Slide 1 Slide 2 Slide 3

CONTOS DO LEITOR


Meu primo me fertilizou


 


Meu relato ocorreu seis anos atrás, estou com 21 anos, morávamos próximo à pousada nossa senhora aparecida em águas de São Pedro/SP, bem perto da capela nossa senhora aparecida, eu, mamãe e um tio solteirão... Estávamos muitos adaptados à vida no interior, com muito verde e ar puro... Cara! Minha cidade é ótima e muito conhecida também pelo poder de cura da água sulfurosa na fonte juventude, isso atrai muitos turistas todos os anos.

Lembrei muito de meu primo, pois no dia o6 de abril ocorreu um evento de MMA o Open Fight festival aqui em águas de São Pedro, Júlio gostava muito de lutar jiu-jitsu.

... Júlio era um primo por parte de mãe e passou a morar conosco para concluir o secundário e tentar ingressar numa faculdade... Minha mãe gostou muito da ideia, pois seria uma excelente companhia... Júlio passou a dormir em meu quarto e nos dávamos sempre muito bem...

Como Júlio era desportista, o levei para conhecer o parque municipal Dr. Octávio Moura Andrade e aproveitamos para fazer a trilha que possui 13 obstáculos. No dia que resolvemos fazer rapel deveria ter percebido que toda a bondade e cuidado de meu primo comigo durante a descida, tinha uma segunda intenção. Júlio sugeriu unir nossas cadeirinhas de rapel através de um mosquetão, assim fiquei acima dele e durante a descida algumas vezes ficava enconchado pelo Júlio e percebi que diminuía a velocidade de descida. Esses movimentos o faziam roçar muito em minha bunda a ponto de senti que alguma coisa estava crescendo em Júlio... Devia ter ficado mais esperto com esses indícios invés de negar as evidências, mas o que podia fazer não tinha tanta malícia na época... Gostávamos muito dessas atividades e lembro que fizemos também o caminho do sol.

Muitas vezes Júlio chegava perto e falava: “o primo deixa ti mostrar uma chave de jiu-jitsu nova que aprendi no treino hoje”... Júlio vinha por trás de mim e aplicava o golpe, só que na época não percebia que este golpe era uma desculpa para roçar em minha bunda... “putz, como era inocente na época”... Lembro que Júlio depois de me segurar por uns 5 minutos, ao me soltar da chave, eu falava inocentemente: “puxa primo... Este golpe é difícil de sair mesmo”...

Certo dia estava carregando uma caixa de sapatos da mamãe, quando escorreguei e bati minhas costas contra a parede... Doeu muito... Júlio correu em meu socorro e levou-me para o quarto... No quarto, Júlio disse que ficasse deitado de bruços na cama, pois a pancada havia sido muito forte e caso não fosse feita uma massagem imediatamente, correria o risco de ficar com problemas para mexer as pernas, continuaria a doer e ficaria muito roxo...

 

Poxa! Fiquei com medo e concordei com a massagem, afinal não queria ter problemas para mexer as minhas pernas... Júlio levantou minha camisa e começou a massagear minhas costas na região próxima aos quadris... Alguns minutos depois meu primo baixou um pouco meu short e deslizou suas mãos em direção à minha bunda... Fiquei quieto, pois a dor estava passando e achei que a massagem na região de minha bunda fazia parte da ajuda de Júlio... Júlio continuou a massagem e seu dedo começou a deslizar por minha regada em direção a meu anel... Quando o seu dedo tocou meu cuzinho e começou a alisá-lo, dei um pinote, Júlio rapidamente retirou o seu dedo e disse: “pronto primo... Terminou”... Respondi: “valeu Júlio... Obrigado... A dor passou mesmo”...


Aquela alisada de seu dedo em meu ânus me deixou muito cismado, pois nunca tinha sentido o toque de um dedo em meu cuzinho... Não estranhei o comportamento de Júlio, pois era muito inocente na época... Ao anoitecer estava em meu quarto assistindo televisão e Júlio acabava de chegar do colégio e ao entrar no quarto perguntou como estava a dor em minhas costas e foi tomar um banho... Dessa vez deixou a porta do banheiro aberta... Júlio na época tinha 19 anos, 1,80m, bem forte e praticava jiu-jitsu... Não resistir à curiosidade e fui dar uma espiada pela brecha da porta entreaberta... Flagrei meu primo com uma revista playboy e alisando a sua rola... Caramba! Levei o maior susto, pois a rola de Júlio era enorme, bem maior que a minha e estava durinha, durinha... Na época Júlio falou que o tamanho de sua pica era de 23 cm x 4 cm... Caralho, que merda estava fazendo em espiar o meu primo no banheiro... Só fui ter a noção da dimensão da rola do Júlio, três dias depois da queda sofrida... A cena de meu primo brincando com sua rola, me assustou... Com medo corri para minha cama e tratei de fingir que estava dormindo...

