Slide 1 Slide 2 Slide 3

CONTOS DO LEITOR


Férias na fazendo com meu tio




Bom dia, boa tarde, boa noite seja qual for a hora e o local que você esteja! Meu nome é Tião tenho 23 anos, mas o que vou contar aconteceu quando eu tinha 18 anos. Eu até meus 7 anos cresci em uma fazenda no interior de Goiás, mas por conta de meus estudos e uma melhor renda para meus pais decidiram vir morar na capital Goiânia. Preferia continuar na fazenda, gostava de olhar pela janela aquela imensidão coberta pelo verde, as vacas no pasto, os cavalos - amo andar de cavalo, nadar no rio, mas foi necessário mudar-se para a Capital.

Nos primeiros tempos, continuávamos indo na fazenda, mas fomos cada vez menos, até que passamos alguns anos sem ir - trabalho, falta de tempo, cansaço dos meus pais.

Já estava com 18 anos quando em minhas férias de fim de ano ficaria um pouco mais de tempo, meus pais permitiram, pois além de já estar maior de idade, um dos meus tios estaria no sitio. Pedro, 25 anos formado em veterinária estava usando o sitio como moradia. Um ano depois de formado foi contratado pela cooperativa local e como a fazenda era de meus avós, ele ficou morando lá. Então eu fui para minhas férias.

Tio Pedro me recebeu muito bem, disse que seria ótimo uma companhia, pois por lá tinha apenas o caseiro e sua esposa que faziam suas tarefas e voltavam para sua casa.

Tio Pedro era o tipo de cara que eu me espelhava fisicamente, de pelos nos braços e no peito. Usava camisa geralmente xadrez ou listrada aberta deixando seus pelos à mostra, ao menos em casa. Sempre antes de sair do carro ele fechava os botões quando ia a cidade ou no trabalho. Sua pele clara dava contraste com seus pelos castanhos, cabelo liso escorrido até o pescoço, e um chapéu estiloso. Eu amo chapéu, mas na cidade se usar fora de uma festa é zuado.

Meu tio tinha um corpo normal nem muito magro nem gordo, tinha um belo peitoral, um volume tanto na frente quanto atrás avantajados, bem definidos pelas calças justas. Eu me parecia muito com ele, mas era mais magro e meu volume era menor, ainda não tinha tantos pelos nem uma barba tão bonita como a dele.

Estava na sala da fazenda vendo TV só de cueca, pois a casa estava vazia, a caseira já tinha arrumado e deixado o almoço pronto. Eu, após o almoço, estava esparramado quando meu tio diz na porta:

- Eita que o negocio aqui esta largado mesmo kkkk

- Desculpa tio a Da. Nena só volta amanhã e achei que o Sr. só voltaria a noite, vou por um calção.

- Nada disso Tião vou até te acompanhar. O trabalho no Sitio do Sr Almir acabou mais cedo, só umas últimas vacas para vacinar. As outras tinha feito ontem. Só não concluí porque a vacina tinha acabado e ele só iria comprar o resto hoje cedo.

Disse e já foi arrancando a roupa ficando só de cueca.


- Devo te confessar que eu só ficava de cueca aqui também. Aqui é muito quente, mas fiquei um pouco sem jeito de você não gostar.

-       Por mim pode ficar a vontade tio.

Fiquei vendo meu tio todo relaxado, uma mão no encosto do sofá, a outra alisando os pelos do peito, só de cueca. Aquele volumão entre suas pernas fui me excitando.

- Quer me perguntar algo?

- Nada tio é que... o Sr é novo devia ter várias namoradas na capital, na faculdade e a maioria das mulheres daqui ou são meninas, velhas , casadas, enfim, não tem muitas moças disponíveis. Como o senhor faz?

- Depois de uma gargalhada ele me olhou sério e disse: já viu o tanto de vaca no pasto?

- Mentira, o Sr mete nas vacas?
Disse eu espantado.

kkkkk novamente ele caiu na risada,

-       Não, mas não podia perder a oportunidade de ver sua cara de espanto kkkk.

-       Realmente minha vida sexual na capital era bem mais agitada, mas aqui é mais trabalho. As vezes dou um pulo na cidade e reencontro algum rolo meu antigo, por isso isto estou assim:
Alisou o pau por cima da cueca mostrando estar duro e caímos na risada.

-Tive uma ideia, que tal irmos nos refrescarmos no rio afinal TV é na cidade. Aqui tem um rio bonito e de águas cristalinas. Como aqui, lá não tem.

- Verdade vou trocar de roupa.

- Nada só põe um calção e trás a toalha, mas se quiser pegar uns pedaços de bolo da Dona Nena aí sim eu quero.

Quando voltei, meu tio estava na porta da casa só de calça sem camisa montado no cavalo.

- Vem monta aqui que quero chegar logo naquele rio e tenho um caminho mais curto, mas mais perigoso.

- Sei montar muito bem.

- Acredito! E ainda quero montar muito com você e fazer disputas, mas hoje quero outra coisa - me olhou com uma cara de safado, mas continuou após uma breve pausa – relaxar no rio. Vem vamos sem reclamar.


Apesar de querer ir no meu próprio cavalo, até que ir sentindo o cheiro do meu tio sentindo meu peito esfregar nas sua costas e meu volume cutucar a sua bunda não estava nada mal, só me deixava mais excitado.

O caminho realmente era bem acidentado cheio de buracos, mas meu tio cavalgava muito bem e rápido o que só me deixava mais orgulhoso de te-lo como espelho.

