversas posições sobre o tema, ele ressaltou, no entanto, que não é possível aceitar expressões de homofobia e preconceito.

Saiba mais

No despacho, o procurador disse que não há lei que proíba casais de andarem de mãos dadas ou se beijarem em público e que não pode haver distinção a partir do gênero.

O procurador entende que o Estado não pode diferenciar iguais, tratando de forma distinta casais homoafetivos e heteroafetivos

Se proibisse, disse ainda, estaria violando o artigo 5º da Constituição Federal, que cita a isonomia, uma cláusula pétrea.

Deputados evangélicos querem proibir os solteiros de entrarem em motéis




Por: FABIO FLOREZ

A comissão de constituição e justiça da Câmara dos Deputados está avaliando a constitucionalidade do projeto de autoria do deputado Josias Macieira (DEM-TO) que estabelece a obrigatoriedade da apresentação da certidão de casamento nas recepções de motéis. O projeto que conta com amplo apoio da bancada evangélica no Congresso quer coibir o pecado da fornicação no Brasil.

Segundo o deputado Josias Macieira “a razão social dos motéis os permitem a fazer hospedagens de curta duração, no entanto o que vemos hoje é a prática da fornicação e da prostituição. Em defesa da família e dos bons costumes queremos coibir o avanço da sem-vergonhice neste país que já é tão profanado”.

Carlos Campos Junior, presidente da Associação Paulista de Motéis (APAM), considera aviltante o projeto de lei por interferir na intimidade dos brasileiros. Para Campos Junior “quem faz sexo é solteiro. Casado faz amor. Quem é casado não tem tempo nem dinheiro e muito menos vontade de ir em motel. Este projeto coloca em risco cerca de 50 mil empregos diretos e mais de 400 mil indiretos”.

O pastor Diógenes Oliveira, presidente da Associação Mundial das Assembleias de Deus, é radical ao avaliar o argumento da APAM. Para o pastor Diógenes “não importa quantos empregos vão deixar de gerar o fechamento dos motéis. Se é pra aliviar quem gera emprego assinem a carteira de quem trabalha em boca de fumo. O sexo não pode ser banalizado. Sexo fora do casamento e sem finalidade reprodutiva é carimbo no passaporte para o inferno”.

Caso a comissão de constituição e justiça avalie positivamente o projeto ele deve ser votado em agosto e pode entrar em vigência no mais tardar em setembro. Se você é solteiro aproveite seus últimos dias de acesso livre e irrestrito a estes playgrounds do prazer.

***(Gente!! Olha o fundamentalismo querendo implantar suas regras num Estado Laico. O Aiatola evangelico- Daqui a pouco , vao querer implantar leitura biblica e cultos evangelicos no Congresso Nacional- VOTE CONSCIENTE!!)

Um comentário:

  1. LGBTs em Brasília convocam voto consciente!

    Nos Estados Unidoe, os que participam de paradas gays, sao poliizados e com isso , o grupo e´fortte e organizado.. Diferentemente no Brasil, a grande maioria esta preocupada com festas e diversao. E´valido a fantasia, a viibilidade,mas o mais importante e´o conteudo, para que sejamos liveres de preconceitos e direitos garantidos.

    Isto demonstra claramente a falta da Educaçao; o densnivel da educaçao americana com a brasileira...

    Devemos deixar de ser ``palhaços ``, preocupados com festas e ser mais politizados e lutar por direitos negados.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...