Slide 1 Slide 2 Slide 3

HOMOSSEXUALIDADE

3 diferenças entre o amor e o apego, que muita gente não suporta descobrir.




Quantos de nós não viveu ou vive um relacionamento dependente, sem nem mesmo perceber? Muitos acreditam estar no controle da situação, ou que não conseguirão viver sem a pessoa que acredita amar. Mas, o fato é que ciúme, inveja e qualquer forma de controle é fruto do apego e nunca do amor.

O fato é que o amor fomenta características que já são da pessoa como sabedoria, felicidade, humildade, alegria e outras tantas. No apego, por outro lado, a pessoa busca se agarrar na outra para sentir essas emoções.

Existe muita confusão em relação ao amor, paixão e apego. São coisas completamente diferentes, que podem levar ao término do relacionamento por essa falta de entendimento.

1 – O amor é altruísta, o apego é egoísta

Quem ama se preocupa em fazer o outro feliz, em se certificar que o parceiro esteja se sentido amado e seguro, em construir elos de confiança. Busca fazer do relacionamento uma alavanca de crescimento mútuo, pela qual os dois sejam impulsionados a atingir seus próprios sonhos.

Quem é apegado busca formas do outro lhe fazer feliz, torna-se fortemente dependente do parceiro. Age de forma a manter o controle, não admite que o parceiro vivencie seus próprios objetivos e, normalmente, tem muito medo de ser abandonado.

2 – O amor é libertador, o apego sufoca
Quem ama aceita o parceiro como ele é, compreende suas fraquezas e o incentiva no desenvolvimento de suas habilidades. Cultiva a confiança mútua, procurando agir como catalisador para o crescimento de ambos. Compartilha de suas fraquezas, expõe suas vulnerabilidades e fala de seus sentimentos.

Quem é dependente não se sente seguro e tenta manter o parceiro sob controle. Não compreende o outro e faz de tudo para controlar suas ações e até pensamentos, a fim de que aja conforme sua própria vontade. O ímpeto de manipular restringe o crescimento de ambos, tornando o relacionamento tenso e insatisfatório.

3 – O amor é eterno, o apego é transitório
O verdadeiro amor resiste ao tempo, à distância e até à morte. Ele pode se modificar, mas jamais perde o sentido. O amor sobrevive à traição e à ofensa, porque compreende e perdoa sempre. Mesmo que a separação seja necessária, a pessoa amada sempre estará no coração que guardará por ela os melhores sentimentos e desejo de que seja feliz.

O apego é paixão, chama que se apaga ao menor vento, ou pior, transforma sua energia em ressentimento, deseja o mal e pode chegar ao cúmulo de praticá-lo contra aquele que diz amar.

Por não refletir nessas diferenças, muitas vezes sutis, as pessoas sofrem ora mantendo relacionamentos doentios, ora não aceitando a separação. Dominadas por emoções destruidoras, prejudicam a própria vida e se tornam amargas e infelizes. Mudar essa situação não depende do outro, pois, é da responsabilidade de cada um buscar o autoconhecimento e encontrar em si mesmo o que precisa ser feito.

E você?
Será que você tem controlado mais e amado menos? Que tal refletir um pouco sobre isso? Essas reflexões podem impulsioná-lo a agir diferente, afinal, amar é uma ação de quem decide que a vida só tem sentido quando nos libertamos de nossas crenças limitantes e, consequentemente, libertamos o outro. Não existe amor onde não há liberdade. E como diria Dalai Lama: “Dê a quem você ama: asas para voar, raízes para voltar e motivos para ficar”.

PERGUNTAS & RESPOSTAS


Pinto Grande: Como dar pra um?

Como encarar um pinto grande?


“Olá,

Pergunta: qual a melhor maneira de fazer sexo com um negro pra quem ainda não está acostumado com um pinto grande? Pra quem tem um ânus bem apertado, como relaxar, que brinquedos, acessórios, cremes, podemos usar para receber belo pinto grande de negão? É verdade que pode romper com as paredes do cólon do reto?”

