Slide 1 Slide 2 Slide 3

CONTOS DO LEITOR



Impacto profundo
(CONCLUSÃO)




Raul se colocou na posição e Geraldo começou a massageá-lo, começando pela nuca. Procurou dissipar os locais que apresentavam uma rigidez que causava aquela sensação de pressão, que descia para os ombros. Aplicou neles toda a técnica que conhecia e foi descendo para as costas. Raul estava ficando relaxado. O óleo aromático e as mãos de Geraldo, aquelas mãos eram por demais entorpecedora e uma certa sonolência foi tomando conta da mente de Raul. Sentia o borrifar do líquido que era seguido por apalpações. Estava recebendo a desintoxicação nas sola dos pés, que o estava levando a viajar para outros rincões. Não pensava em mais nada que não fosse o prazer que seu corpo deixava aflorar, aceitando das mãos de um homem o que uma mulher até então não lhe fizera. Era estranho, pensar daquela forma.

Mas quando teve a cueca retirada, mesmo sem o seu consentimento, Raul estremeceu ao imaginar os olhos de Geraldo em sua bunda. Na verdade, o que ele não sabia era que realmente sua bunda era muito desejada pelo massagista, que via nela, uma parte bem formada anatomicamente visualizada. Se dedicou nela com delicadeza e a cada abertura das nádegas, a visão daquele ponto, quase que totalmente centralizado no rego oleado, começou a deixa-lo excitado e seu membro passou a endurecer.

Raul, tremia, pois seu pau estava dando sinal de vida e ele não queria que assim fosse, pois era dar muita bandeira, do que estava sentindo. Geraldo, percebeu aquela manifestação, quando olhou entre as pernas de Raul, e viu a intumescência do membro entre as bolas, que brilhavam devido ao óleo que escorria sobre elas. Levou a mão ao próprio pau e depois reiniciou as massagens, com as mãos, uma em cada nádega, onde podia separa-las e seus olhos gulosos, viam sempre que desejava o ânus daquele rapaz, infeliz no amor, que poderia superar aquela fase, bastava que ele, Geraldo, atacasse o ponto certo. A medida que massageava aquela bunda, deixava "acidentalmente" que um ou outro dedo, deslizasse pelo rego oleado e mais " acidentalmente", lhe tocasse, vez ou outra as pregas anais. 




Aqueles toques, arrepiavam todo o corpo de Raul, que sem querer, soltara um gemido tênue, e incentivara a Geraldo deixar que o dedo ficasse sobre o cu piscante e o fosse penetrando lentamente. Raul, se contraiu, quando o dedo o invadiu e...gostou. Esqueceu de todas as mazelas que o rompimento do seu noivado tinha causado, até então.

Era uma sensação nova para ele, que a medida que era violado, em seu mais intimo lugar, ia sentindo um calor delicioso, que só um bom vinho, produzia dentro de si. Vendo que ele não tinha esboçado a menor reação, contraria á aquela invasão, Geraldo retirou o dedo e se debruçando sobre a bunda de Raul, passou a lambê-lhe o rego, fazendo interrupção quando chegava perto das pregas, até que percebeu um leve movimento para cima da bunda do rapaz. Um gemido, que era mais um grito de prazer, deu o sinal á Geraldo para colocar a ponta a da língua nas pregas e pincelar as mesma até que aos pouco, notar que as mesmas relaxavam e já deixavam ver, uma leve abertura do ânus.

A ponta foi entrando e Raul se agarrou a mesa. Ergueu um pouco a bunda e Geraldo aproveitou para pegar no pênis de Raul e o elevar um pouco em direção ao rego. Percebeu que o mesmo estava duro ao extremo e podia até ser doloroso a forçada de posição do mesmo, tirou a boca do cu e a levou para a glande, abocanhando. Aí, Raul passou a tremer sem poder se conter, soluçando como uma virgem que tinha seu primeiro gozo.

Na boca, o salgadinho que se apresentou na língua de Geraldo, indicou que Raul tivera um pré-gozo. Depois de muito chupar a rola do outro, Geraldo, se afastou e começou a se despir, da pouca vestimenta que tinha sobre o corpo. Raul via, aquele parco strip tease e quando o membro robusto, do massagista, se fez visível, ele se assustou e ao mesmo tempo, admirou de ver a plasticidade exuberante do pau que não parava quieto, enquanto era exibido por seu dono. Pela primeira vez, imaginou como sentiria uma mulher ao receber aquele membro dentro de si. E um homem? Como seria ter dentro do seu orifício ou da boca, aquele pau? Tentaria saber, ou não teria coragem?

