Slide 1 Slide 2 Slide 3

NOTICIAS DO MUNDO GAY

É como quebrassem cada osso do corpo, diz homem sobre tortura na Chechênia.


Na Chechênia, homem relata tortura sofrida em prisão


O governo do país supostamente prendeu 100 homens gays em abril

Anzor estava deitado em um chão sujo quando um homem usando botas de exército pulou em suas costas. Sua agonia piorou quando os captores começaram a torturá-lo com choques elétricos. "É uma sensação como eles estivessem quebrando cada osso de cada articulação em seu corpo ao mesmo tempo", diz ele sobre tortura sofrida em campo de concentração na Chechênia.

A Chechênia é uma a região predominantemente muçulmana no sul da Rússia, onde dezenas de homens suspeitos de serem homossexuais foram presos e torturados. Há ainda boatos de que três deles foram mortos. Sob a condição de usarem apenas seu primeiro nome, Anzor relatou os horrores que passou quando foi preso à agência de notícias "The Associated Press".

Aos 40 anos, Anzor conta que tudo começou quando a polícia parou o carro em que estava andando com amigos na cidade de Argun . Eles foram levados para uma delegacia de polícia depois que os policiais encontraram uma pílula sedativa com um amigo. Pequenos detalhes que Anzor não queria divulgar levaram a polícia a acreditar que ele e um de seus amigos eram gays, disse ele.

Eles foram brutalmente espancados na frente do chefe da delegacia e levados para um barracão em que Anzor passou dez dias. Ele afirma que o barracão tinha dezenas de homens que foram espancados e abusados ??por homens camuflados. Nos primeiros dias, Anzor conta que os espancamentos eram tão frequentes que ele parou de sentir qualquer dor. Os presos tinham grampos de fios elétricos colocados nos dedos dos pés e das mãos enquanto os torturadores controlavam a potência.

Então a tortura parou. Alguns dias depois, Anzor foi levado para fora e avisado de que estava livre para ir embora, sem qualquer explicação. Ele pensou em ir a uma região vizinha e relatar suas contusões e lesões no hospital de lá, mas ficou com medo.

Campo de concentração no país.

No início de abril, o portal de notícias russo "Novoya Gazeta" denunciou a criação de um campo de concentração para homossexuais. Na época, o porta-voz do governo, Alvi Karimov, negou a informação, argumentando que não existem homossexuais na região. "Você não pode prender ou reprimir pessoas que simplesmente não existem na República . Se essas pessoas existiam na Chechênia, a polícia não teria de se preocupar com elas, porque seus próprios parentes os teriam mandado para onde nunca poderiam retornar".

Protesto por homossexuais termina com ao menos 17 presos na Rússia.


Em protesto a favor dos direitos dos homossexuais, grupo deitou no chão com tinta vermelha imitando sangue

Os manifestantes estavam deitados no chão, manchados de tinta vermelha, que representava sangue, e cobertos por bandeiras com as cores do arco-íris, símbolo da comunidade LGBT. O protesto chamava atenção para as detenções de homossexuais na Chechênia.
O portal de notícias Novoya Gazeta denunciou no início de abril a criação de um campo de concentração para pessoas LGBT na Chechênia , onde as pessoas são torturadas com choques elétricos e espancadas até a morte. O porta-voz de Razman Kadyrov, presidente da Chechênia, negou tudo para a agência de notícia Interfax. Entretanto, ele afirmou que não existem homossexuais na região.

"Você não pode prender ou reprimir pessoas que simplesmente não existem na República. Se essas pessoas existiam na Chechênia, a polícia não teria que se preocupar com elas, porque seus próprios parentes os teriam mandado para onde nunca poderiam retornar", disse Alvi Karimov.
Segundo o Novoya Gazeta, mais de 100 homens foram secretamente detidos nas últimas semanas apenas por serem gays. Ao menos quatro podem ter sido mortos.

