Slide 1 Slide 2 Slide 3

CONTOS DO LEITOR


Os Safados da Escola

Capítulo I: O Jogador de Basquete


 


Sabe aquela coisa de o garoto nerd acabar ficando com o garoto popular da escola? Isso não passa de uma porra de conto de fadas que você só encontra nos filmes de hollywood feito para iludir os adolescentes. Afinal, estamos no Brasil e popularidade não importa nas escolas... Certo? Errado! Quando se estuda numa escola de filhinhos de papai, isso importa sim. Eu era o bolsista, o nerd, o invisível que ninguém ligava, até um dia a Rainha do Baile aceitar meus conselhos sobre a sua vida amorosa quando a peguei chorando nas escadas do fundo da escola porque tinha acabado de ser traída. E de repente, me tornei o cara mais popular entre as garotas, tipo o melhor amigo gay.

Os meninos não iam muito com a minha cara, acho que era ciúmes, mas um deles foi a exceção. Seu nome era Tiago, ele era alto, corpo malhado, cabelo castanho, olhos verdes e pele meio bronzeada, típico de um garoto da Zona Sul do Rio de Janeiro. Ele era do último ano do ensino médio e eu do primeiro, mas a gente ficou amigos porque eu era Monitor da Biblioteca e ele precisava de uma ajuda com uma garota e achou que o melhor jeito era fingir que gostava de ler. Ninguém entendia a nossa amizade e apesar de ele ser um gostoso, capitão do time de basquete do clube da escola e desejado por todas as meninas, nunca fiquei a fim dele... Até ele me chamar para sua festa de aniversário.

Infelizmente, nenhum dos meus verdadeiros amigos estavam presentes, então eu me sentia deslocado demais. Fiquei bastante tempo parado num canto, com meu copo de cerveja na mão, que já estava ficando quente. Eu não gostava de ninguém ali e Tiago nem me dava atenção. Era engraçado porque não vi seus pais e a única parente presente na festa, era sua prima, que estava transando com o namorado no quarto de cima. Fiquei na cozinha sentado no balcão pensando por alguns minutos, já estava decido a ir embora quando ele entrou e perguntou o que eu estava fazendo lá. Ele não queria que eu fosse embora e estava tentando me convencer a ficar, mas eu estava decidido a ir, quando ele mencionou que todos estavam jogando Body Shot.
- O que é isso?
- É uma brincadeira bem legal. - Ele sorriu. Nesse momento uma garota entrou na cozinha e pegou uma garrafa de tequila do balcão e voltou pra cozinha.
- E como se brinca? - Perguntei.


Ele fez ar de mistério, caminhou até o armário, tirou de lá dois copinhos, depois encheu os dois com tequila e pegou uma laranja do cesto de frutas e um vidrinho de sal em cima da geladeira.
- É um seguinte... - Começou a explicar. - Eu vou fazer uma tirinha de sal em uma parte do seu corpo, a parte que você escolher. Aí eu vou tomar um gole da bebida, lamber o sal e chupar a laranja que vai estar na sua boca. - Ele disse enquanto cortava a laranja.

Fiquei intrigado, porque aquilo me assustou. Quase não deixei que fizesse, quer dizer, sou gay, mas eu e ele éramos apenas amigos. Mesmo assim, estava curioso pela brincadeira e no fundo, com muito tesão.
- E aí? Em que parte coloco o sal?

Pensei por alguns segundos - No meu braço. - Respondi esticando o braço esquerdo. Ele então fez a tirinha de sal no meu braço, ele fez sem pressa, nem olhava para o que estava fazendo, só para os meus olhos. Então ele pôs a laranja na minha boca, quando desceu as mãos passou-as pelo o meu pescoço, acho que era ali que ele preferia que eu tivesse escolhido, depois ele tomou a tequila, lambeu o sal... Nossa, que língua gostosa! Então chupou a laranja. Ele tirou a laranja da sua boca e disse:
- Sua vez!

Ele podia ter ficado chateado porque não lambeu meu pescoço, então decidi compensar isso. - Seu pescoço! - Anunciei. Ele sorriu, um sorriso de pura satisfação. Fiz a tirinha e respirei fundo... Eu odeio tequila! Mas eu queria fazer isso. Fechei os olhos e tomei um gole. Desceu queimando, então rapidamente lambi o sal e quando eu ia chupar a laranja, lábios tocaram os meus. Lábios macios e deliciosos. A laranja não estava lá, só sua boca beijando a minha. Ele me agarrou com força e continuou a me beijar. Quando finalmente paramos e eu pude respirar, ele sorriu e sugeriu:
- Que tal mais um round?
- Com certeza! - Eu disse.



Então ele pegou a garrafa, as laranjas cortadas e o sal e seguiu até a sala. Fiquei com medo de ir atrás e ele querer que eu fizesse aquilo na frente de todo mundo, mas o segui mesmo assim. Cheguei na sala e vi uma menina deitada sobre a mesa de centro e um garoto chupando seu umbigo. Todos os meninos urravam e aplaudiam. Vi Tiago na escada esperando por mim, subi logo atrás dele. Chegamos em seu quarto e ele pediu que eu trancasse a porta. Ele tirou a camisa e o sapato, ficando só de cueca.
- Tira a camisa e deita no chão. - Ele disse.