Quando Geraldo o virou e ele ficou com o pau a pino, sem se comparar em garbosidade com o do outro, teve o mesmo abocanhado de novo. Vendo a possibilidade de saber se toparia uma relação homossexual, ele deixou o braço cair para fora da mesa e a sua mão procurou o membro de Geraldo.

Era uma sensação diferente, porém gostosa. Raul estava empolgado por ter na mão o pau de um homem, sentindo o mesmo pulsar. Era a primeira vez que fazia isso e estava gostando. Enquanto o chupava, Geraldo, procurou o rabo de Raul e o penetrou com um dedo, depois outro, iniciando um entra e sai no orifício anal que estava deixando Raul alucinado. Geraldo deixou a pica, que duríssima, vibrava, e se apossou da boca do rapaz em um beijo carregado de tesão. Sua língua trabalhava em todo palato, quase chegando a garganta, tirando o fôlego daquele que estava vibrando por uma descoberta incrível. Nunca se imaginou ficar com um homem. Nunca até aquele momento.

Não se achava gay, mesmo desejando aquele homem, mas estava gostando de ter contato com o corpo de um macho. Geraldo, experiente, sentiu que era o momento de testar a resistência de Raul e por isso se afastou um pouco e foi em direção a cabeça do massageado e colocou seu pau a altura de seu rosto. Raul, viu aquele mastro a sua frente e hesitou. Olhou para Geraldo e ele levou uma das mãos para a cabeça dele o forçando a se aproximar do talo nervoso. O pau se aproximou mais e roçou os lábios de Raul, que tinha uma palpitação muito forte. Ainda encarando o amigo, ele abriu a boca e a maciez da glande em contato com a língua, impressionou. Nunca pode imaginar que, aquela textura, fosse tão deliciosa. Fechou os olhos e sugou a pica até onde pode. As caricias que Geraldo aplicava em seu corpo, enquanto era chupado, o deixava sem noção. Geraldo, retirou a pica da boca de Raul, que ficou com um gostinho de querer mais e olhando-o fixamente partiu para o ataque final:

__Quero foder você! Mas se você quiser. - falou bem perto dele.
__Nunca me relacionei com homem. - choramingou Raul
__Sempre tem uma primeira vez, que pode ser agora, comigo. Prometo ser bem delicado com você.

Raul estava desejando aquele contato, mas temia não aguentar o membro taludo lhe penetrando. Mas a curiosidade e aquele sentimento de que precisava sair daquele mundo sem novidades...
__Esta bem, mas vá devagar.
__ Venha, vamos para a cama.

Trocaram muitos beijos e caricias , onde alisavam os pênis e se desejavam. Quando Geraldo o colocou de quatro e besuntou-lhe todo o rego com óleo, passando a dilatar o ânus com várias incursões dos dedos, dentro do mesmo, até que percebeu que podia toma-lo de assalto. Seu pau, bem lubrificado, tocou com a glande as pregas do cu de Raul e as foram laceando ao ir rompendo toda resistência que o cérebro impunha.




Raul, no inicio, sentiu pressão e dor, mas as caricias que Geraldo empregava, principalmente no pau dele, o foi deixando relaxado e com isso, não notou que estava com o grosso pau, todinho em seu cu. Só começou a notar que tinha sido penetrado, quando o pau passou a se movimentar e um som de ar que escapava começou a ser ouvido. Geraldo, hábil, se debruçou sobre as costas de Raul e passou a morder-lhe a nuca, causando um arrepio em toda a pele que estava visível. Não deixava de empurrar o pau inteiro no profundo cu de seu amigo e notava que o mesmo reagia o apertando em toda sua extensão. Geraldo começou a acelerar as estocadas e segurando os quadris de Raul, anunciou que iria gozar.

__Segura um pouco que eu também quero gozar...com você! - disse Raul, já sentindo o latejamento que seu pau demonstrava nervosamente, anunciando a eminente ejaculação. Parecia que o mundo estava dando muitas voltas e ele girava com elas. Olhou para trás e com voz rouca pediu:

__ Goza, comigo, agora.- disse jogando a bunda para trás se empalando todo, percebendo a torrente aquecida que o inundava. Seu pau passou a lançar, jatos de porra que caiam sobre o lençol. Urrou de prazer pleno e depois se deixou cair sobre a cama, sentindo o pau sair do seu cu. Geraldo, caiu sobre seu corpo, mais precisamente sobre a bunda descabaçada, com o pau ainda escorrendo porra e melando a bunda do mancebo.

Depois de alguns dias de encontros maravilhosos com Geraldo, Raul, se despediu dele na rodoviária local e embarcou no ônibus em direção a Sampa. Olhou para aquele homem que lhe acenava, certo que ele tinha lhe proporcionado em sua vida nova, um impacto profundo.

FIM

Poderá gostar também de:
Postado por Mac Del Rey | (1) Comente aqui!

Um comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...