Slide 1 Slide 2 Slide 3

NOTICIAS DO MUNDO GAY

Canal de televisão cristã na Rússia está oferecendo passagens só de ida para membros LGBTQ deixarem o País!

 
 
 
O canal de TV russo Tsargrad publicou um vídeo no Facebook, na última quinta-feira (29/6), oferecendo passagens grátis a homossexuais que queiram sair da Rússia e ir para os Estados Unidos.
 
 
O que poderia ser uma boa ação, é logo compreendido como um ato de homofobia. O apresentador Andrei Afanasyev começa o vídeo explicando que a Califórnia é o estado mais liberal dos EUA e, por isso, é o local mais adequado para fazer “perversões”, em referência à homossexualidade.

Durante o vídeo, Andrei aparece na frente de um pôster com a imagem de um avião, um pônei cor de rosa e uma frase em russo que quer dizer “tenha uma boa viagem”, em tom de deboche com a comunidade gay.

O russo acrescenta que o canal de TV apoia a iniciativa de mandar homossexuais para fora do país, afirmando que estão dispostos a pagar a passagem para qualquer pessoa que tenha interesse e comprove, por meio de um atestado médico, que é “sodomita” ou tenha outra forma de “perversão”.
 

WorldPride: Parada gay em Madri reúne mais de um milhão de pessoas.

 
 
 
Centenas de milhares de pessoas participaram neste sábado (1º/7) em Madri, da World Pride 2017, que destacou a situação de gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e intersexuais perseguidos em muitos países do mundo.

“Pelos direitos LGTBI em todo o mundo” foi o cartaz que abriu a manifestação, levado por representantes de organizações sociais, movimentos civis e partidos políticos.

Outros cartazes escritos em diferentes idiomas acompanhavam a parte da frente da marcha para exigir que todos os países façam leis para estabelecer a igualdade entre pessoas da comunidade LGBTI e o restante da sociedade.

Os organizadores anunciaram a presença de 2 milhões de pessoas no evento, com o objetivo de torná-lo no maior da história. As autoridades de Madri estimam que entre 1 e 2 milhões de pessoas estiveram nas ruas da capital da Espanha.

Depois dos cartazes que abriram o desfile, chegou o momento de algumas das ruas do centro de Madri serem tomadas por 52 trios-elétricos que combinavam a mensagem de igualdade e respeito à comunidade LGBTI com o ambiente festivo.

Artistas e celebridades dançavam ao ritmo da música nos trios. Enquanto alguns dos manifestantes seguiam o percurso, outros ficavam nas laterais dos carros, carregando bandeiras com as cores do arco-íris e também usando várias fantasiadas.

Apesar de não haver uma ameaça específica contra o World Pride, as autoridades da Espanha montaram um forte esquema de segurança para o evento, com a participação de 3.500 agentes. Veículos e grandes objetos foram colocados em ruas próximas ao percurso do desfile para evitar possíveis atentados com carros. Também havia um esquema especial para que ambulâncias chegassem e saíssem da região com facilidade.

Como em outros eventos em Madri após os atentados em Londres, Berlim e Nice, na França, foram proibidos de circular veículos com mais de 3.500 quilos em vários distritos da capital. Outras restrições ao tráfego também foram realizadas pelos agentes.

O WorldPride, que será realizado no próximo ano em Nova York, é um evento da InterPride, a associação mundial de organização de Desfiles do Orgulho LGBT. O objetivo das paradas é promover os valores de uma sociedade igualitária.

Crime?

Atualmente, há 72 países que criminalizam as relações entre pessoas do mesmo sexo. Em muitos locais, ainda que a comunidade LGBTI não seja perseguida pela lei, ela acaba sendo rejeitada socialmente, sendo alvo de discriminação.

Segundo o relatório Homofobia de Estado, feito pela Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais e Intersexuais (ILGA), os homossexuais são mais protegidos nos países da América do Norte, da Europa, na Austrália e em alguns países da América do Sul.

A situação é oposta a vivida por aqueles que vivem no Leste Europeu, na Rússia, na Ásia, em grande de parte da África e da América Central .
 

Sexo oral e relações sem camisinha estão disseminando supergonorreia, diz OMS.

 
 
 
O sexo oral está produzindo uma perigosa forma de gonorreia, e o declínio no uso da camisinha está ajudando a espalhar a doença, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).
A entidade alerta que se alguém contrai gonorreia, agora ela é muito mais difícil de tratar - em alguns casos, impossível. Isso porque a infecção sexualmente transmitida (IST) está rapidamente desenvolvendo resistência a antibióticos. Especialistas dizem que a situação está "bastante sombria" com poucos medicamentos à vista.
 
Em torno de 78 milhões de pessoas contraem ISTs por ano e elas podem causar infertilidade em casos não tratados. A OMS analisou dados de 77 países que mostraram que a gonorreia resistente a antibióticos se espalhou por várias nações.
 