Mandou e eu obedeci. Ele se ajoelhou me olhando nos olhos, então pôs a tirinha no meu peito, logo abaixo do pescoço. Tomou um gole da tequila direto da garrafa, lambeu a tirinha, chupou a laranja, subiu em cima de mim e meu beijou. Nossos corpos ficaram ali se esfregando por alguns segundos até ele se deitar do meu lado, por as mãos atrás da cabeça e sorrir dizendo que era a minha vez. Peguei o sal e coloquei um tirinha acima do umbigo dele. Eu estava prestes a tomar o gole da tequila quando tive uma ideia e então coloquei um pouco da bebida no seu umbigo. Lambi a tequila, o sal e subi com a língua até sua boca, onde a laranja me aguardava. Sorri e ele se levantou um pouco, me envolveu em seus braços e chupou minha língua. Sua boca beijava meu pescoço e eu já estava gemendo.
- Sua bunda! - Ele sussurrou apertando.
- O que disse?
- Eu quero a sua bunda. - Ele bateu e apertou com força. Nossa! como ele tinha pegada.

 

Estava eu de bunda empinada, o sal acima da minha bunda, bem abaixo do cox, ele bebeu a tequila direto da garrafa e lambeu o sal, mas não foi a laranja que chupou dessa vez e sim meu cu. Sua língua entrava e saía, ele lambia e eu ouvia seus gemidos. Eu estava de olhos revirados e pedia pra que lambesse mais e ele não parava, sua língua trabalhou bem ali. Então ele subiu com os lábios, beijando minha costas e chegou em meu pescoço. Eu gemia "safado!" "gostoso!" "puto!" e ele só me beijava, tocando o pescoço e os lábios. Eu sentia seu membro duro nas minhas nádegas, meu cu começou a piscar freneticamente, desejando ele lá dentro. Então ele me virou e minhas costas bateu no chão, ele me encarou por um tempo e disse:
- Onde quer?

Enrolei minhas pernas nele e como nas aulas de judô, eu virei e fiquei por cima. Não disse onde colocaria o sal para fazer mistério, beijei seus lábios e fui descendo, beijando sua barriga, o mordi de leve logo abaixo do umbigo e depois abri sua calça. Eu arriei e tirei até ele ficar totalmente pelado. Seu pênis era grande e macio, diferente da maioria do garotos com quem fiquei. Passei o sal na sua virilha, tomei um gole da tequila e então lambi o sal, chupei a laranja e atirei bem longe. Já chega de brincadeiras! Abocanhei sua jeba toda.




Subia e descia os lábios, deslizando levemente, sem pressa. Minha língua passeava pela cabeça e eu beijava de leve até a base.
- Oh Deus! - Ele gemia.

Desci os lábios e ao mesmo tempo minha língua subia e descia. Passei a língua na dobrinha daquela cabeça bem vermelhinha. Cheirei sua gala e beijei até a base, fui beijando até conseguir enfiar todo o seu saco na minha boca. Fiz suas bolas de bala e as suguei. Fui sugando e ouvindo ele me chamar de "filho da puta gostoso". Ele não parava de gemer, estava adorando. Voltei lambendo feito sorvete até a cabeça e abocanhei de novo. Dessa vez subi e desci a cabeça um pouco rápido, fazendo uma pausa para engolir tudo, fiz isso mais duas vezes e beijei sua cabeça. Seu pau já estava latejando. Apesar de eu querer muito sentir o gosto de sua porra, não queria que Tiago gozasse logo. Agarrei ele e o beijei. Suas mãos desceram pelas minhas costas e tirou minha calça. Eu usei os pés para me livrar delas de vez. Ele me levou até a cama e dos meus lábios foi beijando até chegar ao meu pau.

Minhas pernas estavam enroladas nele, não queria me desgrudar. Apertando meus mamilos, um de cada, com as duas mãos, ele chupava meu pinto, sugando e lambendo, beijando a virilha e chupando mais e mais. Eu me contorcia feito uma cobra, gemendo de puro prazer. Ele levou os lábios até meu cu novamente, enfiando a cabeça dentro das nádegas, usando a sua língua maravilhosa pra lubrificar. Ele pegou a camisinha no criado mudo e vestiu em seu pinto. 





Tiago foi entrando devagar, até estar totalmente lá dentro. Ele foi enfiando de leve, beijando meus lábios e pescoço. Ele se afastou e começou o vai e vem, segurando minhas pernas, eu era o perfeito frango assado. Ele foi metendo e dizendo coisas do tipo "Gosto disso seu safado? É isso que você quer?" Eu respondia que sim e ele: "Então toma! Toma a minha piroca em seu rabo! Você gosta?" Eu gemia que sim e pedia pra ele não parar. Ele aumentou o ritmo, agora metendo mais forte, com as mãos apoiadas na cama. ele ia gozar.
- Isso amor! Goza dentro de mim! - Pedi.


 

Ele gritou de tesão e gozando, foi desacelerando. Ele desabou em cima de mim, tentando respirar novamente e eu apenas ria.
- Do que está rindo? - Ele perguntou.
- Nunca pensei que faríamos isso.
- Sério? Pois eu pensei. - Ele me beijou e depois levou os lábios até meu pênis.


 

Seus lábios me deslizaram por todo o meu pinto e eu já estava com tesão de mais que não aguentei, gozei dentro da boca dele, segurando sua cabeça e ele fez questão de engolir tudo.
- Docinho. - Ele lambeu os lábios me encarando.

Sweet Boy

(CONTINUA NA PRÓXIMA SEMANA)

Poderá gostar também de:
Postado por Mac Del Rey | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...