Slide 1 Slide 2 Slide 3

NOTICIAS DO MUNDO GAY

Gay e longe do armário, Leo Varadkar é escolhido para ser premiê da Irlanda.

 
Leo Varadkar vence eleição parlamentar do partido Fine Gael e deve se tornar o premiê irlandês.
 
Parlamento, que está em recesso, tem que confirmar sua nomeação.
O partido centrista irlandês nomeou nesta sexta-feira (2) Leo Varadkar, de 38 anos, um médico assumido e filho de imigrante, como chefe do partido. Desta forma, dentro de 10 dias ele deverá se tornar o novo premiê da Irlanda.
 
Varadkar será oficializado como primeiro-ministro quando o Parlamento voltar do recesso no fim do mês e confirmar sua nomeação, considerada histórica por diferentes motivos, substituindo o demissionário Enda Kenny.
 
O centrista Fine Gael é o partido com mais deputado no Legislativo irlandês e a designação de seu líder como premiê é tida como certa. Varadkar foi eleito para liderar seu partido com 60% dos votos à frente de Simon Coveney, informou o partido no Twitter.
 
As eleições primárias do partido de centro que governa a Irlanda confrontaram Simon Coveney, ministro da Habitação, e Varadkar, ministro de Proteção Social, que acabou vencendo.
Quando Varadkar for confirmado pelo Parlamento, romperá com três padrões: será o chefe de governo mais jovem da República da Irlanda - independente do Reino Unido desde 1992 -, e o primeiro gay assumido e filho de imigrante a ocupar o cargo. Varadkar é filho de um médico indiano e de uma enfermeira irlandesa, cresceu em Dublin e tem duas irmãs mais velhas.
 
Varadkar revelou ao público sua orientação sexual meses antes do referendo de 2015 que aprovou o casamento entre pessoas de mesmo sexo.
 
"Sou gay, não é um segredo, mas tampouco é algo que todo o mundo soubesse, e nunca tinha falado publicamente disso antes", declarou à rádio nacional irlandesa.
"Não é algo que me defina: não sou um político meio indiano, nem um político médico,nem um político gay. É simplesmente parte de mim, não é o que me define. Suponho que seja parte do meu caráter".
 
Apesar de ser formado em medicina, ele foi eleito vereador quando tinha pouco mais de 20 anos e passou a se dedicar completamente à política quando foi eleito deputado em 2007. Antes de ser ministro de Proteção Social, ocupou outros cargos no gabinete.
 
Varadkar já avisou que sua sexualidade não será um assunto importante e que não espera que seu companheiro, Matt Barrett, também médico, o acompanhe nos compromissos oficiais.
 
Apesar de Igreja Católica ter perdido influência no país por causa dos escândalos de abusos sexuais contra crianças ou sobre o tratamento das mães solteiras no passado, a homossexualidade só foi descriminalizada em 1993 e há pouco um político irlandês dizia que era melhor que dois homens andassem na rua armados do que de mãos dadas.

Conselho Distrital vai investigar transfobia na pastelaria da rodoviária de Brasília.

Professora é vítima de transfobia na pastelaria Viçosa da rodoviária de Brasília
 
 
A professora Natalha do Nascimento afirma ter sido agredida por funcionário da Viçosa. Empresa afirma que “repudia veementemente qualquer tipo de discriminação e preconceito” em nota.
O Conselho Distrital de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos do DF investiga uma denúncia de agressão feita pela professora Natalha Silva do Nascimento, de 33 anos. Transexual, a mulher afirma ter sido vítima de espancamento por um funcionário da pastelaria Viçosa, na Rodoviária do Plano Piloto, no dia 26 de abril.
 
A professora afirma que passava pelo local todos os dias às 5h da manhã para ir ao trabalho e sempre ouvia piadas ofensivas. “As brincadeiras começaram discretamente, mas com o tempo o tom de voz foi aumentando e eles ficaram mais dissimulados. Pensei que com o tempo se cansariam, mas não foi o que aconteceu”, conta.
 
De acordo com a jovem, no dia da agressão, ela decidiu enfrentar os assediadores. “Voltei até lá e gritei: ‘Por que toda vez que passo vocês fazem piadas?’. Um deles respondeu que me xingaria quando quisesse e me chamou de ‘viado’. Então cuspi nele”, diz.
 
