Slide 1 Slide 2 Slide 3

HOMOFOBIA

O Boticário tem 1.000% mais  apoio no Twitter que Malafaia.


Anúncio inclusivo está dando um banho de aceitação frente ao ódio evangélico


O ódio travestido de “adoração a Cristo” de Silas Malafaia não colou nas redes sociais.
Segundo o jornalista Lauro Jardim, da “Veja”, a marca O Boticário teve 1.000% mais apoio no Twitter que o pastor homofóbico.

A empresa de perfumaria – que está no ar com um anúncio com casais de gays e lésbicas para o Dia dos Namorados – teve  60.542 menções, contra apenas 5.905 de Malafaia, que tentou iniciar um boicote à marca.

O vídeo dO Boticário já teve mais de 1,9 milhão de visualizações e tem recebido muito mais curtidas – 359.390 – do que desaprovações – 185.499 – até a noite de sexta-feira, 05.

Em número de impressões, ou seja, no número de vezes em que os usuários foram expostos a postagens sobre estes temas, O Boticário também goleou o pastor: 180 milhões contra 17 milhões.

Califórnia: Adolescente bissexual de 16 anos se  suicida após anos sofrendo bullying.


Jovem já havia tentado se matar antes e era perseguido desde os 9 anos


Um adolescente de 16 anos tirou sua própria vida na cidade na Califórnia, Estados Unidos, após anos sofrendo com o bullying. Ele era bissexual.

Adam Kizer foi retirado dos aparelhos que o mantinham respirando em 30 de maio, quatro dias depois dele ser encontrado enforcado com uma linha de pesca na casa de sua avó na cidade de Sonoma.



Segundo seu pai, William Kizer, o rapaz sofria bullying desde os nove anos. Quando criança, ele chegou a ser amarrado numa árvore por outros meninos que disseram que iam incendiá-lo.

“Eu não acho que o menino passava uma semana sem que alguém mexesse com ele”, disse William ao jornal “The Press Democrat”.

A perseguição era tanta que a família se mudou de cidade, para Sonoma, mas o bullying continou. Adam passou a sofrer de depressão e estresse pós-traumático e chegou a ser expulso da escola.

Ele passou meses num sistema de justiça juvenil e uma semana antes de sua morte, ele foi encontrado com os pulsos e o rosto cortado.

Os professores do colégio disseram que não sabiam nada sobre o bullying, mas o pai culpa a escola, o sistema juvenil público e funcionários do departamento de saúde mental por omissão e considera entrar com uma ação legal contra eles.

Casal gay é preso no Marrocos  por se beijar em público.


Beijo gay aconteceu no minarete da Torre Hassan, na capital marroquina, Rabat


Dois homens marroquinos sentiram o peso da intolerância em seu país. Eles foram presos por se beijarem em público, segundo informaram as autoridades locais na quinta-feira, 04.

De acordo com a Agência France-Press, na quarta-feira, 03, houve ação do grupo Femen contra a criminalização da homossexualidade no Marrocos.

O Ministério do Interior marroquino indicou em um comunicado que dois cidadãos do país foram presos por “exposição indecente”. No Marrocos, o artigo 489 estipula que a homossexualidade é passível de uma pena de até três anos de prisão.

Os dois homens presos beijaram-se
 na esplanada da Torre Hassan, que tem vista para um minarete muito simbólico de uma mesquita em Rabat, informou o site Goud. Na quarta-feira, duas francesas do Femen protestaram mostrando seus seios e beijando-se no mesmo local.

Detidas no aeroporto de Rabat após a ação, foram expulsas para a França com a “proibição de entrar no território” marroquino. Além disso, o ministério do Interior informou que uma espanhola foi presa por apoiar a ação dos Femen e foi expulsa na quarta-feira.

As autoridades marroquinas também denunciaram “uma série de manobras provocativas e de assédio realizadas por organizações estrangeiras contra as leis marroquinas, o que vai de encontro aos princípios sociais e religiosos, e minam a moral”.

Adolescente gay é espancado por  pai e irmão no interior de SP.


A própria mãe do jovem denunciou a agressão à polícia


Um adolescente de 14 anos foi espancado pelo pai e irmão apenas por causa de sua orientação sexual. A denúncia partiu da própria mãe do jovem.

A mulher, que mora no bairro Esplanada Primo Meneghetti, em Franca, interior paulista, afirma que o assédio começou desde que o menino revelou sua orientação sexual.

Segundo o portal “GCN”, na noite de quarta-feira, 03, a família se reuniu na casa dos avós do adolescente, que se isolou em um quarto. Em dado momento, o pai e o irmão dele foram ao quarto e, após uma breve discussão, passaram a agredi-lo, ocasionando lesões em seu corpo.

O caso foi registrado no Plantão Policial, na manhã de quinta-feira, 04, e o adolescente orientado a procurar atendimento médico.

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...