Chegando no rio meu tio foi amarrar o cavalo. Eu só de cueca entrei no rio.

- Você trouxe outra cueca?

- Não.

- Vai molhado para casa?

-       Nossa é mesmo, nem pensei nisso.

-  eu vou nadar pelado mesmo, tira essa cueca e deixa aqui no sol para secar até terminarmos já secou.

- Tenho vergonha.

- De quem, de mim ou do cavalo kkk? Larga de bobagem moleque!

Tirei a cueca e coloquei para secar.

- Eita você também tá como eu precisando de uma água fria kkkk. Disse meu tio quando me virei, pois eu estava de pau duro.




Nadamos, competimos, jogamos água um no outro até que meu tio foi tomar sol em uma pedra e eu continuei no rio. De repente ele me pega observando-o.

- E ai gostando da visão?

- Kkk bobo!

- Precisa ficar vermelho não, é normal. Já te vi me observando outras vezes. Deve estar me comparando com seus amigos, e você mesmo. Sei que é complicado conversar com isso com alguém, podem entender mal, mas comigo pode ficar sossegado, sou de boa.

- Realmente acho o Sr muito bonito. Gosto destes pelos assim, acho bem masculino. Quero ser assim como o Sr.
-
 E vai ser, já está crescendo, olha aí! Vamos combinar uma coisa, quando estivermos só nós, pode me chamar só de Pedro afinal só tenho 25 anos não sou um velhinho kkkk.

- Certo, certo Tio só o chamo assim por ser meu tio não te acho velho.

- Você já teve muitas namoradas?

- Não lá na cidade elas não curtem muito este meu estilo, me chamam de peão.

- kkkk é assim mesmo, mas sempre vai achar umas que curtem e rapazes também.
- Rapazes? O Sr quer dizer vue pega homens tio?

- Já peguei vários. Qual o problema de um cuzinho de macho e são os que chupam mais gostoso. E amo uma bela mamada. Já te chuparam?

- Sim uma vez um...

- Um rapaz?

- Sim mas foi só uma vez.

- Foi bom?

- Nossa muito.

- Vem aqui, não precisa se envergonhar de gostar de garotos, o que interessa é você ser honesto, responsável, digno e lembrar que você é homem. Acho isso muito importante ser macho mesmo de baixo ou por cima de outro macho kkk.

- Com as duas mãos em meu rosto olhando no fundo dos meus olhos meu tio me beijou, desceu da pedra e continuamos a nos beijar de varias formas, chupando os lábios, sugando a língua um do outro, com carinho, mas suave mas intenso. Meu tio me subiu na pedra, arreganhou minhas pernas e me fez um boquete maravilhoso mamando em meu pau. Aquele macho de barba chupando meu cacete lambendo da base a cabeça, passando a língua na cabecinha colocando tudo na boca. Voltou a mamar tirando e colocando tudo rápido da boca. Não aguentei muito. Percebendo as veias do meu pau engrossando, meu tio enfiou tudo na boa e em meio a meus gemidos gozei como nunca antes dentro de sua boca. Ele tomou tudo.





- Nossa que delicia Tião, você é muito gostoso. Afim de me chupar?


Respondi que sim. Meu tio se deitou em uma pedra e eu fui retribuir seu agrado. Fiz como ele, mas ele nem sinal de que iria gozar apenas gemia me dizendo que eu tinha uma boca maravilhosa que eu era um peão macho, puto, sobrinho gostoso o que me fazia chupa-lo cada vez mais.

Novamente com as duas mãos em meu rosto me beijou e me perguntou se ele podia me comer. Disse que nunca tinha feito isso. Ele me disse que seria carinhoso, poderia doer um pouquinho no inicio, mas logo sentiria muito prazer. Perguntou se eu confiava nele. Respondi que sim. Então ele me virou de quatro e me fez um cunete. Quase gozei só com sua língua me penetrando o cuzinho.

Depois de bem babado e relaxado, meu tio colocou o pau na minha abertura. Não entrou de pronto, ele forçava, parava, brincava um pouco e voltava até que entrou. Doeu um pouco, mas eu aguentei. Aos poucos voltei a relaxar . Meu tio mexia muito gostoso, lentinho me puxou o corpo para cima eu ia sentindo seu peito nas minhas costas, seus pelos roçando em mim. Nossa, meu tesão foi aumentando! Ele me colocou para cavalga-lo. Segurou em minha bunda e socava. Depois foi a minha vez de subir e descer.

Tio Pedro me colocou de frango assando e disse que iria acelerar e bombou bem rápido. Nossa, que delicia, vi estrelas. Sério, estava muito bom ainda mais vendo aquela cara de macho fazendo caretas kkk. Até que senti seu pau crescendo dentro de mim e jorrar porra quentinha. Ele ainda deu umas estocadas e me perguntou se foi bom. Eu disse que sim e ele me respondeu que também gostou muito. Voltamos para o rio nos lavamos descansamos e voltamos para a fazenda.




Nem preciso dizer que fudi muito com meu tio até o fim das férias. Transamos até em cima do cavalo montando. Nossa, foi demais! Nem mais de cueca ficávamos, agora andávamos pelados assim que Dona Nena ia embora e o caseiro Zé não estava por perto.


Mas as férias já estavam no término e eu tinha que voltar. Este seria meu último ano e mal poderia esperar pelas férias do meio do ano...



Poderá gostar também de:
Postado por Mac Del Rey | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...