Slide 1 Slide 2 Slide 3

ATENTADO DE ORLANDO

Responsável por massacre em boate gay pode ter ligações terroristas.




O responsável pela morte de mais de 50 pessoas em uma boate gay em Orlando, na Flórida, na madrugada deste domingo foi identificado como Omar Saddiqui Mateen, de 29 anos, morador de Fort Perce, há menos no 50 km do local do atentado. De descendência Afegã, o homem era nascido nos EUA. O incidente já é considerado o maior ataque por arma de fogo do país e o presidente Barack Obama entrou em rede nacional de televisão para responder ao atentado, lamentou as mortes e mostrou solidariedade às famílias das vítimas.
Investigadores do escritório do legista analisam o lado oeste da boate Pulse, onde um atirador abriu fogo neste domingo (12), em Orlando.


Por volta de 2h da madrugada deste domingo, Omar abiu fogo contra uma festa latina gay que acontecia na boate Pulse, no Centro de Orlando. Era próximo ao horário de fechamento da casa, mais de 50 pessoas morreram e outras 40 e poucas pessoas ficaram feridas. A Swat invadiu o local por volta das 6h da madrugada, depois de uma explosão controlada e matou o homem que fazia o restante dos clientes de refém. Após o incidente, as pessoas questionam a demora de reação da polícia, que demorou mais de três horas para entrar no local com um veículo especial. Apesar de divulgarem que o homem portaria explosivos, nada foi encontrado. A motivação do homem não é clara se foi por homofobia ou terrorismo religioso.

O crime ocorreu dois dias depois da morte da cantor Christina Grimmie,  22, participante do The Voice. O local da morte da cantora fica a menos de 7 km da boate Pulse.

O incidente já é considerado o maior ataque por arma de fogo do país e o presidente Barack Obama entrou em rede nacional de televisão para responder ao atentado, lamentou as mortes e mostrou solidariedade às famílias das vítimas.

“Eu vou morrer”, filho se despede da mãe durante ataque a boate gay em Orlando.



Na manhã deste domingo (12) o mundo se deparou com mais uma tragédia. Um atirador invadiu uma boate gay em Orlando e matou mais de 50 inocentes.

Não só a internet, mas o mundo se chocou com o acontecido e começaram uma corrente de orações a todas às vítimas. O ataque foi o maior nos Estados Unidos nos últimos trinta anos.

Eu, particularmente, preferi não ler muito sobre o assunto para não me abalar. Mas trabalhando aqui, me propus a ficar por dentro do assunto para poder escrever algo, e estou completamente assustado.

O que mais me deixa triste é saber que ainda existe gente do tempo da pedra que insiste em resolver as coisas na base da maldade. Se gritar ou bater adiantasse, porco não morria.

Passando algumas horas na internet, eis que me deparo com a mensagem desesperada de um filho se despedido da mãe momentos antes de morrer.

“Mamãe, eu te amo. Estou na boate e eles estão atirando. Estou preso no banheiro. Ele está vindo. Eu vou morrer”. O garoto ainda pede para que a mãe chame a ajuda, mas é tarde demais.

Após ataque em Orlando, homem é detido com arsenal antes da Parada Gay de Los Angeles.



Neste domingo (12), as autoridades da Califórnia prenderam um homem que estava com um arsenal em seu carro e planejava comparecer à Parada do Orgulho Gay em Los Angeles. James Howell, de 20 anos, oriundo de Indiana, foi detido em Santa Mônica com armas, munições e materiais explosivos em seu carro.

A detenção aconteceu poucas horas depois do ataque contra uma discoteca gay em Orlando, Flórida, que deixou 50 mortos e 53 feridos. Inicialmente, a chefe da Polícia de Santa Mônica, Jacqueline Seabrooks, informou no Twitter que Howell contou aos agentes sua intenção de “prejudicar o evento do Orgulho Gay” em Hollywood.

Algumas horas depois, no entanto, investigadores destacaram que Howell disse à polícia que pretendia participar no desfile e não fez referências a sua intenção de provocar qualquer dano. “Foi uma declaração equivocada da chefe Seabrooks, que deu uma informação incorreta”, afirmou o tenente Saúl Rodríguez à AFP.

“(Howell) não fez nenhuma declaração afirmando que iria fazer qualquer cois a não ser participar no desfile”, completou. James Howell foi detido e uma fiança de 500.000 dólares foi estabelecida por acusações de posse de armas de fogo e explosivos.

O prefeito de Los Angeles, Eric Garcetti, disse a uma emissora local que o veículo do suspeito estava “cheio de armas, rifles, munições e materiais” para fabricar explosivos. Searbrooks também havia afirmado que as autoridades municipais acreditam não haver “qualquer vínculo” entre Howell e o massacre de Orlando.

