Slide 1 Slide 2 Slide 3

MINHA VIDA GAY

'Eu sempre soube que tinha atração  por caras', diz Tom Daley.


Atleta diz que ainda sente atração sexual por mulheres


O atleta de saltos ornamentais Tom Daley falou sobre sua sexualidade ao jornal “The Guardian”. Ele disse que sempre soube que tinha atrações por homens, mas que tudo se intensificou quando o conheceu o namorado, o roteirista Dustin Lance Black.

“Eu sempre soube que eu tinha que atração por caras, mas eu pensei que era uma coisa comum, sentir-se atraído por rapazes e moças. Foi só quando eu conheci Lance que comecei a ter sentimentos tão fortes”, contou o esportista.

Daley revelou que o amado, que sempre foi assumido, nunca pediu para que ele saísse do armário. “Ele era a favor, mas nunca chegou ao ponto de dizer: ‘Você deveria fazer algo para se assumir’. Ele apenas estava sempre lá, como apoio. Em nenhum momento ele foi insistente.”

O gatinho também disse que evita rótulos e que não se define como gay ou bissexual. “Eu não coloco nenhum rótulo específico em nada disso porque agora eu estou em um relacionamento com um rapaz, mas eu ainda tenho sentimentos sexuais em relação às meninas”, revela.

Eu sempre soube que eu tinha que atração por caras, mas eu pensei que era uma coisa usual, sendo atraídas para rapazes e raparigas. Foi só quando eu conheci Lance comecei a ter sentimentos tão fortes “.

As fantasias de Souza.




POR: MVG

Relato pessoal do leitor Souza:

Em 2013 tive um relacionamento sério muito bacana, bonito. Até que em um dia pus tudo a perder, com a minha imaturidade, um dia, apenas um dia! Tinha ido passar um final de semana em Araruama e encontrei um amigo da cidade que fazia tempo que não o via. Papo vem papo vai… ele sabia que estava namorando, que eu estava bem tranquilo, até que ele começou a aproximar de mim… numa outra semana em conversa por mensagem, fui a cidade novamente vê-lo. Ficamos 1, 2, 3 até 4 vezes. Foi o suficiente, para eu por tudo a perder! Me envolvi com ele, cheguei na outra semana, chamei meu namorado, de um relacionamento de quase 2 anos e pedi pra terminar. Ele quieto, apenas disse: “Tudo bem”. E em uma semana já estava com o outro, em minha casa morando juntos.

A vida nos ensina e como! Em menos de um ano esse rapaz apenas quis se fazer em cima de mim, enquanto precisava de mim, ótimo… depois saiu de casa inventando um monte de mentiras; descobri traição e acumulei uma dívida enorme! Em 2014 entrei em contato com a irmã do meu ex e ela tinha me dito que ele sofreu bastante, entrou um pouco em depressão e chorava bastante… Baseado na informação, entrei em contato com meu ex, pedi perdão, disse o que tinha acontecido, que passei por problemas de família, que queria protegê-lo etc… ele, muito educado, me atendeu e ficou em silêncio. Como ele trabalha como técnico de enfermagem, pediu para que eu desligasse devido ao horário de trabalho.

Passado uns meses veio o Natal a irmã o colocou no telefone, e novamente foi muito educado, me escutou, ele já estava namorado (a irmã dele já tinha me dito). Mesmo assim, pedi perdão, implorei, para que ele pudesse ter um tempo para conversarmos, tentar alguma coisa. Aí veio o aniversário dele, mandei uma foto minha com dizeres de parabéns. A irmã disse que ele gostou e abriu um sorriso. Fora que ela conversa bastante com ele, quando entra no assunto ele se emociona, fica mau sem falar nada, e também teve um tempo que ele pegou o telefone dela para ver as nossas conversas no WhatsApp, por curiosidade talvez.

Enfim… tô vivendo minha vida, sinto falta dele e aprendi com a vida, e como! A irmã sabe o quanto quero uma reaproximação, quero voltar, também sem pressão. No respeito, dignidade, mesmo sabendo que ele está namorando ou ficando com outro rapaz, é difícil ficar com outro ou ter um sentimento por alguém. Não consigo olhar outra pessoa com carinho, apenas com a intenção de aproveitar um noite de carência, prazer.

Para absorver esse sentimento tenho estudado, ido a academia, não consigo as vezes me arrumar para sair. Prefiro ficar em casa (rotina: trabalho – academia – estudo) final de semana em casa. Além disso tudo em um rapaz de 18 anos que treina comigo, liga pra mim dizendo que está me esperando pra treinar, todo vaidoso. Vire e mexe sempre temos uma conversa de intimidade, ele chegou até dizer que sou bonito etc e tal… numas dessas, cheguei até dizer que ele é gato, vaidoso, estiloso, (e sem hipocrisia, ele é muito bonito e olho pra ele sim). Numa foto no Instagram pediu minha opinião e respondi: “tá gostoso, hein?”. Ele é hétero, fala de mulher etc e tal…. ainda diz que é virgem! Vixe! O pensamento vai lá no céu! Rs. Sei que estou carente, preciso tomar cuidado pra eu não querer ficar com ele, por estar muito próximo a mim todo os dias. Amo meu ex. Vou lutar por ele aos poucos, tendo uma “ajuda” da irmã. Obrigado pela atenção. Eu tenho 35 anos e meu ex tem 23 anos.

E o MVG comenta:

Oi Souza, tudo bem?

As situações que você vive são legítimas, muito corriqueiras para falar a verdade. Tem muito mais a ver com nível de maturidade do que, propriamente, com situações relacionadas ao gay. E a vida ensina mesmo, ensina quando a gente faz acertos e ensina quando cometemos erros.

