Slide 1 Slide 2 Slide 3

CONTOS DO LEITOR



DESCOBRINDO O AMOR EM OUTRO HOMEM


 

Chamo-me Brandom, tenho 1,92 alt, 85 Kg. Branco, alto, olhos azuis, sou loiro tenho 28 anos. Meus amigos me chamam de alemão. Vou contar para vocês a história real de como conheci o amor da minha vida, e por bobeira minha quase que o deixo espaçar por entre meus dedos...

Isso ocorreu a 3 anos. Na minha cidade tem uma tradicional festa chamada Barraquinha de Santa Rita, reúne muita gente. Estava eu com alguns amigos, todos héteros e eu também até aquele dia...

Eu sou agrônomo, e meus pais tem fazenda o que me torna conhecido na cidade. Nessa festa já eram 01:00 da madrugada, quando meio animado por ter bebido muito, estou saindo dela com uma taça de vinho na mão, quando outro bêbado trombou comigo e derrubei vinho nas costas de um rapaz que estava de camisa branca...

Na hora pensei, vai dar merda. Quando o cara olhou para trás, senti uma coisa estranha no peito, ele era moreno da cor do pecado, traços bem delicados no rosto, um corpo gostoso, não malhado apenas bonito, ele me olhou e deu um sorriso com olhar de desdenho e saiu. Quando ele fez isso, meu coração disparou, mas não podia deixar meus amigos perceberem, afinal eu era hétero, disse a eles que iria ao banheiro, e fui atrás do cara...
Ele estava parado em uma esquina como se esperasse alguém cheguei me desculpei, ele disse que tudo bem, mais sua expressão era de quem estava com muita raiva, eu me senti super mal, quando ele falou comigo quase tremi, sua voz era firme, ele tinha 1,80 de altura, aqueles olhos mel, estavam começando a me excitar...

Perguntei o nome dele, o que ele fazia, se era daqui, onde mora, ele prontamente respondeu, que era sim da cidade, tinha acabado de entrar para o curso de economia na faculdade, tinha 20 anos, e que se chamava Junior (nome fictício) e me disse que morava em um condomínio, que por sinal era o mesmo que o meu.

 
Quando ele disse isso, me prontifiquei dizendo que o levaria ele me olhou dos pés a cabeça e disse que não precisava, era um olhar de desprezo, aquilo estava mexendo comigo, meu pau que estava meia-bomba ficou totalmente duro, ele notou minha ereção, já que minha calça era justa do tipo “agro boy” ele viu minha empolgação e deu um sorriso sacana, nossa aquilo me deixou louco, e disse para ele ir comigo, novamente ele disse não me desdenhando, quanto mais ele me desprezava mais eu queria.

Depois de uns 20 minutos insistindo ele aceitou, quando chegamos ao meu carro, a feição dele até mudou, na época eu tinha uma Mitsubishi Prado, entramos no carro, e no caminho conversamos, mas o cheiro do perfume dele junto ao cheiro de vinho me mantinha de pau duro o tempo todo. Eu não estava entendendo meu corpo, poxa era um homem do meu lado, mais o instinto estava me guiando.

Quando chegamos a sua casa fiquei em choque ele morava de frente comigo e eu conhecia seu pai, era um cliente da empresa de Consultoria agrícola que eu trabalho. Quando paramos, perguntei se não queria ir a minha casa, pra conversarmos, pois eu queria ser seu amigo. Ele me dispensou de novo, dizendo que além de não querer minha amizade, tinha prova no outro dia, e que teria que descansar.

Quando saia do carro perguntei se ele não queria mesmo minha amizade, ele retrucou dizendo que minha amizade não, mas...Não concluiu a frase e saiu...

Aquilo estava me enlouquecendo queria bater uma ali mesmo, não é possível que um cara de 20 anos estivesse me controlando daquela forma.


 

Cheguei em casa e não consegui dormir, bati umas duas bronhas pra ele e ainda estava de pau duro.

No outro dia, estrategicamente as 09:00 fui à sua casa, aproveitei que estava no período de combate da soja e fui visitar seu pai. As casas do condomínio não tem muros na frente então cheguei a porta, toquei o interfone, e a voz do Junior me atendeu. Não me identifiquei, perguntei pelo seu pai. Ele chamou então e seu pai veio me atender.

Convidou-me a entrar e conversamos por muito tempo. Eu sabia que as que as aulas do Junior começariam as 10 da manhã na faculdade, então as 09:45 me despedi dizendo que iria rumo ao centro. O pai dele me perguntou se poderia deixar o Junior no centro. Nem acreditei meu plano deu certo! Disse que sim sem mostrar minha empolgação.
Entramos no carro, chegamos lá ele desceu sem dizer uma só palavra. Como era época de provas decidi esperar por ele. Eu fiquei lá rodando tomando sorvete.

Quando ele voltou, depois de quase três horas, perguntei como tinha sido a prova. Ele me deu um mega sorriso e disse que pra ele tudo era muito fácil, que se garantia em tudo que faz, e me uma piscada com olho esquerdo.

Ele estava tão confiante, e me perguntou o que eu ainda fazia ali, disse que esperava ele e que iríamos sim ser amigos e que eu não aceito não como resposta...
Ele então sorriu e entramos no carro. Ele me convidou pra almoçar, então fomos, comemos conversarmos, nos conhecemos, e eu cada vez mais apaixonado por ele.
Saímos do restaurante, entramos no carro, ele colocou a mão em minha perna eu gelei, então ele começou a me beijar, e que beijo era aquele, nem me preocupava de estarmos em um estacionamento em uma vaga frente a rua.

 Nos beijamos mais ou menos uns dez minutos. Ele controlou o beijo, chupou minha língua, conheceu toda minha boca, foi lindo... Então ele ligou para o pai dele e disse que havia horário no dentista, demorar um pouco e depois iria sair com amigos.

