Slide 1 Slide 2 Slide 3

MINHA VIDA GAY

Cantor Teddy Geiger revela ser transgênero em rede social.


O cantor Teddy Geiger


O cantor Teddy Geiger, famoso pelo sucesso ”For You I Confidence” em 2006, voltou aos holofotes, na última semana, ao revelar que na verdade é uma pessoa transgênero. O anúncio foi feito em seu perfil no Instagram e chamou a atenção do público e da imprensa.

A revelação foi feita após um seguidor questionar a respeito das transformações que o artista tem se submetido nos últimos tempos, e que já podem ser observadas em suas fotos mais recentes. “Estou passando pela transição. Eu comecei a falar sobre isso com alguns amigos mais próximos e minha família há um mês, e foi me dada à coragem para iniciar o processo.”, respondeu Geiger.

“Eu sinto que a próxima etapa é contar para vocês todos. Então aqui vai. Amem ou odeiem isso, é quem eu tenho sido por muito tempo. Amo vocês, galera. Nos falamos em breve”, completou.

Teddy Geiger foi um cantor de muito sucesso em meados da década passada. Com o álbum “Underage Thinking”, ele chegou a figurar entre os 10 da Billboard. Atualmente, atua mais como compositor com músicas assinadas para One Direction, Shawn Mendes, James Blunt e Maroon 5.

Assista ao emocionante vídeo de casal gay que adotou um garoto fofo e contou a história no Teleton.


Menino adotado por casal gay 

No Teleton, maratona beneficente que foi transmitida pelo SBT nos últimos dias, uma história envolvendo um casal gay foi um dos destaques da edição deste ano.

É a história do garoto Daniel que nasceu com hidrocefalia e mielomeningocele, é paciente da AACD e foi adotado por Leandro e Diego após 90 casais desistiram de adotá-lo. Detalhe: nenhum dos casais nem se permitiu conhecer a criança. As dezenas de casais desistiram após verem o laudo médico do garoto com as informações a respeito dos problemas de saúde de Daniel.

“O laudo não falava do sorriso, não falava de como ele era esperto, não falava do que ele era possível” afirmaram os pais da criança. “Nós queríamos ser pais e ele chama nós dois de pais e quem estiver primeiro atende” disseram.



Homem gay e solteiro parte para adoção e é pai de 4 crianças com deficiência.


Ben Carpenter iniciou a jornada da adoção há mais de 10 anos


A jornada de Ben Carpenter pela adoção começou há mais de 10 anos, quando ele se tornou um dos primeiros gays a adotar no Reino Unido

Com 33 anos, Ben Carpenter, do Reino Unido, é considerado um herói por muitos por ter adotado quatro crianças com necessidades especiais. O que torna a história de adoção ainda mais marcante é que, apesar de ser assumidamente gay, ele não tem um parceiro para dividir os cuidados com os filhos Jack, de 10 anos, Ruby, de sete, Lily, de cinco, e Joseph, de dois. As informações são do "Daily Mail".

A jornada de Ben começou há mais de 10 anos quando ele se tornou um dos mais jovens homossexuais no país a adotar uma criança. Levou cerca de três anos para convencer as autoridades de que ele estava falando sério sobre a adoção e que tinha maturidade e habilidades necessárias para ser um bom pai.

Desde que foram adotadas, todas as crianças fizeram progressos significativos e surpreenderam os assistentes sociais e os profissionais da saúde. “Me chamam de santo o tempo todo e perguntam como eu faço isso”, conta Ben. "Minha mãe Rita é um grande apoio para mim e minha amiga Jeanette é uma mulher incrível e me ajuda. A instituição de caridade Adoption UK também foi adorável e merece elogios pelo trabalho que eles fazem e apoio que eles fornecem".

Assumidamente gay, Ben conta que ainda ser solteiro não é um problema para ele. "Nunca procurei um relacionamento, nunca me interessou. Eu gosto de fazer as minhas coisas. No final do dia, gosto de uma xícara de chá, uma fatia de bolo e não ouvir ninguém roncando”.

Crianças especiais.

Ben optou por adotar crianças com necessidades especiais e uma delas tem Síndrome de Down. Ele sabe que essa não é tarefa simples. "Sempre disse que adotar uma criança com deficiência não é ideal para todos. Você tem que ser totalmente honesto consigo mesmo”, explica Ben. E, para o pai, ver o progresso dos filhos é o que dá motivação para seguir em frente.

Quando ele conheceu sua filha Ruby, ela estava sendo alimentada por aparelhos, em uma cadeira de rodas e incapaz de falar.  "Ela estava petrificada e tremendo. Partiu o meu coração”, conta Ben. Após a adoção, a filha consegue andar e comer, embora ele saiba que ela vai precisar de cuidados até o resto da vida. "Estou bastante orgulhoso de mim mesmo por ter mudado sua vida. Ver as mudanças nela é simplesmente excepcional”.

Trabalho com adoção.

