Slide 1 Slide 2 Slide 3

NOTICIAS DO MUNDO GAY

Debate: Parlamento italiano  discute casamento gay.


Projeto tem apoio do primeiro-ministro italiano Matteo Renzi


O projeto de lei que autoriza a união entre pessoas do mesmo sexo começa a ser discutido no Senado italiano na quarta-feira, 14.

Segundo a Agência Ansa, um dos principais partidos da coalizão governista, o conservador Nova Centro-Direita (NCD), é contra um dos itens do projeto, o que permite a adoção do filho biológico do parceiro ou da parceira por parte do cônjuge. Ainda assim, o texto continua proibindo que casais homossexuais adotem crianças.

Já o primeiro-ministro, Matteo Renzi, que pertence ao centro-esquerdista Partido Democrático (PD), prometeu dar “liberdade de consciência” para seus correligionários votarem. Contudo, o texto que será levado ao Senado é fruto de um amplo acordo dentro da sigla e deve ser apoiado por ela.

“Espero que se possa discutir sobre as uniões civis sem tons de furor ideológico, mas tentando encontrar um ponto em comum”, disse o premier. No último mês de julho, a Corte Europeia de Direitos Humanos, sediada em Estrasburgo (França), condenou a Itália por não permitir a união civil entre homossexuais.

Índia: Instituição encerra todas as  adoções só para não ter de  permitir que gays adotem.


Índia tem mais de 20 milhões de órfãos


 A instituição Missionários da Caridade, fundada por Madre Teresa, na Índia, resolveu encerrar todas as ações de adoção por causa das novas regras sobre o tema no país que agora permitem que pessoas solteiras e divorciados adotem.

“As novas diretrizes ferem nossa consciência”, disse a Irmã Amala, à imprensa. “Eles certamente não são pessoas religiosas como nós. E se o único pai que dermos nosso bebê acabar sendo um gay ou uma lésbica? Que tipo de segurança ou educação moral essas crianças vão ter? Nossas regras só permitem que casais adotem.”

Há mais de 20 milhões de órfãos na Índia e apenas 0,04% são adotados. O governo do país está tentando dissuadir as missionárias a mudarem de ideia.

 Porto Rico libera uso de saias  em uniforme escolar dos meninos.




O governo de Porto Rico anunciou alterações no código do uniforme escolar do território norte-americano. A partir de agora, meninos poderão usar saias.

Segundo o ministro da Educação, Rafael Roman, o objetivo é tornar a rigorosa política de uniformes se tornar mais inclusiva aos LGBT.

O Departamento de Educação do país exige que todos os estudantes – salvo os que têm dispensa por motivos de saúde – usem uniformes. Com a nova resolução, estudantes do sexo masculino e feminino poderão escolher saias ou calças.

San Diego: Adolescente transgênero de 14  anos se suicida nos EUA.


Jovem foi aceito pelos pais, mas sofria bullying no colégio


Um adolescente transgênero de 14 anos tirou sua própria em San Diego, Estados Unidos, no último dia 03. Ele é o quarto jovem trans a se suicidar na cidade desde março.

Emmett Castle assumiu-se para seus pais no meio do ano e foi tudo ok. O problema foi quando começou o ano letivo, em setembro, e o jovem passou a sofrer bullying dos colegas.

A mãe conta que o pai precisou ir até à escola diversas vezes por causa do bullying. O adolescente começou a ficar com letargia e dificuldades de fazer tarefas cotidianas, como ir ao supermercado. Ainda assim, a família achou que não houvesse grande risco, já que ele tinha amigos e disse que voltaria a usar seu antigo nome.

Maioria no Congresso é contra o Estatuto da Família e a favor do casamento igualitário.


Casal de lésbicas se casam durante a 18ª edição Parada LGBT de Brasília em frente o Congresso Nacional


Levando em consideração apenas deputados do PT, o apoio chega a 90%. No PSDB, o índice foi de 43% e no PSol é de 100%.

A maioria dos congressistas aprova o reconhecimento em lei da união de pessoas do mesmo sexo, de acordo com levantamento do Datafolha divulgado pela Folha de São Paulo na coluna Poder.

Entre os deputados e senadores ouvidos pelo instituto, 53% disseram que a lei deve reconhecer formações familiares com a união de dois homens ou de duas mulheres. Discordaram 37%, que entendem que uma família só pode ser formada a partir da união de um homem e de uma mulher, e outros 10% não se posicionaram.

O Datafolha entrevistou 289 deputados federais e 51 senadores até a última sexta-feira (9). A margem de erro máxima é de de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

No fim de setembro, uma comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou o "Estatuto da Família", que define a entidade familiar como a união entre homem e mulher. A proposta, que tem o aval do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ainda está em tramitação e provocou indignação entre grupos de defesa dos direitos humanos.