A polícia informou que Howell foi detido depois que um morador denunciou que um desconhecido estava batendo nas portas e janelas de sua casa às 5h00.

EI reivindica responsabilidade por ataque em boate de Orlando.



Na manhã desta segunda-feira (13), o Estado Islâmico reivindicou responsabilidade pelo ataque a tiros que deixou ao menos 50 mortos em uma boate gay em Orlando, na Flórida, em transmissão na rádio oficial do grupo radical, Albayan. A mensagem qualificou o suspeito de ser autor do ataque, Omar Mateen, como um “soldado do califado”.

“O irmão Omar Mateen, um soldado do califado, realizou uma incursão de segurança com a qual conseguiu irromper no clube noturno de homossexuais de Orlando, onde matou e feriu mais de cem antes de ser assassinado”, disse o EI através de sua emissora de rádio “Al Bayan”.

O EI insistiu que “Deus permitiu [a Mateen] atacar os imundos cruzados (…)” e destacou que este atentado é “o maior registrado nos EUA pelo número de mortos”.

Na madrugada do domingo (12) Omar Saddiqui Mateen, 29, abriu fogo contra o público da boate Pulse, em Orlando, no pior ataque a tiros da história dos EUA e que foi qualificado pelo presidente Barack Obama de “ato de terrorismo e ódio”.

Segundo a imprensa americana, Mateen expressou sua lealdade ao EI em um telefonema para o número de emergência 911 pouco antes do ataque. Oficialmente, as autoridades americanas ainda investigam a motivação do ataque e não confirmaram uma ligação direta do atirador com o grupo terrorista.

Em entrevista à imprensa, um porta-voz do FBI confirmou que a agência norte-americana acompanhava o atirador por suspeitas de laços com grupos extremistas.

Muçulmano faz doação de sangue em Orlando e foto viraliza nas redes sociais.



O mundo ainda está perplexo com o ataque numa discoteca gay de Orlando, que deixou 50 mortos e 53 feridos. As discussões são inúmeras, principalmente sobre segurança e combate ao terrorismo, mas, nas últimas horas, a doação de sangue para salvar os sobreviventes tem ganhando as manchetes.

Horas após o massacre na boate Pulse, um homem chamado Mahmoud ElAwadi, americano de origem muçulmana, compartilhou uma foto em que aparece doando sangue. No post, o jovem escreveu que fez a dádiva de sangue apesar de não poder comer ou beber por causa do jejum imposto pelo Ramadão. “Sim, eu estou triste, frustrado e com raiva por alguém que se diz muçulmano ter feito algo tão vergonhoso”, referiu.

Como você viu aqui, os moradores locais responderam ao massacre na discoteca gay mais famosa da cidadecom doações de sangue que não se viam desde os atentados do 11 de setembro de 2001, segundo fontes da organização OneBlood.

Susan Forbes, da organização de coleta de sangue, disse à agência de notícias Efe que cerca de 35 mil pessoas tinham dado sangue. Após o anúncio de que os hospitais precisavam de sangue para tratar os feridos, milhares de pessoas fizeram longas filas para doar sangue.

“A comunidade respondeu imediatamente e a este centro de recolha de sangue acorreram entre cinco e sete mil pessoas, alguns números sem precedentes” e semelhantes aos registados após os atentados do 11 de Setembro, disse Susan Forbes.

Paris homenagerá vítimas de Orlando usando a Torre Eiffel com as cores do arco-íris.




Segundo a prefeita de Paris, Anne Hilgado, o país vai homenagear às vítimas de Orlando usando a Torre Eiffel. A ideia é iluminar a torre com as cores do arco-íris.

Anne deixou claro que a intensão é mostrar o afeto, a compaixão e a solidariedade, com os homossexuais, bem como com o povo americano.

O massacre que aconteceu ontem (12) foi o maior em 30 anos, deixando mais de 50 mortos e feridos. O atirador foi morto durante a ação.

As luzes se acenderão hoje à noite.


Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (1) Comente aqui!

Um comentário:

  1. Segundo a reportagem da emissora SBT, a reporter entrevistou a ex esposa de Saddiqui Mateen, 29, era violento, mas não se radicalizou na religião, e tinha tendências homossexuais.

    Acredita-se que ele era um gay enrrustido que nao aceitava a sua sexualidade.

    Se esta foi a motivação do atentado, ficaria mais uma comprovação de que homofobicos são pessoas que não estao seguros com a sua sexualidade e atacam pessoas que se sentem seguros quanto a condição sexual.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...