Slide 1 Slide 2 Slide 3

MINHA VIDA GAY

'20 anos sufocando no armário' diz cantor Ryan Beatty que declarou ser gay.


Ryan Beatty tem 20 anos.


Artista usou sua página do Instagram para revelar sua orientação sexual.

O cantor Ryan Beatty, de 20 anos, decidiu sair do armário com um post em seu próprio Instagram, na terça-feira (28). Com uma foto de um casal de homens à frente de um balão com a expressão "poder gay", ele revelou a orientação sexual na legenda.

"Orgulhoso de ser um homossexual indomável. Levei 20 anos sufocando no armário para me sentir confortável ao dizer isso, mas agora posso, finalmente, respirar. Consegui!", escreveu Ryan.

´´proud to be a raging homosexual. it's taken 20 years of suffocating in the closet for me to become comfortable enough to say it, but now I can finally breathe. i did it!´´

Com uma mistura de acústico com música moderna, Ryan lançou seu primeiro EP, Because Of You, em 2012. O single, Hey LA, chegou no mesmo ano, sucedendo Every Little Thing, de novembro de 2011.

Jovem transexual está internada há 25 dias contra sua vontade em clínica particular de Curitiba.




Há um mês, uma transexual de 23 anos denunciou no Transgrupo Marcela Prado, de Curitiba, as pressões que vivia com sua família, tradicional da cidade. Filha de um renomado médico, ela afirmou que os pais a levaram até um psiquiatra que a havia desencorajado a acreditar que era transexual. Em respeito à privacidade da paciente, não revelaremos seu nome.

Alguns dias depois, após de uma postagem feita por ela sobre “famílias que matam seus filhos transexuais” com o preconceito, a jovem acabou internada em uma famosa clínica psiquiátrica da capital e desde então ela se encontra incomunicável. Segundo amigos, que chegaram a presenciar o momento em que ela foi internada em sua casa, ela apresentou resistência e não tinha intenção de fazer mal a si, o que foi alegado como motivo da internação.
 
Os amigos denunciaram para o Transgrupo Marcela Prado que por meio de sua assessoria jurídica acionou os órgãos competentes: Ministério Público, OAB, entre outros, e até impetrou um habeas corpus para tentar libertar a jovem transexual. Como o internamento é baseado em um laudo de que a jovem ofereceria risco a si, ela continua internada e incomunicável.

A Lado A entrou em contato com a Clínica Uniica, do grupo Marista, para saber se ela esta tendo sua condição de transexual respeitada no internamento. O editor Allan Johan conversou com o médico responsável técnico da instituição, Dr. João Luiz da Fonseca Martin, na manhã desta quarta-feira. O profissional - que segundo ele não conhecia a jovem antes - explicou os motivos que o levaram a crer que o internamento da jovem seria melhor para ela e assegurou que a sua transexualidade não é uma questão para a clínica, onde ela é tratada no feminino por todos, e ainda que ela continua com sua hormonioterapia. Ela mesma solicitou os hormônios que foram levados pela família. A jovem ocupa uma suíte, usa maquiagem, é uma paciente tranquila e contou ainda o profissional que a previsão é que o tratamento termine em três semanas.

Segundo ele, a questão familiar será abordada por meio de encontros e não há questionamento algum a respeito do gênero da jovem, mas quanto a sua capacidade de lidar com os desafios diários da vida. O médico afirma que ela tem uma agenda de oficinas e terapia, além de horários livres e assiste tevê. A clínica divide os poucos pacientes internados entre a ala de terapia e a ala de casos mais graves, e ela se encontra com outros pacientes que não oferecem risco na área de terapia. O médico informou ainda que nenhuma forma de preconceito foi observada e que caso aconteça os monitores estão preparados para coibir.
 
Como cabe à família autorizar o acesso à paciente, a Lado A não pediu para ver a jovem.
 
Amigas da moça ouvidas pela Lado A acreditam que internamento foi uma violência aos direitos da jovem, uma vez que ela era acompanhada por psicólogos do Centro de Pesquisa e Atendimento para Travestis e Transexuais e não estava desamparada.  Elas cogitam fazer um protesto no local se o bem estar da jovem não for comprovado.

A intenção do nosso contato com a Clínica era averiguar se ela estava tendo sua condição de transexual respeitada, o que foi assegurado pelo profissional. Não fazemos julgamento de valores e esperamos que a jovem saia fortalecida, principalmente na relação familiar, para que enfrente os pesados desafios que a vida impõe.

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (1) Comente aqui!

Um comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...