Slide 1 Slide 2 Slide 3

HOMOSSEXUALIDADE

Prazer sexual pleno você só sente com seu parceiro e não em sexo casual, diz pesquisa.


Dormindo 2 homens

Esse artigo é um excelente álibi pra quem não curte muito essa coisa de relacionamento aberto ou fazer sexo por fazer. Segundo um novo estudo feito pela Universidade de Toronto, no Canadá e publicado na revista norte-americana “Personality and Social Psychology Bulletin”, o ato de praticar sexo, mesmo que regularmente, não garante a verdadeira realização sexual.

De acordo com os pesquisadores, carícias, gestos, toques e olhares trocados entre os parceiros são os responsáveis pela sensação de felicidade e satisfação em sentido geral.

Para chegarem nesse veredito, os caras avaliaram a correlação entre o sexo e o bem-estar com pessoas que tinham algum relacionamento amoroso. Foram entrevistadas 335 pessoas casadas e outras 148 comprometidas. Ambos os grupos mostraram que a prática constante de sexo oferece uma maior satisfação na vida.

No entanto, a associação entre sexo e felicidade no sentido geral era dependente de gestos e carinhos, apontando que os entrevistados levaram em conta a prática de carícias antes, durante e depois. Isso mostrou que a associação entre a frequência sexual e a satisfação na vida era insignificante.

O resultado da pesquisa é endossado pela psicóloga Sônia Eustáquia, especialista em sexualidade humana. Ela afirma que o ato em si oferece muito pouco para a realização humana. “É como se nascêssemos incompletos, e, quando encontramos alguém, há um desfecho, uma conclusão. Nesse relacionamento, é saudável e natural que haja a troca de confiança, de segurança, que podem ser transmitidas também durante o sexo, seja na forma de beijo, de abraço, de olhar, de contato físico”, explica ela, em entrevista ao jornal O Tempo.

O psiquiatra Marco Túlio Aquino, membro do Comitê de Especialidades da Unimed, também enfatiza a importância dessa correspondência afetiva. “A expressão da afetividade e dos vínculos é inerente ao ser humano, e essa necessidade também existe durante o sexo, indo além das questões instintivas e biológicas. O segredo para relacionamentos duradouros é justamente uma sexualidade prazerosa que ofereça um vínculo afetivo”, afirma.

O especialista ainda ressalta que a neurociência tem feito avanços importantes nessa área. Uma delas é a descoberta de neurotransmissores que são ativados durante a relação sexual e que estão associados ao desenvolvimento das relações entre as pessoas.

Pra acabar: além da partilha de gestos e carícias que envolvem confiança, segurança e intimidade, o psiquiatra aponta outros fatores importantes. “Nossas cognições estão voltadas, em muitos aspectos, para o sexo. Nesse sentido, o comportamento sexual, geralmente, é uma busca por gratificação, que não deve causar sofrimento e nem estar associado a nenhum tipo de ansiedade. Isso tudo é um indicativo de normalidade, de um bom exercício de sua sexualidade”, afirma Aquino.

A pesquisa também constatou que nos dias em que as pessoas fazem sexo, elas experimentam mais momentos afetivos e emoções positivas logo após as relações e nas horas posteriores. O estudo acompanhou, por seis meses, 106 casais que tinham filhos menores de oito anos, dos quais 88% eram casados. Eles anotaram diariamente, seus estados emocionais e sexuais.

Essas informações diárias concluíram que, nos dias em que os casais faziam sexo, havia uma maior experimentação de boas sensações. “Ainda conseguimos mostrar que o sexo promove emoções positivas, mas elas não aumentam, necessariamente, a vontade de fazer sexo. Isso indica que as pessoas parecem se sentir bem quando praticam, mas não que praticam por se sentirem bem”, afirma um dos coautores, Akid Debrot.

