Slide 1 Slide 2 Slide 3

MINHA VIDA GAY

Mulher transgênero se assume lésbica e diz estar “feliz por ter mantido o pênis".


A mulher transgênero Jolene Dawson se assumiu lésbica e afirma estar feliz por ter mantido o pênis


A mulher transgênero de 21 anos também contou que já foi a cerca de 100 encontros e deu match com mil homens no Tinder nos últimos meses. Enquanto isso, Jolene sofria com sua sexualidade e, dessa vez, se assume pela terceira vez aos pais, agora como lésbica; a primeira foi como homem gay e a segunda como mulher trans.

“Eu percebi que não queria ser um homem, por que eu gostaria de ficar com um também? Tive encontros incríveis com homens velhos e mais rico, mas estou animada para começar a sair com mulheres”, afirma. Nessa nova fase da vida, ela também declara estar feliz por ter mantido o pênis, pois “realmente ajuda” nas relações.

Nova descoberta sexual

Jolene começou a se descobrir quando começou a sair com um casal e descobriu que gostava mais do sexo com a mulher do que com o homem. Ela também notou que tinha mais sentimentos por essa outra mulher e preferiu se retirar do relacionamento para poder começar a explorar esse novo caminho. “Já mudei as configurações do Tinder para interessada por mulheres”, comenta.

Ela admite que sua aparência recebe muitos olhares, mas ela não liga para comentários negativos. “Eu sempre fui muito autoconfiante. Se alguém não gosta de mim, é uma oportunidade perdida para eles”, afirma.

Jolene Dawson já havia se assumido como homem gay e mulher transgênero. Agora, depois de 50 mil libras em cirurgias, se vê como uma trans lésbica

Jolene Dawson, uma mulher australiana transgênero que considerava passar pela cirurgia de redesignação sexual, assumiu ser lésbica e, em entrevista ao “MailOnline” e ainda afirmou estar feliz por “ter mantido o pênis”, já que percebeu que é atraída por mulheres. Antes de se assumir, ela tinha gastado 50 mil libras (cerca de R$ 233 mil) em cirurgias plásticas no corpo.


A mulher transgênero de 21 anos também contou que já foi a cerca de 100 encontros e deu match com mil homens no Tinder nos últimos meses. Enquanto isso, Jolene sofria com sua sexualidade e, dessa vez, se assume pela terceira vez aos pais, agora como lésbica; a primeira foi como homem gay e a segunda como mulher trans.

“Eu percebi que não queria ser um homem, por que eu gostaria de ficar com um também? Tive encontros incríveis com homens velhos e mais rico, mas estou animada para começar a sair com mulheres”, afirma. Nessa nova fase da vida, ela também declara estar feliz por ter mantido o pênis, pois “realmente ajuda” nas relações.

Leia também: Transgênero usa foto sem camisa e com seios "colados" para comemorar a transição

Nova descoberta sexual

Jolene começou a se descobrir quando começou a sair com um casal e descobriu que gostava mais do sexo com a mulher do que com o homem. Ela também notou que tinha mais sentimentos por essa outra mulher e preferiu se retirar do relacionamento para poder começar a explorar esse novo caminho. “Já mudei as configurações do Tinder para interessada por mulheres”, comenta.

Ela admite que sua aparência recebe muitos olhares, mas ela não liga para comentários negativos. “Eu sempre fui muito autoconfiante. Se alguém não gosta de mim, é uma oportunidade perdida para eles”, afirma.

Cirurgias plásticas para se parecer com uma boneca

No ano passado, Jolene gastou aproximadamente 50 mil libras em procedimentos plásticos, incluindo enchimentos na testa e emagrecimento da mandíbula para começar a parecer uma boneca Bratz.

A mulher transgênero, apesar de não pensar mais em retirar o órgão sexual masculino, ainda planeja retirar o pomo de Adão e “costurar” seu umbigo na próxima fase de transformação para uma Bratz.

Monica, viúva de Marielle, fala sobre planos de casamento interrompidos.


Não consigo acreditar que ela não vai voltar', diz Monica Tereza, mulher de Marielle.


A arquiteta Monica Tereza Benício ainda tenta aceitar a perda de sua mulher, com quem vivia por 12 anos, a vereadora Marielle Franco, morta na última quarta-feira (14) no Centro do Rio. Em entrevista emocionada ao Fantástico, da TV Globo, interrompida várias vezes pelo choro, relembrou a relação com Marielle, os planos interrompidos e o momento em que recebeu a notícia trágica.