Quando não está cuidado dos filhos, Ben trabalha para educar outros possíveis adotantes. "Celebro e promovo a ação de adotar. É a coisa mais gratificante, satisfatória e desafiadora que eu fiz na vida”, diz Ben. "Eu não vou suavizar porque adoção não é para os fracos. Você deve estar 100% comprometido. Se você está pensando em adotar, certifique-se de ter uma experiência com crianças. Se você ainda não tem filhos, certifique-se de que é certo para você” orienta.

Após morte de irmão,  mulher "super feminina" se assume como homem trans.


Antes e depois do homem trans Barnaby


Agora que é um homem trans, Barnaby Royce conta que ganha mais dinheiro e que as mulheres o evitam quando o encontram à noite na rua

Barnaby Royce, de 26 anos, dos Estados Unidos, vivia como uma mulher lésbica que era elogiada por sua feminilidade até dois anos atrás. Após o irmão cometer suicídio, ele percebeu que não queria mais esconder quem era e iniciou a transição de gênero. Agora que é um homem trans, Barnaby conta que é mais feliz e ganha mais dinheiro do que quando o viam como uma mulher. 

Ainda na escola, Royce sabia que faria a transição de gênero um dia.  “Antes de começar o ensino médio, costumavam me provocar porque eu não era uma garota feminina. Por volta de 2009, no ano em que me formei, eu contei a um amigo querido que eu era transgênero”, conta o homem trans ao "Daily Mail". "Eu sabia que me sentia diferente e que não me identificava totalmente com a minha sexualidade. Meu amigo foi a única pessoa para quem eu contei dos meus planos de transição no futuro”.

Decidido a continuar escondendo seu gênero, Barnaby resolver ser a "melhor versão feminina de si mesmo". "Imaginei que se eu fosse continuar me identificando com o feminino até então, eu seria a melhor mulher que eu poderia ser. Então, depois que me formei na escola, eu me assumi publicamente como lésbica”. Por causa da aparência, as pessoas aceitaram bem sua sexualidade, e Barnaby diz que até se sentiu feliz por um tempo.

Após a morte do irmão, Barnaby ficou um tempo viajando, até perceber que não estava mais feliz se escondendo. “Percebi o quão infeliz eu estava tentando ser algo que não era. Eu apenas fiz isso pelos outros e por causa da atenção positiva que recebia”, conta Barnaby. 

"Meu irmão também viveu para fazer outras pessoas felizes. Ele também era intimidado na escola até que ele mudou sua vida para agradar aos outros. Eu prometi a mim mesmo que minha felicidade seria prioridade e que eu não viveria para fazer os outros felizes”.

A transição.

Aos 24 anos, Barnaby fez a primeira mudança, que foi cortar o cabelo. Logo depois, começou a tomar hormônios e decidiu fazer a cirurgia de remoção dos seios. Antes de fazer a mastectomia, Barnaby se sentia muito mal porque mesmo com o binder - roupa usada para esconder os seios - ele não conseguia esconder o volume das mamas. Para ele, a cirurgia foi uma grande libertação.

"Mudou minha vida de várias maneiras: como eu me vejo e como os outros me vêem, meus trabalhos, interações com homens e mulheres, meus relacionamentos com amigos e familiares, minhas interações nos bares e a comunidade LGBTQ”, explica Barnaby. “Agora sou visto como um homem cisgênero. Eu ganho mais dinheiro do que quando eu era mulher. Percebo que as mulheres me evitam nas ruas durante a noite”.

Atualmente, o homem trans vive com a sua namorada e se sente muito mais feliz com quem ele é. “Estou me sentindo cada vez mais em casa em meu corpo. Eu não me sinto mais desconfortável com o gênero que eu apresento. Parece que isso é quem eu tenho sido toda a minha vida e as pessoas estão finalmente me vendo por quem eu realmente sou. Estou muito mais confiante agora”. 

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

SEXO

Posições para o sexo gay - Parte 9


Dependendo da posição escolhida, um sexo que já está bom pode ficar melhor ainda. Simples na maioria dos casos, posições prazerosas garantem um sexo excelente para ambos os amantes e prometem melhorar muito a relação.


A ARVORE (THE TREE)



O passivo deita de costas e apoia um dos seus pés, flexionando a perna, sobre o peito de seu parceiro, que de joelhos, o penetra com força e intensidade, podendo fazer alvanca com o joelho de seu parceiro.

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

ARTE HOMOEROTICA E QUADRINHOS EROTICOS






QUADRINHO EROTICO - EROTIC COMICS


BLACK WADE: O LADO SELVAGEM DO AMOR PARTE III (PORTUGUES)


NEGRO WADE - EL LADO SALVAJE DEL AMOR PARTE III (ESPAÑOL)


BLACK WADE - THE WILD SIDE OF LOVE PART III (ENGLISH)


VEJA ABAIXO- VEA ABAJO - SEE BELOW

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

GATO BELAMI

CHARLIE BOGARD









Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (1) Comente aqui!

1 comentários:

DIREITOS

Casamento no segundo encontro: amor ou resultado da lesbofobia?



"Sair de casa em uma sociedade majoritariamente lesbofóbica é quase um imperativo."


Evelyn Silva questiona a extensão do machismo e da lesbofobia: “Mulheres, lésbicas ou não, são criadas para o casamento”.

