Slide 1 Slide 2 Slide 3

CONTOS DO LEITOR



Não Se Pode Confiar em Ninguém Mesmo


 


Oi... Meu nome é Sandro Becker e para os mais íntimos sou conhecido como Becker, moro no Parque São Jorge em Florianópolis/SC... Em 2010 conclui o curso de Fisioterapia pela UFSC e resolvi compartilhar alguns fatos ocorridos no primeiro semestre de 2010 que alteraram profundamente a minha vida e confirmou não existir esse negócio de melhor amigo ou menos ainda a confiança entre as pessoas... “ISSO NÃO EXISTE”...

Durante o curso, costumava sair com o Leandro, que considerava meu melhor amigo... Às vezes ficava puto com umas brincadeiras idiotas de passar a mão na bunda... Sempre gritava: “PORRA LEANDRO DEIXA DE SER GAY... CARALHO! VAI ALISAR A BUNDA DE OUTRO, SEU PORRA”... O pior é que o sacana fazia sempre isso e ficava rindo de minha cara... Passei a não esquentar mais, pois muitas vezes limpou minha barra com a minha noiva, quando aprontávamos em Garopaba e Laguna em nossas farras com outras garotas ou quando íamos surfar para fugir de algum evento familiar e informávamos que teríamos que estudar para uma prova... Bons tempos àqueles...

Numa sexta-feira após sairmos do aniversário de uma colega de faculdade, decidimos ir comer uma pizza no Restaurante Pizzaria Cabral na praia dos ingleses. O local é mágico à beira-mar e estava lotado nesse dia. Ao sairmos de lá por volta das 00h00min, caminhamos em direção ao carro de Leandro e percebemos um Negro alto e forte aproximando-se... O Negro apontou uma arma e disse: “CALEM A BOCA E ENTREM NO CARRO... VAMOS LOGO SE NÃO ATIRO PORRA”...

O Susto foi tão grande que o efeito do álcool passou na hora... Leandro foi dirigindo e fiquei no banco de trás com o Negro, que me algemou com as mãos para trás... Logo depois fui vendado... O Negro falou: “Ô BRANQUELO... VAI INDO POR ESSA RUA, QUANDO CHEGAR ONDE EU QUERO EU FALO MANO”...

Tentei argumentar com ele: “O AMIGO SE É DINHEIRO EU TENHO... PEGA TUDO AQUI DA MINHA CARTEIRA”... O Negro bateu em meu rosto e disse: “Cala a boca seu merda... Tú quer morrê?... Quer seu preiboi di merda?”... O Negro era alto, grande, forte e não expressava muito bem o português, principalmente quando queria falar algumas palavras em inglês...

Puta merda! Meu coração estava a mil por hora dentro de meu peito... Cara tinha certeza que íamos morrer naquele dia... Estava com muito medo... Sentia meu corpo todo tremendo... Estava apavorado... Calculei uma meia hora de estrada até o Negro quebrar o silêncio e falar: “É AQUELA CASA ALI MANO... ENTRA PELA LATERAL E NÃO FALA NADA, SE NÃO TÚ MORRI”...

Mandou Leandro parar o carro e antes de sair colocar as algemas que jogou em seu colo... Com Leandro algemado mandou que fosse andando na frente e abrisse a porta... Quando entramos retirou a venda e as algemas, então percebi estarmos em uma casa à beira-mar, pois escutava o barulho das ondas... Na sala algemou o Leandro em uma das colunas e mandou-me sentar no sofá... Pegou uma moeda e ordenou que escolhesse cara ou coroa... Disse que queria ver quem ia perder no cara ou coroa e começou a rir... Tentei dialogar e mais uma vez levei um tapa no rosto e puto da vida o Negro gritou:

“PREIBOI TÚ QUE MORRÊ SEU FILHO DE UMA PUTA... MANDEI TÚ CALAR A PORRA DA TUA BOCA... QUE SABÊ, DECIDI QUE FOI VOCÊ QUI PERDEU NO CARA OU COROA SEU BOSTA... VOU LÁ DENTRU E JÁ VOLTO E SE TÚ FIZER A MERDA DE FUGÍ, MATO TEU AMIGO AQUI E VOCÊ DEPOIS”...