O tamanho daquela rola não sai de minha cabeça, até que adormeci... No dia seguinte tudo transcorreu normal e à noite após mamãe e meu tio saírem para o culto. Um tempo depois subi para o meu quarto e ao entrar presenciei o Júlio nu, deitado em sua cama, alisando a sua rola enquanto folheava uma revista sexy... “ainda lembro... Eram as fotos de Jacqueline Santarém”...

Baixei a cabeça e fui para minha cama... Júlio falou: “deixa disso priminho... Não precisa ter vergonha... Estamos aqui entre machos... Venha ver comigo essa gostosa aqui... Faz parte de minha coleção particular”... Respondi que não podia, pois a mamãe brigaria muito se descobrisse que li uma revista desse tipo... “que inocência”... Júlio insistiu e falou: “vem cá priminho... Deixa ti mostrar uma coisa igual com uma parte de seu corpo”... Fiquei sem entender nada e perguntei: “comigo?... Igual com o que?”... Júlio respondeu: “sim... Isso mesmo priminho... Mas não é igual e sim idêntico... Parecido com uma parte de seu corpo... Olhe esta bundinha aqui... Parece com a tua”... Júlio ria com uma cara de sacana como nunca tinha feito antes.

Na mesma hora respondi revoltado: “que é isso primo! Que conversa é essa”... Júlio disse que no dia daquela massagem, não pode deixar de reparar na minha bunda, como era branquinha, lisinha, macia e durinha... Logo depois me entregou a revista e continuou a alisar sua rola, que já estava muito dura e toda úmida... Nem respondi mais nada e peguei a revista. Retirei o meu short ficando só de cueca, deitei de bruços e comecei a folhear a revista... Estava um pouco nervoso, pois nunca tinha folheado uma revista de mulher pelada... Estava ficando de pau duro... Continuei muito concentrado naquelas fotos maravilhosas e não notei quando Júlio aproximou-se e disse: “o primo vou fazer outro tipo de massagem... Pode ser?... Ok”.

 

Estava tão fissurado naquela revista que respondi ao Júlio sem nem me tocar no que falava... Foi um grande erro não observar com mais atenção o que Júlio fazia... Júlio percebeu minha concentração total nas fotos, pois não tirava os olhos da revista e aproveitou bem o momento, sendo rápido ao baixar minha cueca e eu nem prestei atenção no que estava acontecendo... A oportunidade de folhear aquela revista de mulher nua deixou-me vidrado a ponto de ignorar o medo de mamãe caso descobrisse o pecado que eu cometia ao olhar aquele tipo de revista imoral... Meu primo alisava minhas costas e deslizava suas mãos na direção de minha bunda... “não achei estranho, pois Júlio havia feito isso antes, quando massageou as minhas costas alguns dias atrás...

Naquele momento só tinha uma preocupação, folhear a revista sexy”... Júlio continuou a alisar minha bunda e sentia o seu mastro quente, úmido e latejante tocando minha perna, mas não tirei os olhos da revista... O deslizar de seu dedo pela minha regada, separando a minha bunda e buscando o meu anel rosado e lisinho, fez com que eu me mexesse ao sentir o toque em meu buraquinho... Procurei empinar minha bunda, na tentativa de afastar o seu dedo de meu cuzinho... Júlio achou que fosse um sinal positivo, para que comesse a minha bunda...

 

Quando senti aquela rola quente, dura e lubrificada tocar na entrada de meu ânus, tentei virar, mas não deu tempo de fugir daquela situação... Seu cacete começou a abrir caminho forçando meu ânus, sentia a cabeça daquela rola teimosa tentando entrar de qualquer jeito, naquele buraquinho virgem e ao tentar escapar, fui dominado e imobilizado... Gritei: “o que você está fazendo primo”... Quando a cabeça daquela rola entrou, soltei um grito: “aaaaaai... Aaaah... Tá doendo... Para Júlio”...