Toda sapa neste mundo já ouviu a piada do segundo encontro e o caminhão de mudança. Que sapatão fica uma vez e na semana seguinte já está casada, já adotou dois gatos e está na internet procurando dicas de inseminação caseira. Que uma relação de dois anos vale por dez se contada em anos sapatônicos. Que rola simbiose. Que vão ficando parecidas. E quando terminam, dividem o mundo sapatão ao meio, criando uma terceira guerra mundial entre as partidárias da fulana e as partidárias da sicrana.A coluna deste mês tem alguns palpites sobre os porquês dessa dinâmica.

Começando pelo óbvio: quando conhecemos alguém e o papo é bom, o beijo é bom, o sexo é ótimo, por que não grudar na pessoa 24/7, dormir de conchinha, acordar juntinhas, fazer almoço dando risada na cozinha, parando pra beijar e transar nos horários mais doidos? Isso não significa que lésbicas não façam sexo casual, não fiquem solteiras e trepadeiras. Não existe um gene casadoiro no DNA sapatão.

Há afeto, tesão, segurança em dividir a vida, vontade de ficar juntas.

Mas há também aspectos menos óbvios da lesbofobia que nos empurram para casamentos repentinos, em especial quando somos mais novas e pertencemos às classes menos privilegiadas. Sair de casa em uma sociedade majoritariamente lesbofóbica é quase um imperativo. Isso significa, muitas vezes, poder beijar, namorar, ter DR sem ter que explicar dez vezes pros pais, pros irmãos, pra tia, pra vó, que aquela "amiga" é uma namorada e que a relação de vocês é a mesma relação de amor que heterossexuais têm. Sem contar que esse movimento significa, muitas vezes, a escolha de não apanhar, não ser submetida à cura psicológica ou religiosa, não ser trancada em casa e não ter o dinheiro cortado ou os documentos sequestrados.

Mulheres são mais pobres que homens, de uma maneira geral. Segundo o IPEA, ganham 30% a menos para fazer os mesmos trabalhos e ocupam os postos mais precarizados. Já que na casa dos pais não dá para exercer a sexualidade em sua plenitude, vamos juntar nossas bolsas de pesquisa da graduação, nossos salários do telemarketing ou nossa merreca como balconista da loja de departamentos e viver no nosso ninho de amor sáfico por aí.

Quantas mulheres, lésbicas ou não, ainda são criadas para o casamento, para o ambiente doméstico, para o "até que a morte nos separe"?

O espaço público não foi feito pra nós, não é seguro para a relação lésbica. Ter nossa casinha, decorada como a gente quer, com a senha do Netflix pro sábado à noite, nos garante mais um dia vivas, sem violência ou estupro corretivo.

E para sair, vamos pra casa de outro casal sapatão, pro churrasco das sapas do futebol de quarta-feira, viajar pra aquela praia quase deserta com mais três casais lésbicos.

Outro ponto a se considerar é a efemeridade de muitos casamentos lésbicos. Há os que duram anos e deixam de lembrança aquelas fotos de duas velhinhas fofas de mãos dadas podendo, finalmente, oficializar o seu amor em um cartório. Mas, em muitos casos, pela pressão social da lesbofobia que nos aponta um casamento como uma chance de respirar fora d'água, depois de um ano, dois, nos separamos.

Esse texto não é um libelo anticasamento, de forma alguma. É um palpite sobre a extensão da lesbofobia em nossas vidas, de como temos tantos direitos negados, inclusive o de construir intimidade e laços profundos com nossas namoradas, suas famílias, seus amigos, em público e notoriamente. O direito de termos tempo para nos descobrir e nos conhecer.

Existem, com certeza, outras maneiras de nos relacionarmos, uma maneira sapatão não simbiótica, onde possamos ficar, namorar, amar sem que nos tornemos uma só pessoa, sem que o casamento seja um refúgio de um mundo misógino e lesbofóbico.


Por Evelyn Silva.

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

HOMOSSEXUALIDADE

O que está faltando para você ter sucesso no amor?




Você alguma vez já ficou se perguntando por que não tem sorte no amor?

Será a boa performance no jogo (maldita vitória na canastra do domingão…)? Será a dificuldade de achar homens gays em busca de relacionamento sério? Será a facilidade de encontrar e descartar pessoas através dos aplicativos de pegação? Será o preconceito? Será a homofobia?

E, a propósito, será mesmo falta sorte?

Claro que não! 

Por mais que você insista em jogar a culpa no mundo, sinto em dizer que o único responsável por esse total fracasso amoroso é VOCÊ MESMO.

Esqueça o cupido, as coincidências da vida ou mesmo a união sublime e inexplicável de almas. Nada é tão ao acaso, nem assim tão romântico.

Mas, antes de falar um pouco mais sobre isso, vamos quebrar alguns mitos iniciais sobre relacionamento gay:

#1. Você não foi ensinado a ser gay quando criança. E precisará aprender agora.




Desde pequenos, os meninos são educados para pertencer à cultura masculina: gostar de futebol e carrinhos, se interessar por mulheres e ser o machinho da casa. Aprendendo a esconder a vontade de brincar de boneca, você foi ensinado a não ser honesto consigo mesmo. E isso pode explicar muito sobre como você age hoje em questões de relacionamento.

