Slide 1 Slide 2 Slide 3

NOTICIAS DO MUNDO GAY

PESQUIZA: Americanos preferem votar em  quem defende direitos LGBT.


Estudo entrevistou pessoas que votarão nas próximas eleições


Uma pesquisa divulgada na quarta-feira, 22, mostrou que os norte-americanos estão mais propensos a votar em políticos que defendem os direitos humanos.

Segundo o estudo, 59% dos eleitores estão menos propensos a votar em quem não apoia esses direitos e 27% disseram estar mais propensos e 9% responderam que isso não faria diferença.

A pesquisa realizada pelo Greenberg Quinlan Rosner Research ouviu 950 pessoas a respeito das eleições presidenciais no país em 2016.

Itália paralisa projeto de  lei sobre casamento gay.


Projeto foi paralisado, mas pode ser votado ainda este semestre


A Itália paralisou, na quarta-feira 22, um projeto de lei que trata do casamento entre pessoas do mesmo sexo. O motivo foi o atraso na entrega de um documento pelo governo.

Segundo a Agência Ansa, na semana passada, o Partido Democrático, liderado pelo premier Matteo Renzi, havia anunciado uma “aceleração” na tramitação no Senado de uma iniciativa que legaliza as uniões homossexuais no país.

Entretanto, como o Ministério da Economia ainda não disponibilizou um documento sobre a cobertura financeira da medida, as discussões na Comissão de Justiça do Senado foram interrompidas.

Na terça-feira 21, a Corte Europeia de Direitos Humanos condenou a Itália por ainda não ter legalizado o casamento gay.

A expectativa é que o texto seja votado em plenário antes da pausa legislativa de verão, no início de agosto.

Violação de direitos: Corte Europeia condena Itália por  não legalizar casamento gay.


Corte determinou que país aprove legalização da união homossexual


A Corte Europeia de Direitos Humanos ordenou que a Itália legalize o casamento gay, de acordo com uma decisão divulgada na terça-feira, 21 que condena o país por violação de direitos de três casais homossexuais.

Segundo a Agência Ansa, a sentença baseia-se no descumprimento do artigo 8 da Convenção Europeia dos Direitos do Homem e afirma que a Itália não respeitou o direito à vida privada e familiar dos casais, que há anos vivem juntos em uma relação estável.

Os casais que processaram a Itália vivem em Trento, Milão e Lissone. Eles tinham feito a solicitação às Prefeituras locais para que pudessem se casar no civil, mas tiveram seus pedidos negados. O Estado italiano terá que pagar cinco mil euros a cada por danos morais.

Além disso, a decisão da Corte estabelece que a Itália adote medidas legais que reconheçam as uniões homossexuais. “A proteção legal disponível atualmente não só deixa de garantir as necessidades fundamentais a um casal em relação estável, como também não dá certezas suficientes”, afirmou o texto da sentença.

Taiwan vai elaborar lei de parceria  civil para casais de mesmo sexo.


Projeto de lei será posto em votação on-line para ouvir público


O Ministro da Justiça de Taiwan afirmou que vai elaborar uma lei para a parceria civil entre pessoas do mesmo sexo.

Lo Ying-hsueh disse que o projeto de lei será colocado em votação on-line e que o resultado será usado como referência para a legislação.

Um pesquisa de 2013 mostrou que 53% dos habitantes do país são favoráveis à união homossexual.

O único país da Ásia que possui legislação semelhante é Israel, que além disso reconhece casamentos homossexuais contraídos em outros países.

Texas (EUA): Rapaz de 20 anos é acusado de  bater no namorado até a morte.


Crime aconteceu na madrugada de sexta-feira, 17, no Texas


Um rapaz de 20 anos está sendo acusado de bater no namorado até a morte no Texas, Estados Unidos.

Após voltarem da balada na cidade de Austin, Bryan Canchola começou a brigar com o namorado, Stephen Sylvester, de 18 anos.

O colega de quarto de Bryan disse à polícia que acordou às 4h13 da manhã da sexta-feira 17 ouvindo uma batida violenta e o cachorro de Stephen chorando de dor.

Depois, ele disse que ouviu Bryan gritar “Por que você me traiu” e o namorado defender o cachorro, “Deixe o cão ir embora”.

O amigo levou Stephen para um hospital, mas ele voltou antes de receber tratamento. Lá, Bryan chamou a polícia, às 5h15, e relatou que havia brigado com o namorado e que ele estava inconsciente.

Quando o resgate chegou, Stephen já estava morto. A autópsia revelou que ele teve uma hemorragia no cérebro, uma fratura de pescoço e sofreu tentativa de estrangulamento. O cão também sofreu tentativa de estrangulamento. Bryan está preso.

