Slide 1 Slide 2 Slide 3

NOTICIAS DO MUNDO GAY

OHIO (EUA): Casal gay sofre ataque homofóbico violento.


Ataque ocorreu no fim de semana; ninguém foi preso ainda


Um casal gay sofreu um ataque homofóbico violento no Estado norte-americano de Ohio, no último fim de semana.

Bryson Beier e Mantej Sandhu contaram a uma emissora de TV local que foram agredidos enquanto caminhavam pelo bairro de Short North da cidade de Columbus.

“Pensei que ia morrer”, disse Sandhu à 10TV. “Pensei que com certeza fosse o fim.” A vítima disse que os dois foram chamados de “bichas” e quando tentaram se afastar ouviram “Deus odeia bichas”.

Logo depois, começaram as agressões físicas. Os homens que estavam em um carro atiraram uma garrafa em direção do casal. Quando eles tentaram fotografar a placa do carro, um outro veículo parou.

O casal foi jogado no chão e começou a ser chutado e socado. O ataque está sendo investigado pela polícia, mas ninguém foi preso até agora.

Violência gratuita: Dois homens sofrem ataque homofóbico na Inglaterra.


Imagem de dois dos agressores (um homem e uma mulher) está sendo divulgada na imprensa local para tentar encontrá-los

Dois homens na faixa dos 40 anos foram agredidos covardemente na noite de 22 de janeiro dentro de um tram (espécie de ônibus que anda sob trilhos) em Manchester, na Inglaterra.

Um homem e duas mulheres estão sendo procurados como responsáveis pelos ataques. A polícia afirmou que o motivo da violência foi homofobia. As vítimas levaram socos quando voltavam para casa e foram levadas ao hospital.

Entre 2015 e 2016, foram relatados no país 7.194 crimes baseados em discriminação por orientação sexual. Deste total, 494 foram na região metropolitana de Manchester e 1.844 em Londres.

Levados em consideração todos os tipos de crimes de ódio (incluindo por raça e religião, por exemplo), foram 62.518 registrados na Inglaterra neste período.

RIO - Coordenador da diversidade sexual vai multar quem discriminar LGBT.


Nenhum estabelecimento foi multado por discriminar LGBT na gestão anterior da Ceds, diz atual coordenador


O novo coordenador da Coordenadoria Especial para Diversidade Sexual do Rio de Janeiro (Ceds), Nélio Georgini, pretende que os estabelecimentos que praticarem discriminação a LGBT sejam autuados.

Apesar de haver lei na cidade que proíbe este tipo de discriminação, um levantamento realizado pelo órgão constatou que nenhum endereço foi autuado por este motivo durante a gestão anterior.

O decreto número 3003/2008 prevê sanções que vão de advertência até a cassação do alvará do estabelecimento que praticar discriminação por orientação sexual ou identidade de gênero.

Além das punições administrativas, há a obrigação de fixar uma placa de comunicação sobre a Lei Municipal 2475/96 que combate a discriminação por
orientação sexual ou identidade de gênero em ambientes sob administração direta e indireta do município.

CURITIBA: Homem que torturou homossexual é condenado a 14 anos de prisão.


Justiça entendeu que houve crime de ódio

O Tribunal do Júri de Curitiba condenou a 14 anos de prisão um homem que participou de tortura contra um homossexual em setembro de 2015, na capital curitibana.

Segundo o Paraná Portal, a vítima, um cabeleireiro, conheceu os agressores em um bar e foi para a casa de um deles. Lá, houve um desentendimento com os agressores, que levaram o cabeleireiro para um local próximo a um canil, onde passaram a agredi-lo com uma barra de ferro e a ameaçá-lo com o manejo de facão. A sessão de tortura foi gravada por câmera de celular e enviada a grupos de WhatsApp.

A polícia chegou e – pasmem – os agressores inventaram que o cabeleireiro havia invadido a casa com intenção de roubar. Entretanto, durante as investigações, essa versão não se sustentou.

O outro acusado de participar da agressão e da tortura ainda não foi julgado porque está no Hospital de Custódia, onde será submetido a exame de insanidade mental para verificação de suspeita de inimputabilidade.

A promotora de Justiça Ticiane Louise Santana Pereira, que atuou no júri, destacou a importância da condenação, visto que no Brasil ainda é incomum a punição em casos de homofobia, até como reflexo da subnotificação. Ela comentou que o Código Penal não prevê pena para crime de homofobia, mas é possível a caracterização como crime de ódio, como ocorreu neste caso.

Trans denunciam preconceito em vagão rosa do metrô.


Metrô disse que vai apurar o caso de discriminação


Mulheres transexuais e travestis denunciam discriminação por não poderem usar o vagão rosa, destinado a mulheres, no metrô do Recife.

“Quando o vagão rosa foi lançado levantei a pergunta no meu Facebook se este serviço garantia a segurança de mulheres e problematizei se mulheres trans e travestis poderiam ter acesso. Uma pessoas respondeu que o metrô garantiu que nós poderíamos usar o vagão normalmente, mas não é o que acontece na prática”, disse Fabiana Oliveira, integrante da entidade Mulheres da Articulação e Movimento para Travestis e Transexuais de Pernambuco (Amotrans-PE), ao site NE 10.

Na segunda-feira 30, um grupo de ativistas trans fez um protesto em uma das estações por causa da discriminação que vem ocorrendo.

Em nota, a companhia responsável pelo metrô, a CBTU, disse que é contra qualquer ato discriminatório e condena qualquer ação desse tipo e avisam que vão apurar a conduta dos funcionários.

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...