Slide 1 Slide 2 Slide 3

NOTICIAS DO MUNDO GAY

Cristã quer proibir LGBTs de usarem arco-íris como símbolo.

 
 
 
Essa é para fazer qualquer um rir! Linda Haervey, uma comentarista cristã, resolveu afirmar em um post no site de sua fundação que os LGBTs roubaram o arco-íris de Deus!

“É óbvio que Deus não criou o arco-íris pra representar essa rebelião. Como um símbolo tão precioso se tornou representante de depravação humana e heresia?”, questionou ela. A solução para à questão, segundo ela, patentear o símbolo, proibindo o movimento LGBT de usá-lo. “Arco-íris deve aparecer acompanhado ao que faz Deus sorrir. Deus não sorri à conduta homossexual ou questões de gênero. Ele nunca vai sorrir pra isso!”.

“Um símbolo apropriado à bandeira LGBT seria bem diferente. Deveria vir nas cores marrom, musgo, violeta e preto, muito preto! Algo sem inspiração, sem empatia, vazio e que não leva a lugar algum. Deveria ser a bandeira de satã!”.
 

Juiz da Alemanha interroga por 4 horas Casal Russo Gay que pedia asilo por não acreditar que fossem Homossexuais!

 
 
 
Um casal gay de Rússia que busca asilo na Alemanha teria sido interrogado por um juiz por quatro horas sobre sua sexualidade porque o juiz não acreditava que fossem homossexuais.
Pavel Tupikov e Igor Popialkovskii deixaram a Rússia depois que suas vidas foram colocadas em risco quando um policial os chantageou.
 
Os dois fugiram para a Alemanha e agora estão no processo de pedir asilo e parte desse processo significou que Tupikov teve que comparecer na frente de um juiz para apelar um aviso de deportação do Federal Office for Migration.
 
Tupikov disse que ele foi questionado pelo juiz por quatro horas sobre sua sexualidade porque o juiz não acreditava que ele fosse gay.
 
O juiz supostamente perguntou sobre os parceiros de Tupikov, quantos encontros sexuais ele teve e outros detalhes íntimos.
 
“Ele queria saber tudo”, disse o ator de 41 anos a Wochenblatt . “Ele me perguntou quando eu tive a minha primeira vez, com quem e como foi”.
 
Tupikov acrescentou: “O juiz também disse que não acredita que somos um casal. Como posso provar que somos um casal? Devemos nos beijar na corte? ”
 
Como o casal está tendo dificuldades e pagando as taxas para as audiências judiciais, a Amnistia Internacional decidiu tomar o caso deles.
 
“Muitas vezes temos que passar fome porque não podemos comprar comida”, explicou Tupikov.
Popialkovkii disse que viviam com medo enquanto ainda estavam na Rússia.
 
“Nossos amigos vivem lá com grande medo”, disse ele.
 
Ele acrescentou que seu ex-namorado tinha sido esfaqueado em um ataque homofóbico.
Para Popialkovkii e Tupikov, a Rússia nunca poderia ser sua casa, então eles esperam que seu caso seja bem sucedido e eles possam continuar a viver e trabalhar no país.
 
Popialkovkii espera começar logo a trabalhar na área de contabilidade em impostos de renda, enquanto Tupikov está se preparando para se tornar professor.
 

Jogador envolvido em vídeo de masturbação coletiva fala sobre episódio: “Era zoeira”.

 
 
 
Um dos atletas que aparecem no polêmico vídeo no vestiário do Gaúcho, em Passo Fundo, abriu o jogo sobre a gravação. Nela, um jogador aparece masturbando dois colegas sob o chuveiro do vestiário.

Em entrevista ao “Zero Hora”, o jovem de 24 anos garantiu que tudo foi uma brincadeira entre eles. “A gente tinha treinado, na boa. Era uma frescura no vestiário, estava cheio, todo mundo lá, não só nós três. Daí, um foi inventar de filmar, outro levou na brincadeira”, afirmou o atleta, garantindo que a brincadeira não seja frequente entre eles. “É uma zoeira. Quem joga bola entendeu perfeitamente. Quem não joga levou para o outro lado”.

Ainda na entrevista, o jovem garante que pretende entrar na justiça contra o presidente da equipe, Gilmar Rosso, que não teria cumprido a palavra de preservar os atletas. “Ele combinou uma coisa com a gente, fizemos um acordo, tudo certinho. Ele falou: ‘não vou expor vocês, quem vier pedir entrevista não vou dar, vou proteger a imagem de vocês’. E foi tudo ao contrário, como vocês viram”, afirmou.

Em outro trecho da entrevista, o jogador afirmou que os três atletas que aparecem no vídeo “são heterossexuais, os três são casados, bem casados”, e reafirmou que tudo não passou de brincadeira. “A gente é só brincalhão. Talvez até demais”. Ele deu ainda alguns detalhes de como as famílias reagiram ao episódio.