PERGUNTAS & RESPOSTAS

Receita contra “amigo” fura-olhos:


“Oi. Quero uma ajuda. Sei que pode ser insegurança minha, mas estou interessado num cara e quero chamá-lo para sair comigo, mas não sei se chamo para sair com meus amigos ou se sozinho comigo. É que tenho medo dele se recusar a sair só comigo, mas ao mesmo tempo tenho medo dele se interessar por um dos meus amigos caso venhamos a sair com minha galera. O que eu faço?”

Anônimo

~*~

Isso é insegurança sim, mas não é descabida. Eu já tive meus olhos furados trocentas vezes por “amigos” que saíram comigo e ficaram com o cara que eu estava interessado. 

Não é só no mundo gay que rola essa coisa de “furar o olho do amigo”, mas como vivo rodeado por gays, posso confessar que já ví acontecer. Então, é o seguinte. Chame o moço para sair contigo e somente contigo. Vá ao cinema, num boteco, num parque ou até na padaria da esquina, mas vá somente com ele. 

E mais, não escreva o chamando para sair por Twitter, por mural do Facebook, nem nada que as outras pessoas possam ver. Tem gente que AMA atrapalhar os esquemas alheios. Sei lá, pra mim isso é patologia, mas rola sim. Tem gente que se sente MUITO PODEROSA roubando ficantes/namorados/maridos alheios.

Minha falta de sorte com isso é tanta que hoje em dia, pra você ter uma ideia, eu bloqueio minha lista de amigos no Facebook, apago do mural toda vez que adiciono alguém por quem me interesso e até deixo de marcar a pessoa em fotos. Infelizmente estamos numa guerra. Num tabuleiro de Xadrez gigante, o negócio é pensar em todas as possibilidades antes e tentar se munir das melhores “armas” para não furarem seus olhos.  

Se isso tudo que eu faço adianta? Bom, ainda estou solteiro… mas, depois de começar a agir assim, não ví nenhum amigo pessoal/virtual namorando alguém por quem eu estava interessado.

Convide o moço para sair contigo, se ele disser não, grande coisa! A fila anda! A sua vida não deve para por causa de um fora. O ano mal começou e eu já levei 3 perdidos… e to aqui, seguindo em frente!

Boa sorte!

~*~

Como não engasgar fazendo um boquete???


Oi meninos, pergunta rápida. Como eu faço para fazer uma garganta profunda sem ficar tendo ânsia no boy?

Anonimo, via Formspring

~*~

Bom, vamos lá! Primeiramente vamos deixar claro que fazer a tal “garganta profunda” seria no caso, engolir o pau do boy inteiro sem engasgar ou ter ânsia, correto? SIIIIIIIIIIIIIIIIIIM! #TodasGRITA em uníssono!

Antes de mais nada, seu guloso, você precisa conhecer os limites do seu corpo, no caso, da sua boca, e entender que dificilmente a gente vai conseguir colocar uma melância em um lugar onde só cabe uma laranja não é?! Claro que você é corajoso e não vai sossegar enquanto não sentir as bolas do boy batendo no seu queixo, e eu super aprecio isso, pois eu sou bem desses também. 

A melhor maneira de fazer um boquete é na posição do famoso 69, pois grande parte das nécas são ligeiramente apontadas pra cima, como um bico de chaleira sabe? Entããããoooo, desse jeito, facilita o encaixe da néca na sua garganta.

Para não sentir ânsia você pode tentar segurar a respiração, contar até 3 e BLUP…. foi…! E o principal, esteja de estômago vazio… 

Porém, devo ressaltar que sentir uma ligeira ânsia é absolutamente normal, afinal, essa é a maneira que a nossa garganta tem de avisar que estamos ultrapassando os limites e que há um corpo estranho dentro nós. É um corpo roliço, cabeçudo, pulsante e gostoso, mas não deixa de ser um corpo estranho àquela região.

De resto gay, vai na fé e na coragem que eu já catei que tu é guerreira, brasileira e não desisti nunca!

Beijos!

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...