Slide 1 Slide 2 Slide 3

HOMOSSEXUALIDADE

Transfobia.




A segregação e o preconceito não são uniformes para e com a comunidade LGBTT, mas diferentes para cada letrinha. Sem contar o preconceito entre os LGBTT. Dentro desses “preconceitos específicos” existe a Transfobia, que segundo a Wikipédia “refere-se à discriminação contra as pessoas transexuais, travestis e transgêneros”.

Acredito que a transfobia seja o “novo grande preconceito”. Apesar do grande problema que ainda é a homofobia, a situação é menos pior. Da mesma forma que racismo ainda existe, mas a homofobia ainda é mais problemática, a transfobia é um problema maior que a homofobia.

Como divulgado, saiu o primeiro estudo a respeito do perfil das vítimas de homofobia no Brasil. Não há menção a transfobia, transexuais, travestis. São todos encaixados no binarismo de gênero, Homem e Mulher. O binarismo, que é problema para homens e mulheres gays, é um dos, senão O, grande obstáculo para os trans. São pessoas, que por natureza, desafiam as concepções criadas de masculino e feminino. Seus corpos são os dois ao mesmo tempo, eles transitam na multiplicidade e na diversidade que é o ser humano.

É a necessidade de “um ou outro”, e não a transexualidade, que gera a confusão. E a identidade de gênero não está, necessariamente, atrelada a sexualidade dessas pessoas. Uma mulher trans, assim como um homem trans e uma travesti, podem gostar de homens, mulheres, trans, de qualquer uma das letras da sigla ou de todas as letras da sigla. Mas a sexualidade fica pra uma discussão mais a frente, com um texto só pra ela.

A transfobia chega ao absurdo de deixar várias pessoas sem opção de emprego, em situações de constrangimento por apenas mostrar a identidade, serem chamados pelo nome de registro e não o nome social e a lista continua. Mas, na minha opinião, o pior de tudo é a transfobia por parte dos LGB’s. Pessoas que lutam por seus direitos, são agredidas pelo mesmo motivo, não respeitam a própria diversidade. Se queremos igualdade, que ela comece entre nós.

Todo e qualquer assunto dessa coluna pode, e será, tratado em vários textos. Essa é apenas a ponta do iceberg, um pedacinho do que é a transfobia. Talvez o suficiente pra te fazer pensar mais a respeito antes de entrarmos em maiores detalhes.

PERGUNTAS & RESPOSTAS

Sou gay e moro numa cidade pequena.



Até hoje ninguém ainda sabe que sou gay, durante muito tempo vive uma personagem heterossexual, (personagem mesmo, interpretava, confiscava-me, sempre pensando em como falar, andar, agir) ficando com diversas garotas, tinha me tornado o hétero porra loca, por pura pressão da minha escola, dos meus colegas, da minha família que sempre foram extremamente preconceituosos. Mas isso nunca me satisfez, fazia isso por pura pressão social e se uma menina quisesse alguma coisa a mais tinha que inventar mil desculpas. Cheguei a até namorar uma garota, mas vocês devem imaginar que não deu certo.

Depois que comecei a morar sozinho pude ter mais tempo de ficar comigo mesmo e refletir que isso não faz sentido algum, decidi ser fiel a mim mesmo e já faz 6 meses que não fico com ninguém. O maior problema foi essa imagem que construí, então as pessoas não me veem como gay e eu não estou nem um pouco feliz com isso, pois gostaria muito de ficar com um rapaz, estou louco pra dar meu primeiro beijo gay de verdade, com sentimento. No entanto moro em uma cidade pequena e é difícil encontrar algum gay que me atraia aqui, pois para conseguirem parceiros eles tem de deixar claro pra todo mundo que eles são gays e eu gosto de ter minha vida pessoal aberta só pra pessoas que realmente valham a pena.

Gostaria de saber como começar minha vida como gay, pois ainda não me sinto confortável e nem penso que faz minha praia, fazer o esteriótipo só pra avisar a todos. Minha família ainda não sabe e penso em contar pra eles depois que já estiver em uma relação.

Um abração pra todos vocês!

Gabriel, 19 anos

~*~

Para aqueles gays que moram em cidades pequenas, sair do armário é realmente complicado, até porque em cidades assim quase todos se conhecem e a fofoca corre solta quando acontece algo de diferente, o que dirá de alguém que assume ser gay.

Estima-se que 10% da população mundial seja gay, ou seja, aproximadamente 10% da sua cidade também é gay. Sejam eles enrustidos, assumidos ou nem tenham consciência disso. Querido, tem um monte de gays por aí, basta dar uma calibrado em seu gaydar e achar algum que te atraia.

Penso em duas outras formas de finalmente dar seu primeiro beijo gay e quem sabe um relacionamento:

– Se na sua cidade você não tem espaço para se assumir e continuar a viver normalmente, é possível ir para outras cidades maiores e conhecer algum cara bacana. Dá um pouco mais de trabalho que ter um relacionamento próximo? Não vou mentir! Dá sim, mas é uma forma de ter sua privacidade sem se expor muito.

