Slide 1 Slide 2 Slide 3

Porno gifs














Sexo explicito


Poderá gostar também de:
Postado por Estagiario | (1) Comente aqui!

1 comentários:

Belas imagens


So a pontinha da cabeça.

"A cabeça do meu penis fica pra dentro, normal, com a pele protegendo sabe, eu consigo tirala, mas dexo sempre dentro"


1



2


3


4



Poderá gostar também de:
Postado por Estagiario | (0) Comente aqui!

0 comentários:

FILMES TEMATICOS GLS

FILMES DA SEMANA

 

FILME(INEDITO): DRIVER (THAILAND-2017-LONGA RMVB- LEGENDADO EM PORTUGUES)

 
VEJAM O TRAILER NO FIM DO POST
 
 
SINOPSE: Driver é uma história sobre Kade (Sita) à procura de seu marido, Tae (Puri), que desaparece após uma viagem à Coreia. Kade decide pedir ajuda a um amigo policial Tum (Patipol), que acredita que Tae apenas fez uma viagem mais longa sem dizer a ela, e a aconselha a aguardar mais alguns dias. Kade não aguenta a espera e decide pedir a Mac (Prama), o motorista do marido, para levá-la ao seu escritório, onde ela mais tarde acaba descobrindo uma conta de luz endereçada à um apartamento do marido que ela não sabia da existência. Kade pede a Mac para que diriga até a casa esperando encontrar seu marido lá, chegando lá, ela acaba descobrindo segredos sobre Tae que a assombram, e a deixa descrente das outras pessoas…
 

SYNOPSIS: Driver is a story about Kade (Sita) looking for her husband, Tae (Puri), who disappears after a trip to Korea. Kade decides to ask for aid to a friend Tum (Patipol), who believes that Tae only made a longer trip without saying to her, and advises her to wait a few more days. Kade can not stand the wait and decides to ask Mac (Prama), her husband's driver, to take her to her office, where she later discovers a bill of light addressed to an apartment of her husband that she did not know about. Kade asks Mac to drive to the house hoping to find her husband there, getting there, she ends up discovering secrets about Tae that haunt her, and makes her disbelieve of other people ...
 
 
 

FILME(INEDITO): OPERATION MARRIAGE (USA-2014- CURTA RMVB- LEGENDADO EM PORTUGUES)

 
VEJAM O TRAILER NO FIM DO POST
 
 
SINOPSE: Baseado na história real de uma garota de oito anos e seu irmãozinho que tentam fazer com que suas mães homossexuais se casem antes da aprovação da Proposição 8.

SYNOPSIS: Based on a true story, an eight-year-old girl and her little brother try to get their gay moms married before Prop 8's passing.
 
 
 
 

FILME(REPOSTAGEM): ITTY BITTY TITTY COMMITTEE (USA-2007- LONGA RMVB- LEGENDADO EM PORTUGUES)

 
VEJAM O TRAILER NO FIM DO POST
 
 
SINOPSE: Abandonada pela namorada, recusada pela única universidade a que se candidatara e sentindo-se inadequada, Anna lamenta a sua vida. Ao sair do trabalho, conhece Sadie, uma atraente líder de um grupo de punk feminista radical chamado CIA (Clits in Action). Anna entra num mundo secreto que erradica iconografias falocêntricas e misóginas, embarcando na sua primeira missão radical, sentindo-se viva pela primeira vez sendo o alvo dos flirts de Sadie. As coisas começam a amargar quando a CIA descobre que todos os seus actos foram neutralizados ou rapidamente desfeitos e as únicas pessoas que conhecem as ações do grupo são apenas os seus próprios membros. Assim que a CIA perde o seu encanto o grupo desmembra-se. Conseguirá Anna recuperar as suas amizades e ressuscitar a CIA com uma nova e brilhante ideia?
 

SYNOPSIS: Anna is a young lesbian high school graduate who still lives with her parents, and works as a receptionist in a plastic surgeon's office. She embarks on a wild ride when she hooks up with a cadre of ultra-radical feminist lesbians hell-bent on raising hell. But things get even more complicated when Anna falls in love with Sadie, the radical group's leader who's already involved with an older woman named Courtney.
 
