Slide 1 Slide 2 Slide 3

NOTICIAS DO MUNDO GAY

Parlamento Europeu aprova  reconhecimento às 'famílias gays'.


Entidade já havia lembrado que há cada vez mais países que legalizam a união homossexual


Pela primeira vez o Parlamento Europeu usou o termo “famílias gays” e aprovou, por larga maioria, na terça-feira, 09, um relatório que as reconhece e que afirma que seus direitos devem ser garantidos.

“O Parlamento recomenda que as normas neste sentido (incluindo as suas implicações no âmbito trabalhista, como nos vencimentos, etc.) levem em consideração os fenômenos como as famílias monoparentais e gays”, recomenda o texto no primeiro parágrafo, de acordo com a Agência Ansa.

Em março passado, a entidade lembrou que há um número cada vez maior de nações que aprovam a união entre homossexuais e incentivou os países-membros a aprovarem uma legislação neste sentido.

Países homofóbicos podem  perder a Copa do Mundo.


A super gay friendly Inglaterra pode conquistar a sede da próxima Copa


A Rússia e o Catar podem perder a Copa do Mundo se forem comprovadas corrupção durante a escolha de ambos os países como sede do torneio de futebol em 2018 e 2022, respectivamente.

A entidade máxima do esporte – a Fifa – vive um escândalo sem precedentes com vários de seus dirigentes presos. A Copa da África do Sul, em 2010, por exemplo, é investigada porque há denúncia de que o país comprou o direito de sediar o torneio.

Tanto a Rússia quanto o Catar tem leis homofóbicas. Se ficar comprovado que ambos os países também ofereceram dinheiro para sediar o evento, as duas próximas Copas devem ir para Inglaterra e Austrália.

Homossexualidade deixará de ser crime em Moçambique.




A revisão do Código Penal (CP) moçambicano foi realizada no mês mês de dezembro e entrará em vigor no próximo dia 29 de Junho. Na revisão do CP, promulgada pelo Presidente Filipe Nyusi, são revogados artigos que levantavam dúvidas sobre medidas a aplicar no caso de relações entre pessoas do mesmo sexo.

O CP deste país datava de 1886 e instava a aplicar medidas de segurança "aos que se entreguem habitualmente à prática de vícios contra a natureza" (artigos 70 e 71). A interpretação destes artigos poderia levar a criminalizar as relações entre pessoas do mesmo sexo com penas de trabalho forçado até três anos.

Nos últimos anos o trabalho da associação moçambicana Lambda, que promove a defesa dos direitos das pessoas LGBTI, foi fundamental para sensibilizar outras organizações da sociedade civil e instituições do Estado.

No entanto, a mesma associação alerta que, apesar de a partir de Junho as relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo passem a ser legais, "tal não significa que os direitos das pessoas LGBTI estejam salvaguardados com igualdade. Em declarações à Agência de Informação de Moçambique os responsáveis da Lambda fazem saber que "O nosso principal objectivo é levar à mudança na sociedade e que esta se torne mais favorável à liberdade de orientação sexual e identidade de género."

"O silêncio do Estado Moçambicano legitima a discriminação e dá força aos estigmas a que as pessoas LGBT estão sujeitas nas suas comunidades, locais de trabalho, escolas, etc." reforçou o grupo de activistas.


"Acima de tudo, perpetua-se a ideia que os cidadãos LGBTI são menos importantes do que os outros moçambicanos , colocando-os numa situação de inferioridade, desvantagem e desigualdade".

Em 2007 o país já tinha aprovovado uma Lei de Trabalho que protegia os trabalhadores contra a discriminação com base na orientação sexual.

Apesar deste avanço em Moçambique continua a haver 78 países no mundo que criminalizam a homossexualidade.

Companhia aérea americana  dá descontos para gays.


Empresa disse ser comprometida com a comunidade LGBT


Uma companhia aérea norte-americana está enfurecendo os conservadores e ganhando aliados dentre os LGBT. A Alaska Airlines anunciou descontos em dias de eventos arco-íris em várias cidades do país.

A promoção não é apenas para os LGBT, claro, mas é voltada a eles. Há descontos em passagens para quem for participar da parada gay de Los Angeles, Boston e Nova Orleans, dentre outras cidades.

“Na Alaska, temos sido apoiadores de longa data da comunidade LGBT e continuamos comprometidos com uma sociedade mais justa”, disse a empresa. “Com este objetivo, temos uma seção em nosso site em que destacamos destinos em que apoiam o casamento gay, paradas do orgulho e destinos gay friendly por todo o país.”

Sites republicanos (os mais conservadores) criticaram a promoção afirmando que ela é discriminatória. Mas não há nem uma lei no país que proíba a prática, até porque nem só os LGBT poderão utilizar dos descontos.

Futebol: Jogador é expulso do campo depois de chamar oponente de gay.




Um incidente neste finald e semana em um jogo da segunda divisão de futebol da Noruega virou destaque em todo o mundo. Ao flagrar o atacante Simen Juklerød do Bærum chamar o zagueiro do time oponente Sandnes Ulf de gay durante uma cobrança de falta, o árbitro Anders Gjemhus não pensou duas vezes e deu um cartão vermelho para o ofensor. A situação gerou confusão mas o atleta expulso apoiou a decisão do juiz. Na hora ninguém entendeu nada mas o caso virou um bom exemplo de como combater o preconceito no futebol e o juiz já é visto como herói por barrar a homofobia.

“Lamento o que disse. Nunca foi minha intenção ofender ninguém. Aconteceu no calor do jogo. Muita coisa é dita durante os jogos e eu fui um pouco longe demais. Quando você diz algo como o que eu disse, deve ser punido. O árbitro fez o que estava certo”, afirmou o atleta para a imprensa depois do jogo.

Na súmula do jogo o juiz não registrou a homofobia mas classificou o comportamento de Simen como ofensivo e inapropriado.  Em comentário a imprensa, o juiz afirmou que já havia dado cartão amarelo, de advertência, em outra situação similar no pasado e que decidiu usar o vermelho, de expulsão, desta vez para mostrar que tal comportamento preconceituoso é inaceitável no futebol.

CURITIBA: Violência!- Jovem de 18 anos tem braço e dentes quebrados por homofóbicos em Curitiba.




Patrick Xavier, 18 anos, foi vítima de homofobia ao sair de um clube voltado para o público LGBT em Curitiba no último domingo (7). Com a agressão, ele teve o braço e os dentes quebrados.

Segundo pessoas próximas da vítima, Patrick esteve num clube noturno com amigos, mas voltou para a casa sozinho. Foi durante o percurso que ele foi abordado por homens, que o ofenderam e o agrediram.

Ele teve os dentes quebrados, o braço quebrado e parte da boca furada com as agressões.




Em postagem no Facebook, a mãe Clau Motta publicou uma foto com a frase: "Meu filho, com braço e dentes quebrados por pessoas que só querem fazer o mal. Malditos homofóbicos".

De acordo com ela, que esteve no Hospital do Trabalhador ao lado de Patrick, o preconceito é um mal da sociedade, mas admitiu que a "dor é muito maior quando machucam nossos filhos".

Nas redes sociais, pessoas próximas se solidarizaram com o jovem e a mãe. E lamentaram o fato de não ter uma lei que criminalize a homofobia.

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (1) Comente aqui!

Um comentário:

  1. Triste. Lamentável, desumano, monstros, bichos, nem bichos podem ser, porque bichos ainda tem mais inteligência que muitos desses homofóbicos "bandidos". Que a justiça seja feita.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...