Quando o Negro saiu, olhei para o Leandro e falei: “Puta merda Leandro e agora?... O que vamos fazer?”... Leandro respondeu: “Cara tenha calma, melhor fazer tudo o que ele mandar”... Um momento depois o Negro chegou e jogou uma calcinha em cima de mim e disse: “COMO VOCÊ PERDEU, VAI SER A MULHERZINHA DESSE FILME QUE VOU FAZER AGORA”... Mais uma vez tentei conversar com o Negro: “O amigo... por favor, vamos conversar”... Mal acabei a frase e recebi uma tapa forte no rosto... Puto da vida o Negro disse: “O preiboi, se tú abri a boca mais uma vêis ti mato... Vesti logo a porra dessa calcinha”...


Tirei minha calça e cueca, para vesti a calcinha... “Que merda... Que situação... Estava sequestrado e sendo obrigado a vestir uma calcinha fio dental vermelha”... Ao terminar de vestir a calcinha o Negro mandou virar de costas para ele e quando viu aquela calcinha toda enterrada em minha bunda, gritou: “Puta que pariu preiboi... Tua bunda é muito gostosa... Caralho pareci o rabo di uma mulher... Tava escondendu essi rabo gostoso era... Tem dono... KKKK... Seu viado”... Sim você vai ser a menininha desse filme que vou gravar agora... Já tá decididu, vamos filmar.

O Negro mandou que vestisse a minha calça e soltou o Leandro... Determinou Leandro me abraçar por trás, beijar meu pescoço e tirar minhas roupas... Ordenou que seguíssemos exatamente o roteiro criado por ele de uma relação sexual entre nós dois... Decidiu que Leandro deveria falar o meu nome e também o seguinte durante o sexo: “BECKER VOCÊ É UM TESÃO... SEMPRE QUIS COMER ESSE SEU CUZINHO... CARALHO BECKER, VOCÊ USA CALCINHA!”... O Negro não parava de filmar e decidia o que deveríamos falar...

Leandro beijava minhas costas, mordia minha bunda e deitou-me de bruços no sofá... Sentia sua rola dura roçando minha bunda... “CARA AQUILO NÃO PODIA ESTAR ACONTECENDO... SOU HÉTERO E ESTAVA PARA SER ENRABADO PELO MEU MELHOR AMIGO, QUE APARENTAVA ESTAR COM MUITO TESÃO, APESAR DA AMEAÇA DA ARMA DAQUELE NEGRO FILHO DE UMA PUTA COVARDE...

Leandro beijava, lambia e mordia minha bunda... Removeu a calcinha lentamente, como se estivesse apreciando o momento único e começou a esfregar sua língua, descendo por meu cofrinho... Sentia minha bunda sendo separada por aquela língua quente e úmida... Leandro continuava e continuava, até que senti a ponta de sua língua tocando meu anel e deslizando em movimentos circulares por toda a extensão de meu ânus... Estava sentindo um arrepio e sem querer soltei um gemido abafado... AAAAH!... O Negro falou: “TÁ GOSTANDO NÉ SEU PREIBOI CAMUFRADO... COM ESSA SUA BUNDA LOGO VI QUE TÚ É UMA BIBA... SAFADA... KKKKKK”.


 


Leandro continuava a chupar meu anel e a forçar sua língua para dentro de meu cú... Leandro abria minha bunda e muito excitado falava: “Caralho Becker que cuzinho mais lisinho e rosadinho... Que delícia cara!”...

Sou macho, nunca imaginei passar por uma situação dessas, que só acontece em filmes, mas o toque da língua de Leandro em meu cuzinho, fez com que escapasse mais alguns gemidos abafados de minha boca... “CARA AQUILO NÃO PODIA ESTAR ACONTECENDO”... O Negro falou: OK BRANQUELO... TÁ NA HORA DE TÚ FUDER ESSA BUNDINHA DELICIOSA... COMÊ O CÚZINHO DESSA BIBA”...

Leandro obedecia e começou a esfregar sua rola em meu anel, deixando-o todo melado e lubrificado... Quando a ponta de sua rola tocou a entrada de ânus, eu implorei: “PORRA LEANDRO... NÃO FAZ ISSO... POR FAVOR”...

Ele respondeu imediatamente: “CARALHO BECKER... FICA QUIETO... FALA BAIXO... VOCÊ QUER MORRER?... PORRA CARA TENHA CALMA... NINGUÉM VAI SABER DE NADA DISSO... O NEGRO FALOU QUE DEPOIS DE FILMAR, VAI NOS DEIXAR IR EMBORA... CALMA CARA”...