Teodora Wi, da OMS, conta que foram encontrados três casos - no Japão, França e Espanha - onde a infecção era simplesmente intratável. "A gonorreia é uma bactéria muito esperta, toda vez que você introduz uma nova classe de antibióticos para tratá-la, a bactéria adquire resistência", afirma.
A grande maioria das infecções de gonorreia ocorre em países pobres onde a resistência (aos antibióticos) é ainda mais difícil de detectar.

Sexo oral

A gonorreia pode infectar as genitais, o reto e a garganta, mas a que mais preocupa agentes de saúde é essa última.
 
Wi explica que a gonorreia na garganta aumenta as chances de o micro-organismo desenvolver resistência a antibióticos, já que estes medicamentos são administrados em menor dosagem para infecções nesta área do corpo repleta de bactérias - entre as quais algumas que desenvolveram a resistência a drogas.
 
"Quando você usa antibióticos para tratar infecções como uma dor de garganta normal, isto se mistura com as espécies Neisseria (do mesmo gênero da bactéria da gonorreia) na sua garganta o que resulta em resistência", segue Wi.
 
A propagação da bactéria da gonorreia no ambiente através do sexo oral pode levar a uma supergonorreia.
 
Wi diz que nos Estados Unidos a resistência (ao antibiótico) decorreu do tratamento da infecção de faringe "de homens que faziam sexo com homens".
 
E a redução do uso de camisinhas pode ajudar à dispersão da infecção.

O que é gonorreia?

A doença é causada pela bactéria Neisseria gonorrhoea. A infecção se espalha através do sexo desprotegido, tanto vaginal, como oral e anal.
 
Entre os infectados, um em dez homens heterossexuais, além de mais de três quartos das mulheres e de homens gays não têm sintomas facilmente reconhecidos.
 
Mas os sintomas podem incluir uma secreção verde ou amarela a partir dos órgãos sexuais, dor ao urinar e sangramentos esporádicos. Infecções não tratadas podem levar a infertilidade, doença inflamatória pélvica e podem ser transmitidas para o bebê durante a gravidez.
A OMS está cobrando que países monitorem a dispersão da gonorreia resistente e invistam em novas drogas.
 
"A situação é bastante sombria", comentou Manica Balasegaram, da Parceria Global de Pesquisa e Desenvolvimento de Antibióticos. "Há apenas três drogas sendo produzidas e não há garantia de que nenhuma vá de fato funcionar".
 
E, segundo a OMS, vacinas vão ser necessárias para interromper a dispersão da gonorreia.
"Desde a introdução da penicilina, que garante uma cura rápida e confiável, a gonorreia desenvolveu resistência a todos os antibióticos", explicou Richard Stabler, da Escola de Londres de Higiene e Medicina Tropical.
 
"Nos últimos 15 anos, a terapia precisou ser trocada três vezes por conta do aumento das taxas de resistência no mundo. Estamos agora num ponto em que estamos usando as drogas como último recurso, mas há sinais preocupantes de falha no tratamento devido a cepas resistentes."

Retaliação: Professor diz ter sido demitido do colégio em Brasília por ser gay.

 
Fachada do Colégio JK em Brasília
 
 
O professor de língua portuguesa do Colégio JK, Lucas Solano, 28 anos, foi demitido na quarta-feira (5/7), após ter se vestido como drag queen em uma gincana da escola. O docente alega que seu desligamento ocorreu devido a suas orientações sexual e religiosa. Segundo ele, essa não teria sido a primeira vez que ele sofreu retaliação por parte do comando da instituição.

Solano lecionava para turmas dos ensinos fundamental e médio, nas unidades da Asa Norte e de Taguatinga, havia quatro anos. Na terça-feira (4), durante gincana da escola, ele afirma ter sido atacado por um grupo de alunos de uma das equipes: os adolescentes pularam em cima do professor após vencerem uma prova. Solano, contou, se levantou e pediu para que os alunos se afastassem.

“Eu não escondo quem sou nem para o corpo escolar nem para ninguém. Acho que, na era da autoafirmação, como a que vivemos, ninguém deve ser menos do que é”, disse o docente. “Mas o fato é que as diretorias nunca gostaram disso, e isto ficou bem claro com essa minha demissão desmotivada, um dia após eu me caracterizar de drag queen na gincana da escola. Não estou pedindo que todos me adorem, mas que me respeitem, principalmente enquanto profissional”, acrescentou.

A escola nega que o desligamento tenha sido motivado por preconceito, conforme nota sobre o caso publicada no Facebook da instituição (veja abaixo). Procurada pelo Metrópoles, a direção não quis acrescentar nada além do já divulgado. Até a publicação desta matéria, a postagem tinha recebido quase 800 comentários – a maioria, críticas à postura do colégio.

Além da denúncia de preconceito, Solano diz que a escola tem débitos trabalhistas com ele. “Nunca depositaram uma parcela minha do FGTS. Conhecidos que foram demitidos há seis meses só estão recebendo o valor do acerto agora. A escola não respeita seus profissionais”, acusou.


Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...