O presidente Razman Kadyrov, que é um aliado fundamental de Vladimir Putin, supostamente ordenou a repressão, embora oficialmente seu regime tenha negado as detenções. Kadyrov já foi acusado de violações de direitos humanos anteriormente.

Protesto.


Uma fonte da polícia afirmou para a agência de notícias AFP que foram detidas pessoas que provocaram desordens públicas durante o desfile do Dia do Trabalho, celebrado nesta segunda-feira. Um dos manifestantes precisou de atendimento médico após desmaiar.

Marla Mai, uma das manifestantes presas nesta manhã durante o protesto a favor dos homossexuais escreveu em sua página no Facebook que já foi solta com o seu grupo, após sete horas e meia de detenção.

8 homens são presos por organizar “festa gay” na Indonésia




A Indonésia sempre esteve nos radares dos Direitos Humanos pela forma que os seus regulamentos regionais punem mulheres e LGBTs. Depois dos dois homens condenados a 100 chibatadas na província livre de Aceh, foi a vez de um grupo de 14 homens serem autuados pela lei anti-pornografia do país e pelo crime de organizarem uma “festa gay”, na cidade de Surabaya.
 
O chefe da polícia local Shinto Silitonga explicou que os homens foram pegos em flagrante em um quarto de hotel da segunda maior cidade da Indonésia. Eles estariam assistindo filmes pornôs (o que é proibido por lei no país), e realizando “atos sexuais desviantes”. O grupo de 14 homens foi detido, oito presos em flagrantes e outros seis autuados pela lei anti-pornografia. Essa seria uma das primeiras prisões do estilo na Indonésia. Entretanto, Silitonga se diz contente para que isso abra precedentes para novas investigações do gênero. Para ele, as prisões servirão de exemplos para que esse tipo de festa não se repita na região. Ele afirma, ainda, que os dois organizadores da “festa gay” podem pegar até 15 anos de prisão.
 
A Indonésia conta com um aumento de políticos e representantes muçulmanos conservadores, o que contribui para a regulamentação de leis contra os direitos LGBTs.

Pastor que dizia que gays seriam castigados por Deus é condenado por corrupção.



Parece que o jogo virou… O reverendo americano Benny Hinn, que afirmava que a comunidade LGBT sofreria um terrível castigo de Deus, acaba de ser condenado por fraude e evasão fiscal contra o governo dos Estados Unidos.

Com ordem de prisão, autoridades invadiram seu escritório na última quarta-feira, mas ele já se encontrava foragido. De acordo com a investigação, a polícia acredita que ele está se escondendo na França: “Estamos investigando ele por denúncias de fraude e evasão fiscal contra o governo”, disse um agente à imprensa.

Desde 1995, Benny Hinn era famoso por seus discursos anti-LGBT. Ele já afirmou diversas vezes que Deus iria destruir a comunidade LGBT e que a homossexualidade seria causada por pais que não abraçam seus filhos (???), além de afirmar constantemente que ser gay é pecado e perversão.

A investigação sobre o pastor começou em 2007, quando ele foi convidado a depor e divulgar seus registros financeiros para o Comitê de Finanças do Senado. Embora nenhum erro tenha sido encontrado quando a investigação foi concluída em 2011, um relatório final levantou inconsistências sobre seu ganho pessoal de doações declarada, além da falta de supervisão financeira do conselho do ministério, que curiosamente era composto por membros da sua família e amigos.

Benn Hinn vinha pregando desde a década de 70 e já afirmou inclusive ter dons curativos capazes até de curar a AIDS. Entretanto, em uma tentativa de provar o feito, jornalistas canadenses descobriram que os candidatos que ele dizia haver curado estavam todos combinados com ele. Nossa, ninguém imaginava mesmo...

Jovem é enganada pelo pai por ser lésbica e acaba sendo presa com a namorada.


