Slide 1 Slide 2 Slide 3

Diversidade nos Hqs II

Compartilhando em 3,2,1. ..... essa excelente matéria do site fansideral sobre diversidade nos Hqs.

“O segredo é saber trabalhar a diversidade, sem impor isso ou aquilo”

 
Segue o texto

PORQUE A “DIVERSIDADE” NA DC É MELHOR RECEBIDA DO QUE A NOVA “DIVERSIDADE” NA MARVEL


Uma matéria no Bleeding Cool na semana passada me chamou a atenção sobre a inserção de dois personagens gays na série de TV da Supergirl, e suas repercussões, em geral positivas, junto ao público. Principalmente porque recentes iniciativas do mesmo naipe pela Marvel não foram tão bem recebidas assim. E daí vem a diletante pergunta: o problema estaria no público ser “preconceituoso” realmente?

Muito pelo contrário. Afinal, Maggie Sawyer, que está fazendo bastante sucesso na série de TV da Supergirl não nasceu ontem. Ela surgiu nos quadrinhos nos anos 80, em outra famosa reformulação do Superman executada por John Byrne na época. Assim como não nasceu ontem a Batwoman, que voltará a ter sua própria revista em fevereiro, após uma calorosa acolhida dos leitores na atual fase da Detective Comics. A personagem se tornou a primeira super-heroína gay a ter sua própria revista por uma grande editora em 2011, já por ocasião dos “Novos 52”. Batwoman também em breve estará marcando ponto na TV, como anunciado pelos produtores de Supergirl.

Mas então porque Batwoman sim, e Homem de Gelo não, estariam se perguntando os leitores. Talvez tenha tudo a ver com a forma como as coisas são feitas. Em 1999, Warren Ellis criou o primeiro casal de super-heróis gay, Apolo e Meia-Noite, dupla que recentemente ganhou sua própria mini-série, após Meia-Noite estrelar pelo menos duas séries solo. Eles protagonizaram o primeiro “casamento gay” de uma grande editora de quadrinhos em 2002, muito antes da Marvel pensar em fazer marketagem com o Estrela Polar, em 2012.


Batwoman, Maggie Sawyer, Renee Montoya, Apolo, Meia-Noite, tem um grande diferencial em relação ao Homem de Gelo: eles foram já concebidos como sendo personagens gays. A DC não alterou um personagem de cinquenta anos já conhecido pelos leitores ignorando totalmente seu histórico para trazer mais diversidade para seus quadrinhos. Da mesma forma, o Cyborg sempre foi negro, desde que criado por Marv Wolfman e George Perez em 1980. Foi um movimento semelhante ao que a Marvel tinha feito com Pantera Negra, em 1966, Luke Cage em 1972, o Falcão em 1969, e a própria DC com o Raio Negro em 1977.


Matéria enviada por Joares 


Enquete


Sexualidade nos hqs
sou a favor da mudança de sexualidade dos personagens
contra a mudança de sexualidade
Não. Em vez de mudar a sexualidade porque não criar novos personagens gays.
Não e necessário abordar sexualidade nos HQS

Poderá gostar também de:
Postado por Estagiario | (2) Comente aqui!

2 comentários:

  1. Só pra constar, não é que mudaram a orientação sexual do Homem de Gelo, é que agora são dois Homens de Gelo: o primeiro que é adulto e continua heterossexual e o adolescente que viajou do passado junto com os outros x-men originais é que é gay.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pra completar, é como se o Homem de Gelo adolescente fosse um novo personagem porque o outro não foi substituído, mas eu concordo que a maneira de abordar o assunto pela marvel foi propositalmente controversa pra gerar repercussão e que não ajuda a representatividade de gays nas HQs.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...