Transexuais já podem ser tratados pelos nomes sociais em estabelecimentos públicos e privados.




Um simples ofício lhes garante o direito ao uso e ao tratamento pelo nome social em estabelecimentos públicos e privados

Transexuais deverão ser tratado(a)s pelos seus nomes sociais, mesmo sem a mudança de gênero na identidade civil. Agora, um simples ofício emitido pela Defensoria Pública lhes garante o direito ao uso e ao tratamento pelo nome social por órgãos e repartições públicas, bancos, estabelecimentos comerciais, hospitais, escolas, faculdades e empresas.

Para a defensora pública Lívia Casseres, coordenadora do Núcleo de Defesa da Diversidade Sexual e Direitos Homoafetivos da Defensoria Pública, a medida evitará constrangimentos dos que esbarram com problemas na Justiça para a mudança de nome. “Como não há nenhuma regra que oriente o juiz a mudar o nome de transexuais, cada um decide de algum jeito. Alguns negam a mudança, outros exigem que a pessoa tenha feito a operação de mudança de sexo para a troca de nome”, disse.

A defensora ressalta que, apesar do ofício ter caráter de “recomendação”, caso ele seja desrespeitado, o órgão pode acionar o judiciário para que seja cumprido. A transexual Esther Morgannah, de 50 anos, que tenta há três anos mudar de nome, disse que o ofício lhe permitiu ser tratada pelo seu nome social em um curso no Senac.

“Antes, eu chegava na sala e o professor dizia que meu nome não estava na chamada, já que constava o meu nome biológico. Por isso, tinha que mentir, dizendo que era conveniada pela prefeitura. Agora, eles foram obrigados a incluir meu nome social na pauta”, disse a estudante de turismo. O ofício também ressalta que qualquer ato de discriminação contra transexual enseja responsabilidade civil e criminal.

Jovem diz ter apanhado em banheiro de supermercado por ser gay.




Um rapaz de 26 anos publicou um vídeo em uma rede social revelando que foi agredido dentro do banheiro de um supermercado, em Bauru (SP), por ser gay. Segundo o representante de uma empresa de cosméticos, Pedro Henrique Guimarães, a agressão gratuita foi provocada por um homem que trabalha no comércio (veja o vídeo completo aqui).

“Eu estava sozinho no banheiro. Quando deixei a cabine, o rapaz chegou me empurrando e deu dois chutes”, disse o jovem em entrevista ao G1. O caso foi no sábado (18), por volta das 12h30. Pedro chamou a Polícia Militar e fez boletim de ocorrência na delegacia da cidade. A polícia vai investigar o caso.

O G1 entrou em contato com o supermercado Paulistão, unidade da avenida Getúlio Vargas, onde teria acontecido a agressão, e o gerente informou que eles estão apurando o caso.

Conforme Pedro, o suposto agressor fazia a segurança do supermercado. “Eu comprei algumas coisas no mercado e depois fui ao banheiro. Além de me agredir, o rapaz disse que eu não deveria estar ali, que não era lugar de gay. Não era por ser cliente do mercado que precisava estar ali. E disse ainda que era para eu imaginar a situação de um pai entrar com uma criança e encontrar um 'viado' no banheiro”, relata o jovem.

Segundo Pedro, havia dois rapazes, um com uniforme do supermercado e outro sem. O que o agrediu estaria sem o uniforme. O outro ficou acompanhando, sem fazer nada, apenas impediu que o agressor desse um soco com uma caneta.

Depois do episódio no banheiro, Pedro contou que saiu nervoso, falando alto, pedindo Justiça, e alguns clientes acompanharam. “Eu disse que iria chamar a polícia, e ele [agressor] falou: ‘Pode chamar. Quer ligar do meu celular?', debochando”. Foi quando chamou a Polícia Militar, que o orientou a registrar boletim de ocorrência da delegacia.

Ainda de acordo com a vítima, um cliente do mercado deu apoio e foi junto com ele até a delegacia para fazer o boletim de ocorrência.“Ele estava fazendo compras e ficou indignado. Ficou comigo no mercado e ainda me levou na delegacia.”

Além de registar boletim de ocorrência, Pedro pediu apoio das pessoas em sua página no Facebook. O vídeo teve mais de 34,6 mil visualizações até a tarde desta segunda-feira (20). “Fiz o vídeo pensando nos lugares que os gays vão, para evitar lugares que tratam dessa maneira. Não estava pelado, não fiz nada, não mexi com ninguém. Foi violência gratuita”, explica Pedro.

O boletim de ocorrência foi registrado como injúria e vias de fato. De acordo com informações da Polícia Civil, os suspeitos serão identificados e ouvidos.

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...