Quando criança, você acredita no que os adultos falam, não é? Eles estão sempre corretos, afinal! Como, então, desconstruir tudo que você aprendeu e construir uma vida nova?

Provavelmente, você também foi ensinado a não cruzar as pernas e não andar de maneira afeminada. Entendeu que era melhor engrossar a voz para tentar disfarçar sua real identidade dos familiares e coleguinhas. Você tinha medo de sofrer bullying, de ser rejeitado ou humilhado.

E mesmo com todos os esforços, algum dia foi alvo de piadinha em função da sexualidade escondida, acertei? Pois é! As consequências desses traumas na infância podem ser bem maiores do que você imagina. Elas podem ocasionar sentimentos de raiva e amargura, dificuldades em confiar nas pessoas e, inclusive, tendência a ser solitário.

Tudo isso impacta diretamente no modo como você se relaciona com outros boys e no quão aberto está para um relacionamento sério. Na prática, o que acontece é que você pode estar constantemente se auto boicotando.

#2. Você não teve/tem modelos de referência. E precisará lidar com isso.




A maioria dos gays cresce em famílias heterossexuais e passa boa parte da infância e da adolescência sem nem conhecer um casal gay.

Mesmo depois de terem se assumido e passado a conviver com outros gays, não é muito comum encontrarem casais homossexuais estáveis e visíveis. Muitos escolhem, então, viver uma vida de relações vazias porque acreditam que o modelo de casal não é compatível com o estilo de vida homoafetivo.

Além disso, um dos problemas que afetam a saúde psíquica de jovens homossexuais é a ausência de modelos positivos gays públicos (como na mídia, por exemplo).

Pense comigo: quem, no Brasil, é um gay adulto, profissional, independente, bem-resolvido e assumido? Reformulando a pergunta: em quem um menino gay hoje pode desejar se tornar quando crescer? A resposta: ninguém. As novelas, quando mostram personagens gays, ou eles se comportam como heterossexuais ou são o paradigma da “bicha louca e vulgar”.

A verdade é que o jovem homossexual se sente mal, deprimido, envergonhado e com nojo dos seus próprios desejos não porque a homossexualidade é errada, feia ou imoral. Mas sim porque, muito antes de ele sentir o primeiro desejo por outro homem, a sociedade já havia enchido a sua consciência de imagens que associavam os gays a vergonha e pecado.

Vale destacar ainda que a falta de literatura específica sobre o tema e de especialistas em aconselhamento para casais gays também torna essa empreitada uma aventura ainda mais solitária.

Claro que hoje em dia, felizmente, cada vez mais estão surgindo profissionais dedicados a esse mercado. De todas as formas, o “amparo” para relacionamentos heterossexuais ainda é infinitamente maior.

Quando um casal hétero se forma, os anjos dizem “amém”. Quando se depara com dificuldades, encontra facilmente ajuda para resolver os problemas. Quando se separa, além do apoio de familiares e de amigos, terá, provavelmente, a compreensão de todos à sua volta, assim como todos os recursos que a sociedade lhe oferece.

Já para o casal gay, muitas vezes invisível, boa parte desses privilégios pode ser negada. Como, então, enfrentar as crises inevitáveis sem o suporte daqueles que estão próximos? Onde buscar ajuda de forma segura e confiável?

Acho que é por isso que existimos…

#3. Você pode sofrer de homofobia internalizada. E precisará se aceitar por completo.




Não basta ser assumido. É preciso ser bem resolvido.``

Não canso nunca de dizer isso!

Grande parte dos gays até já saiu do armário, mas deixou lá boa parte da sua identidade e personalidade.

Enquanto não se aceitam por completo, eles têm muita dificuldade de levar relacionamentos adiante, pois isso significa ter que encarar de frente as próprias questões mal resolvidas.

Você diz que quer um namorado, mas será que está preparado de verdade?

Se o seu objetivo é viver um amor verdadeiro, será preciso focar na própria transformação. Quando um gay mergulha nas suas fraquezas, sempre acaba descobrindo a intransigência, o desgaste pessoal, além da falta de amor próprio e a desonestidade que conserva consigo mesmo.

Aqueles com homofobia internalizada revelam o quanto os desejos e vontades alheios (dos pais e familiares) influenciam em suas atitudes. Por isso, é fundamental trabalhar os complexos e indefinições que ficaram na infância, assim como a relação com aqueles que nos rodeiam.

Por mais clichê que possa parecer, a pessoa mais importante para se aprender a amar é você mesmo. Encontre maneiras de amar, cuidar e apoiar-se. Faça coisas que te trazem prazer. Cerque-se de pessoas que te fazem sentir bem.

Isso mesmo, as respostas para tudo que você procura estão no que VOCÊ gosta, no que VOCÊ deseja e no que TE completa.

O primeiro passo para encontrar o boy magia é se encontrar. Resgatar a própria identidade, entender o que te faz feliz, te excita, te motiva.

Isso quer dizer, antes de conhecer um companheiro de verdade, você deverá primeiro praticar o autoconhecimento e resgatar a sua autoestima.