 

FILME(REPOSTAGEM): QUAND ON A 17 ANS (FRANCE-2016- LONGA RMVB- LEGENDADO EM PORTUGUES)

 
VEJAM O TRAILER NO FIM DO POST
 
 
SINOPSE: A história é sobre Damien, o filho de um soldado, que vive no sudoeste da França com sua mãe médica, enquanto o pai está em missão na África Central. Damien é gay e sofre abuso de um menino em sua escola, Tom, cuja mãe adotiva está doente. O quadro vai tornar-se ainda mais problemático quando a mãe de Damien decide acolher Tom sob seu teto…

SYNOPSIS: Damien vit avec sa mère Marianne, un médecin, alors que son père est en voyage à l'étranger. Il est intimidé par Thomas, dont la mère est malade. Les garçons se retrouvent ensemble lorsque Marianne invite Thomas à venir et à rester avec eux.
 
 
 
 
 
 
Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

LIVROS DA ESTANTE


LIVRO DA SEMANA:
Aprendendo a Gostar de Garotos

Lorena Miyuki



 




HISTÓRIA QUE CONQUISTOU CENTENAS DE LEITORES NO WATTPAD


Luiz Eduardo e Maria Eduarda são inseparáveis desde que se entendem por gente. Nunca tiveram uma briga sequer... pelo menos não até então.

Entre problemas familiares, novas amizades e romances complicados, os dois enfrentam a adolescência juntos, notando que compartilham não só o segundo nome, mas vários gostos em comum. Um deles em particular pode, em vez de uni-los ainda mais, acabar com anos de cumplicidade.

Durante o temeroso primeiro ano do ensino médio, Luiz e Maria vão aprender mais sobre si mesmos e sobre as pessoas que os rodeiam. Venha aprender com eles o valor da amizade e o que faz a vida valer a pena.

:: Primeiro livro da série "Aprendendo". Pode ser lido separadamente ::
Contém o conto original que deu origem à série, DOIS capítulos extras e um prólogo INÉDITO para o livro seguinte, "Aprendendo a Gostar de Mim".



Nossa Avaliação


Aprendendo a vida

A autora é uma verdadeira artista que sabe dar vida aos seus personagens, dotando-os de erros, acertos, qualidades e defeitos. Ninguém aqui é perfeito. Nada é redondo nem suave. Tudo é muito realista. As inseguranças de Luiz Eduardo, sua amizade profunda com Maria Eduarda, que também não é linear, tendo seus altos e baixos, brigas e cumplicidade. Os descobrimentos de Luiz e sua paixão desequilibrada por Daniel, terminado em construir um muro que tapa sua visão e não consegue enxergar o tesouro que está ao lado, William, que por sua vez também tem suas inseguranças, apesar de ser bem mais pé no chão que Luiz. Paralelo ao plano de descobrimento pessoal e também tendo uma parcela importante nesse crescimento, acontece o ambiente escolar, com suas intrigas, perseguições, mas também amizades e coleguismo. Como falei, tudo com muita realidade e riqueza de detalhes. Voltando ao romance em construção de Luiz e William. Tudo é feito de maneira muito lenta, tijolo a tijolo. Paredes de insegurança são levantadas, para serem demolidas mais à frente. O caminhar é tão lento e cuidadoso, que em algumas passagens tive vontade de chegar para o Luiz e lhe dar umas sacudidas: "se oriente cara, tu estás cego? Não vês que o William está de verdade apaixonado por ti? Deixa de insegurança e decide logo isso!" . Porém, os momentos de amarguras são amplamente compensados ao final. Mais uma vez Lorena Miyuki nos premia com uma excelente obra, mantendo seu padrão inegável de qualidade.

Avaliação: 5 Estrelas


Onde Encontrar:



BOA LEITURA !!!

Poderá gostar também de:
Postado por Mac Del Rey | (0) Comente aqui!

0 comentários:

LITERATURA GAY



Imagina a situação, você tem uma namorada e ela o surpreende com um homem na cama? E aí? Bem, a solução nem sempre precisa ser catastrófica. Dani encontrou uma doce saída para a situação. E você que tem fetiche por farda, que tal um bombeiro para apagar teu fogo? Muitos pais fazem planos para o futuro dos filhos. Quando descobrem que os filhos são gay, nem todos aceitam isso de bom grado. Vejam como Andrew lida com essa situação. Complete a leitura mergulhando no mundo da fantasia, magia e sobrenatural. Será que o amor vence antagonismos naturais?