 

Apesar das agressões, Nathalha tenta seguir a vida, mas luta pela responsabilização do culpado
 
 
Segundo Natalha, nesse momento o funcionário da lanchonete a agrediu com um soco, que a derrubou no chão. O agressor teria então puxado os cabelos da vítima e continuado a atingi-la com socos e chutes, principalmente na cabeça. A jovem afirma que o espancamento só teve fim depois que três moradores de rua intervieram.
 
Ainda de acordo com a professora, o gerente da lanchonete teria ameaçado lhe dar um soco, mas foi impedido por um dos homens que a ajudaram. Ela afirma que, após as agressões, ficou com as roupas rasgadas. “É uma sensação fora do seu controle, parece que todo mundo sabe. Não consegui comer, só queria dormir”, relatou ao site Metrópoles.
 
Ocorrência.
 
Dois dias após a agressão, Nathalha registrou ocorrência na 5ª Delegacia de Polícia (região central do Plano Piloto). Nesta quarta-feira (31/5), ela também acionou o Conselho Distrital de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos do DF para responsabilizar os culpados. Ela pretende ainda procurar a Defensoria Pública do DF para obter aconselhamento.
 
Em nota publicada nas redes sociais, a pastelaria Viçosa afirma que “repudia veementemente qualquer tipo de discriminação e preconceito”, e que o funcionário envolvido no caso “já não faz parte do quadro de colaboradores da Viçosa”.
 
“Fiquei pensando: Por que não posso ir à Rodoviária? Ele prometeu me matar, será que vai mesmo? Foi então que decidi registrar a ocorrência”, explica.
 
A reportagem acionou a Polícia Civil do DF e a Secretaria de Direitos Humanos do DF — responsável pelo conselho —, mas não obteve resposta até a última atualização desta reportagem.


Projeto de lei Dandara dos Santos quer tornar o LGBTcídio crime hediondo no Brasil.

 
 
 
Após a comoção nacional da morte da travesti Dandara dos Santos, em Fortaleza, em fevereiro deste ano, que teve seu assassinato filmado pelos assassinos, o Projeto de Lei nº 7292, que combater esses tipos de crime de ódio. Apresentado pela deputada federal Luizianne Lins (PT-CE), o PL propõe alteração do Código Penal para prever o LGBTcídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio e coloca ainda o LGBTcídio no rol dos crimes hediondos, alterando disso, o artigo 1º da Lei nº 8.072/1990.
 
O PL foi batizado em homenagem à travesti Dandara dos Santos e protocolado no dia 04 de abril e desde o dia 08 de maio aguarda na Comissão de Direitos Humanos o início das discussões. Pelo projeto, é considerado LGBTcídio quando o crime envolve menosprezo ou discriminação por razões de sexualidade e identidade de gênero.
 
“Sofremos com a ausência de leis que garantam proteção a esse segmento da população e esse é um dos fatores que geram a vulnerabilidade. Esses crimes são tipificados por discriminação e menosprezo à condição de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais, ou seja, cometidos exclusivamente pelo ódio e merecem a devida atenção e punição”, justifica a deputada autora do projeto.
 
A cada 26h um crime de LGBTfobia é registrado no país. O Brasil é o país que mais mata LGBTs no mundo e a expectativa de vida de uma transgênero no país gira em torno dos 35 anos de idade.
 

Barbárie: Adolescente gay é violentado e morto em São Luís.

 
 
 
Lucas Carvalho de apenas 17 anos, foi encontrado em uma trilha na região metropolitana de São Luis, Maranhão, na última quinta-feira, dia 1° de junho. Ele foi encontrado com marcas de facadas, degolado, apenas de cueca. Há indícios de violência sexual. O corpo foi encontrado próximo a uma UPA entre os bairros Divineia e Araçagy, em uma região de restinga que leva ao litoral.
 
Lucas estava indo para a escola quando o crime aconteceu. O jovem era conhecido em seu bairro da Divinéia e tinha sua sexualidade aberta. Parentes o descrevem como alegre e carinhoso. Artistas, parentes e militantes da cidade promoverão um ato de protesto. O bairro é considerado perigoso mas os requintes de crueldade apontam para um crime de homofobia.
 
No Brasil, anualmente, mais de 300 LGBTs são assassinados por ano, criando a marca de quase um crime por 26h, apenas entre os divulgados na imprensa e registrados pelo Grupo Gay da Bahia. O Brasil é o país que mais mata LGBTs no mundo.


Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...