 

Leandro começou a forçar sua rola no sentido de meu cuzinho... Forçava muito e sentia a pressão, quando de repente falou: “CARALHO BECKER!... QUE CÚZINHO MAIS APERTADINHO CARA”... Leandro forçou e forçou muito... Num certo momento sentia a cabeça de sua rola abrindo caminho e removendo a minha virgindade... Leandro gemia de prazer, abria e fechava a minha bunda apertando e amassando as laterais de sua rola enquanto enfiava dentro de meu buraquinho apertado... Sentia sua rola entrando rente e justa em meu rabo... Apoiando suas mãos em meu ombro, empurrou tudo até que os seus testículos tocaram e pressionaram a minha bunda... Não resistir e gemi: “AAAAH... AIIII... LEANDRO POR FAVOR, NÃOOO!... PARAAA... AAAH... POR FAVOR”... Leandro muito ofegante ficou parado por alguns minutos e sentia sua rola latejando forte dentro de minha bunda... Leandro então muito ofegante falou: “ESTÁ GOSTANDO BECKER”?...

“PUTA QUE PARIU!... ELE PERGUNTOU SE EU ESTAVA GOSTANDO... QUE PORRA DE AMIGO É ESSE”... Leandro passou a fazer um movimento de vai e vem, sem retirar sua rola de dentro de minha bunda, sempre se apoiando em meus ombros... Depois passou a retirar totalmente sua rola e a enfiá-la em meu rabo com vigor e força... Fez isso, várias e várias vezes e gritava:

“CARALHO BECKER!... SEMPRE QUIZ COMER ESSE SEU RABINHO... SEMPRE TIVE UM TESÃO ENORME POR ESSA SUA BUNDA DELICIOSA... CARA EU TIREI A SUA VIRGINDADE... MINHA PUTINHA... MINHA VADIA”...

O que estava acontecendo... Será que fazia parte do roteiro do filme daquele do Negro escroto ou não? Cara! Sentir o Leandro comendo o meu rabo com força e falando sacanagens foi algo muito difícil de processar em minha mente, mas estava acontecendo, não era filme, era a pura realidade... Tentava focar a minha mente no barulho das ondas e assim afastar meus pensamentos daquela situação, mas não consegui, pois Leandro continuava sem parar, até que começou a urrar, gritar e berrar: “PUTA QUE PARIU!... VOU GOZAR NO SEU CUZINHO... AAAAAAH... HUUUUUM... AAAAH CARALHOOO... DELÍCIA”...

A pressão e o calor que sentia dentro de minha bunda no momento em que Leandro gozava forte foi uma sensação estranha de descrever, sentia as paredes de minha bunda explodindo pela pressão daquela rola dura pulsando forte dentro de meu cuzinho, estava com muito medo e a musculatura de meu anel absorvia toda a pressão daquele cacete totalmente enfiado dentro de minha bunda... Leandro ofegante apertava a minha bunda, me abraçava e com o peso todo jogado em cima de mim suspirava de prazer... Não podia fazer nada, apenas absorver todas aquelas novas sensações que experimentava... Leandro ainda muito ofegante ficou em cima de mim com sua rola pulsando enterrada em meu rabinho, deslizava a sua língua por meu pescoço e o chupava forte dando pequenas mordidas... Leandro sussurrava obscenidades e já sentia o seu cacete diminuindo de tamanho e latejando menos...

O Negro logo depois mandou o Leandro sair de dentro de mim e o algemou na coluna. Leandro retirou lentamente sua rola de minha bunda e disse: “CARA QUE PENA... NÃO QUERIA SAIR DAQUI NUNCA... ESSE RABINHO É DELICIOSO”...

Puta que pariu! que merda ele estava falando... Não entendi aquela atitude para alguém que estava sequestrado e sendo “FORÇADO A PENETRAR O SEU MELHOR AMIGO”... Por que estava falando aquelas coisas sem sentido?...

O Negro então falou: “O Branquelo... quero qui você filme eu comendo esse preiboi de merda... Se você não filmar eu ti mato... Entendeu seu branquelo di bosta?”...

Leandro respondeu: “Sim meu senhor... Filmarei tudinho para o senhor... Do jeito que o Senhor quiser, pode deixar”...