 

Lone Star Lovers 01 - Desenfreado

Dani Standifer chega em casa um dia mais cedo, no rancho da família no oeste do Texas, pronta para retomar de onde parou com Rowe Ayers, seu namorado desde os tempos da escola. No entanto, quando abre a porta da cabana para seu encontro surpresa, está claro que esperou muito tempo. Rowe está com outra pessoa — outro homem. E não só qualquer outro homem — Justin Cruz, o garoto rebelde com quem ela teve um encontro selvagem anos atrás. Justin esperou muito tempo por este momento. Ele sabe de sua reputação, mas desde que seduziu Rowe, tem sido um vaqueiro de um homem só — esperando por Dani retornar e se tornar a realização deliciosa de suas necessidades e as de Rowe. Se ela estiver à altura do desafio. Para sua própria surpresa, Dani descobre que está mais que pronta para ter ambos os homens em sua vida — então ela e Rowe ensinam a Justin uma lição ou duas sobre o amor. Mas a cidade pequena pode não estar pronta para o tipo de relação deles e o profundo rancor do irmão de Dani, Cutter, contra Justin lança uma complicação que pode quebrar a fundação que os três construíram...

Poderá gostar também de:
Postado por Mac Del Rey | (0) Comente aqui!

0 comentários:

MINHA VIDA GAY

"Ele poderá usar o banheiro?": mãe revela preocupações com filho transgênero.

 
Amber Briggle e o filho transgênero Max
Amber Briggle e o filho transgênero Max
 
Com filho trans de 10 anos, Amber Briggle tem preocupações diferentes de outros pais em relação ao ambiente escolar e ao convívio com os colegas

Com a volta dos filhos para a escola, os pais começam a se preparar para as mudanças na rotina, e para Amber Briggle, uma mãe dos Estados Unidos, isso não é diferente. E Amber adiciona à lista de preocupações o fato de que seu filho é transgênero e ela não sabe como ele será tratado no ambiente escolar - e nem se ele poderá usar o banheiro masculino.

Desde os primeiros anos de idade, Max, filho de Amber, sempre deixou claro que se identificava como menino.  E agora que Max tem dez anos e se prepara para começar a quarta série, a mãe revela, em texto para o "Refinery29", quais são as questões que passam pela cabeça de alguém que tem um filho transgênero . 

Preocupações incomuns.

De acordo com Amber, o filho está animado para ir para a escola, mas ela não se sente da mesma maneira. Ela fica preocupada, por exemplo, com o fato de a escola estar ou não preparada para receber uma criança trans. “Enquanto as outras famílias ficam preocupadas com cortes de cabelo, sapatos novos e mochilas para o primeiro dia de aula, pais como eu adicionam à lista de preocupações coisas como: ‘O professor do meu filho usará os pronomes corretos?’ E algo muito básico, "Será que meu filho pode usar o banheiro na escola?".

"Se Max for obrigado a ir ao banheiro feminino, é muito mais provável que ele segure o dia inteiro [...] ou diminua sua ingestão de alimentos e água durante todo o dia, o que muitas pessoas transgêneros fazem para não terem que usar banheiros públicos”, afirma a mãe.

Apesar de a escola de Max ter uma política para prevenir casos de bullying, ela não possui uma que proteja explicitamente as crianças transgêneros. Para tentar ajudar, a mãe conta que fez questão de conhecer os funcionários da escola que poderão apoiar seu filho quando for necessário.

Para Amber, pais, professores e crianças cisgêneros - aquelas que se identificam com o gênero  de nascimento - podem ser aliadas de seu filho transgênero e de outros alunos que passam pela mesma situação. “Tenho certeza de que todos gostaríamos de estar pensando em coisas divertidas - mas há muito trabalho a fazer antes disso”, diz a mãe.
 

Aos 6 anos, criança tem apoio dos pais para fazer transição de gênero.

 

Derek é um garoto transgênero de apenas seis anos de idade
 
Aos três anos de idade, o garoto transgênero Derek, que era chamado de Talia, contou à mãe que era um menino

Desde os dois anos de idade, a pequena Talia, do Reino Unido, já não mostrava estar satisfeita com o seu gênero e tinha preferências por “coisas de menino”. Aos três, ela revelou à mãe, Mienna, que não queria ser um menino, mas que realmente era um. Com o apoio da família, Talia, que agora é chamado de Dexter, passou por uma transição e está vivendo sua vida como um garoto transgênero de seis anos.

