Slide 1 Slide 2 Slide 3

CONFISSÕES DO DIVÃ






Os textos apresentados nesta seção buscam ilustrar situações, angustias, problemas e experiências vivenciadas por homens gays. Não são uma representação literal de histórias reais e sim textos fictícios que tem por finalidade apresentar possibilidades de enfrentamento para as questões representadas.


O Dr. Alexandre é formado em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Atua como psicólogo clínico no Espaço Recontar na região de São José / SC. Fundamenta seu trabalho pelos princípios da Psicologia Sistêmica. Compreender os fenômenos psicológicos sistemicamente significa, literalmente, “colocá-los” dentro de seu contexto, estabelecendo a natureza das suas relações.


Você pode fazer perguntas e sugerir temas que nosso psicólogo responderá com todo prazer.

Bem, vamos ao tema de hoje.



Eu sinto vergonha quando meu namorado ‘dá pinta’!

Alexandre de Souza Amorim, Psicólogo
alexandresouza.psicologo@gmail.com





Quando eu conheci o Fabrício fiquei com os quatro ‘pneus arreados’. Ele me conquistou porque era exatamente aquilo que eu procurava: um cara com a pegada forte, com cara de homem e sem trejeitos femininos. Nunca gostei de caras que ‘dão pinta’ e já deixei de me relacionar com muitos por conta disso. E parece que a história esta se repetindo, foi só passar algum tempo e eu comecei a notar que o Fabrício foi relaxando e aos poucos ele começou a desconstruir o encanto que eu tive por ele. Começou a mandar sms de ‘bom dia’ e ‘boa noite’, mensagens de ‘eu te amo’ constantes e uma grande passividade na relação (aceita tudo que digo sem questionar e esta sempre disponível para me encontrar e atender qualquer pedido que eu faça). Percebo-o agora como um cara frágil e carente demais. Ele é de fato um cara com inúmeras qualidades, mas eu não curto uma relação dessa maneira e estou vendo que cedo ou tarde vou perder todo o interesse e vou cair fora. Como isso não esta acontecendo pela primeira vez, eu tenho me perguntado se o problema não esta na minha maneira de encarar isso tudo – eu sou o problema?      
                                                                                               
 Maurício, 40 anos 

           

Maurício chegou a um ponto muito importante de auto-reflexão e não será simples ou fácil trilhar esse caminho, mas é um processo importante e que certamente levará a um maior autoconhecimento e aprendizagem. A pergunta é mais complexa do que parece... E vamos respondê-la tentando entender melhor o que acontece:



Sim! Há uma atitude homofóbica por parte de Maurício que qualifica e rejeita os comportamentos de Fabrício que ele associa a uma representação social negativa do feminino que são conferidas aos Gays. Alguns autores têm utilizado o conceito de Homofobia Internalizada para nomear atitudes como essa. Vamos definir aqui o conceito de Homofobia Internalizada de maneira sintética e insuficiente como: o medo, negação, desprezo ou repulsa à própria homossexualidade construída frente a um conjunto de representações simbólicas negativas e degradantes da homossexualidade. A manifestação mais comum da internalização da homofobia é a sensação de vergonha face à perspectiva de ser identificado como gay. Esta sensação de vergonha pode ser o resultado do confronto com possíveis ameaças externas e internas e o bem-estar emocional do indivíduo vai depender da maneira como ele as gere.



Não! Culpabilizar unicamente Maurício por ter atitudes que claramente ele não entende o porquê e como elas acontecem não é resposta suficiente.  Assim como ele muitos Gays são bombardeados por imagens estereotipadas, degradantes e ofensivas desde muito cedo resultantes de um processo de opressão social cuja matriz cultural é heteronormativa. Sendo assim, é comum que todos sejam afetados em menor ou maior grau ao internalizarem essas imagens.


Para compreender e livrar-se dessas amarras Maurício pode dedicar-se a um processo terapêutico onde será explorado detalhadamente sua trajetória de vida, as circunstâncias presentes em suas experiências, as histórias que o marcaram e o constituem, assim como suas expectativas, desejos e fantasias a respeito de sua vida amorosa e afetiva. Como resultado Maurício pode entender melhor e diferenciar mais precisamente o que na sua atitude é determinado pela homofobia e o que reflete suas preferências pessoais.









Poderá gostar também de:
Postado por Mac Del Rey | (2) Comente aqui!

2 comentários:

  1. Eu conheço amigos que eles parecem bem machões, mas não adianta, todo gay tem sempre alguma coisa que o denuncia. Parece que na pergunta que você fez, eu subentendi que você deseja um homem perfeito e isso não existe. No meu ponto de vista, todo gay nasce com um defeito de fábrica, não existe o gay 100% macho. Assim como eu tenho atitudes certas horas que deixam efeminado, a pessoa mais masculina que você já conheceu também. Normalmente eu começo a notar depois da convivência por um tempo, porque só o contato inicial e escasso não tem como visualizar. Como você namora com o Fabrício, isso começa a se tornar mais evidente ainda. Eu tinha vergonha de efeminados também, mas convivi com dois amigos durante anos e hj eu nem ligo mais. Acho que deveria trabalhar essa vergonha, porque assim dificilmente você será feliz, já que nos próximos namoros, você sempre verá algum trejeito no próximo namorado.

    ResponderExcluir
  2. A convivênecia e intimidade deixa a pessoa agir de forma natural, no qual como diz meu psicólogo, muitos gastam energias para evitar demonstrar tal pinta, agir de forma mascula artificial.
    Um gay sempre percebe certos deslizes do outro, o que é natural.
    Portanto, mandar msgs, se declarar é sinonimo de amor, e cada um expoe de uma forma, no qual noto que vc nao está preparado para isso.
    Alem disso, ja agi assim como vc nas baladas, no qual só ficava com garotos que nao dava pinta, mas aos poucos vamos compreendendo, mas a atraçao é pessoal, inexplicavel.
    Ja ouvi muitas historias como a sua, porém o sentimento foi tão envolvente, que estes lances foram ignorados, ou seja o amor superou pequenos detalhes.

    Não estou lhe julgando, apenas expondo meu ponto de vista.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...