Slide 1 Slide 2 Slide 3

CONFISSÕES DO DIVÃ





Os textos apresentados nesta seção buscarão ilustrar situações, angústias, problemas e experiências vivenciadas por alguns homens gays. Não existem experiências universais, comuns a todos os homens gays, cada um de nós é constituído e atravessado por diversas características que tornam a sua experiência única.  Nossa principal ideia aqui é pensar em possibilidades de enfrentamento para as questões aqui representadas, que em menor ou maior grau podem ser semelhantes com alguma das histórias vivenciadas por você. Essas histórias não são uma representação literal de histórias reais e sim textos fictícios.

O Dr. Alexandre é formado em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Atua como psicólogo clínico no Espaço Recontar na região de São José / SC. Fundamenta seu trabalho pelos princípios da Psicologia Sistêmica. Compreender os fenômenos psicológicos sistemicamente significa, literalmente, “colocá-los” dentro de seu contexto, estabelecendo a natureza das suas relações.

Você pode fazer perguntas e sugerir temas que nosso psicólogo responderá com todo prazer.

Bem, vamos ao tema de hoje:


Como falar com crianças sobre homossexualidade        

Alexandre de Souza Amorim, Psicólogo
alexandresouza.psicologo@gmail.com


 

Olá, tenho 28 anos e recentemente me tornei tio pela segunda vez. Minha irmã tem duas filhas uma com 1 ano e outra com 6 anos de idade. Faz alguns dias que minha sobrinha me perguntou se eu tinha namorada e fiquei sem saber o que responder. Meu relacionamento com minha irmã e com meu cunhado é tranqüilo, mas tenho certeza que eles ainda não abordaram o assunto com a filha ainda. Fiquei me sentindo mal por dias, pois não acho que eu deva mentir para a criança, por outro lado esperava que eles tomassem a iniciativa. Também decidi que se ela me perguntar algo novamente eu irei responder a verdade, mas ainda não sei como devo fazer isso. Existe um jeito melhor para falar com crianças sobre homossexualidade?
Yago, 28 anos
  
         
Olá Yago. Isso ainda é um problema para muitos adultos e não tanto para as crianças. Em primeiro lugar a conversa deve ser conduzida com naturalidade. O que isso quer dizer? Significa que você deve esperar a dúvida partir da criança e você não deve antecipar o tema. A elaboração do questionamento é uma parte importante no amadurecimento do dialogo.

Muitas pessoas ainda mantêm a crença preconceituosa de que falar com crianças sobre homossexualidade irá incentivá-las a ter práticas homossexuais, mas isso não acontece. Falar de sexualidade com as crianças só dá a elas condições de entender melhor a multiplicidade de formas de amor que existem. E instrumentaliza elas para melhor lidar com a diversidade presente em nosso mundo.

A idade não importa quanto antes você falar sobre o tema mais rápido você cria condições para conceber a cognição infantil para compreender a homossexualidade como ela é de fato: algo natural, uma outra forma de sentir afeto, amor e carinho.

A internet e a TV têm possibilitado que esse assunto chegue mais cedo em casa e isso pode ser um facilitador.

Também é muito importante que você não deixe sua ansiedade tomar conta. Não torne a conversa cansativa ou chata, permita e instigue a criança a refletir sobre o assunto. Deixe-a questionar e responda a todas as suas dúvidas.

Sabemos que é um tabu e que o desconforto que sentimos é uma herança de uma sociedade normativa e com bases morais/religiosas, mas você tem que estar seguro, não pode fazer a criança pensar que isso é um problema. O adulto não deve fugir ou desviar do assunto ou dos questionamentos que a criança aborda isso apenas gera mais dúvidas e pode deixar no imaginário da criança que aquele é um assunto proibido.

Não fuja, não complique e lembre que ensinar sobre o amor só pode trazer coisas boas a uma criança. Ensinar o respeito a diversidade só tornará seu filho/a, sobrinho/a um adulto melhor.




Poderá gostar também de:
Postado por Mac Del Rey | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...