Slide 1 Slide 2 Slide 3

MINHA VIDA GAY

Alunos expulsam grupo de religiosos que protestavam contra estudante transexual.

Vídeo mostra mobilização dos jovens, que contaram com o apoio da polícia durante a ação.



Eleita rainha do baile na escola Oak Park, em Kansas City, Missouri, a jovem Landon Patterson, uma adolescente transexual, despertou a homofobia do grupo religioso Westboro Baptist Church.

Conhecido pelo discurso preconceituoso contra lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais, representantes do grupo acampados na frente da escola seguravam cartazes com os dizeres "Deus odeia Gays" e "Deus odeia transexuais".

Revoltados com o preconceito do grupo, ativistas LGBT e alunos da escola Oak Park se uniram para protestar contra os representantes do Westboro Baptist Church.

"Não se trata apenas de apoiar Patterson, mas todo os nossos estudantes", disse a jovem Christina Palermo, uma das organizadoras da manifestação e moradora de Kansas City.

A união dos estudantes fez com que o grupo fosse expulsos do município. No vídeo acima é possível acompanhar toda a mobilização dos jovens, que contaram com o apoio da polícia durante a ação.

'Ele fez história': Kanye West elogia coragem de Frank  Ocean por lutar contra a homofobia.


Kanye disse que sofreu preconceito por ser hétero na indústria da moda

De rapper para rapper. Kanye West elogiou Frank Ocean por abrir terreno num gênero tão homofóbico. “As pessoas amam a música dele e as pessoas que quebram estereótipos fazem história”, disse Kanye ao site Contact Music.

Frank Ocean

O marido de Kim Kardashian também diz que ele também enfrentou preconceito ao contrário de Ocean: quando entrou na indústria da moda foi discriminado por não ser gay.

Frank saiu do armário em julho de 2012. À época, o rapper revelou que quatro anos antes, aos 19 anos, ele conheceu um homem da mesma idade e que se apaixonou. “Eu não tenho nenhum segredo que eu possa guardar mais. Eu me sinto livre”, disse.

Jovem transgênero registra em vídeos sua transformação após iniciar terapia hormonal.


Garoto transgênero Jamie Reines aos 18 anos, antes de começar terapia hormonal (esq.),
e aos 21 anos: vídeos mostram transformação

Um jovem transgênero britânico resolveu documentar diariamente as mudanças em seu corpo decorrentes da terapia hormonal com testosterona. Em sua conta do YouTube, Jamie Reines, de 21 anos, tem postado vídeos que mostram sua transformação desde os 18 anos, quando iniciou o tratamento, até os dias atuais.


Jovem transgênero registra em vídeos sua transformação após iniciar terapia hormonal


Um jovem transgênero britânico resolveu documentar diariamente as mudanças em seu corpo decorrentes da terapia hormonal com testosterona. Em sua conta do YouTube, Jamie Reines, de 21 anos, tem postado vídeos que mostram sua transformação desde os 18 anos, quando iniciou o tratamento, até os dias atuais.

Jamie, que nasceu menina, descobriu-se transgênero durante a adolescência. Aos 17 anos, conversou com a mãe sobre o assunto e sua família o apoiou na decisão de se submeter ao tratamento e adotar uma identidade masculina.

Foto mostra Jamie antes de iniciar sua transformação
Em entrevista ao "Buzzfeed", Jamie contou que resolveu tirar uma foto todos os dias para conseguir ver as mudanças ao longo do tempo. "Nos primeiros seis meses, não dava para ver muito, mas com o passar do tempo, tornou-se mais e mais recompensador", disse ao veículo. Ele pretende continuar documentando suas mudanças por mais cinco anos.

Foto tirada um ano depois do início da terapia hormonal: características faciais
já começaram a mudar

Jamie Reines 1 ano e 8 meses depois do início do tratamento com testosterona
Os vídeos revelam mudanças na voz, no tônus muscular, o aparecimento de barba e do pomo-de-adão. Além de abordarem as mudanças físicas, os vídeos falam sobre como foi contar para os pais e para os amigos que era transexual, como foi passar pela transição na faculdade e sobre a resistência da família de sua namorada em aceitar o relacionamento.

Quase três anos depois do início do uso de testosterona

Você sabia que um quarto de toda a população de Brighton é gay?




Conhecida como a Capital Gay do Reino Unido, a cidade de Brighton é um lugar fascinante, onde milhares de pessoas celebram a diversidade. Não é a toa que, por mais de 100 anos, ela é reconhecida como um paraíso gay.

Pra você ter uma ideia, existem mais de 40.000 habitantes homossexuais por lá, quase um quarto de toda a população local. O bairro de Kemptown, por exemplo, é onde tudo acontece, com uma série de bares, hotéis, cafés, livrarias e saunas com proprietários gays. Destino mais do que certo para o Põe na Mala, o programa de turismo do Põe na Roda, em parceria com a Revista ViaG.

Liberdade, diversão e envolvimento de toda comunidade. Esses são os ingredientes que dão vida à Parada LGBT Brighton, que reúne mais de 150 mil pessoas anualmente.


Clipe Especial (gay): "INVISIBLE THREAD" com Matt Gould e Griffin Matthews.


Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (2) Comente aqui!

2 comentários:

  1. Acho desnecessário o uso contrario do sexo para noticiários, pois pode enganar.Inicialmente pensei ser um rapaz se transformando! Continua sendo um ser feminino a menos que ela consiga um pênis.

    ResponderExcluir
  2. Anonimo, independente do penis, os trangenereros nao se sentem elas mesmas num corpo que lhes e estranho. Nao sei direito, mas os orgaos genitais ja podem ser implantados, ao menos , foi postado sobre implante de orgao feminino num trangenero que se tornou feminino aqui no blog. E´claro que envolve todo um processo de adaptaçao , antes da transformaçao, inclusive psicologico. e pos cirurgia.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...