 

Olhou pra mim e ordenou, com olhar firme e penetrante: vamos pra sua casa! Na hora fiquei pensando, esse muleke já armou tudo. Nossa, meu pau estava em tempo de estourar minha calça justa.

Cheguei com bastante cuidado em casa já que ele morava de frente, entrei na garagem descemos e entramos em casa. Moro numa casa muito confortável, e grande, então ele me perguntou se morava sozinho. Quando disse que sim, ele retrucou: Isso vai acabar logo, e veio em minha direção. Meu coração batia muito rápido, ele chegou próximo começou a desabotoar minha camisa, a tirou. Quando me tocou e viu que eu estava trêmulo me perguntou se era virgem, eu disse que com homem sim.

Parece que aquilo atiçou ele, ele me beijava minhas pernas tremiam, ele desabotoou minha calça e abaixou junto com minha cueca, descobrindo meu pau. Fiquei com vergonha, mas ele muito determinado sorriu pra mim e disse que era lindo. E modéstia a parte era mesmo, branco com a glande rosada 19x5 cm.

 

Ele me deitou no sofá e começou a me beijar deixando marquinhas vermelhas, então colocou a boca no meu pau. Quase gozei, era emocionante demais, ele chupava muito gostoso, girava a cabeça, lambia e alisava meu saco enquanto chupava, muito melhor que qualquer boquete que já ganhei na vida, eu o queria! Quando viu que eu iria gozar, ele parou, ficou de pé e tirou sua roupa. Que corpo lindo! Quando foi tirar a cueca, virou de costas, nossa que bunda gostosa, lisinha moreninha, redondinha ornada com pernas bem torneadas e com poucos pelos. Tirou a roupa, me pegou pelo braço e perguntou onde era o quarto e então fomos.

Subimos as escadas, ele na frente e eu vendo aquele cuzinho, e querendo estar dentro dele. Chegamos no quarto e ele continuou a chupada e que chupada! Foi melhor que a primeira. Quando ia gozar, pedi pra ele parar. Então o virei de costas pra mim...

 
Beijava seu corpo, quando cheguei ao cuzinho, que vi, não aguentei. Mordia e chupava aquele cu. Fiquei nisso uns 10 minutos, então ouvi sua voz ofegante dizendo “me come”!
Nossa, isso me acendeu. Peguei uma camisinha no criado mudo, coloquei, peguei lubrificante, passei. Coloquei um dedo, pra preparar, depois não aguentando mais, forcei a entrada.

Demorou um pouco, estava apertado. Ele gemia de dor e prazer, então quando entrou a cabeça deslizou até a metade, soltei um suspiro e ele começou a rebolar me excitando ainda mais. Comecei a bombar de leve, até que acelerei. Como era bom comer aquele cu!

 
Fiquei metendo dez minutos, eu já queria gozar então ele se afastou, me deitou na cama me beijou e sentou em cima, e cavalgava em cima de mim. Ele mexia o corpo como uma puta e me olhava nos olhos. Nossa que cara gostoso!

Não aguentei e gozei dentro da camisinha. Ele sem tirar meu pau de dentro fez uma carinha de tesão e gozou na minha barriga. ficamos lá extremamente cansados, eu dentro dele ainda de pau duro então ele levantou e me chamou pra tomar banho. No banheiro, nos beijamos, rimos muito.

Naquele momento tive uma certeza eu queria aquele cara, pra passar o resto da vida comigo, e assim foi, éramos ótimos amigos, ele sempre vinha a minha casa e até dormia aqui algumas noites. Mas quando estávamos em publico eu não conseguia agir como eu sempre agia em casa, eu era mais frio. Por mais que o Junior fosse e é um cara muito discreto eu tinha receio que meus amigos e família descobrissem alguma coisa a nosso respeito, e assim foram-se passando os meses até que o Junior me intimou e disse para eu mudar de postura, pois para ele daquela forma não estava muito bom.

Tentei conversar dizendo que no meu trabalho não daria pra eu me assumir homossexual pois correria o risco até de perder o emprego se fizesse isso. Ele então disse que era melhor continuarmos apenas como amigos, que não iria mais fazer sexo comigo, nem me beijar. Que precisava me esquecer, e assim ele fez. Passou a me tratar apenas como amigo...

E eu em um ato de extrema burrice, em uma festa de final de ano da empresa onde os agricultores estavam e consequentemente o Junior eu beijei uma garota. Fiz porque queria provar pra mim e pra ele que ainda poderia ficar com mulher se quisesse. Depois desse dia, o Junior sumiu, não entendia meus telefonemas, não nos encontrávamos mais.
Ficamos de dezembro até fevereiro sem nos ver, até que em uma noite de março, eu chegava em casa e notei que o Junior também chegava, porém acompanhado de um rapaz. Meu peito doeu nessa hora, fui correndo de encontro a ele. Já cheguei perguntando quem era o cara e porque estavam juntos, ele me mandou parar de escândalo e disse que era amigo de faculdade dele. Fiquei super sem graça, mas já aproveitei e disse na frente do cara e do seu pai que saia a porta: Junior volta pra mim eu te amo...

Quando fiz isso, ele arregalou os olhos e me abriu um mega sorriso. Como eu senti saudades do sorriso dele. O pai dele que eu pensei que fosse ficar furioso sorrindo falou, finalmente você admitiu que ama o Junior, ou você achou que eu não sabia que meu filho era gay, ou que vocês namoravam?

 

Após a recuperação do susto, abracei o Junior, e disse em seu ouvido que nunca mais nos iríamos nos separar... e tem sido assim até hoje....


Poderá gostar também de:
Postado por Mac Del Rey | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...