Mienna diz ao jornal britânico "Daily Mail" como foi entender que a filha passaria por uma transição. “Ela odiava o filme de princesa  Frozen e assistiu a ET no lugar", conta à publicação. "Quase todos os seus amigos eram meninos e ela não parecia se identificar com as meninas. Quando eu a elogiei por ser uma ‘boa garota’, ela discordou: ‘Eu não sou uma garota, eu sou um menino’”, detalha a mãe da criança.

Descobrindo-se transgênero.

Antes de questionar sobre o gênero de Talia,  a mãe não via nada demais na maneira como a filha agia. "Eu era uma garota sapeca e pensei que ela também seria", diz Mienna. Porém ao observar o comportamento de Talia, um amigo da família questionou a possibilidade de a criança ser trans- uma ideia que Mienna prontamente rejeitou.

"Eu tinha ouvido falar de transgêneros nas mídias sociais e na televisão, mas nunca conheci uma criança trans - nem Talia - e isso nunca passou pela minha cabeça”. Mas quando sua filha foi ficando cada vez mais infeliz, a mãe começou a perceber que poderia ter algo a mais.

"Ela dormia pouco e chorava constantemente. Eu assumi que ela estava apenas estressada, mas quando ela se aproximou do aniversário de quatro anos, eu me perguntei se poderia ser verdade a questão sobre ser transgênero. Ela era tão persistente em seu modo de falar e comportamento", explica a mãe. Após a filha confessar ser um menino, a família foi em busca de ajuda de profissionais para lidar com a situação.

Com o apoio dos pais e de seus professores, Talia mudou seu nome para Dexter e foi para uma clínica para transgêneros em Londres, onde era um dos pacientes mais jovens. Disseram à Mienna que Dexter tinha disforia de gênero, uma condição em que a pessoa não se identifica com o gênero de nascimento. Disseram que ele ainda se sentiria assim quando chegasse à puberdade, mas que poderia tomar medicamentos para bloquear as mudanças corporais e facilitar a transição de fato para homem na fase adulta.

Mesmo apoiando Dexter, Mienna admite que não tem certeza absoluta de que é o correto. "Apesar de ser uma jornada horrível, eu fico grata por estarmos lidando com isso agora. Deve ser um grande tormento descobrir que é transgênero durante os anos complicados de adolescência”, conta a mãe.

Por enquanto, a transição foi no nome e nas roupas da criança. "Para mim, seria extremamente errado forçar Dexter a viver como Talia, porque ele era tão infeliz", diz a mãe, que ainda ressalta a importância de ter acompanhamento neste momento. "Estamos muito longe de iniciar qualquer tratamento ou cirurgia, mas estar sob os cuidados da clínica nos faz sentir que estamos em boas mãos”.


Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

SEXO

Posições para o sexo gay - Parte 1

 

Frango assado:


Se essa posição fosse um automóvel seria um sucesso de vendas, ainda mais que é flex, ou seja, dá pra incrementar com umas variadas tal como o ativo segurar os pés do passivo enquanto vai fodendo. Ou o ativo apoiar suas mãos sobre a parte posterior das coxas do passivo o que faz com que a bunda fique bem posicionada e parada.

 
 
 
 
Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (1) Comente aqui!

1 comentários:

ARTE HOMOEROTICA E QUADRINHOS EROTICOS


 
 
 
 
 

QUADRINHO EROTICO- EROTIC COMICS:

CONFISSAO - COMFESSIONE

(PORTUGUES & VERSION ESPAÑOL)

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

GATO BELAMI

GINO MOSCA

 

 
Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (1) Comente aqui!

1 comentários:

DIREITOS

Dia da Visibilidade Bissexual combate adjetivos contra segmento LGBTI.

 
“Bissexual é invisibilizado porque é visto como pessoa em cima do muro, entre hétero e gay, hétero e lésbica.”
 
Tem gente cansada de ouvir: ‘você não é bissexual, você só beija garotas em baladas para provocar os homens’. 🤔

Promíscuos, indecisos, complicados e confusos. Comumente atribuídos aos bissexuais, formando estereótipos negativos desse segmento LGBTI, esses adjetivos estão sendo combatidos neste sábado (23), no Dia Internacional da Visibilidade e do Orgulho Bissexual, em diversos atos ao redor do mundo.