De acordo com o Datafolha, o apoio ao reconhecimento da união entre pessoas do mesmo sexo é proporcionalmente maior entre congressistas da oposição. Entre os governistas, 50% dos deputados e 56% dos senadores disseram aprová-lo. Entre os oposicionistas, foram 53% dos deputados e 83% dos senadores.

Levando em consideração apenas deputados do PT, o apoio chega a 90%. No PSDB, o índice foi de 43% e no PSol é de 100%.

Magda Mofatto: Deputada goiana diz que casais gays  podem desvirtuar crianças.


Parlamentar diz que deveria ser criado um 'Estatuto do Homossexual'


A deputada federal Magda Mofatto (PR-GO) deu um show de intolerância e ignorância em entrevista ao Jornal Opção. Questionada sobre o Estatuto da Família, que tramita na Câmara e exclui casais gays como entidade familiar, a parlamentar disse que homossexuais influenciam crianças e que deveria ser criado um “Estatuto do Homossexual”.

Perguntada sobre como seria tal estatuto, Magda disse que “desconhece o mundo homossexual”. “Não sei, não tenho afinidade, avalio tudo como plateia. Eles que têm quem avaliar o que é melhor para eles”, disse. De acordo com Magda, se algum deputado levasse uma proposta do gênero adiante, a discussão seria longa. “Se eu estiver lá para votar, será longa.”

Defensora “dos bons costumes e da tradição familiar”, Magda vê como importante o respeito a qualquer opção feita por qualquer pessoa. Mas quando se trata de família, a deputada acredita que a situação muda. De acordo com ela, quando um casal homossexual constitui família e adota filhos, pode incentivar o “desvirtuamento das crianças”, e que por isso a família deve ser constituída por homem, mulher e filhos.

“Essa é a minha preocupação. Eu acho errado quando se fala em orientação sexual. Orientação sexual é a da natureza, a original. Por isso é preocupante a orientação que uma criança porventura venha a receber por conta das pessoas que a criam. Ela pode não ter nascido com o instinto lésbico, mas pode ser incentivada a ser. E acho que ninguém deve ser incentivado a ser homossexual”, afirmou, explicando o motivo de ser também contra a adoção de crianças por casais gays.

Chão colorido! Faixas de pedestres de Salvador ganham as cores do arco-íris.




As faixas para pedestres de Salvador serão pintadas com as cores do arco-íris na noite do dia 22 de outubro. A ação, batizada de "Arco-íris no chão", pretende conscientizar a população para a causa LGBT.

Depois de pintar as faixas em diversos pontos da cidade, o movimento 'TireSuaBikedoArmário', que organiza a ação, fará panfletagem para conscientização da importância de políticas públicas voltadas para a causa, no dia 24 de outubro.

Salvador será a pioneira do projeto no Brasil, que já foi adotado por países como Estados Unidos, Canadá, Chile, Inglaterra, Rússia. "Além de ser um marco na nossa luta, vai incrementar o turismo na cidade, visto que se tornará uma referência nacional", comenta Larissa, militante e organizadora do evento.

A ação tem parceria com a Prefeitura Municipal de Salvador e conta com apoios da SECOM, da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana e da Transalvador.

Homofobia

Segundo a organização, a região Nordeste registra o maior número de homicídios por causa homofóbica e a Bahia é a primeira no ranking da violência contra gays, lésbicas e transexuais. O Brasil é responsável por 44% dos crimes homo-transfóbicos no mundo e que a cada 28 horas uma vítima é assassinada, informou.

Debaixo de chuva, curitibanos celebram a diversidade e pedem fim da violência de gênero.




Mesmo com a chuva e frio que tomaram conta do feriado prolongado em Curitiba, a 16ª da Parada da Diversidade cumpriu o seu papel de marcar frente contra todas as formas de violência. Com o tema “Todas as Vozes Contra a Violência de Gênero”, o evento realizado no Centro Cívico neste domingo atraiu mais de 5 mil pessoas que debaixo de chuva marcharam da Praça 29 de Março ao Palácio Iguaçu.
 
Com apenas dois trios elétrico, um maior e outro menor, o evento não perdeu em animação. A abertura foi marcada por falas políticas e a apresentação da cantora MC Mayara, homenageada como “Cidadã da Parada” por conta de um videoclipe seu que marca território contra a homofobia e a violência contra as mulheres. O Coral Gay de Curitiba cantou o hino nacional.
 
O evento atraiu muitos jovens, militantes, drag queen e artistas. Em uma das performances contra o abuso infantil, um grupo de atores simulava o espancamento de uma criança. As cores do arco-íris estavam presentes em diversas fantasias e roupas. Muitos grupos de amigos, casais e curiosos acompanharam o evento apesar da chuva gelada. Ações de prevenção e policiamento da guarda municipal marcaram a passeata. Mais uma vez nem o governador e nem o prefeito da cidade foram prestigiar o evento, que teve a presença e participação de diversos de políticos e organizações de classe.
Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...