Slide 1 Slide 2 Slide 3

CONFISSÕES DO DIVÃ








Os textos apresentados nesta seção buscarão ilustrar situações, angústias, problemas e experiências vivenciadas por alguns homens gays. Não existem experiências universais, comuns a todos os homens gays, cada um de nós é constituído e atravessado por diversas características que tornam a sua experiência única.  Nossa principal ideia aqui é pensar em possibilidades de enfrentamento para as questões aqui representadas, que em menor ou maior grau podem ser semelhantes com alguma das histórias vivenciadas por você. Essas histórias não são uma representação literal de histórias reais e sim textos fictícios.

O Dr. Alexandre é formado em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Atua como psicólogo clínico no Espaço Recontar na região de São José / SC. Fundamenta seu trabalho pelos princípios da Psicologia Sistêmica. Compreender os fenômenos psicológicos sistemicamente significa, literalmente, “colocá-los” dentro de seu contexto, estabelecendo a natureza das suas relações.

Você pode fazer perguntas e sugerir temas que nosso psicólogo responderá com todo prazer.

Bem, vamos ao tema de hoje:


Nunca estou satisfeito sexualmente, sempre quero mais!
 Alexandre de Souza Amorim, Psicólogo
alexandresouza.psicologo@gmail.com




Olá doutor! Tenho 36 anos, sou exclusivamente passivo, moro sozinho e atualmente estou solteiro. Meu problema é meio constrangedor e nunca me abri sinceramente com alguém, eu tenho um apetite sexual muito intenso e insaciável. Nunca estou satisfeito sexualmente, sempre quero mais. Quando fico alguns dias sem sexo fico muito ansioso e irritado. Tenho por hábito me masturbar de duas a três vezes por dia, mesmo quando estou namorando. Já tentei me controlar, mas é muito difícil... Sinto que vou explodir se não transar com alguém. Acho que tenho algum tipo de distúrbio, doença, não sei. Sou um bom profissional, um bom amigo, um bom colega, mas um péssimo namorado. Meus relacionamentos não duram mais de dois anos. Quando solteiro, saio à caça quase todos os dias, já tentei mudar, me ocupar lendo livros, fazendo outras coisas, mas logo começo a pensar em sexo, principalmente, porque fico muito sozinho. Será que sou ninfomaníaco? Se for o caso, existe tratamento?       
Luís, 36 anos

           
Olá Luís. Obrigado pelo contato. Primeiramente uma correção de uma confusão muito comum: Homens não são ninfomaníacos. O termo correto é Ninfomania (em mulheres) e Satiríase (em homens). Ninfomania deriva das palavras gregas "nýmfi" (νύμφη): "ninfa" e "manía" (μανία): "loucura", "fúria", "ódio". Na mitologia grega ninfas e sátiros eram espíritos da natureza famosos por sua beleza e sexualidade exacerbada.  Certo?           

           
Existem outros termos clínicos como apetite sexual excessivo, hipersexualidade ou Desejo Sexual Hiperativo (DSH) onde as pessoas têm um impulso/vontade além do que entendemos como comum, mas que é diferente da compulsão sexual. Ainda assim, o abster-se pode torná-los tensos, irritados e ansiosos.


Uma das principais características relacionadas à vontade obsessiva de sexo é que em geral isso afeta suas atividades diárias, o que gera transtorno e sofrimento. A vida social e profissional é afetada, por exemplo, o individuo tem dificuldades de manter relacionamentos amorosos ou pode interromper suas funções no trabalho, várias vezes ao dia, para poder se masturbar. Podemos observar também em alguns casos uma alta rotatividade de parceiros; sem qualquer preocupação em se prevenir.

           
O Que Causa? As disfunções ou hiperfunções sexuais podem se originar de diferentes causas. Apenas para exemplificar: Esses distúrbios podem estar associados com alterações anormais no balanço de substâncias neurais (neurotransmissores), podem ter sua origem de ordem psicológica onde, por exemplo, o ato repetitivo de busca de prazer sexual foi aprendido ao longo da vida como tranqüilizante, diminuindo sentimentos de ansiedade, medo e solidão, ou ainda podem ter outras origens.  Os conjuntos de sintomas apresentados por um distúrbio sexual podem, na verdade, representar transtornos diferentes, e por esse motivo devem ser tratados de forma singular.


Tem Tratamento? Sim. Alguns casos são tratados com terapia psicológica, outros com uso de medicação e ainda há aqueles que necessitam de uma ação conjunta de tratamentos combinados, como o uso de medicação concomitantemente à psicoterapia.


Se perceber que algo foge do seu controle, busque ajuda, lembrando que, geralmente, a forma de pensar de uma pessoa nesta condição é distorcida e, portanto, pode não admitir precisar de ajuda.  Para termos certeza é necessário que você faça uma terapia com enfoque em sexualidade para o psicólogo poder ajudá-lo a compreender o que acontece. Cuide-se!





Poderá gostar também de:
Postado por Mac Del Rey | (3) Comente aqui!

3 comentários:

  1. Será que é fase? Ja fiquei assim, aliás, tem dias que é foda...
    Acho que é mal de homem, faz parte.

    ResponderExcluir
  2. Olá. Bom, não vejo como uma doença ter um apetite sexual assim, meus namoros terminavam justamente por eu também ter uma idéia de sexo, que faz parte diariamente da relação, gosto do sexo e da transa. E ja tive problemas com isso também. Sou ativo, e encontro dificuldade quando tenho um parceiro, porque em sua maioria não gostam da transa todos os dias. Luís, acredite que não é só vc que tem essas vontades sexuais.
    Beijo. Marcos Leitte

    ResponderExcluir
  3. Olá. Bom, não vejo como uma doença ter um apetite sexual assim, meus namoros terminavam justamente por eu também ter uma idéia de sexo, que faz parte diariamente da relação, gosto do sexo e da transa. E ja tive problemas com isso também. Sou ativo, e encontro dificuldade quando tenho um parceiro, porque em sua maioria não gostam da transa todos os dias. Luís, acredite que não é só vc que tem essas vontades sexuais.
    Beijo. Marcos Leitte

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...