Lembre-se de que você é o seus desejos. Por isso, fica o aviso: renegar (ou esconder de si mesmo) os próprios desejos é igual a anular-se

#4. Sua cabeça está cheia de armadilhas mentais. E você precisará combater cada uma delas.




Uma prisão nos próprios pensamentos: as armadilhas mentais funcionam mais ou menos assim. Elas são como ciladas sorrateiras que bloqueiam a nossa lucidez e a autoconsciência. Quando caímos numa delas, iniciamos uma sequência de erros e de maus hábitos. Assumimos algo como verdade e não conseguimos mais enxergar a situação sob outra perspectiva.

Como a mente humana tem um imenso desejo de saber, de compreender e de controlar, ela acaba, frequentemente, confundindo opiniões e pontos de vista com a realidade.

E com os gays esse problema tende a ser ainda maior. Isso porque o preconceito e a discriminação geram uma confusão desastrosa de sentimentos.

Se você quer conquistar um companheiro de verdade, será necessário que identifique as armadilhas mentais que te colocam para baixo e atrapalham a sua vida amorosa. Assim, você não cairá tão facilmente nelas e terá uma visão muito mais clara dos acontecimentos. Consequentemente, enxergará a vida com outros olhos.

Tomemos como exemplo um homem gay que foi muito discriminado em casa e teve dificuldades para se assumir para a família. Esse homem pode se sentir até hoje uma “má” pessoa pelo fato estar fazendo algo que os pais julgam ou julgavam errado. Algo imoral, que Deus não aceita.

Ele pode até querer ter um relacionamento sério. Mas a sua cabeça lhe lembra diariamente que ele não merece isso.

O sentimento de culpa é fruto do preconceito e tem consequências muito graves. A lógica é simples: se um menino gay cresceu com vergonha, com medo e se sentindo a ovelha negra da família, como vai achar que é merecedor de felicidade? Como vai se permitir ter um namorado?

#5. Atração tem mais a ver com emoção do que com físico. E você deverá saber usar isso a seu favor. 




Pare de achar que você tem que ser bonito e rico para se tornar atraente.

Não, não é preciso ter um corpo escultural. Nem uma piroca XXL. Nem um carro do ano na garagem.

Você pode até pensar que a maioria dos homens gays só olha para o físico e para a conta bancária. Mas isso não é verdade.

Aqui um segredo: atração não é uma escolha consciente. Ao contrário, atração é uma escolha emocional. Ou seja, nem sempre os caras vão, racionalmente, se interessar por um boy porque ele é bonito.

Se fosse assim, ninguém escolheria se apaixonar pelos cafajestes, certo?

Para ser atraente, basta conhecer os gatilhos mentais de atração.

Os gatilhos mentais são técnicas de persuasão usadas no marketing para que as pessoas possam agir através de aspectos instintivos, emocionais e sociais.

E o que isso tem a ver com sedução?

Simples! Se no marketing o objetivo é vender produtos e serviços, durante a conquista você também está vendendo algo: as suas qualidades.

Pense comigo: se tem gente seduzindo melhor do que você, é porque eles descobriam algo que você ainda não aprendeu…

Pois é… tudo é uma questão de assumir as atitudes e posturas certas.

#6. Não, não importa quais sejam os seus motivos. Você pode, sim, ser feliz no amor. 

Entenda que, independentemente do motivo da sua insegurança, você é dono das suas próprias ideais. Isso quer dizer que você pode – na realidade, deve – começar a trabalhar todos os pensamentos limitantes que te boicotam e liberar todo o seu potencial.

O que aconteceu ou deixou de acontecer na sua vida já foi. O que interessa é o que você vai fazer de agora em diante. E isso está totalmente sob o seu controle.

Não é uma questão de sorte, não é acaso, não é destino. São escolhas.

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

QUEM E´O PROXIMO??







Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (1) Comente aqui!

1 comentários:

FOFOCAS DE CELEBRIDADES - GOSSIPS

Maluma anuncia lançamento da versão de ‘Você Partiu Meu Coração’ em espanhol.



Maluma está chegando ao Brasil para uma turnê de três shows. O cantor colombiano já se apresentou com Anitta e depois veio para sua primeira apresentação solo, no Villa Mix Festival de Goiânia. Mas além dos shows, ele ainda vai presentear os seus fãs com uma versão nova de Você Partiu Meu Coração, chamada Corazón. Já está correndo pela internet uma prévia em um vídeo, que nos deixou com um gostinho de quero mais.



Christina Aguilera prestará tributo à Whitney Houston no American Music Awards 2017.



Christina Aguilera estará no American Music Awards 2017, dando voz aos clássicos de Whitney Houston. A ideia é homenagear o filme O Guarda-Costas, estrelado por Houston e  Kevin Costner, que completa 25 anos esse ano. As músicas ainda não foram escolhidas para a performance. Mas, já anota aí: dia 19 de novembro você tem compromisso com Christina e seu show imperdível!



Radiohead fará três shows no Brasil em 2018; São Paulo pode receber dose dupla.



A banda Radiohead vai vir para o Brasil em 2018 para três apresentações. Quem confirma é o site Popload, do jornalista Lúcio Ribeiro.

