Slide 1 Slide 2 Slide 3

CONFISSÕES DO DIVÃ







Os textos apresentados nesta seção buscarão ilustrar situações, angústias, problemas e experiências vivenciadas por alguns homens gays. Não existem experiências universais, comuns a todos os homens gays, cada um de nós é constituído e atravessado por diversas características que tornam a sua experiência única.  Nossa principal idéia aqui é pensar em possibilidades de enfrentamento para as questões aqui representadas, que em menor ou maior grau podem ser semelhantes com alguma das histórias vivenciadas por você. Essas histórias não são uma representação literal de histórias reais e sim textos fictícios.


O Dr. Alexandre é formado em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Atua como psicólogo clínico no Espaço Recontar na região de São José / SC. Fundamenta seu trabalho pelos princípios da Psicologia Sistêmica. Compreender os fenômenos psicológicos sistemicamente significa, literalmente, “colocá-los” dentro de seu contexto, estabelecendo a natureza das suas relações.


Você pode fazer perguntas e sugerir temas que nosso psicólogo responderá com todo prazer.

Bem, vamos ao tema de hoje.


Gordofobia é assunto sério!

Alexandre de Souza Amorim, Psicólogo
alexandresouza.psicologo@gmail.com





Meu nome é Patrício, não sou gay, mas meu irmão é. Tenho estado muito preocupado com ele, não por ele ser gay, mas porque ele tem sido vítima de preconceito por ser gordo. Ele sempre esteve com sobrepeso desde a adolescência e sempre foi um cara divertido e alegre. Ele está com 25 anos e faz uns meses que minha mãe relatou que ele estava mais fechado e quase não saía de casa. Somos muito próximos e tentei conversar com ele, mas ele não admitiu nada. Não estava agüentando ver meu irmão naquela situação e resolvi olhar se encontrava alguma pista em seu celular. Fiquei horrorizado, alguns rapazes gays também, estavam mandando mensagens agressivas para ele, pelo que eu entendi por que meu irmão se apaixonou por um deles. Meu irmão assumiu sua homossexualidade aos 16 anos e nunca relatou problemas com isso, sempre o amamos muito e ele sempre foi um cara seguro. Teve dois namoros que acabaram não dando certo como qualquer outro rapaz. Perguntei a ele sobre as mensagens e ele chorou muito, que não ligava por ser gordo, mas que isso estava destruindo a vida dele. Estou muito preocupado e gostaria de entender o que acontece e como posso ajudá-lo.

Patrício, 27 anos

           
Os padrões de beleza atuais é um problema que atinge a tod@s nós. Nossos corpos são rigorosamente vigiados e policiados por instituições como as indústrias farmacêuticas que ditam regras e características que são ou não sinônimos de “normalidade” e saúde.

Essas normas são rígidas e inflexíveis, porém são especificas para cada grupo social, manifestando-se de maneiras e intensidades diferentes de acordo com algumas características como raça, gênero, e idade dos sujeitos.

Sabemos que marcas e traços corporais como cicatrizes, rugas e espinhas são abomináveis em uma sociedade que tanto cultua os corpos. Logo serviços para apagarem essas “anormalidades” são oferecidos em qualquer esquina, temos depilações milagrosas a laser, cirurgias estéticas, pílulas mágicas, etc.

E uma das formas corporais tida como mais indesejável é o corpo com sobrepeso. A extrema magreza é incentivada desde a infância e a intolerância contra pessoas gordas é um problema social sério.

O conceito gordofobia é relativamente novo, mas o fenômeno não é. Ele define os sentimentos de desprezo, repulsa e desconforto em relação às pessoas gordas, que assim como outras formas de preconceito como o racismo está tão naturalizado em nossa sociedade que parece ser algo comum, permitindo que suas manifestações não causem estranhamentos.

Alguns atravessamentos como o de gênero tornam a experiência das vitimas ainda mais terrível. Imagine como é para uma mulher ser gorda em uma sociedade machista e sexista, que desvaloriza e desqualifica qualquer bom sentimento que a mulher possa ter sobre si. Uma sociedade que lhe atribui como único valor a sua aparência. Cobranças sobre sua aparência são exigidas cotidianamente em todos os espaços, inclusive em muitos casos dentro de casa.

A TV, as revistas e as redes sociais a todo tempo dizem a essas pessoas que elas não são bonitas, não tem valor, ainda são chamadas de preguiçosas, doentes e relaxadas.

Essa pressão gigantesca é geradora de uma infinidade de sofrimentos, logo é comum que as pessoas com sobre peso possuam um histórico de transtornos alimentares ou problemas psicológicos causados pela baixa autoestima, sentimentos de insegurança e de desvalorização de si. Sentem-se inferiores e incapazes.

Abdicam de grande parte de suas vontades por medo da humilhação ou por vergonha. Vivem extremamente preocupadas com o que vestir e como se comportar. Podem desenvolver quadros clínicos como a depressão que as impede de fazer atividades cotidianas como sair de casa para ir ao supermercado.

Essas pessoas travam batalhas diárias contra os estereótipos e a intolerância da sociedade. É de fundamental importância o apoio de familiares, amigos e entes queridos na superação dessas dificuldades. Por vezes não é permito que elas e eles possam amar a si ou possuírem um sentimento genuíno de auto-aceitação. Uma falsa “preocupação com a saúde” lhes é imposta para controlar seus passos, mas não necessariamente pessoas com sobrepeso têm a saúde comprometida por conta disso... Isso é um mito cultural. Pesquisas comprovam que há pessoas gordas ativas e saudáveis, como também há pessoas magras com a saúde debilitada. Não há um padrão universal de saúde.

O que temos é um discurso de ódio contra uma corporalidade e um modo de vida outro. É preciso combater esses discursos que impõe padrões de ser e estar no mundo, que limitam as possibilidades de existir e viver a sua maneira. A melhor forma de você ajudar seu irmão nesse momento é ficar ao lado dele e ajudá-lo a lutar contra tudo isso. Acho que uma boa terapia poderá auxiliá-lo em construir estratégias para enfrentar e eliminar esse sofrimento.



.
Poderá gostar também de:
Postado por Mac Del Rey | (3) Comente aqui!

3 comentários:

  1. gordos,gordinhos e gordoês adoooooooooooooooorrrrrrrrrrrrrroooooooooooooooo!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Gordinhos também seu lado sexy, acho que ser feliz consigo mesmo é o que importa.
    A parte ruim disso foi que ele levou um fora de uma cara que ele gosta que idolatra o corpo "perfeito".

    ResponderExcluir
  3. Queria eu que meu irmão fosse como você! Isso já é mais do que muita gente como nós tem e precisa!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...