O Negro olhou para mim de bruços e disse: “Agora preiboi... você vai conhecê um macho di verdadi”... Eu me virei e pedi: “Por favor... Não... Por favor... eu te imploro”... O Negro apontou a arma na minha cara e disse: Você é malucu é seu merda... Tú é muito atrevidu mesmu... Tú que morrê seu filho de uma puta... Por isso que tú vai levar rola nesse rabo... Seu veado di merda... Se tú não virá essa bunda para mim agora, vou enfiar esse 38 no seu cuzinho e atirar... O que vai ser sua puta?...

Caramba! O que podia fazer... Fiquei com muito medo de morrer naquela hora e virei imediatamente ficando de bruços... Não podia mais fazer nada... Já havia sido enrabado pelo Leandro... O Negro deu umas tapinhas em minha bunda, beliscou e começou a enfiar seu dedo em meu cuzinho... Eu gritei e contrair meu anel... Ele falou: “Menina do cuzinho apertadu... vou ti arrombá direitinho sua putinha”... O Negro continuou a enfiar e a tirar seu dedo de meu anel... Continuou... Várias e várias vezes... Até que eu não consegui mais resistir e gritei de novo: “AAAAAII! AAAAAIII! PAREEE... POR FAVOR!... UUUUI!”...

O Negro me mandou falar: “COMI MINHA BUNDINHA... COME MEU NEGRO GOSTOSO... SOU SUA... ME FODI... MI ARROMBA TODA... SOU SUA MULHERZINHA... SUA VADIA...” Caralho! Falei tudo que ele mandou, palavra por palavra... O Desgraçado foi ficando mais e mais excitado...

 


O Negro esfregou a cabeça de sua rola em meu anel e segurando minha cintura, forçou forte a entrada de meu cuzinho tentando romper a resistência inicial encontrada... Eu me contrair todo, tentando evitar a entrada daquela rola em minha bunda... Ele gritava: “PUTA MERDA... QUI CUZINHO MAIS APERTADU... MESMO DEPOIS DE TER DADO... ESSE CÚ CONTINUA APERTADU... QUE... QUE É ISSO MEU“... Não sabia quanto tempo iria manter o meu cú contraído, pois ele forçava mais e mais, usando uma pressão enorme no sentido de meu cuzinho... Sua rola estava dura, muito dura e a pressão que fazia em meu anel tentando entrar era muito grande... Após alguns minutos não consegui mais manter meu anel contraído... Gritei alto quando sua rola entrou com tudo, só parando quando os seus testículos bateram em minha bunda... Era muito grossa a rola do Negro e a penetração foi muito profunda e vigorosa... Eu gemia e gemia muito... O Negro ficou um pouco surpreso, quando sua rola ficou toda enterrada em minha bunda... Ele comentou: “AVISEI QUE IA TI ARROMBÁ SEU PREIBOI DI BOSTA... DEU TRABALHO, MAS NUNCA DESISTÚ... TÁ PENSANDO O QUE SUA BIBA... SOU MACHO PRA CARALHU”...

Com o seu cacete duro e grosso até o talo enterrado em minha bunda, segurou minha cintura e começou a afastar e a aproximar minha bunda de seu corpo... Sentia minha bunda tocando e se afastando de seus testículos... O Negro manteve esse movimento rápido e forte acho que por uns dez minutos, o cara não parava... Sentia meu cuzinho sendo esfolado por aquela rola negra... O suor de seu corpo respingando em minhas costas e bunda... Muito ofegante o Negro acelerou mais e mais os movimentos e começou a se contrair todo... A pressão que a rola dele fez dentro de minha bunda foi muito forte... O jorro de seu gozo dentro de meu rabinho foi mais forte ainda a ponto de fazer com que eu contraísse o meu cuzinho... No momento em que contrair o Negro berrou de prazer: “ISSO... ISSO... SUA VADIA... APERTA MAIS ESSI CUZINHO DELICIOSO”... SEU FILHO DE UMA PUTA... QUE DELÍCIA ESSI SEU CÚ...