Apesar da notícia, ainda não houve confirmação por parte da banda sobre a vinda nem em quais cidades eles passarão. Mas, de acordo com o site, duas apresentações vão acontecer em São Paulo. Também não há informações sobre quem poderia abrir os shows.



DC Comics ganha prêmio por representatividade LGBT nos quadrinhos.




A DC Comics recebeu o prêmio Visionária, da GLSEN, organização que luta pelo direito de pessoas LGBT, pela representatividade da comunidade em suas produções. Apesar de recentes, a entrada destes personagens nas histórias aumentam a visibilidade deste público antes esquecido.

A presidente da organização, Eliza Byard conta que a representação de LGBTs nos quadrinhos é de suma importância principalmente para os jovens. “Super-heróis contam com um poderoso espaço na nossa cultura popular. Igualmente poderoso para a juventude LGBT é se ver representada nesse mundo e a DC permite isso”, afirmou.

“O comprometimento da DC em representar personagens LGBT em todas as formas em sua mídia é incrivelmente importante e empoderador”, comemorou Byard.

Dentre os personagens LGBTs em destaque pela premiação está as histórias da Batwoman, uma das primeiras homossexuais, a ser protagonista de uma obra própria da editora. A LGSEN também lembrou da transexual Alysia Yeoh, papel de destaque nos gibis da versão feminina do homem morcego.

Disney Channel terá Primeiro Gay e Romance Gay em série para crianças e adolescentes.



Segunda temporada da produção ‘Andi Mack’ acompanhará processo de autoaceitação de um dos protagonistas de 13 anos.

O Disney Channel exibirá a primeira história de um personagem gay em um seriado infanto-juvenil. O canal anunciou que um dos protagonistas da produção americana Andi Mack, voltada para o público de 6 a 14 anos, vai descobrir que sente atração por outro menino na estreia da segunda temporada, que será exibida nesta sexta-feira, nos Estados Unidos.

A trama, criada por Terri Minsky (Lizzie McGuire), conta a história da garota Andi Mack (Peyton Elizabeth Lee), sua relação com a família e os dois melhores amigos, um menino, Cyrus (Joshua Rush), e uma menina, Buffy (Sofia Wylie). De acordo com a revista americana The Hollywood Reporter, no novo episódio, Andi e Cyrus descobrirão que estão apaixonados pelo mesmo colega da escola, Jonah (Asher Angel).




Cyrus, de 13 anos, começa a ter dificuldade para entender os próprios sentimentos e conversa com a amiga Buffy sobre o assunto. A reação da menina deverá servir como um modelo positivo para crianças e adultos sobre aceitar as diferenças.

Ricky Martin só de shortinho com o Namorado na praia.



Suposto nude de Liam Hemsworth circula na web e impressiona por tamanho.



Nos últimos dias, começou a circular na web, uma foto de um rapaz com fisionomia muito semelhante ao noivo de Miley Cyrus em uma praia, curtindo a vibes da natureza. A imagem podia passar batida, se não fosse o detalhe do pênis do moço saltando para fora do calção.



“Quero ele longe da política” afirma irmão de Luciano Huck.


O cineasta gay Fernando Grostein Andrade 

O cineasta gay Fernando Grostein Andrade está contando pra todo mundo que não quer ver seu irmão, Luciano Huck, como candidato à Presidência do país.

“Não apoio essa ideia”, disse o cineasta. “Meu irmão é uma pessoa pela qual eu tenho muito carinho, que eu acho que pode contribuir bastante para a vida política do Brasil estando fora da política. Quero ele longe da política e mais perto da família.”

Enquanto o jovem diretor visitava as locações de seu próximo filme, Huck recebia no Rio, diversas celebridades que foram convidadas para o casamento da top model brasileira Michelle Alves e o empresário Guy Oseary. Entre elas, inclusive a rainha Madonna.

Nas últimas semanas, Huck veio mantendo encontros com economistas e empresários que estão entusiasmados com a possível candidatura do apresentador. Embora declarar que não aprova os planos políticos do irmão, Fernando também acredita que Huck poderia governar  para os mais pobres.

“A primeira pessoa que me levou a uma favela na vida foi o Luciano. Apesar de ele ser amigo de várias pessoas com bastante dinheiro, é uma pessoa que conhece os presídios, conhece as favelas e tem uma visão bastante aberta sobre o mundo e as pessoas. Não acho que ele seja de direita.” explica.

Fernando revela que vem tentando convencer o irmão a não se candidatar, reiterando que não “apoia, endossa ou acha legal” a ideia da candidatura, que acredita ser um “equívoco”. “Falamos sobre isso, sempre comigo pedindo, pelo amor de Deus, para ele não fazer isso.”

O nome de Luciano Huck tem sido considerado uma alternativa ao tucano João Doria, o prefeito de São Paulo, que vem tendo problemas em sua possível candidatura à presidência.

Fernando endossa as recentes criticas feitas a Dória pela polêmica em torno da “ração humana”, ataca a situação política do país que atravessa um “momento tenebroso” marcado pelo “obscurantismo” e afirmou ainda que acredita após o impeachment de Dilma Rousseff (PT), a Lava Jato foi “brecada”.

