Slide 1 Slide 2 Slide 3

HOMOSSEXUALIDADE

TRANSformando: É ou não é?



Muito se discute se transexuais se tornam homens e mulheres após cirurgias e contínua hormonoterapia. A discussão é polarizante.

Como sempre, nesse mundo tão diverso, não existe resposta exata, sim ou não, é ou não é. Não adianta buscar uma versão preto no branco.

Existem infinitos discursos, vou destacar dois. O primeiro defende que trans são trans e pronto. Deve-se assumir a identidade de transhomem e transmulher, sem tentar buscar uma identificação com padrões binários de gênero. O segundo diz que  são sim homens e mulheres, pedem a flexibilização de termos que são, hoje, muito fechado e tradicionais.

Ambos tem seus pontos fortes e levantam discussões importantes. Acredito que seja uma questão de identificação. Não podemos impor o que são, ou não são, transexuais. Importante ressaltar que independente da identificação da  pessoa, não deve haver recusa da transexualidade. Pode-se considerar um homem, ou mulher, e ainda sim se assumir trans.

Ser homem, mulher, transhomem, transmulher, nenhum é superior, inferior. Existe a ideia de uma superioridade de gênero, até mesmo entre homem e mulher, mas a mesma não passa de uma ilusão.

Não tão mais ilusão que todas as nomenclaturas que utilizamos para denunciar desigualdades. Todos os nomes de sexualidade, identidade de gênero, servem apenas a este propósito, denunciar desigualdades, para que um dia possam ser eliminados junto com o preconceito.

Ao fim de tudo, a reposta para a pergunta “É ou não é?”, é um grande e sonoro “DEPENDE”. Depende de como a pessoa se identifica, como ela se sente contemplada, como ela se sente confortável.


PERGUNTAS & RESPOSTAS



Balada Gay é programa de namorados?



Olá pessoal, tudo certinho com vocês? Minha dúvida é simples (não sei se vocês já abordaram esse assunto aqui no blog antes).

Namoro a quase 2 anos e meio. Amo muito meu namorado e acredito nos sentimentos dele por mim, mas temos um problema quando falamos sobre “diversão nos finais de semana“. Eu sou louco por música eletrônica, adoro balada gay. Já ele não gosta tanto.

As vezes ele deixa eu ir só com amigos e as vezes ele me acompanha, mas ainda tem pessoas que dizem que balada gay é lugar de pegação, pra solteiro, que não é lugar pra casal. Vocês concordam com isso? Vocês não acham que um casal possa sim se divertir, beber e dançar numa balada?

Gabriel

~*~

Olá Gabriel,

Por incrível que pareça isso é um problema corriqueiro na vida dos casais, entretanto, não deve ser motivo de discussão, tendo em vista que seu namorado não se importa tanto com o fato de tu sair sozinho.

Se balada gay é lugar de pegação? Ela pode ser, mas pode também não ser! Tudo dependerá de você e como você utiliza o espaço, pois se pra ti é tranquilo ir à festas e não pegar ninguém ~mesmo bêbado~, então está tudo bem. Esses dilemas que o pessoal cria de “esse lugar é pra isso, e “esse lugar é para aquilo” é o mesmo que dizer que um homem só pode ficar com mulher ou só com homem.

Hoje em dia rotulações estão cada vez menos predominantes na sociedade. Somos da ~famosa~ geração Y, quebramos esses paradigmas, para que hoje possamos transformar uma biblioteca numa have, por que não?

Logo, com certeza, balada pode ser uma programação muito legal para casais, e com certeza um casal pode se divertir beber e danças numa balada. Ignore o que falam pois o seu relacionamento é entre você e seu namorado, se ambos concordam, então, siga em frente!

Beijo

~*~

Insegurança nossa de cada dia.



Fala galera! Estou em uma situação que está me fazendo ter uns cabelos brancos antes da hora. Tenho um parceiro a distância. Nos conhecemos online e nos envolvemos. Temos feito planos de vida juntos, programado viagens e obviamente o nosso encontro porém, sempre com o pé no chão.

Um tempo depois de nos conhecermos a afeição dele pelo ex-namorado veio à tona. Nessa época já estavam separados há 8 meses. Foi um choque que eu soube lidar (ou não). Conversamos e nessa conversa o meu ex namorado também apareceu. Num determinado ponto, este meu amado disse que não desejava o ex, nem mesmo o amava ou o queria. Foi um alívio, mas eu sabia que deveria ficar com um pé atrás.

Por esses dias ele começou a se sentir mal, ele descrevia como algo no peito que precisava se libertar, e isso relacionado ao cara. Conversamos e brigamos mas eu acabei baixando a guarda. Ele quer conversar com o cara, alegando que o ex deve muitas explicações pra ele. Eu disse que o apoio se ele quiser ir e ter uma conversa porém, uma insegurança apareceu.

E agora? Continuo mantendo essa relação, driblo a insegurança, tentando descobrir como tudo vai proceder ou o mais inteligente seria cada um seguir o seu caminho?

Bruno, 18 anos, Uberaba/MG

~*~

Olá Bruno, tudo bom?

A insegurança é complicada em um relacionamento, acaba minando muita coisa boa que possa acontecer em nossas vidas, inclusive um relacionamento bacana, uma viagem, mudança de emprego… Ficamos atentos a tudo que pode da de errado e não nos focamos no mais importante, o que está certo e nos faz felizes.

No seu caso por exemplo: Vocês já venceram a distância no relacionamento, que é complicada, e agora estão pensando sobre o passado com seus respectivos? Passado é passado, todos temos, o que importa mesmo é como lidamos com ele e quais experiências aprendemos com cada pedra no caminho.

Não sou a favor de desistir de um relacionamento por motivos bobos como ex namorado que quer conversar. Acho importante ter esse tipo de conversa, até porque muitas vezes é preciso colocar um verdadeiro ponto final nas coisas e tocar a vida.

Deixe a sua insegurança de lado e curta seu relacionamento. Apoie o seu namorado nessa conversa, porque talvez seja muito importante para ele colocar os pingos nos Is e tocar a vida ao seu lado. Já pensou que pode ser isso que ele faz nesse momento?

Espero ter ajudado!

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...