Slide 1 Slide 2 Slide 3

HOMOSSEXUALIDADE

TRANS: Infância.


imagem do filme Tomboy, de Céline Sciamma


Na infância ainda estamos nos formando como seres humanos, não sabemos do que gostamos, estamos aprendendo sobre o que é o mundo. É nessa fase que muitos aprendem o preconceito, outros aprendem que ser eles mesmos é errado, e um número crescente de pessoas aprende a respeitar.

E então me vem a pergunta, como é a infância de uma criança trans? Não tenho muitos relatos de infância, mas os que conheço são, de certa forma, parecidos. O exemplo mais constante é vontade de brincar e vestir roupas do, dito, “sexo oposto”. Um exemplo também comum entre lésbicas e gays. Alguns dizem que já se sentiam diferentes, outros queriam fazer xixi de pé e outros queriam fazer xixi sentados. As coisas que desde pequenos somos ensinados a encarar como de homem e de mulher.

Essas ações das crianças são naturais, mas muitas delas são reprimidas. É o binarismo de gênero tentando forçar cada um a “ficar no seu lugar”. Mas então vem a pergunta: “Não é o binarismo de gênero que força a escolha trans?” Primeiro de tudo, Transexualidade não é escolha, assim como homossexualidade. E agora vai a minha opinião, meu ponto de vista, vamos deixar isso bem claro. Ok? Eu acredito que a expressão da sexualidade, da identidade de gênero e de suas inúmeras combinações, pode acontecer em qualquer etapa da vida. Isso vai depender da repressão, do preconceito, das referências e da abertura que se tem. Diferentes pessoas assumem em épocas diferentes.

A nossa performance de gênero depende das referências que temos, do modelo que a sociedade usa. Nós vivemos em um mundo majoritariamente binário com relação aos gêneros, logo as expressões tendem a seguir esse padrão. “Se nós tivéssemos maior diversidade de gêneros, os trans existiriam?” Tenho certeza que sim, mas as expressões seriam ‘de acordo’ com tal diversidade. A expressões das crianças só mostra o quão natural isso é. Nascemos sem saber o que é homem e mulher, mas somos ensinados desde o começo de nossas vidas. Nos dizem o que é coisa de mulher e o que é coisa de homem.  Nos dizem se somos homens ou se somos mulheres. Mas, apesar de ainda não sabermos ao certo, às vezes nos sentimos diferentes daquele padrão e agimos, naturalmente, de forma diferente. A naturalidade com que fazemos isso na infância é uma grande prova da naturalidade dessa diversidade. Pois se fosse algo aprendido, milhares de gay, lésbicas, transexuais, travestis, seriam heterossexuais que se encaixam perfeitamente no binarismo de gênero, pois é isso que somos ensinados. E vale lembrar que muitos heterossexuais também fogem ao padrão binário de gênero.

Só passamos a ter senso crítico quando crescemos, amadurecemos. Mas com o tempo também somos contaminados por pré-conceitos, sem nem saber o motivo de sua existência.

Deixar que as crianças de hoje cresçam sem as distorções com as quais crescemos, deixando que elas se expressem livremente, sem separar o que é de menino do que é de menina, é chave para uma sociedade com mais liberdade, mais respeito, e talvez a única maneira de conhecer a real diversidade humana.

Não sei quanto a vocês, mas sinto que mesmo com toda a diversidade que já temos, ainda nos limitamos demais.

PERGUNTAS & RESPOSTAS

Boy Magia: Quero consquista-lo!


Oi pessoal!

Descobri o blog de vocês pesquisando na net sobre como deveria fazer para conseguir conquistar um carinha por quem estou apaixonado. Para que vocês entendam melhor, vou contar um pouco da minha história.

Já na infância tive vontade de ter contatos homo afetivos com alguns amigos. Na adolescência tive um amigo muito próximo com quem sempre tive algumas “insinuações” mas nenhum contato físico. Nesse ínterim, nunca deixei de gostar e namorar garotas. Só que hoje, aos 24 anos, encontrei um cara por quem me arrisquei e começamos a ficar.

Esse cara é, de fato, o primeiro homem com quem me relaciono (até o presente momento temos ficado algumas vezes e tiramos apenas sarros, nada de sexo gay). O problema é que estou completamente apaixonado por ele. Infelizmente ele é do tipo que gosta de estar livre para ficar com “quem” quiser e “quando” quiser e preciso admitir que isso tem me machucado muito porque, não vou mentir, estou amando o cara. Como não estou acostumado ao universo gay, tenho lido muito e pesquisado sobre como são os relacionamentos homo afetivos e o que posso fazer para conquistá-lo.

Como só tinha ficado com mulheres, muitas vezes (quase sempre) não sei como devo tocá-lo, de que forma pegá-lo, como provocar prazer nele. E é por essa imperícia que creio não conseguir conquistá-lo.

Ele é um cara de 23 anos, experiente no universo gay e passivo.

Eu, um cara bissexual e que topo fazer qualquer coisa com ele.

A ajuda que eu quero é:

1º Como faço para conquistá-lo, levando em consideração que nunca tive contatos com homens?;

2º Do que os gays gostam nos outros homens?;

3º Qual é o “Ponto G” de um gay passivo?

4º Como e onde pegá-lo para lhe proporcionar mais prazer?;

Resumindo: preciso saber de que forma eu posso melhorar meu desempenho para fazer com que esse cara fique comigo.