Ativista da causa LGBT, o cineasta lamentou que “o processo de celebração dos direitos civis e intensificação da cidadania no Brasil parecem estar cada vez mais ameaçados.”

JAMES WILBY





Modelos ruivos posam nus para calendário em prol do combate ao bullying LGBT.




Parece que os ruivos são a bola da vez quando o assunto é calendário por uma boa causa. Após estrelarem um ensaio com renda revertida para as pesquisas do câncer de testículos, agora modelos com cabelos e pelos avermelhados são os protagonistas de uma campanha para combater o bullying, especialmente contra a comunidade LGBT.

Na edição, belos modelos aparecem completamente nus esbanjando beleza e sensualidade, clicados pelas lentes do fotógrafo Thomas Knights – o mesmo do calendário citado a cima.

O calendário entrou em pré-venda no site, e custa 20 euros (cerca de 75 reais) e terá a sua arrecadação revertida para a Fundação StandUp, que tem como objetivo unir comunidades e apoia pessoas que trabalham em função de acabar com o bullying, principalmente com LGBTs.

Confira:









Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

NOTICIAS DO MUNDO GAY

Caça aos gays no Egito já prendeu mais de 250 homens.




Apesar da homossexualidade não ser proibida pela Lei, o Egito é um país conservador, onde a discriminação é frequente. Gays são frequentemente presos e acusados de devassidão, imoralidade e blasfêmia.

A religião mais comum no Egito é os islamismo. E todo mundo sabe que os muçulmanos são conhecidos por serem bastante conservadores em relação à causa LGBT. E uma pesquisa recente confirmou o conservadorismo egípcio: em 4 anos, o governo egípcio prendeu mais de 250 homens por serem homossexuais.

Assim como também acontece na Rússia e na Indonésia, a comunidade LGBT vem sendo pressionada no Egito, vendo seus direitos serem cassados e tendo que inclusive passar por exames anais para comprovar sua sexualidade.

De acordo com Dalia Abdelhamid, ativista da ONG Iniciativa Egípcia para os Direitos Pessoais, desde o ano de 2013 o país vem promovendo uma verdadeira caça aos gays, pesquisando em redes sociais publicações suspeitas que possam ser consideradas uma propaganda da homossexualidade e até mesmo fazendo autoridades egípcias se passarem por gays para marcarem encontro através de aplicativos de relacionamentos.

A ativista revela que acredita que a situação no país piorou quando o presidente Abdelfatah al Sisi, assumiu o governo do Egito em julho de 2013, através de um golpe de estado. Dalia também revelou à agência Efe, que entre o período de 2013 e março de 2017 foram presos pelo menos 232 pessoas suspeitas de praticarem homossexualidade e que neste ano, a ONG registrou pelo menos, outras 57 prisões, totalizando 289 detidos.

Dalia destaca que a mídia no país é fortemente influenciada e controlada pelo governo visando reforçar a mensagem de discriminação aos LGBTs. Ela conta também que a polícia egípcia estimula a sociedade a posicionar contra à comunidade LGBT prezando por valores da família e religiosos.

Na reportagem da Efe, alguns jovens gays, que não preferiram não revelar seus nomes, revelaram que desde que a “caça aos gays” no Egito começou, eles começaram a esconder sua sexualidade, passaram a não frequentar “lugares gays” e passaram a evitar marcar encontros com outros homens.

Gilmar Mendes pede vista de ação sobre doação de sangue por homossexuais.


Mendes pediu mais tempo para analisar a questão.


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes pediu hoje (26) vista da ação na qual a Procuradoria-Geral da República (PGR) pede a inconstitucionalidade de normas do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que proíbem homens homossexuais de doar sangue por 12 meses após a última relação sexual. Não há previsão para retomada do julgamento. Até o momento, a votação está em 4 votos a 1 pela anulação.

A questão começou a ser julgada na semana passada, quando o relator do caso, ministro Edson Fachin, considerou a restrição como discriminatória.

As normas tratam sobre a inaptidão temporária para indivíduos do sexo masculino que "tiveram relações sexuais com outros indivíduos do mesmo sexo de realizarem doação sanguínea nos 12 meses subsequentes a tal prática".

Na sessão de ontem (26), os ministros Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Luiz Fux acompanharam o relator. Na abertura de sessão desta tarde, Mendes pediu mais tempo para analisar a questão.

Durante o julgamento, não houve manifestação oral da Anvisa ou do Ministério da Saúde. Em informações enviadas ao STF no ano passado para subsidiar o voto de Fachin, a Anvisa declarou que segue informações científicas internacionais para estabelecer as normas e que as regras para doação de sangue atendem aos princípios da precaução e proteção à saúde. Na ocasião, o órgão declarou que homens homossexuais não são proibidos de doar sangue, desde que atendam aos requisitos de triagem clínica.

Mulher é presa após matar vizinho gay com facada no pescoço.




Uma mulher foi presa nessa quarta-feira (25/10) em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá, suspeita de ter assassinado o seu vizinho, Willian de Oliveira Salles, um jovem gay de 22 anos. Segundo a Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Ângela Porto de Melo, de 32 anos, disse à polícia que teria se desentendido com a vítima.

