Slide 1 Slide 2 Slide 3

NOTICIAS DO MUNDO GAY

France- Ativista gay é sequestrado, agredido e estuprado por dois dias.




A cada dia que passa, a questão dos refugiados e a homofobia espalhada pelo mundo ganham novas faces ainda mais cruéis. Um caso aterrorizante está ganhando as manchetes internacionais e provocando uma grande discussão na França.



O ativista gay Zak Ostmane, de 35 anos, foi sequestrado, agredido e estuprado durante dois dias na cidade de Marselha. Os dois suspeitos de terem cometido o crime foram indiciados na última sexta-feira (10).

O curioso é que, há três anos, Ostmane fugiu da Argélia, seu país natal, após sofrer ataques homofóbicos. Ele é um dos fundadores da ONG “Shams – France”, que luta em defesa da população LGBT refugiada no país europeu. Em nota, a instituição disse que o ocorrido foi um “ato bárbaro”.

Segundo relato da vítima, ele estava em um bar no último dia 3 de março, na companhia de amigos, quando começou a se sentir mal por causa de bebidas alcoólicas. Em seguida, ele foi levado pelos dois suspeitos para um hotel na região, onde foi mantido refém.

No cativeiro, o argelino relatou que foi agredido, roubado e estuprado pelos homens. Pela janela, ele conseguia gritar e pedir ajuda. Policiais ouviram o pedido de socorro e o resgataram. Os suspeitos foram presos no mesmo dia. Ostmane foi hospitalizado e está se recuperando dos ferimentos.

A polícia abriu uma investigação para apurar o crime. Os responsáveis pela violência seriam dois ex-militares, que foram acusados por estupro, sequestro, roubo, violência e extorsão. Eles estão em prisão preventiva.

TAIWAN- Alvo de homofobia do pai, lésbica é levada ao altar pelo chefe.


Casal recebeu apoio da direção e colegas do banco HSBC


Desprezada pelo pai e por toda a família, uma lésbica recebeu atenção e carinho do próprio chefe que se ofereceu para levá-la ao altar.

Jennifer recebeu o apoio dos colegas de trabalho ao se assumir e se surpreendeu quando o CEO do HSBC de Taiwan, John Li, quis substituir seu pai na cerimônia.

Jennifer e a namorada estão juntas há 11 anos e se uniram em cerimônia simbólica já que o casamento entre pessoas do mesmo sexo ainda não é legalizado no país.

EM CONCURSOS: Vereador de Fortaleza apresenta projeto de cota para travestis.


Projeto propõe 2 por cento das cotas de concurso para trans


Fortaleza pode ter cotas para pessoas trans em concursos. O vereador Márcio Martins (PR) apresentou o Projeto de Lei 0087/2017 que reserva 2% das vagas de concursos públicos municipais da capital cearense para transgêneros e transexuais.

Segundo o jornal local O Estado, o projeto visa dar “justiça social” a transgêneros e transexuais que não conseguem entrar no mercado de emprego formal. “O parlamentar defende que cotas para travestis e transexuais “não são privilégios”.

“Não é porque essas pessoas são menos competentes que outras, é que o preconceito que elas sofrem é tão absurdo, a humilhação e a segregação é tão latente, que algo prático deve ser feito além de lamentos”, alega o vereador.

O projeto estabelece, ainda, que será necessário um laudo médico e psicológico para participação da cota, além de punições em caso de fraude. O projeto ganhou destaque na Câmara de Fortaleza após o caso em que a travesti Dandara foi morta em 15 de fevereiro por pelo menos cinco homens, crime que ganhou grande repercussão na semana passada.

Transexual é encontrada morta a pauladas em Florianópolis.




A mulher trans Jennifer Célia Henrique, 38 anos, conhecida por Jennifer do Santinho, foi assassinada na madrugada de hoje. Seu corpo foi encontrado com sinais de estrangulamento e lesões hoje pela manhã, 10 de março, na região Norte da Ilha, perto do Angeloni dos Ingleses. Moradora da Praia do Santinho, ela era conhecida nas redes sociais e fazia consultoria de cosméticos.

Jenni foi encontrada pela polícia. O crime, que está sendo investigado pela 8ª Delegacia de Polícia Civil, colocou diversos fãs em choque. “Muito triste com a notícia. Partiu meu coração. Pessoa maravilhosa, querida por todos. Vai ficar sempre em meu coração. Vai em paz flor. Deixa uma reflexão de tanto preconceito ainda nesse mundo. Precisamos respeitar as pessoas como elas são”, diz Silvia Cardoso na página pessoal de Jenni.

Os amigos da ativista afirmam que ela foi morta a pauladas. O corpo já está no Instituto Médico Legal para exames e identificação pessoal. O delegado que trabalha no caso afirma que ainda não há suspeitos do crime, informações sobre o motivo e que não se pode afirmar que teria sido por transfobia. 

Os amigos e familiares estão abalados e pedem por segurança. “Estou sem chão, uma amiga de ativismo, sempre alegre sorridente, que sempre via o lado bom da vida, foi brutalmente assassinada a pauladas por puro preconceito e transfobia”, conta Lucas Siqueira no Facebook. Amigos de Floripa farão um protesto neste sábado no local onde ela foi encontrada, com objetivo de pressionar as autoridades para a investigação do crime.

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...