Contrair tão forte o meu anel que cheguei a ter uma ejaculação e o pior é que estava de pau mole... Cara eu não acreditei no que aconteceu, sentia uma pressão enorme em minha pélvis... Não sabia que isso era possível... Meu corpo se contraindo todo e o gozo saindo de meu pau no mesmo momento em que o Negro gozava dentro de mim... O que tinha acontecido comigo naquela hora... Caralho! Isso não podia estar acontecendo comigo... Depois de gozar forte, o Negro tirou logo sua rola ainda dura de minha bunda, me virou de frente e disse: “CHUPA MEU CARALHU SUA BICHA”... NEGRO ESCROTO, NÃO BASTOU TODA A TORTURA E HUMILHAÇÃO AINDA QUERIA TRIPUDIAR MAIS AINDA...

O Negro encostou sua rola em meus lábios e tentei manter minha boca fechada... O Negro gritou: ABRE A BOCA PUTA... ABRE A PORRA DESSA BOCA SEU VIADO... TA MI DESAFIANDU É?”... O Negro colocou o cano do revolve em meu cuzinho e começou a força para dentro de minha bunda... Não tive escolha e abri a boca... Mesmo com nojo, fui obrigado chupar e a limpar a rola dele com minha língua... O desgraçado gemia de prazer elogiando a minha boca de puta, mas o pior não foi à humilhação que o Negro me fazia passar e sim o fato de ao olhar para o Leandro, vi que segurava a câmera com uma mão e com a outra manipulava sua rola totalmente dura, como se estivesse batendo uma punheta cheio de tesão... Puta merda! O Leandro estava excitado com tudo que acontecia comigo naquele sofá... Essa foi à maior humilhação de minha vida... Como se não bastasse o Negro notou o sêmen que saiu de minha rola e rindo falou: “RA... RA... RA... RA... O PREIBOI GOZOU... KKKKK... GOZOU DE PAU MOLI... KKKK... É UMA BICHA DE VERDADI... MENINA... KKKK... Acredito que a compressão daquela rola grossa e dura em minha próstata tenha ocasionado o meu orgasmo de pau mole...

O Negro cumpriu a promessa e nos deixou ir embora, mas antes exigiu que eu vestisse a calcinha fio dental e ficou com minha calça jeans... Quando comecei a sair, com vergonha tentei cobrir minha bunda e ele gritou: “TIRA A MÃO BIBA... QUERO VER VOCÊ DESFILANDU ATÉ O CARRO... NÃO OLHA PARA TRÁS SE NÃO, VOU COMÊ TEU RABINHU DE NOVU”...

Chegamos ao carro e comecei a chorar... O Leandro falava para ter calma, pois ninguém ia saber de nada, seria como se nunca tivesse acontecido... Porra! Para ele era fácil falar para ter calma... Leandro me deixou em casa e fui direto para o banheiro tomar um banho, escovar os dentes e tentei dormir... No dia seguinte não fui à aula e faltei praticamente duas semanas de aula e nem atendia as ligações de minha noiva... Não consegui pensar em mais nada... Fiquei direto em casa e sem ânimo para mais nada.

Criei coragem e fui à casa de Leandro, precisava conversar com alguém... Toquei a campainha e a empregada abrindo a porta avisou que Leandro estava vindo... Leandro acenou sorrindo e caminhava a meu encontro, quando escutei uma voz familiar perguntando: “SENHÓ LEANDRU, COLOCU AS CAIXAS DI CERVEJA DÚ CHURRASCU ONDI?”... Ao virar para ver quem era, tomei um susto enorme e quase desmaiei... Era o Negro que tinha me sequestrado... Puta que pariu... Ele trabalhava na casa dos pais do Leandro... Não consegui acreditar, mas tudo foi uma armação do Leandro, que se dizia “MEU MELHOR AMIGO”... Sair da casa do Leandro correndo aterrorizado... Leandro gritou: BECKER... BECKER... PERAÍ CARA... VAMOS CONVERSAR...

Depois disso cheguei à conclusão que...

...“NÃO SE PODE CONFIAR EM NINGUÉM MESMO”...

...”NÃO EXISTE ESSA HISTÓRIA DE MELHOR AMIGO”...

O Leandro ainda ousou me coagir com o vídeo da filmagem editada que postou no Youtube, mas um dia quem sabe eu consiga relatar isso também...

O mais escroto de tudo é que apesar de já fazer seis anos ainda entro no endereço do vídeo com receio de encontrar a filmagem postada, mas pelo menos após a chantagem Leandro cumpriu a sua promessa e excluiu o vídeo... Um dia quem sabe fico livre de tudo em definitivo... A vida segue...

Sandro Becker

Poderá gostar também de:
Postado por Mac Del Rey | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...