O que me chamou atenção foi o final da sua história, o fato de você ter 35 anos e o seu ex ter 23. Reforça bastante uma ideia que sempre levei comigo: idade não corresponde necessariamente à maturidade. No seu caso (rs) o molecão parece ser você! E existe algo realmente errado nisso? No meu ponto de vista não.

Certamente você entrar numa “bagunça” com seu amiguinho virgem e hétero terá grandes chances de te colocar numa situação mais enrolada. Noto que você é deveras impulsivo, fato é que você trocou seu namorado em dias por uma intensidade qualquer com um conhecido da cidade. Daqui a pouco estará de rolo com esse amigo da academia. E aí vem a pergunta: tem algo de errado?

Respondo de novo: não. As intensidades do começo de um relacionamento são incríveis, não é mesmo? Nos sentimos jovens, vivos e o encantamento pelo outro parece nos tirar os pés do chão. Mas será que essa fase, apesar de anestesiante, principalmente quando se é correspondido, banca um relacionamento? Fica aí para você responder…

Não vejo mal em você, apesar de 35 anos, ter um perfil mais “moleque”, até infantil eu diria. Até em sua postura de envolver a irmã do seu ex, para que ela tome seu partido e te ajude a reconquistar o irmão, vejo um certo ar juvenil. Mas diante de tudo isso, a dúvida que fica é se as expectativas que ele tem de você e você tem dele correspondem hoje. Não sinto que realmente tenha a ver com perdão, no sentido de perdoar o que passou. Aliás, no momento que seu ex recebeu a foto e lançou um sorriso, creio que uma parte boa já tenha sido perdoado. A questão me parece a ver com idealizações: você ainda está preso a um ideal do que foi seu namoro de dois anos. O seu ex, as duras penas, caiu na real, se decepcionou com você e acabou amadurecendo de outra forma, uma forma que fez enxergar qual é da vida realmente.

Em outras palavras, talvez você viva de fantasias ainda, de expectativas de um passado que já se foi, mas que ficaram preservadas na sua memória justamente porque sua experiência seguinte foi “trágica”. Você tinha o bem-bom, achava que teria algo melhor com o rapaz da cidade e no final caiu do cavalo. Ficou a lembrança do que era bom antes da troca. Já seu ex viu tudo por outro ângulo: ele foi trocado. Ele se permitiu chorar, ficar mal, viver o luto (aprender com a perda), “renascer” e tocar a vida mais amadurecido. Está vivendo um novo relacionamento e respeitando cada etapa humana que lhe é legítima.

A mim, parece que você ainda vive da lembrança e, como oriento boa parte dos leitores que vêm com histórias presas à expectativas do passado, você não consegue viver o hoje e muito menos se libertar para o amanhã. Seria bom você livrar-se das culpas que carrega. O fato de você ficar tranquilo em casa num esquema “escola, cinema, clube e televisão” não vai garantir o retorno de algo que já passou. Entende? O que você quer não existe mais. Impossível desprezar o que veio depois, mesmo que se haja o perdão. Somos um acúmulo de atos e efeitos.

Agora, o menininho virgem da academia, bem… nada tem a ver com essas histórias. Você está solteiro, desimpedido e ele pode muito bem ser sua “marmita” e vice-versa. De qualquer forma, no contexto que você me falou, não deixa de ser um rolo. Se você se encantar demais, na velha e boa tragédia cômica do “gay que fica apaixonado por um amigo hétero”, muito comum entre nós, você se deparará de novo em mais um rolo.

Controle suas impulsividades, meu querido Souza. Nem oito e nem oitenta. Essa consciência pode ser um ponto de partida importante para que você se envolva com as pessoas de uma maneira diferente. Caso você queira, óbvio.

Um abraço,

Flávio.

Homens perfeitos, sunguinhas e pegação no parque aquático gay de Tel Aviv.


Aí que emoção! Estou com o coração partido! É que a gente acabou de publicar o último vídeo do “Põe na Mala – Destino Tel Aviv”. Pra quem não viu, nós do Põe na Roda viajamos para Israel e mostramos como os gays vivem bem naquela região do Oriente Médio.

Foram 8 dias incríveis, onde encontramos liberdade, diversidade, inclusão, amigos novos e muita cultura. E para finalizar com chave de ouro, reunimos homens lindos, turistas do mundo todo e israelenses magia no parque aquático gay mais bafo do planeta.

Além disso, temos o Centro de Informação Gay, num dos parques centrais da cidade e um grupo de gays idosos e mega otimistas que vão mudar a sua maneira de encarar a vida!

Confira…




Clipe LGBT: Duong Tri?u Vu em "Mu?n Màng".


Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (2) Comente aqui!

2 comentários:

  1. Referente ao relato do Souza, são consequências da vida em que cada um tem o que merece...
    Se eu fosse o ex dele eh não voltaria.
    O cara já sofreu, além disso está em outra, namorando....
    Mas são com os erros que aprendemos.


    ResponderExcluir
  2. Eu acho que e´um problema do próprio relacionamento. E´ muito raro encontrarmos casais fidelíssimos, salvo algumas poucas excessoes, na qual existe o tal desgaste dentro do relacionamento. Mas são experiências que em algum momento da vida, todos passam, sejam em namoros ou casamentos. Dependendo, podem voltar ao relacionamento, mas não sera igual a aquele momento anterior do rompimento. O MVG, mostrou isso e realmente, Sousa esta preso as memorias dos momentos felizes que viveram. Creio que ao retornarem (caso ocorra), haverá um que de desconfiança e ambos se fortaleceram através dessa experiencia. Contudo, não que não de certo, mas ambos terão um relacionamento diferenciado ao da 1 vez. Como em todos os relacionamentos, so o tempo dirá.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...