Slide 1 Slide 2 Slide 3

CONTOS DO LEITOR



Vodca, madrugada é igual a SEXO...


 


-Goza vai ,goza pra mim ,me da leite na cara eu quero vai ,goza ... !!!

Não é uma ótima forma de começar meu conto ,mas foi assim que minha noite acabou .

Me chamo rafa "nome fictício" sou gay ,tenho 1,65 ,estatura mediana ,meio gordinho e com um bumbum adorável, moro numa cidade pequena no Paraná.

Era umas cinco ou seis horas da tarde, finalzinho de 2015.

Meu celular vibra, era minha amiga Pooh, é assim que vou me referir a uma das minha amigas "
-Oi poossuida.
-Oi Pooh.

Papo vem, papo vai decidimos sair naquele dia, porque havia uma feirinha que sempre tem no fim do ano.
Nesse dia, saí do trabalho era umas nove horas da noite. Subi em casa, tomei banho, me arrumei e desci chamar ela. Já eram umas dez e pouco.

-Pooh vamos.

-vamos Pooh.

Fomos. Lá estava bom, não havia o que reclamar, até que encontrei uma amiga antiga que fazia tempo que não a via, a Cabrita, e resolvemos ficar todas juntas .

Estávamos conversando quando ela vê o irmão dela. Gente ele é gostoso! Tem uns braços... Ele é bem altinho, deve ter uns 1,80 por aí, uma voz gostosa. Daria pra ele se rolasse ... Ele deve ter uns 20 anos gente.


Ficamos conversando lá ... Até que estávamos encapetadas e queríamos beber. Ninguém nos segura e fomos todos. Compramos uma vodka e ficamos perto do posto. Havia um banquinho e ficamos por lá. Aí, quem eu não lembro, inventou de brincarmos de “verdade ou consequência”. O jogo estava divertido. Havia notado que o irmão da Cabrita estava querendo minha amiga. Aquilo ali estava me cheirando a pegação, ou sexo pros dois. "sorte a dela".

Estávamos na terceira garrafa, todos loucos já. Nisso o irmão da Cabrita já havia beijado a Pooh, e pelo jeito que estava a coisa ele queria mais. Houve uma hora que ele pego ela e pôs no colo dele de frente com ele. Eu sabia que ia dá algo com esses dois. Por incrível que pareça eles não fuderam, foi só pegação, orgia total, só.
.
O amigo dele já havia indo embora. Eu estava conversando com o Wagner. Pra ser bem honesto, achei que ia rolar sexo, mas não ele estava “com graça” e mandei ele ir dormir. A Cabrita estava de rolo só que também não deu nada pra ela...

Enquanto isso, Pooh se acabava... Saímos de perto deles. Eu e Cabrita fomos andar. Quando resolvemos ir embora, voltamos pegar a Pooh e cadê ela? Os lobos uivarão queridos, e a noite dela ia ser babado...

Eu e a Cabrita fomos embora. Estava muito, mais muito bêbado. Deixei ela na rua da casa dela. "Ela me jura que foi embora" , mas para ser bem honesto eu acho que não. Ela foi se acabar na piroca também, tenho certeza...

Acabei indo embora transando as pernas. Vi meu primo Neu, nos falamos e fui.

Nisso quando virei a esquina vi um homem mijando.
Ele me olhou. Eu que já estava muito louco fui de frente com ele.

-oi, quer uma ajuda.

Ele ficou quieto e fiquei parado vendo ele mijar. Aquela pica me chamava. Ele balançava ela e mijava. Eu queria aquela pica, mas achei melhor ir embora, só que estava muito encapetado e voltei.

E falei.

-Eu quero seu cassete.
Ele já não mijava mais. Seguro o pau e me falou, vamos ali na frente.

Íamos em um lugar mais reservado, pois estávamos na rua.

Ele andando e eu passando a mão na pica dele, deslizava os dedos nela por cima da calça. Ele com cara de tarado me olhando.

