Slide 1 Slide 2 Slide 3

CONFISSÕES DO DIVÃ





Os textos apresentados nesta seção buscarão ilustrar situações, angústias, problemas e experiências vivenciadas por alguns homens gays. Não existem experiências universais, comuns a todos os homens gays, cada um de nós é constituído e atravessado por diversas características que tornam a sua experiência única.  Nossa principal ideia aqui é pensar em possibilidades de enfrentamento para as questões aqui representadas, que em menor ou maior grau podem ser semelhantes com alguma das histórias vivenciadas por você. Essas histórias não são uma representação literal de histórias reais e sim textos fictícios.


O Dr. Alexandre é formado em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Atua como psicólogo clínico no Espaço Recontar na região de São José / SC. Fundamenta seu trabalho pelos princípios da Psicologia Sistêmica. Compreender os fenômenos psicológicos sistemicamente significa, literalmente, “colocá-los” dentro de seu contexto, estabelecendo a natureza das suas relações.


Você pode fazer perguntas e sugerir temas que nosso psicólogo responderá com todo prazer.

Bem, vamos ao tema de hoje:

Meu namorado tem duas filhas e estou de ‘saco cheio’ do comportamento delas!

Alexandre de Souza Amorim, Psicólogo
alexandresouza.psicologo@gmail.com





Tenho 27 anos e meu namorado tem 39. Ele foi casado durante alguns anos com uma mulher e desse casamento teve duas filhas (uma com 10 e outra com 16). Recentemente, eles decidiram por ter a guarda compartilhada e agora minhas enteadas ficam conosco de durante 15 dias (todo mês). Não vejo a hora de elas irem embora, ultimamente tem sido um grande sacrifício. Não tenho paciência com elas, não mais. A mais velha fica dias inteiros assistindo televisão, ouvindo música ou ao computador. Só faz a cama porque não abro mão, mas ainda preciso ficar mandando se vestir e tomar banho. E só o faz depois de pedir umas cinco vezes. Já conversei com meu namorado, que me diz: "Você só fica bem implicando com elas"... Não é verdade. Nunca briguei ou discuti com elas... Há cerca de quinze dias ele reparou e comentou não achar normal que principalmente a mais velha fique tanto tempo com as tecnologias da casa. Porém, quando foram embora, disse-me que não acha certo diminuirmos o uso das tecnologias por elas... Ele não percebe que não é normal que elas não façam NADA. O simples fato de arrumar o quarto, pôr ou tirar mesa, praticar alguma atividade física, conversar mais conosco... Parece-me fundamental como cuidado. Não sei como lhe explicar, penso em desistir do nosso namoro mas amo muito ele.
Iago, 27 anos
           

Ser padrasto ou madrasta é sempre um imenso desafio. Por um lado, estão lá os afetos e a vontade de desenvolver laços emocionalmente saudáveis; por outro, há quase sempre algum "nevoeiro" em relação à definição de papéis e à gestão das regras e da disciplina.

Gostaria de começar chamando a sua atenção para o comportamento da sua enteada mais velha e fazer uma importante consideração. De um modo geral, não é de hoje que qualquer adolescente de 16 anos passa o tempo livre entre a televisão e o computador, particularmente se estiver longe dos amigos/ colegas de escola. Assim, o fato de a sua enteada se isolar não implica uma atitude de hostilidade.

Quanto às regras e à disciplina, gostaria de chamar a sua atenção para duas coisas. Em primeiro lugar, existe o risco de os “suas regras” ou sugestões serem vistas/sentidas como críticas ou ataques pessoais, e não como queixas legítimas. É provável que o seu marido não esteja tão atento às tarefas domésticas ou ao acréscimo de atividades importantes para acrescentar no dia-a-dia com as filhas, talvez por isso sempre que você se exalta é visto como a pessoa que "sempre esta implicando". É importante centrar-se em situações ou comportamentos específicos, evitando generalizações. Por exemplo: "Não gostei que a "X" levantou da mesa sem nos ajudar porque isso faz com que me sinta mais cansado. Preferia que cada um lavasse o seu prato".

Em segundo lugar, a gestão da disciplina depende do reconhecimento dos dois membros do casal de que é necessário estabelecer algumas regras. Este esquema pode incluir recompensas e castigos e inclui alguns passos:


1) Definir claramente as tarefas a desempenhar por cada uma das filhas. Por exemplo: uma deve pôr a mesa e a outra deve retirar (diariamente).

2) Definir claramente os comportamentos que possam ser encarados como "falhas". Por exemplo: deixar louça espalhada pelas diferentes cômodos da casa.

3) Definir claramente o número de sucessos e insucessos necessários para que as recompensas sejam conquistas e os castigos aplicados.

4) Definir claramente (de forma realista e exeqüível) as recompensas / os castigos a aplicar (Ex. Recompensa: Pode assistir TV por tantas horas... Ex. Castigo: Ficará sem usar a internet por tantas horas).

Essas são apenas algumas sugestões, sobretudo é importante que você mantenha o dialogo constante com seu companheiro e também com as meninas.







Poderá gostar também de:
Postado por Mac Del Rey | (3) Comente aqui!

3 comentários:

  1. Infelizmente, neste "atrito" você correrá o risco de perder seu namorado, pois muitos colocam filhos em primeiro lugar ( o que acho justo), além disso, você sabia que ele tinha filhos, que consequentemente o convívio seria inevitável.
    Nada melhor do que um bom diálogo, ceder certas coisas, e fazer ele compreender tal situação, e caso as meninas sejam muito mimadas, aí a questão muda, visto que nada pior do que filhos mimados em que os pais digam "sim" pra tudo...
    Talvez, seja necessário várias conversas, o que é natural, aos poucos acredito que vocês vão se entendendo.
    Boa sorte!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com o Ro Fers e com o que o psicólogo disse acima. É preciso muito dialogo e negociação para chegar em um entendimento em que todo mundo tenha sua situação considerada. Mas vale lembrar que é preciso haver concessão também, você tem que ceder um pouco. A vida é isso.

      Excluir
  2. Embora eu concorde com todas as opiniões, há ainda a alternativa de se juntar a elas e deixar rolar a coisa como elas querem sem se aborrecer, quem sabe assim o seu parceiro venha perceber a má educação dada por ele as suas filhas. E em último caso ainda há outra: a de você se afastar sempre dele no período em que ele estiver com elas e programar encontros só os dois, vc e seu parceiro bem longe do caos. Iago, boa sorte com a sua família.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...