Contra esse estigma, serão realizados piqueniques, caminhadas, lançamentos de balões, festas e rodas de debate, que acompanham a publicação, em redes sociais, de conteúdos relacionados à bissexualidade, também celebrando a BiWeek (Semana Bi, em português), encerrada neste fim de semana de setembro, eleito o mês da causa.

Dezoito anos depois da criação da data, a bissexualidade ainda não é reconhecida como orientação sexual independente, pois as pessoas do segmento são tratadas como se fossem metade heterossexuais e metade homossexuais. Com isso, sua orientação é vista como se resultasse de partes que se somam, em um sistema que não acomoda a dualidade.
 
Identidade.

É o que explica o coordenador do grupo paraibano Diversidades, Marcos Dias. "Bissexual é invisibilizado porque é visto como pessoa em cima do muro, entre hétero e gay, hétero e lésbica", diz.

Outro mal-entendido é achar que a orientação dos bissexuais muda conforme a identidade de gênero do parceiro com quem mantém um relacionamento afetivo. "Para ser considerado bissexual, não é preciso que, necessariamente, se tenha tido um relacionamento com mulher ou homem", esclarece o coordenador, que é bissexual assumido. Não é, portanto, como se a orientação fosse flexível ou fluída.

"As pessoas insistem em perguntar 'Agora você está com a ou b?', para tentar te definir. Quando o bissexual busca alguns serviços de saúde é questionado sobre com quem esteve. Alguns profissionais ainda não estão preparados, buscam subtextos e fazem insinuações que constrangem. Sofremos pressões a mais", acrescenta.

Os movimentos argumentam que a cobrança por dar satisfações acerca da intimidade é uma das consequências da heteronormatividade da sociedade, que prioriza percepções padronizadas a partir da orientação heterossexual. Além disso, essa exigência descobre um conjunto de "privilégios monossexuais", muito bem destacados pela ativista de Tel Aviv Shiri Eisner, no texto The Monosexual Privilege Checklist (Check-list do privilégio monossexual, em português).
 
Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

HOMOSSEXUALIDADE

10 valiosas lições que só um pé na bunda te ensina.

 
 
 
Seja um chutezinho de leve ou uma bicuda digna de Cristiano Ronaldo, um pé na bunda está longe de ser uma situação agradável.

Se é doloroso? Demais da conta!

Machuca mesmo. É igual tequila pura: arde e desce rasgando como uma navalha. Machuca tanto que não existe Gelol, morfina ou derivado do ópio capaz de fazer a dor parar.

Não importa se você é lutador de MMA, pentacampeão de Fórmula Truck ou se aguenta sorrindo a depilação completa de ânus, na hora que alguém chuta a sua bunda, meu bem, não tem força que evite a vontade de chorar.

E também não adianta fugir: não existe maneira segura e conhecida de evitar um fora. Provavelmente, todo mundo vai passar por isso pelo menos uma vez na vida. Até os mais sarados e pirocudos da balada, acredite.

Mas nem tudo é drama. Vamos falar do lado bom – sim, ele existe.

Se o sofrimento nos visita com mais frequência do que desejamos, então, que tiremos algum proveito disso, não é?

Depois de alguns dias ouvindo músicas de cortar os pulsos e tomando sorvete direto no pote, você vai lembrar daquele ditado que vovó dizia: há males que vêm para o bem.

Sim, porque, de uma forma ou de outra, você perceberá que ficou mais forte, mais resiliente e mais esperto.

Então, veja 10 valiosas lições que só uma nádega com hematoma te ensina, ainda que na marra:

#1. Mais importante que amar o outro, é amar a si mesmo.

O primeiro – e mais importante – amor que deve existir é, sem sombra de dúvidas, o amor próprio.

Constatação mais clichê que propaganda de margarina, você poderá pensar. Mas, apesar de já ter escutado isso no discurso da mamãe, da psicóloga e em vários textos da net, talvez você só aprenda a lição de fato depois que não existir “nós dois”.

Porque é só quando um relacionamento acaba que você se dá conta de que condicionar a própria satisfação pessoal a alguém ou a um status social é completamente doentio e arriscado.

#2. Ninguém é capaz de te completar, só de te complementar.

