Slide 1 Slide 2 Slide 3

CONFISSÕES DO DIVÃ





Os textos apresentados nesta seção buscarão ilustrar situações, angústias, problemas e experiências vivenciadas por alguns homens gays. Não existem experiências universais, comuns a todos os homens gays, cada um de nós é constituído e atravessado por diversas características que tornam a sua experiência única.  Nossa principal ideia aqui é pensar em possibilidades de enfrentamento para as questões aqui representadas, que em menor ou maior grau podem ser semelhantes com alguma das histórias vivenciadas por você. Essas histórias não são uma representação literal de histórias reais e sim textos fictícios.

O Dr. Alexandre é formado em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Atua como psicólogo clínico no Espaço Recontar na região de São José / SC. Fundamenta seu trabalho pelos princípios da Psicologia Sistêmica. Compreender os fenômenos psicológicos sistemicamente significa, literalmente, “colocá-los” dentro de seu contexto, estabelecendo a natureza das suas relações.

Você pode fazer perguntas e sugerir temas que nosso psicólogo responderá com todo prazer.

Bem, vamos ao tema de hoje:

Eles me dizem que “não curtem” negros...

Alexandre de Souza Amorim, Psicólogo
alexandresouza.psicologo@gmail.com


 


Meu nome é Daniel e tenho 25 anos. Sou um cara de bem com a vida, comigo não tem tempo ruim... Ou não tinha. Era assim que eu começava me apresentando até perceber que isso não é o mais importante. Tanto nas baladas como nos aplicativos de relacionamento o que tenho escutado e lido é “não curto negros”. Sou um cara bonito, divertido, interessante e não tenho problema nenhum com minha auto-estima... Ou não tinha. Hoje nas baladas eu espero que os caras “cheguem em mim” e nos aplicativos começo logo dizendo que sou negro. O racismo é uma constante na minha vida, alias na vida de todos nós e sempre consegui enfrentá-lo de cabeça erguida. Porém estou cansado disso, meu único namoro até hoje foi com outro negro e isso não é um problema. Eu me interesso pelas pessoas, independente da cor de sua pele, o problema é ver as minhas possibilidades restritas pelo problema que o outro tem com a minha cor, sem me dar a menor chance de mostrar o cara bacana que habita aqui dentro. Já iniciei terapia e estou melhorando, mas senti a necessidade de escrever, pois na internet e em algumas redes sociais parece uma terra de ninguém e queria ver esse tabu abordado aqui no blog.

Ivan, 25 anos          


Oi Ivan, obrigado por escrever e compartilhar sua experiência com os leitores do blog. Você tem muita razão quando aponta o racismo existente e oculto por falas do tipo “é uma questão de gosto”, “eu apenas não curto, mas não tenho nada contra” ou “é minha opinião pessoal (sim dessa maneira redundante!)”. Podemos observar que principalmente nas redes sociais discursos preconceituosos e discriminatórios são veiculados fortalecidos pela cultura da “liberdade de expressão”, parecendo permitir que todos os “achismos” e “gostos” possam ser ditos e/ou escritos sem nenhum problema.

Começo esclarecendo um ponto importante: Liberdade de expressão não da o direito a ninguém de violar os direitos de outra pessoa, de empreender violências e cometer crimes. RACISMO É CRIME e você pode denunciar crimes virtuais nos sites do Humanize Redes (Denuncie mensagens preconceituosas, racistas, xenófobas e que violem os Direitos Humanos), no Digi Denúncias (Canal para denúncias de crimes eletrônicos do Ministério Público) e Safernet (Organização não governamental que reúne especialistas para combater crimes digitais). Você também pode procurar por delegacias especializadas em crimes virtuais, já há algumas espalhadas pelo país.