Shaza e Maria tentaram fugir quando descobriram que o pai de Shaza, que é contra ela ser lésbica, as tinha enganado


Quando as duas descobriram que a mãe estava bem de saúde, tentaram voltar para Londres. Elas imaginaram que podiam estar sendo enganadas propositalmente, mas, segundo reportagem do “Daily Mail”, foram barradas por não estarem com os documentos necessários. Outro ponto importante da história é que em Dubai, lugar para onde o pai queria mandar a filha lésbica e sua namorada, ser homossexual é proibido.

Após ambas as famílias ficarem sem notícias das meninas, a polícia espanhola descobriu que elas estavam presas no centro de dentenção turco. Felizmente, as duas conseguiram ser liberadas e neste sábado (29) já estavam no aeroporto de Barcelona. 

Segundo reportagem do jornal "El Mundo", elas passam bem e seguem para Málaga, onde mora a família de Maria. A jovem afirmou estar psilogicamente e fisicamente cansada.

Entenda o caso.

Segundo a família de Maria, o pai de Shaza ainda contou com a ajuda de um advogado para tentar ficar com as jovens em Dubai. Inicialmente, elas ficaram detidas por 10 horas no aeroporto de Georgia. “Ela me disse que se não ligasse até o meio-dia é porque algo teria acontecido. Ela nunca ligou.”

O último contato feito por Maria, antes dela ser liberada, foi realizado no último domingo (23), mas essa semana a polícia espanhola descobriu que elas foram presas pela falta de visto de passaporte e estavam sendo mantidas na Turquia até deportação.

A família afirmou ainda que o objetivo do pai de Shaza era manter a filha no Oriente Médio porque ela é lésbica, enquanto Maria seria deportada para o Reino Unido. A irmã da jovem, que nasceu na Argentina, afirmou à TV espanhola que o homem também não sabia do paradeiro do casal e parecia estar muito preocupado.

Goleiro da Ponte Preta faz comentário homofóbico em entrevista ao vivo.




O Goleiro de Futebol Aranha fez uma declaração homofóbica em uma entrevista ao canal SporTv após a derrota do seu time, Ponte Preta, para o Palmeiras pelo Campeonato Paulista na semana passada. O jogador, que teria sido questionado sobre o seu condicionamento físico pelo repórter, respondeu dizendo que tem repórter que gosta de homem e, por isso, fica atrás de jogador sarado. 

Mesmo com a derrota, o time se classificou para disputar a final do campeonato estadual. Entretanto, o goleiro, que não fez uma boa partida, saiu de campo com o semblante fechado. Quando parado pelo repórter, foi questionado se teria feito alguma preparação física diferenciada no CT. A resposta, criticada pelos jornalistas Tiago Maranhão e Marcelo Barreto no programa “Troca de Passes”, foi a seguinte:

“Não. Tenho treinado, tenho treinado. É que às vezes tem cara, tem jornalista, que gosta de homem, gosta de homem sarado, gosta de cara que tira a camisa, fica mostrando o abdômen. Respeito a opção sexual de cada repórter, mas estou tranquilo. Estive aqui no Palmeiras, o Palmeiras tem um setor de fisiologia ótimo, sempre estive dentro dos padrões, não sou nenhum garoto, mas sempre tive dentro do padrão limite, aceitável para a prática do futebol, tanto que passei sete anos praticamente em time grande”.

O jogador foi notícia em 2014 por ter sofrido com preconceito em partidas de futebol, onde as torcidas fizeram comentários racistas sobre Aranha.

O apresentador Marcelo Barreto criticou o comentário de Aranha. “Ele tem uma visão deturpada do que é o homossexual, do comportamento do homem homossexual. Não pegou bem a declaração do Aranha, foi mal, foi infeliz. Vai ter tempo de se desculpar, acho que depois de esfriar a cabeça ele pode consertar isso, mas sai mal do jogo da classificação da Ponte”, opinou.




Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...