Obrigado!

Casa Nova, 24 anos – Recife/Pe

~*~

Oi, Casa Nova! Meu primeiro impulso, ao ler sua história, foi escrever: FOGE, MENINO, FOGE! Essa coisa de se apaixonar por quem quer ficar livre para saltitar pela vida é uma roubada. É sempre muito cômodo pro cara saber que alguém o ama e que ele terá sempre alguém que vai topar tudo o que ele quiser.

Mas, vou responder o que perguntou:

1º Como faço para conquistá-lo, levando em consideração que nunca tive contatos com homens?
-Homens não são ETs. Você é homem, basicamente, o que você curte, ele também curtirá. Mas no sentido romântico de conquista… não sei. Se ele não quer um relacionamento sério, pode te achar meloso demais… se você mandar flores, por exemplo. E se disser “Eu Te Amo” pra esse boy magia, ele pode sumir… Então, melhor é demonstrar interesse, mas não muito. Não se entregue de bandeja.

2º Do que os gay’s gostam nos outros homens?
-O que me faz gostar de homem é a postura de homem, pegada forte. Então, muita delicadeza me brocha. Não, não gosto de apanhar, apenas me refiro ao toque, pele… é diferente, mulher é mais delicadinha. Então, gays gostam de macho. Agora no sexo… cada um gosta de uma coisa… o melhor é ir percebendo o que faz esse boy magia gemer mais alto… o que lhe dá mais prazer..

3º Qual é o “Ponto G” de um gay passivo?
-Ai. Que ponto G? Você quer dizer o ponto O de Olho do Koo, né? 

4º Como e onde pegá-lo para lhe proporcionar mais prazer?;
-Como disse, isso difere de ser humano pra ser humano! Eu fico doido se mordiscam milha orelha, tem gente que pira se lambem e mordiscam seus  mamilos dos peitos.. tem quem goste que o parceiro brinque de “dedinhos da Eliana” no ponto O… o jeito é ver o que surte mais efeito nele.

“Resumindo: preciso saber de que forma eu posso melhorar meu desempenho para fazer com que esse cara fique comigo“.

Casa Nova, seu lindo! Se prepare para tomar um SHOCK DE REALIDADE: Não é o fato de você mandar bem ou mal que fará o boy magia querer te namorar. Se ele quer no momento saltitar de cama em cama, tenha em mente que o NÃO prum relacionamento com ele você já tem. Então, curta. Sem neuras. Sem endeusar o boy. Sem se menosprezar e se colocar pressão demais pra segurá-lo contigo.
Tudo na vida passa, meu filho. E tudo serve de aprendizado. Aproveita enquanto dura. Se ele não quiser mesmo ser teu namorado, azar o dele.

Beijos.

~*~

Sentindo a dor da passividade.



“Meu nome é David,tenho 18 anos e tenho uma pergunta: eu não faço sexo há bastante tempo, só tive um garoto em minha vida, e quero sair com um rapaz, mas eu fiz sexo há tanto tempo atrás que não sei se vai doer. Porque da última vez que eu fiquei com o garoto que saia, ele começou a botar e doeu um pouco. Daí pedi pra parar. Será que eu saindo com esse outro garoto, vai doer?”

~*~

Então... provavelmente vai doer. Mas se você é PAM (Passivo Até a Morte), com certeza vai DAR um jeito de aguentar firme e superar a dor.

Tenho um amigo que diz que ser passivo não é fácil. É quase uma arte! É abdicar de muitas coisas. Tipo, comer Buchada de Bode antes de transar, não pode. Nem nada que pese demais no estômago e te deixe com vontade de ir no banheiro fazer o número 2.

Eu concordo com essa coisa de ser difícil a arte da passividade, mas acho que deixar de comer é besteira. Só fazer a chuca antes do vucu-vucu e ta valendo.

Use lubrificante durante o sexo anal e peça pro moço ir com calma, depois de um tempo sua porta traseira se acostuma com o novo visitante e daí as coisas fluem com menos dor. Mas, se não DER dessa vez, tente de novo outro dia. Ou sei lá.. vire Mórmon e saia pelo mundo afora convertendo pessoas.

OBS: Caso não seja um PAM com letras maiúsculas, peça pro boy parar de novo. Pois, falando bem francamente, o cu é teu, quem sofre a dor, quem vai ficar andando de pernas abertas, sem poder sentar direito no dia seguinte é você. Dane-se o garoto.

Beijos.

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (2) Comente aqui!

2 comentários:

  1. Menino, acho que com o tempo a dor vira prazer. Se tiver sorte com um ativo habilidoso e carinhoso, esse prazer pós dor já vai aparecer até mesmo na primeira (segunda?) transa.

    ResponderExcluir
  2. E´ isso mesmo. Pode doer no principio, mas se torna em prazer. Como mostrei na coluna `SEXO``( ve la que e interessante), com imagem e tudo, o PONTO G que todos os homens tem, fica na parte interna do anus na altura dos testiculos. E´ uma parte sensivel que tocado, voce var soltar um uiii bem gostoso. Alias, qualquer homem pode ser passivo, desde que faça um pouco de sacrificio no inicio, isto e´, ir devagar, e respeitando o seu corpo. Se doer, pede pra tirar e começar de novo. Nao se preocupem que depois de um tempo, tudo volta ao normalm voce nao vai ficar com o koo aberto. Claro, a nao ser que voce enfie um braço nele...kkkk

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...