E daí você se dá conta, também, de que essa história de metade da laranja e tampa da panela é a maior enganação de Hollywood…

Ninguém é um quebra-cabeças cheio de pecinhas perdidas que serão, milagrosamente, encontradas no corpo de outra pessoa. Todos nós somos inteiros, não precisamos de um relacionamento para nos complementar.

Mas, olhe bem a parte boa: a partir de agora, quando você for buscar um novo namorado, vai parar de idealizar alguém que te complete. Porque agora você já sabe que isso não existe. Porque agora você já sabe que é alguém inteiro.

Ao contrário: você vai focar em alguém que venha para somar. Somar amor próprio, somar planos para o futuro, somar experiências de vida.

Essa busca tende a ser muito mais assertiva, não é não?

#3. Nada precisa ser eterno para ser verdadeiro.

O fim não significa fracasso. O fim não invalida o que veio antes. O fim é apenas um fim, de algo que teve um começo e um meio.

Então, se o relacionamento acabou, sinta-se feliz por ter existido. Você viveu momentos lindos e foi verdadeiro, sim. Mas nem tudo que é verdade dura a vida toda

O que “dá certo” é viver uma relação real, de troca, com respeito, com amor. Ela pode durar um mês, um ano, dez, vinte… E, se durar até a morte, pode ter sido mais infeliz do que uma coisa breve que marcou.

Se virou história, é porque deu certo. Se trouxe risadas e boas experiências, é porque deu mais certo ainda. E não importa se isso aconteceu por uma semana ou por um ano.

#4. Não adianta procurar motivos em nós mesmos. As pessoas têm vontades e personalidades próprias.

Tá bom, eu sei que é difícil manter a autoestima depois de um fora. Você se pergunta incessantemente o porquê daquela pessoa não te querer mais. Encontrou alguém melhor? O que ela tem que eu não tenho? O que ofereceram que eu não pude oferecer? Porque não eu?  Qual é o meu problema?

Mas a verdade é que você nunca encontrará respostas para essas perguntas, simplesmente porque o ser humano não é racional em matéria de sentimentos.

Somos movidos por forças que não conseguimos explicar de forma lógica. Ser especial é apenas uma questão de ponto de vista.

Hoje você é trocado como uma camisinha usada por um cara para amanhã ser o mundo de outro. Não existe a pessoa universalmente perfeita. Cada um tem o seu ideal e estamos sempre em busca dele.

Tomar um fora não te torna menos interessante. Você apenas não era ou deixou de ser interessante o suficiente para aquela pessoa. E tudo bem, tudo normal. Acontece.

#5. O mar ainda está cheio de peixes.

Se não deu certo com ele, não ache que você nunca mais vai encontrar ninguém que te faça feliz.

A gente só encontra alguém bacana para estar ao nosso lado quando nos damos essa chance, quando estamos abertos a conhecer novas pessoas, descobrir nossos gostos, novos jeitos, novas experiências.

Pense pela parte quantitativa da coisa: existem mais de 7 bilhões de habitantes no mundo.

Fez as contas? Pensou nas possibilidades?

“Mas ele faz o melhor boquete do planeta”, você me dirá. E eu, sem medo, afirmarei que isso é só uma percepção sua e que, dificilmente, em um universo de pessoas tão grande, ele seja recordista em alguma coisa.

“Mas ele era um parceiro insuperável”. Será? Com quantos outros você já se relacionou para saber?

Então, prepare-se para a temporada de pesca. Você verá o quão interessante você é para outras pessoas.

#6. Na vida nada é permanente.

Na vida nada é permanente. Já pensou nisso?

Pessoas são pessoas, não pedras. Mudanças vão acontecer. Seja de vida, seja de filosofia, seja de ambiente geográfico.

Os tempos mudam. Os relacionamentos mudam. E, olha que coincidência, os sentimentos também mudam.

É perfeitamente natural que alguém queira interromper uma relação se não está mais disposto a se doar a ela.

Amores chegam, amores vão. Um dia a gente ganha, no outro a gente perde. Uma noite você desiste de alguém, na outra alguém desiste de você. Faz parte.

Mas, veja o lado positivo: encarar o pé na bunda inesperado pode servir para aceitar essa momentaneidade da vida.

Assimilar esse conceito trará, num futuro relacionamento, mais maturidade para lidar com términos.