Infelizmente algumas sociedades desenvolveram mecanismos eficazes que trabalham incessantemente para construir os desejos e necessidades de quem vive nelas. Somos estimulados a lutar e ter coisas das quais não precisamos e não é fácil conseguir fugir desses mecanismos. Isso por que eles atacam de maneira pulverizada e desde a infância, e se isso não fosse suficiente há toda uma forma de rejeitar e excluir aqueles que tentam resistir às essas “necessidades”. Se você não tem um celular de ultima geração você é olhado e apontado com estranhamento, é pensado como fracassado...

É algo tão perverso que a maioria das pessoas pensa que algumas de suas “vontades” são de fato “naturais” (alguns chamam de Gostos, outros de preferência, de personalidade, e muitas outras coisas). Portanto, essas pessoas acreditam mesmo que são livres de preconceitos – que é gosto e não racismo. Ilusão? Hipocrisia? Ignorância?

Os gays não escapam disso. Pode parecer estranho, mas é fato que o respeito às diferenças não é uma característica própria dessa comunidade e de nenhuma outra. E tudo bem, afinal os gays não nasceram em marte, eles também são produtos dessa sociedade excludente.

Eu sei que esse pequeno texto em resposta ao email do Daniel irá gerar muita polêmica, seremos xingados nos comentários, questionados, vão dizer que o preconceito esta na cabeça de quem não respeita o “gosto” do outro, etc. Mas isso não muda o fato de que quem diz “não curto negro” está sendo preconceituoso sim.

Todas as pessoas têm conceitos e preconceitos, estaria sendo hipócrita se afirmasse o contrário. Porém podemos mudar, melhorar e, sobretudo, respeitar o outro. Não é possível defender a ideia de que um cara (ou vários deles) é naturalmente atraído por homens brancos, sarados, “machos” e “bem dotados”. É absurdo, não é?

Digo aos racistas: Melhore! É preciso refletir e discutir sobre o racismo e sobre essas pequenas maneiras cotidianas de oprimir o outro. Você já pensou como se sentem as pessoas que se encaixam no “não curto negros”? Comece colocando-se no lugar dessas pessoas e se admitir e engolir seu racismo a seco ainda for um problema, pelo menos pense em maneiras menos danosas de expressar o seu “gosto”.

Você pode não ter escolhido ser um cara racista, mas você pode escolher o que faz com o seu racismo... E uma das possibilidades é eliminá-lo!



Poderá gostar também de:
Postado por Mac Del Rey | (2) Comente aqui!

2 comentários:

  1. Entre numa academia e turbine seus músculos cara, dificilmente alguém resiste a um negão malhado. Conheci um senhor que se mostrava resistente a negros, depois fui saber que sua esposa foi traída por um negão tão negro quanto a noite. Preconceito existe mesmo, e vai existir sempre. Se perfume, vista bem, seja firme em suas atitudes, se não gostarem de vc, paciência, o mundo é enorme.

    ResponderExcluir
  2. Mas dai o cara do relato e tambem o doutor acham q as pessoas sao obrigadas a ficarem com os "oprimidos" so pq alguem deu um fora naquela pessoa? Isso nao é ser desrespeitoso com a pessoa q deu o fora tambem? As pessoas sao livres pra sairem com quem quiserem, se nao querem sair com esse cara, talvez ele deva avaliar o q ele tem de errado. A pessoa pode se achar bonita pra si, mas para outro ela nao sera bonita. Nem todos vemos o mundo com os mesmos olhos. Ainda bem neh. E nem por isso vc pode obrigar alguem a ficar contigo. Pense na questao da pessoa q vai ter q ser obrigada a ficar com vc. Todos sofremos rejeiçoes ao longo da vida. Eu mesmo sofro muito por ter pau pequeno e nao ser musculoso, mas eu fico chorando? Nao! Eu vou atras de alguem q me curta de verdade. Se outros nao me quiseram, paciencia. Tem milhoes de pessoas por ai, nao eh possivel q ninguem vai gostar de vc. Pare de fazer mimimi e invista mais em vc.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...