– Já pensou em morar em outra cidade? Você já mora sozinho e talvez mudar para uma cidade maior ajude bastante. Aqui em São Paulo por exemplo, a população é chamada de flutuante, e explicando em miúdos é: Há tantas pessoas aqui que a probabilidade de reencontrar alguém que te veja beijando um cara é bem baixa., e o ‘anonimato‘ por conta disso é bem maior.

Por mês milhares de gays e lésbicas chegam na cidade procurando justamente isso. Viver plenamente sua sexualidade sem se preocupar que a vizinha fofoqueira fale para o resto da rua o que você faz ou deixa de fazer. Alguns são mais extremistas mudam de país, tanto que há diversos relatos de LGBTs morando [felizes] nos mais diversos países do mundo! É uma possibilidade.

Beijos.

~*~

Ele tem nojo de si mesmo por ficar com homens.




Desde o começo do ano acho um cara muito bonito, mas sempre trocávamos olhares. O adicionei no Facebook, mas não conversamos até pouco tempo atrás. Numa das conversas ele disse que estava afim de sair, mas estava cansado. Não havia contado que sou gay pra ele.

Durante a conversa ele disse que morava no mesmo bairro que eu, inclusive bem perto de casa. Fiquei super feliz e o chamei pra beber alguma coisa na porta de casa. Ele não topou porque estava muito frio. Ele me chamou pra tomar algo na casa dele, já que ele estava sozinho em casa. Começamos a beber, conversar, mexer no Facebook e demos muitas risadas.

Eu não tirava os olhos dele e nem ele de mim. Fomos ficando cada vez mais perto e nos beijamos. Me realizei! Ele me chamou para ir ao quarto dele e começou a tirar a minha roupa, mas disse que não queria transar porque queria ir com calma. Claro que as coisas começaram a esquentar e fizemos sexo oral um no outro, mas não houve penetração. Tomamos banho juntos.

Ele confessou que foi o primeiro beijo e relação com outro homem e que adorou os carinhos que fiz nele. Nem preciso dizer que estou completamente apaixonado por ele, né? Só de ter estado ali, poder ter abraçado ele e o beijado.. nossa foi inesquecível pra mim. Teve um momento que eu disse que ele era muito especial pra mim e que eu estava apaixonado (não sei se fui precipitado). Mas, eu falei !

Na faculdade conversamos de boa, e logo ele perguntou se havia contado pra alguém já que ninguém sabe que ele é gay. Claro que não contei pra ninguém. Depois disso ele sumiu, entrava e saia do Facebook mas e comecei a achar algo errado e fui atrás dele numa boa.

Ele falou que se arrependeu do que aconteceu, que não queria essa vida pra ele, que sentiu nojo de si mesmo e só transou comigo porque queria experimentar tudo na vida e que nunca mais iria acontecer. Disse que pensa na mãe dele e etc. Não estou com raiva dele, só me sentindo péssimo com isso.

Acredito que ele não se aceita e está confuso. Se for mesmo verdade que ele nunca transou como homem eu posso até entender, mas como eu fico?

Será que ele sentiu nojo de mim? Será que eu fiz algo de errado? Será que ele gosta de mim e não quer admitir? Pode estar envergonhado com medo do que os outros vão pensar?

O que eu faço?

Felipe, via E-mail

~*~

Olá Felipe, que situação hein? Vamos por partes para ficar mais fácil?

Ele:
Pelo que você falou, ele curtiu ficar com você sim. Até porque ele te chamou para ir na casa dele quando não tinha ninguém [já tramando de ficar com você]. Algumas pessoas quando extravasam sua homossexualidade se sentem culpadas por isso, porque acham que ser gay é errado. Religião, Medo, Preconceito, Formação familiar… tudo isso influencia na aceitação de nossa sexualidade. Não é fácil descobrir-se gay para a maioria das pessoas. Ficamos com medo que as pessoas nos odeiem, principalmente nossa família. Talvez por isso ele tenha pensando na mãe dele.

O melhor a se fazer nesse caso é tentar conversar com ele algum dia desses e falar um pouco sobre a homossexualidade, como ser diferente não é errado. Mostrar que ser gay é tão normal quanto ser hetero, somos apenas um número menor de pessoas na sociedade, mas a homossexualidade existe e é apenas mais uma forma da diversidade sexual.

Você:
Ele não sentiu nojo de você, do contrário não teria nem te beijado pra começar, né? O que ele sentiu foi TESÃO e MEDO do que aconteceu. Por isso não se sinta culpado por isso, já que você não forçou ele a fazer nada que não queira. Se ele fez é porque sentiu vontade.

Se ele gosta de você é difícil dizer, mas uma coisa posso dizer: ‘Ele sente atração por você!‘. Se você sente vontade de investir no cara primeiramente converse sobre sexualidade [como disse anteriormente]. Ele precisa se entender antes de mais nada, depois aceitar a si mesmo e só depois ele se sentirá seguro para ter algo mais sério com alguém, e espero que seja você.

Nessas horas o mais importante é ajudá-lo a não se odiar, porque daí para problemas mais sérios é um passo.

Força que  você consegue!

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...