Slide 1 Slide 2 Slide 3

NOTICIAS DO MUNDO GAY

Estado da Califórnia passa a adotar terceiro gênero: o não-binário.


Bandeira do Orgulho Não-binário


O estado da Califórnia, nos Estados Unidos, passou a reconhecer um terceiro gênero, desde a última segunda feira (16): o não-binário. A decisão foi anunciada pelo senador Scott Wiener em seu perfil no Twitter.


“Estou orgulhoso pelo que fizemos este ano pelo movimento LGBTQ+”,afirmou o político na rede social. Com a mudança, agora documentos oficiais, como carteiras de motorista, terão a terceira opção, além do tradicional masculino e feminino.

O Governo ainda não divulgou qual letra será utilizada para designar o novo gênero. Em alguns países como a Austrália e a Nova Zelândia, utilizam o “X” para classificar as pessoas genderqueer (gênero fluído), ou seja, aqueles que ou não se identificam como homem e nem como mulher, ou assumem características de ambos.

Mike Pence: o possível passado homossexual e as atuais declarações homofóbicas do vice-presidente dos EUA.

http://revistaladoa.com.br/sites/default/files/2017/10/noticias/vice_gay.jpg

O vice- presidente Mike Pence reproduz todas as ideologias e proibições homofóbias do presidente Donald Trump. Por outro lado, o político conhecido por suas declarações homofóbicas pode ter vivido a homossexualidade em seu passado. Uma imagem que começou a circular nas redes sociais ainda em 2016, indica que Mike possui um passado gay. Na imagem, o homem de fisionomia muito parecida ao do vice-presidente, aparece mostrando o abdome abraçado junto de outro homem. O boato na internet logo foi descartado quando, através de uma busca, descobriu que o homem da foto em questão era o ator pornô Brad Patton. 

Depois que a polêmica se dissolveu no tempo, o questionamento sobre a sexualidade de Nike Pence voltou a  ser comentado na internet. Pence já deu várias declarações homofóbicas e, durante sua trajetória política, muito fez para inibir direitos LGBT’s. Nesse contexto, surgem alguns rumores de que ele, e alguns mais ousados apontam o próprio presidente Trump; seria homossexual “enrustido”. Por outro lado, Mike Pence continua com suas declarações extremamente homofóbicas. O politico já propôs que empregadores não contratem LGBT’s, tentado roubar-lhes qualquer vestígio de cidadania. "Os homossexuais não são como um grupo capaz. Eles são conhecidos por transportar taxas extremamente elevadas de doenças provocadas por causa da natureza de suas práticas sexuais e da promiscuidade, que é uma marca registrada de seu estilo de vida ", disse o vice-presidente. 

O governo de Donald Trump, em vigor nos Estados Unidos desde janeiro de 2017, é mundialmente conhecido por seu conservadorismo. Em consequencia de sua linha de governo, uma das populações mais afetasdas com a restrição de direitos é a LGBT. Recentemente, Trump lançou a proibição de transgêneros no exército, sob o argumento de que esse grupo gera muito custo com medicamentos hormonais. 

Homem tenta ficar com traços mais femininos e acaba com o rosto desfigurado.


O colombiano ficou com o rosto desfigurado, após intervenção estética 


Tudo que o colombiano Jerson Trujillo queria era ficar com o seu rosto mais próximo das feições femininas, mas o que ele conseguiu foi uma face desfigurada e quase irreconhecível.

As intervenções estéticas começaram há quatro anos, quando ele injetou uma substância para realçar as maçãs do rosto. Satisfeito com o resultado, voltou um tempo depois para a esteticista, a fim de hidratar o rosto, e foi ai que o problema começou.

Em entrevista a BBC, Trujillo confessou que não sabia qual o produto que a profissional usava em sua pele.“Fui muito ingênuo, não estava ciente do que tinham colocado no meu corpo”, afirmou.  “Quando ela realizou o procedimento, injetou alguns óleos na minha cara. Esses óleos fizeram uma fusão com a substância que eu já tinha no meu rosto, sem eu saber”, contou.

https://observatoriog.bol.uol.com.br/wordpress/wp-content/uploads/2017/10/homem-desfigurado.jpg

“Três meses depois, minha pele começou a ficar dura, começaram a sair granulomas (nódulos inflamatórios) no meu rosto, que estava todo vermelho, quente. Meu rosto ficou destruído, podre, saía pus da minha face, estava apodrecendo”, completou.