#7. A vida começa quando a zona de conforto termina.

Um relacionamento, naturalmente, nos coloca numa zona de conforto. Inconscientemente, passamos a arriscar menos e nos acostumamos com aquela condição de casal.

Um completa a piada do outro. Um sabe qual remédio funciona melhor para a dor de barriga do outro. Os convites das festas já vêm com o nome dos dois, os parentes já planejam natais juntos e os amigos já chamam para apadrinhar o filho.

E, quando o fim do namoro chega, tendemos a não querer sair daquela zona preguiçosa.

Muitas pessoas, ao invés de sofrer pelo amor perdido, sofrem por terem sido forçosamente retiradas de uma rotina aparentemente cômoda.

Mas não precisa – nem deve – ser assim! O novo pode ser fantástico, sabia?

Por isso, não tenha medo de seguir por um caminho que você nunca percorreu.

Diga sim a oportunidades de ampliar os seus horizontes e dar de cara com novos sabores, novas pessoas e, principalmente, novos sentimentos que nunca imaginou que pudessem existir.

#8. É preciso viver o luto para não viver de luto.

Curtir a fossa é, sim, importante. Vale chorar, espernear, morder o travesseiro e xingar até a décima geração dele.

Bote para fora mesmo!

Viver o luto é renascer – e nascer é exercício solitário. É preciso olhar o mundo novamente e reconhecer-se diante dele.

O que você precisa para se recuperar? Chorar? Então chore. Sofrer? Então sofra. Comer doce? Então coma. Trabalhar? Então trabalhe. Beber? Então beba. Transar? Então transe.

Faça o que precisa ser feito e durante o tempo que precisar. Ninguém cuidará da sua dor por você. Por isso, você não deve explicações do seu luto para ninguém. Muito menos para a pessoa que o provocou.

Você pode se perder, você pode se destruir, se isso for o necessário para que você se reconstrua numa versão ainda melhor, ainda mais forte, ainda mais sábia, ainda mais evoluída.

Às vezes é preciso chegar ao fundo do poço, pois só assim é possível pegar impulso para sair dele.

#9. Nós somos os únicos responsáveis pela nossa felicidade.

Agora, um alerta: você é a única pessoa responsável pela sua vida e tudo o que acontecer nela será culpa sua e de mais ninguém.

Nunca, em hipótese alguma, a nossa felicidade deve ser depositada nos ombros de algo ou alguém. Ser feliz é uma missão que só cabe a nós mesmos.

Por tanto, mesmo que a dor não seja uma escolha, sofrer é. Tenha o seu luto, mas não deixe que isso se prolongue. Ele tem que ter um fim. E você tem que ter um recomeço.

#10. Todo término é uma chance para começar de novo.

A lógica é simples aqui: uma porta precisa fechar para outra se abrir. Um capítulo precisa terminar para que outro comece. Um coração precisa de espaço para que outro amor ocupe o seu lugar.

Então, não encare essa mudança de fase como uma perda. Pelo contrário: considere uma ótima oportunidade de conquistar coisas novas.

Um novo amor, uma rapidinha, um rolo, ou, simplesmente, mais tempo para você.

Toda experiência é válida e nos ensina mais sobre a vida – e sobre nós mesmos. Pare de chorar sobre o leite derramado e perceba que essa é a chance de acertar onde você errou.

Desfazer-se de certas lembranças significa também abrir caminho para que outras tomem o seu lugar. As coisas passam, e o melhor que temos a fazer a nós mesmos é deixar que elas realmente possam ir embora, para que outras melhores possam chegar.

Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira. Deixe de ser quem era e siga adiante sem olhar para trás.

No fim das contas, é como eu sempre falo: tudo é bagagem!

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (1) Comente aqui!

1 comentários:

TO COM PROBLEMA...TEM COMO RESOLVER?


 
 
 
 
 
Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

FOFOCAS DE CELEBRIDADES- GOSSIPS

Lollapalooza Brasil 2018: Red Hot Chili Peppers e Anderson .Paak entram para o line-up (Atualizado).