Desde já agradeço.

Paulo, 32 anos.

~*~

Olá, Primeiro, pra aguentar um pinto grande de negão em ti, acho que é bom tu tomar um vinho antes, pra relaxar. E começar uma pegação, deixar o tesão bem aflorado, saca? Acho que se o cara tiver uma pegada boa, não precisa nem de brinquedo… mas de lubrificante SIM. E  muito. Além disso, vá com calma. Nada de querer subir no lustre e pular no pinto do negão de uma vez só. Já dizia minha chefe, com cuspe e jeito, não tem buraco estreito.

O ideal é treinarem para conseguir um desempenho melhor com o tempo, mas, se acha que não vai rolar novamente com ele, dê o seu melhor! HAHAHAHA. Ai ai, você me entendeu!

Voce ou ele, pode ``brincar``, com os dedos. Meleque o dedo com o lubrificante e faça movimentos circulares no anus em seguida, entroduza devagar o dedinho, de modo que, se doer, retire e novamente 
faça tudo de novo, ate a dor diminuir. Introduza dois dedos e assim, voce ja estara mais confortavel para receber o dito cujo.

Boa sorte!!

~*~

Sou gay e faço engenharia.


Sou Gay. E agora?

Tenho 19 anos e morei nos dois últimos anos em um capital do sul do Brasil. Até esse ano eu não era assumido, nunca fui discreto ao ponto jogar futebol e pegar todas as gurias das salas, mas também não era a bicha mais feminina da cidade. Era/sou ‘normal‘.

A pouco tempo contei para minha família e amigas próximas. Não foi um mar de rosas com a família, mas o tempo está ajudando. Agora estou indo estudar Engenharia Civil em uma universidade estadual.

O problema é que eu mal conheço a cidade onde vou morar e estudar. E convenhamos, nos cursos de engenharia não é o lugar mais propício de encontrar uma onda de gays ou alguém que pelo menos não tenham preconceito. Ah detalhe, a universidade só tem exatas, o que piorar se eu for interagir com os outros cursos.

Como devo agir na faculdade? Não vou me apresentar ‘oi, sou gay‘, mas também não quero esconder.

Obrigado pela ajuda.
 

Jean – Curitiba/PR

~*~

Olá Jean,

Gays e Lésbicas estão presentes em todas as profissões, seja Engenharia ou qualquer outra profissão. Não estamos presos a profissões como cabeleireiro, maquiador, jornalista, publicitário ou qualquer outra profissão voltada para Comunicação como as pessoas pensam.

Estima-se que entre 10 e 15% da população mundial seja gay, o que deixa aberta a ideia de que há gays e todos os lugares, inclusive em cursos como Engenharia, Física Nuclear, Geofísica e tantas outras. Eu mesmo conheço um cara que faz Física na USP e me disse que há sim muitos gays e lésbicas nesses cursos, portanto nada de se sentir com medo.

Quanto ao preconceito ele existe em qualquer lugar, seja no curso de Engenharia, Direito ou até mesmo dentro de nosso próprio universo gay. Não importa nível sócio econômico, apesar de algumas pesquisas apontarem que Mulheres mais velhas e menos escolarizadas são mais preconceituosas.

Ninguém precisa se apresentar com um ‘Oi, Sou Gay‘, até porque você já viu alguém se apresentando com um ‘Oi, Sou hétero‘? As pessoas devem gostar de você por quem você é, não com quem você transa ou deixa de transar, não é mesmo?

Bola pra frente que logo você fará muitos amigos na faculdade, sejam eles héteros ou gays!

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (1) Comente aqui!

Um comentário:

  1. Boa noite amigo, eu sou gay e fui fazer análise e desenvolvimento de sistemas, coisa de "hetero" kkkkk, comigo foi super de boa, no começo eles não sabiam, mas fomos nos tornando amigos, e hoje todos sabem, esse povo de exatas, pode parecer que não, mas eles costumam ser super mente aberta, tem uns e outros que não, mas... que liga pra eles! :P

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...