“Contei a meu pai antes de vazar o vídeo. Preparei ele. Avisei: “fizemos um vídeo de zoeira e pode dar m…”. Como deu, né?”. De acordo com ele, sua esposa também teria “ficado braba” com as imagens. Os demais jogadores também estão com suas famílias, um deles em São Paulo, afirmou o atleta.
 

Policial suspeito de matar travesti na PB confessa que “matou por não gostar de homossexual”.

 
 
 
Um sargento reformado da Polícia Militar da Paraíba foi preso nesta terça-feira (11/07) suspeito de matar uma adolescente travesti de 16 anos. O crime ocorreu na cidade de João Pessoa, no último sábado (08/07). Na delegacia ele afirmou que “matou por não gostar de homossexual”, segundo informou a Polícia Civil ao G1.

O crime ocorreu em uma praça do bairro Funcionários II, em João Pessoa, onde segundo informações da Polícia Civil, o sargento reformado da PM estava bebendo, quando a adolescente se aproximou dele. O sargento teria levantado da mesa, sacado a arma e atirado várias vezes contra a vítima, que morreu ainda no local.

Depois de cometer o crime, o sargento teria fugido da cidade. Ele foi preso na casa de um parente na cidade de Teixeira, com a ajuda de uma denúncia anônima. O policial foi levado até a Central de Polícia de João Pessoa, para prestar depoimento, e confessou que o crime foi motivado por homofobia.

Por ser policial militar, o sargento foi encaminhado para o 1º Batalhão da Polícia Militar, no Centro de João Pessoa, e, nesta quarta-feira (12/07), será apresentado ao juiz na audiência de custódia. Segundo relatos, a adolescente militava contra a homofobia e transfobia, e o sargento já possui um histórico de agressão a homossexuais.
 

Envolvido no caso Dandara é executado com 20 tiros em Fortaleza.

 
 
 
Um dos homens acusados de participação no homicídio da travesti Dandara, no dia 15 de fevereiro deste ano, foi executado por volta do meio-dia deste sábado (08/07).

Jonathan Henrique Linhares, de 21 anos, estava na Rua Direita, no bairro Cidade Nova, em Fortaleza, quando pelo menos três homens em um carro se aproximaram e atiraram contra ele. A vítima foi alvejada com cerca de 20 disparos.

De acordo com moradores da área, Jonathan participou do assassinato da travesti Dandara dos Santos, juntamente com seu irmão, que está preso. O rapaz já respondia por roubo e tinha mandado de prisão em aberto. Os moradores ainda relataram que a vítima tinha arrancado recentemente a tornozeleira eletrônica que usava. Ninguém foi preso até o momento.
 

Corpo encontrado carbonizado era de jovem gay assassinado pela mãe.

 
 
 
O Instituto Médico Legal (IML) de São Paulo publicou o laudo na última quinta-feira (13).
 
 
O corpo do jovem Itaberlly Lozano foi identificado pelo IML. Ele foi encontrado carbonizado em um canavial.

Em dezembro, uma mãe confessou ter matado o próprio filho em Cravinhos, interior de São Paulo. Quase seis meses após o crime, o corpo do jovem foi identificado após um exame de DNA. Ele foi encontrado carbonizado em um canavial da região, de acordo com o Estadão.
 
O Instituto Médico Legal (IML) de São Paulo publicou o laudo na última quinta-feira (13).

O jovem de 19 anos foi assassinado pela mãe, Tatiana Lozano Pereira, com ajuda do padrasto, porque era gay. De acordo com ela, o jovem usava drogas, "levava homens para casa" e ameaçava os familiares de morte.
 
Tatiana admitiu ter esfaqueado Itaberlly Lozano no dia 29 de dezembro com a ajuda do marido, padrasto do rapaz, que incendiou o corpo em um canavial.

O assassinato chocou a cidade de 34 mil habitantes. O Estadão apurou que uma semana antes do crime, Itaberlly fez um post em seu perfil na rede social em que denunciava a mãe por não aceitar sua homossexualidade.
 
No texto, que foi recuperado pela polícia, ele escreveu: "Lembrando que essa mulher que eu chamava de mãe me espancou e colocou uma renca de mlk (moleques) atrás de mim para me bater, me pôs para fora de casa e me deu uma pisa (surra), sabe por quê? Porque eu sou gay".
 
O casal está preso e o processo segue em segredo de justiça.
 

Homofobia no Brasil.

 
 
 
Levantamento do Grupo Gay da Bahia (GGB) revela que uma pessoa é morta a cada 25 horas por ser lésbica, gay, bissexual, travesti ou transsexual no Brasil.

Em 2016, foram pelos 343 pessoas mortas por crimes de ódio à população LGBT. Este é o maior índice em 37 anos, afirma o GGB.

O grupo ainda alerta para a falta de registros e estatísticas que dificultam o mapeamento da violência conta a população LGBT.


Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...