Júlio insensível aos meus apelos continuou a meter em minha bunda, seu cacete deslizando lentamente para dentro de meu rabo... Estava sendo desvirginado sem um motivo aparente, pois não pedi ou desejei o que Júlio fazia comigo naquele momento... Fiquei desesperado quando Júlio deixou todo o peso de seu corpo sobre mim, fazendo o seu cacete ser enterrado com tudo até o talo em meu traseiro... Eu gemia e gritava: “aiiiiiiii... Uuuuiiiiiiii... Pare primo por favor... Aaaah”... Júlio ficou quieto por alguns minutos e a dor foi cedendo até desaparecer, mas sentia sua rola dura como ferro vibrando dentro de mim... Júlio então disse: “priminho, calma... Deixa de agitação... Sossega cara... Relaxe... Se tirar minha rola agora de sua bunda, vai doer muito e você pode virar um veado... Como fui otário em engolir essa estória”...


 

Júlio falou então: “primo, me deixa fazer uma coisinha que vai lhe dar um grande alívio e principalmente vai evitar você se transformar numa veado... Pode ser? Você deixa?”... Concordei, pois estava totalmente imobilizado e não existiam muitas opções naquele momento... Júlio começou a mexer e sua rola deslizava lentamente para dentro e para fora, sem sair totalmente de minha bunda... Sua rola pulsava muito, muito mesmo e não estava doendo... Júlio alternou os movimentos passando a enterrar o seu cacete com mais força e rapidez, seus testículos batiam e algumas vezes amassavam o meu bumbum devido à força e pressão que fazia durante a penetração... Durante alguns minutos continuou com essa penetração vigorosa sem parar, até começar a ficar mais ofegante e contorcendo-se por inteiro, nesse momento fui tomado por uma sensação de aumento de pressão dentro de minha bunda, sua rola pulsava muito forte e sem parar, Júlio começou a gemer, gritar e a enfiar mais e mais a sua rola dentro de meu rabinho: “aaaaaaah... Aaaah... Huuum... Uuuuuh... Huuuum”... A cada contração da rola de Júlio, sentia algo morno sendo despejado forte dentro de minha bunda... Júlio desabou em cima ficando parado e respirando forte, buscando ar para os seus pulmões... Até hoje ainda lembro a minha reação física estimulada por aquele cacete todo enterrado em minha bunda, pulsando e diminuindo de tamanho alguns minutos depois de ter gozado...

 

Após um tempo e com a respiração quase normal, Júlio retirou a sua rola de meu rabo e foi para o banheiro assoviando... Continuei de bruços e imóvel por alguns minutos, pensando e buscando os motivos para aquele acontecimento bizarro e acabei adormecendo... Ao despertar notei que já havia amanhecido e Júlio não estava em sua cama... Fui para o banheiro tomar um banho e ao lavar o meu cuzinho, senti um pouco dolorido e nesse instante tudo o que havia acontecido passou por minha cabeça como um flash... Após o banho desci para tomar o café da manhã. Como era um sábado, Júlio, meu tio e mamãe estavam na cozinha. Ao entrar mamãe nem disse bom dia e já foi perguntando de forma ríspida o que aquela revista imoral estava fazendo ao pé de minha cama...

Júlio imediatamente falou: “tenha calma tia... Deixa disso... A revista nem é pornográfica... Na idade dele também tinha uma coleção dessas revistas... Sei que a senhora não aprova esse tipo de leitura... Além disso, titia, o primo é muito macho... Imagine como seria pior caso a senhora encontrasse uma revista de homem pelado?”...

Ocorreu um silêncio e de repente todos começaram a rir e pude notar o sorriso de satisfação de mamãe, mesmo não gostando de revistas daquele tipo... Meu primo armou tudo direitinho... Comeu minha bunda e ainda reverteu o episódio a seu favor, não sobrando opção nenhuma para questionar... Um momento depois quando estávamos a sós Júlio falou:

o primo, o que aconteceu ontem à noite fica só entre nós dois... Ninguém precisa ficar sabendo... Já imaginou essa história caindo na boca do povo?... Sabe primo, adorei fertilizar o seu rabinho daquela maneira gostosa... Faz bem para a saúde... Seu rabinho fica mais durinho... Mais macio e muito mais gostosinho... Sim, não fique preocupado, pois quando eu quiser comer a sua bundinha novamente e espero seja logo, você vai oferecer de novo sem pedir nada em troca, não é mesmo?”...

Júlio saiu rindo e assoviando... Perdi a minha virgindade e não queria, mas aconteceu... Júlio aprontou outra comigo e espero ter coragem para contar também isso...

Evandro - águas de São Pedro/sp

Poderá gostar também de:
Postado por Mac Del Rey | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...