Ângela relatou aos policiais que Willian era homossexual e teria ciúmes dela com outras pessoas. O crime ocorreu na madrugada de quarta-feira no Bairro Jardim das Flores, onde Ângela foi presa horas depois do assassinato. De acordo com a Polícia Civil, Ângela contou que na noite do crime ela e Willian estavam embriagados. Os dois começaram a discutir e trocar ofensas.

Ângela disse que, no momento da discussão, estava cortando manga com uma faca. Willian teria atirado um tijolo contra Ângela, que pegou a faca e golpeou no pescoço do vizinho. Mesmo ferido, Willian tentou pedir ajudar, mas acabou morrendo no local. Ângela deve ser encaminhada para uma unidade prisional feminina de Rondonópolis.

Jovem é espancado durante festa universitária por ser gay em Uberaba (MG).




Um jovem de 24 anos registrou um Boletim de Ocorrência (B.O.) no qual afirma ter sido vítima de homofobia durante uma festa universitária em Uberaba, no Triângulo Mineiro, no último domingo (22). De acordo com ele, três homens o espancaram e momentos antes das agressões, os autores do crime teriam dito comentários homofóbicos ao estudante.

Junto com testemunhas, a vítima contou à polícia que por volta de 2h, os suspeitos deram início as ofensas sem motivo aparente.  Após a sessão de xingamentos, os agressores esganaram, deram socos e chutes no rapaz. Mesmo após ficar inconsciente no chão, as agressões continuaram.

Os homens foram detidos por outras pessoas que estavam na festa e uma ambulância da Ubervidas foi acionada. Segundo o médico que atendeu a vítima, houve escoriações na cabeça, lábios, peito e braço esquerdo, há ainda a suspeita de um traumatismo craniano leve. Porém, não precisou levá-lo ao hospital por ele responder bem aos procedimentos de primeiros socorros.

Com ajuda das testemunhas, o agredido conseguiu identificar os três suspeitos, ainda na madrugada do ocorrido. Os policiais foram até a casa da vítima, mas os agressores não foram encontrados. Ninguém foi preso.

O caso foi encaminhado para a Polícia Civil de Uberaba, que informou que o jovem foi ouvido e que as investigações estão em andamento. Os organizadores postaram uma nota repudiando as agressões e informaram que prestaram atenção à vítima.

Leia a nota na íntegra:

A cada 25 horas uma pessoa é morta por homofobia no Brasil. A Integra Bixos surgiu com a ideia de unir os universitários de Uberaba em uma única festa, onde é proposto amor, tolerância e integração. A Integra é uma festa universitária, onde acreditamos que todos presentes sejam possuidores do conhecimento da luta LGBT no Brasil.

No entanto, fomos pegos de surpresa mais uma vez! Durante a festa, o que parecia ser mais uma briga de playboys frustrados, era na realidade mais um triste retrato de uma sociedade doente, que louva a ganância e o dinheiro, e que na verdade é racista, machista, fascista e homofóbica.

E o que mais nos entristece, é que esse fato ocorreu logo em uma festa universitária, local onde estão presentes a esperança em curar essa comunidade, o futuro do nosso País, e os responsáveis em passar para as próximas gerações o real significado de RESPEITO.

Desde o conhecimento real dos fatos (domingo a noite), procuramos nos informar ao máximo e estamos entrando em contato com a vítima para que possamos prestar a ela o máximo de ajuda necessária.

Por fim, queremos lembrar que berço de ouro não cria caráter, nem da educação. Seu dinheiro, seu padrão de beleza e suas propriedades não fazem parte do que desejamos em nossos eventos. Pode ficar do lado de fora com seus padrões provincianos, pois aqui dentro queremos as pessoas de bem e vocês só merecem cadeia

homofobia festa uberaba, festa homofobia universitária, jovem espancado festa universitária, festa uberaba, festa uberaba jovem vítima homofobia

Jovem de 17 anos mata namorado após vítima assumir namoro para mãe do acusado.




Um adolescente de 17 anos foi preso em flagrante acusado de matar o namorado a golpes de marreta e facadas, após a vítima revelar o relacionamento escondido. O ataque aconteceu após Darlan Amparo Oliveira, de 21 anos ter enviado um foto íntima do casal para o celular da mãe do autor do crime.

O caso aconteceu na Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro, e está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios da Região. Segundo informações da polícia, após saber que teve a sua sexualidade revelada, o acusado teria convidado Darlan para ir até a sua casa, foi quando começaram uma briga.

Os dois discutiram até que a vítima tentou atacar o namorado com uma faca. Uma amiga do casal que também estava na casa foi até a rua para pedir ajuda, mas quando voltou Darlan já estava gravemente ferido. O Samu chegou a ser acionado, mas o jovem morreu no local. O criminoso aguardou a chegada da polícia.

Em depoimento, o adolescente confessou a autoria do crime, e alegou ter agido em legítima defesa. A polícia ainda apreendeu um celular, duas facas e uma marreta, que teriam sido utilizadas no momento do ocorrido.

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...