 
Lollapalooza Brasil 2018: Red Hot Chili Peppers e Anderson .Paak entram para o line-up (Atualizado)
 
 
O Lollapalooza Brasil 2018 irá acontecer entre os dias 23 e 25 de março de 2018, no Autódromo de Interlagos, São Paulo. A venda de ingressos já se iniciou e para saber tudo sobre os preços dos ingressos e como comprar, clique aqui: https://www.agambiarra.com/lollapalooza-brasil-2018-ingressos-precos/. As atrações estão para ser confirmadas pela organização do evento, mas alguns jornalistas estão confirmando algumas atrações. A última atualização foi de que Red Hot Chili Peppers e Anderson .Paak estarão no line-up.
 
 
 
 

Parece que tem álbum surpresa de Gorillaz chegando: ‘Será um álbum mais completo’.

 
 
 
Mal saiu o álbum Humanz e parece que Gorillaz vai lançar mais um CD, só que surpresa. O cantor Damon Albarn disse em uma entrevista ao Q que o compilado seria muito mais completo que o The Fall, produção também lançada de surpresa para os fãs em 2010.

“Eu realmente gosto da ideia de fazer novas músicas e tocá-las ao vivo quase que simultaneamente. Será um álbum mais completo que ‘The Fall’, mas com esperanças de ter espontaneidade.´´
 
 

Aerosmith cancela tour na América do Sul por problemas de saúde do vocalista Steven Tyler.

 
 
 
Ainda bem que o Aerosmith conseguiu fazer o show no Rock in Rio 2017. Mas, infelizmente, Curitiba, que iria receber o grupo hoje (27) ficará sem a apresentação. O vocalista Steven Tyler teve um problema de saúde inesperado e a banda teve que cancelar os próximos shows da América do Sul do tour atual, AeroVederci. Em uma nota oficial a banda disse:

“ Steven irá se recuperar totalmente. Com descanso e tratamento propícios ele estará de pé logo, logo, agitando o mundo!´´.
 
 
 
 

É revoltante que a comunidade LGBT ainda tenha que lutar pelos seus direitos, diz Andrew Garfield.

 
 
 
Além de ser uma pessoa cheia de personalidade e segura de si, o ator Andrew Garfield sempre foi um grande aliado da comunidade LGBT. Lembra quando ele tascou um beijão no Ryan Reynolds durante o Golden Globes ou quando ele participou de uma batalha de lip sync num show de drag queens? Atualmente, ele está participando do revival de Angels in America, nos palcos em Londres, no qual interpreta um homem gay que vive com AIDS.

Para o tabloide Time Out London, ele contou que está muito feliz com o papel. “É, infelizmente, muito pertinente ao clima política atual. Eu me sinto muito privilegiado de estar fazendo isso. Isso aprofundou meu anseio por levar o mundo ao ponto onde queremos chegar, em termos de como a gente trata uns aos outros”, garante.

Faria esse K-POP Sensualizando?

 
 
 

Reizinho Zac Efron diz que gostaria de fazer uma Cena de Amor com The Rock: “terminar o que a gente começou” .

 
 
 
Em uma entrevista para a Vogue, quando perguntando sobre com quem gostaria de filmar uma cena de amor, Efron foi categórico: “The Rock, assim a gente pode terminar o que a gente começou”.
 
 
 
 
 
“Upon being asked who he would most like to do a love scene with, he deadpans, “the Rock, so we can finish what we started.” (For those of you who missed it, Efron and Dwayne Johnson shared an unexpected on-screen kiss in the recent Baywatch.) ”
 
 
 
 
 

E também falou sobre a luta por direitos. “O fato de que diversas comunidades têm que lutar por igualdade para serem tratadas como as criaturas divinas que elas são: isso é revoltante!”, diz. Boa, Drew!
 

Ator Pornô da Sean Cody vira Youtuber.

 
 
O Ator Pornô Tanner Davis também resolveu virar youtuber!

Esperando ele fazer:

“Fui dar para um Negão, veja o que deu!”

“Fiz um consolo de Amoebas, veja no que deu!”

“Pirocas recebidas no mês!”

 
 

Stephen Dorff em Nu Frontal em Cena de Sexo.

 
 

Stephen Dorff em Shadowboxer

 
 
 
 
 
 

Participante do Big Brother fica Nu e exibe Big Dote!

 
 
 
 
 
 
 
 
 

Modelo Josh em ensaio Nu Frontal Urban Conceitual.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Os lindos Ernesto Moran e David Cruzero, para as lentes de Carmelo Blazquez.

 
 
 
 
 
 
 

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...