Slide 1 Slide 2 Slide 3

MINHA VIDA GAY

Guerra pelo Amor: Conheça a história de amor de dois meninos que nasceu da guerra no Iraque.




Histórias de amor envolvendo guerras costumam ser sempre poderosas e grandiosas. A de Betu Allami e Nayyef Hrebid não fogem à regra: eles se conheceram no meio da Guerra do Iraque há 12 anos.

Pra acrescentar aquele drama que não pode faltar nessas histórias, eles ainda eram de lados opostos. O primeiro menino era soldado do país invadido por Bush no que seria o início da Guerra ao Terror pós 11 de setembro, o segundo, Nayyef, era tradutor para a marinha dos EUA.

Eles lembram até hoje quando se conheceram. Foi em uma missão em Ramadi, onde a batalha era pelo controle de um hospital da região: “Nós não podíamos contar um para o outro que éramos gays”. E no meio dos campos foi onde o amor surgiu. Em segredo, claro: a guerra era severa, perigosa; e a cultura na qual estavam inseridos não era nada amigável: “Ser gay no Iraque é perigoso. Você perde sua família, seus amigos, basicamente tudo”, diz Nayyef.

Porém, em meio às batalhas sangrentas, mortes e atentados, o amor dos dois foi crescendo, se tornando possível principalmente por conta da ajuda de amigos e confidentes: eles se encontraram às escondidas por cinco anos. Mas as coisas se complicaram quando Nayyef virou alvo de milícias: “Eu não podia mais ver minha família. Minha vizinhança toda sabia que eu trabalhava para os EUA. Me chamavam de traidor”. Sem saída, ele teve que deixar o Iraque rumo à América.

Apesar da distância, o relacionamento nem sequer estremeceu: “Eu amei que ele tinha conseguido asilo nos EUA. Ele teria uma vida segura, poderia assumir ser gay”, disse Betu, que ficou na zona de guerra. Eles se falavam todo dia e mantiveram o sentimento latente. Viram-se algumas vezes, quando Betu partia do Iraque ao Líbano e de lá ao Canadá.

Foi em uma dessas que se casaram, no Dia dos Namorados de 2014. Mas a história ainda não tinha seu final feliz selado. Tiveram um final digno de contos de fadas quando Betu conseguiu um visto permanente para residir nos Estados Unidos ao lado de Nayyef.

Hoje, o casal vive numa cidade ao redor de Seattle, no estado de Washington: “Finalmente podemos morar juntos. Quero acordar e vê-lo de frente pra mim. E quando eu fechar os olhos, é o rosto dele a última coisa que quero ver”. A gente sabe quando é amor, né?

Pai descobre que filho é gay e lida de forma maravilhosa com a situação.




Um pai foi até o Reddit (comunidade de fóruns onde os usuários podem votar no conteúdo e interagir promovendo votações e discussões) para pedir conselhos depois de descobrir, acidentalmente, que seu filho era gay. E o que aconteceu depois foi muito especial. Na verdade, muitos pais, mesmo aqueles que aceitam a homossexualidade dos seus filhos, ainda poderiam aprender alguma coisa a mais na maneira de lidar com a descoberta.

Usando o nickname (apelido) “QuietRiotNASCAR”, o pai escreveu na subcategoria ‘AskGayBros’, para pedir conselhos sobre o que fazer. Ele escreveu: “Hoje cedo, meu filho mais velho deixou seu telefone celular sobre a mesa da sala de estar. Notei que alguém havia mandado uma mensagem e, curioso, decidi ver o que estava acontecendo.”

“Bem, sem querer eu fiquei sabendo que ele está namorando esse rapaz, que supus ser da sua escola. Eu não sou experiente sobre este assunto, nunca realmente fui, até agora, pelo menos.”

Em um segundo post, ele esclareceu sua posição e disse que sempre daria apoio a seus filhos.

“Eu gostaria de esclarecer que, eu amo meus dois filhos e continuarei a fazê-lo, não importa o que aconteça. Eu sou um homem de 37 anos de idade do Arkansas. Meu filho tem 16 anos, fará 17 em poucos meses. Eu estou basicamente pedindo conselhos. Minha esposa não sabe, e meu filho também não sabe que eu sei. Eu estarei postando esta noite (10 de fevereiro), e tentarei responder a qualquer conselho dado a mim quando eu chegar em casa depois do trabalho. Desculpem se eu estou fora do tópico. Eu simplesmente procurei por “ask gay” e cheguei aqui (fórum). Moderadores, se vocês não me quiserem aqui, é só dizer, sem ressentimentos. Mas eu ficaria grato se alguém me desse algum conselho sobre o assunto. :)”

Em seguida, após uma série de respostas, incluindo encontrar grupos de apoio locais, ou apenas dar apoio ao filho, o pai voltou ao fórum para refletir sobre os acontecimentos do dia. E não poderia ter sido melhor.

Escreveu ele: “Hoje foi um dia muito agitado.

Tudo começou quando eu perguntei casualmente a meu filho mais velho se ele iria sair com alguém no Dia dos Namorados (em outros países, como nos Estados Unidos, a comemoração ocorre em 14 de fevereiro – Dia de São Valentim – Valentine’s Day). Eu notei que ele ficou um pouco desconfortável, e como qualquer pai faria, perguntei-lhe o que estava acontecendo de errado. Ele ponderou se eu iria aceitá-lo, não importando o que fosse. Bem, como vocês sabem, eu apoio 100% meu filho e, depois que eu lhe disse isso, ele ainda ficou de rodeios por uns bons 20 minutos. Mas, finalmente ele acabou me dizendo que era gay e que iria sim se encontrar com alguém (o que eu já sabia, é claro). Minha esposa e meu filho mais novo estavam lá e no final, todos estavam felizes.

“Seu namorado é um cara loiro e magro de 17 anos e seus pais sabem que ele é gay. Meu filho permitiu que minha esposa e eu falássemos com ele por telefone, ele parecia realmente ser uma pessoa doce e carinhosa. A mãe do rapaz e minha esposa também conversaram e decidimos fazer uma pequena reunião, apenas para nos conhecermos melhor. Meu filho e seu namorado vão ao cinema, enquanto isso, o resto de nós irá se encontrar no próximo dia 14”.

“Estou contente porque tudo acabou muito bem. No final do dia, a única coisa que eu quero é ver meu filho feliz, e eu acho que ele descobriu o que é a felicidade.”

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (2) Comente aqui!

2 comentários:

  1. Sobre a história de amor na guerra, entre pessoas de lados opostos, olha aí a vida imitando a arte, quando a gente lembra do filme Além da Fronteira, aliás, uma belíssima obra do cinema que eu recomendo.

    ResponderExcluir
  2. E´verdade. Outra historia que postamos, foi de um palestino gay que foi asilado em Israel. No filme, infelizmente, o final foi trágico.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...