Agora, o jovem tem se submetido à cirurgias reparadoras para tentar recuperar cerca de 50% ou 60% da face. O rapaz acredita que terá ainda que passar por pelo menos três intervenções para conseguir ter seu rosto, próximo ao que era antes, novamente.

Planta encontrada no Nordeste brasileiro pode destruir até células dormentes do HIV.




A manipulação química da trepadeira Abrus pulchellus tenuiflorus, ou Pulchellina, encontrada apenas no Nordeste brasileiro, resultou numa substância que pode matar as células do HIV em humanos. O estudo foi realizado por pesquisadores da Universidade de São paulo (USP) em parceria com a Universidade de Louisiana, nos Estados Unidos, e pubnlicado na revista Nature. A descoberta, além de agir contra o HIV, não danifica as células saudáveis e não apresenta efeito colateral. 
  
Segundo os estudos, a toxina obtida através da planta matou mais de 90% das células doentes em 10 minutos. "A pesquisa foi bem-sucedida, mas ainda há uma longa fase de testes para ela que possa ser validada como terapia em humanos”, explicou o professor e pesquisador da USP Francisco Guimarães. A substância é conhecida entre os cientistas por imunotoxina, isto é, trata-se da mistura de um anticorpo com uma toxina, sendo que um localiza a célula doente e o outro a exclui. No experimento, amostras dormentes também fora identificadas e eliminada com sucesso.
  
Mohammad Sadraeian, físico biomolecular e autor do projeto, aponta que os atuais medicamentos contra o HIV têm ação provisória, amenizando sintomas e a ação do vírus no organismo. Para o especialista, os remédios usados atualmente não são suficientes para matar as células nocivas definitivamente, tampouco localiza células doentes ocultas no organismo. "Existem imunotoxinas no mercado que são eficazes para tratamento de células cancerosas. Mas elas não são capazes de matar células adormecidas, como as células infectadas pelo HIV”, explicou o professor.
  
De acordo com informações do Departamento de HIV da Organização Mundial de Saúde (World Health Organization – WHO), em 2015, 36,7 milhões de pessoas viviam com HIV. O vírus que acarreta a AIDS pode ser transmitido em relações sexuais sem proteção, transfusão de sangue, parto, amamentação e compartilhamento de materiais cortantes. O vírus HIV se instala nos leucócitos, os glóbulos brancos, que são células do sistema imunológico que defendem o corpo de doenças. Com a imunidade defasada, o corpo começa a padecer até a morte. 
  
Os medicamentos atuais, oriundos de manipulações químicas, retardam os sintomas e ajudam as células doentes a lutarem contra infecções. Por outro lado, seu uso deve ser contínuo. As medicações como as desenvolvidas a partir da Pulchellina podem dar um resultado definitivo e maior qualidade de vida. A substância descoberta ainda continuará em fase de testes para aprimoramento.

Casal é julgado pela morte de menino de 8 anos por pensar que ele fosse gay.


Gabriel Fernandez, morto pelo padrasto, em 2013 


O julgamento da morte de um menino de apenas oito anos, em Los Angeles, na Califórnia, teve início na última segunda-feira (16). O assassinato aconteceu em 2013, a mãe Pearl Fernandez, e o seu namorado, Isauro Aguirre, de 32 anos, são os principais acusados pelo crime, motivados pela suspeita que o garoto fosse gay.

O homem é acusado de torturar o jovem Gabriel Fernandez com spray de pimenta, obrigá-lo a comer as próprias fezes e depois vomitá-las. Além de queimar a criança com bitucas de cigarro, agredir a vítima com taco de beisebol e matá-lo com a “permissão” da mãe. Por causa do homicídio, o autor pode ser condenado a pena de morte.

Após o crime, o casal ligou para polícia e alegou que Gabriel tinha cometido suicídio. No depoimento, eles afirmaram que a vítima “gostava de bater em si mesmo, era homossexual e queria acabar com a própria vida.” Porém, logo as autoridades descartaram essa  possibilidade e os dois foram presos.

A defesa de Isauro, representado pelo advogado John Allan, argumentou que o seu cliente “estava com problemas para lidar com uma situação muito estressante e caótica”. O réu admite o assassinato, mas nega qualquer episódio de tortura. Já a mãe de Gabriel, só será julgada em outra sessão. Além deles, outros quatro assistentes sociais estão sendo investigados pelo crime.

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...