Íamos virando a rua quando resolvi ir na frente, pra ver se havia um lugar mais sossegado. Ia rebolando pra provocar e passava a mão na bunda.

Acabei olhando para trás. Ele estava poucos passos longe, já com a pica pra fora.
Quando vi segurando aquele cassete fiquei louco e parei. Ele chegou e apertou, minha bunda. Eu segurei com força o pau dele e o empurrei perto do muro. Já estava muito bêbado e queria ele dentro de mim.

Eu passava a mão na barriga dele. Gente o boy era um puto de um gostoso! Ele todo filho da mãe me olhava e falava:

-vc não quer minha rola viadinho, é toda sua.

Nisso já havia descido a calça dele. Estava de joelhos de frente com ele. Passei a língua na cabecinha. Ele gemia. Lembro com se fosse hoje, era uma pica de veludo.

 

Passava a língua na cabecinha e chupava ela ao mesmo tempo. Mamava, olhava pra ele e descia a língua na pica toda. Ele gemia..
.
-Ah eu vou te comer viado.
E gemia alto.

Descia a língua com os lábios de leve nas bolas, lambia e chupava ela. Aquilo estava demais!

Subi e mamei o cacete todo enfiando ele inteiro na boca. Ele socava ela na minha garganta e gemia muito. Eu já estava louco de tesão, queria ele dentro de mim.
-Agora vou te comer viado

Bobinho, mal sabia ele que era o que eu queria.

Ele me deu uma camisinha e mandou eu por na rola dele. Aquilo estava me saindo melhor que encomenda. Peguei a camisinha e segurei com uma mão, com a boca puxei abrindo o saquinho .

Ele me olhando.

Pus o começo da camisinha na boca e desci arranhando com as unha de leve a barriga dele, até que cheguei na cabeça. Com a boca pus a camisinha. Pus minha mão de leve no seu cassete pra terminar de desenrolar a camisinha, enquanto chupava a pica .

Levantei, ele me pôs de bruços numa árvore, abaixei meu short e ele começou a passar a pica na minha bunda, como se tivesse fudendo, mas de leve.

E eu já mordendo meus lábios de tesãoo.

Ele fez isso alguns minutos. Do nada ele pôs a cabecinha. Nossa aquilo me gelou. Doía bastante. Ele então parou, esperou um pouco e foi devagar. Aquilo me rasgava, mas eu queria mais...

-Mete, mete vai...

-O viadinho quer rola é?

 

Ele socou de uma vez aquilo tudo. Foi como uma bomba no meu rabo. Ele parou e seguiu devagar. Doía, mas me acostumei e também estava bebadassa. Então o álcool de certa forma anestesiou.
Ele bombava.

-Não pára vai, põe tudo!

-Eu quero vc todo, vai.

Ele gemia e eu já não estava me aguentando. Eu ia gozar sem nem tocar no meu pau.

Ele bombava e falava:

-É isso que você está querendo? Ele fodia sem dó...

Ele tirou de dentro. Notei que ele ia gozar e caí de joelhos no chão depois que ele tirou o cassete de mim.
Ele tirou rápido a camisinha.

Eu de joelhos, ele pôs o cassete na minha cara. Eu já sedento por rola fui. Ele segurou minha cabeça e começou a bater uma olhando pra mim.

-Goza vai, goza pra mim, me dá leite na cara, eu quero, vai goza...

Foi dito e feito, ele gozou na minha cara.

 

Eu passei o dedo aonde tinha porra e levei na boca e ele olhando. Arrumou a calça, não falou nada e se foi...

Eu me levantei, me arrumei, tentei me limpar e fui embora.

E foi isso, uma das madrugadas mas loucas da minha vida .
Até hoje não sei quem era o cara.

Desconfio de um cara que me encara nas festa e cumprimenta, mas se é ele eu não estou nem ai pra saber não...

Poderá gostar também de:
Postado por Mac Del Rey | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...