Ela diz que sua companheira estava feliz e despreocupada, não falava em ameaças ou se sentia em risco. As duas planejavam se casar em setembro do ano que vem e já tinham começado, aos poucos, os preparativos.

A arquiteta ainda tenta aceitar o que aconteceu. "Eu ainda não consigo acreditar que ela não vai voltar pra casa. Eu ainda não consigo entender por que fizeram isso com ela."




A seguir, os principais trechos da entrevista.

O DIA DO CRIME

"Ela mandou uma mensagem 'já to no carro, vc tá precisando de alguma coisa? precisa que eu leve alguma coisa?' Falei que não, entrei em casa, achei que ela fosse chegar um pouco primeiro. E 20 minutos depois ela ainda nao tava em casa, eu achei aquilo esquisito. Aí liguei mais 20 vezes e fui começando a ficar muito desesperada porque ela não atendia."

Uma amiga foi até sua casa contar o que havia acontecido.

"Eu falei 'Dani o que que aconteceu? Cadê a Marielle?' Ela falou: 'você precisa ser forte. A Marielle morreu'. E aí eu caí no chão porque eu não conseguia ficar em pé."

ABALO EMOCIONAL

"É muito difícil porque eu ainda não consegui concretizar que ela não vai voltar. Isso é uma coisa que eu ainda não entendo, eu não consigo dormir porque ela não tá do lado e, quando eu acordo e abro olho e entendo o que tá acontecendo, é muito dificil querer levantar da cama. Eu pensava porque que eu não tava no lugar do Anderson. Porque eu não consigo entender o que que eu vou fazer da minha vida sem ela agora."

"Posso continuar falando porque eu acho que ela ia querer isso. Ela era muito forte na rua, na câmara, gritava e falava. Eu sempre brinquei que eu precisava daquela força e ela da minha racionalidade porque era muito impulsiva com algumas coisas e em casa ela era completamente o oposto daquilo porque era uma mulher super frágil, que chorava pelos conflitos do dia, chorava porque pessoas tinham perdido a casa."


As duas planejavam se casar e já tinham começado os preparativos.


PLANOS PARA O CASAMENTO

"A gente conversava muito sobre tudo isso [se sentir em risco], ela teria me dito alguma coisa, mas nada... ela tava feliz, tava despreocupada, a gente tava muito feliz. planejando casamento pro ano que vem. Tem um monte de coisa, de e-mail de casamento que eu vou ter que responder que nao vai mais acontecer (...) A gente tava esperando a data de setembro do ano que vem, porque esse ano ia ser ano de eleição e a gente queria organizar as coisas aos poucos esse ano e depois tentar organizar melhor as coisas pro ano que vem. Ela falava muito disso, ela queria muito isso, a gente demorou muito tempo pra conseguir ficar junta de verdade e quando a gente finalmente conseguiu, tudo muito breve.... Ela tinha me dito que ia ser pra sempre dessa vez. (chora muito)"

INÍCIO DO RELACIONAMENTO

"Começou, a gente tem, entre muitas idas e vindas 12 anos de relação, 13 anos agora faria. A gente começou muito nova, a gente se conhece por acaso numa viagem de carnaval com amigos em comum. E aí desde o primeiro momento que eu a vi a gente teve uma empatia muito grande. É difícil ainda assim andar de mãos dadas na rua sem ouvir muitas agressões então o início do relacionamento foi muito velado e muito difícil, ela tava com a Loiara pequena, com cinco anos na época..."

Adolescente gay comete suicídio por não aguentar homofobia de familiares.




A homofobia fez mais uma vítima! Desta vez, o jovem Yago Oliveira, morador de Sapé, na Paraíba, que tirou a própria vida no último dia 14 após sofrer preconceito dentro da própria casa. O suicídio ganhou grande repercussão nacional após o jovem publicar uma carta aberta em seu Instagram relatando os diversos problemas familiares por conta da sua sexualidade.

Segundo o relato deixado por Yago, a sua família não o aceitava por ser homossexual. Já em outro comentário ele afirma que recebeu ameaças da mãe via Whatsapp e que sua vida havia se tornado “um inferno”. O suicídio do jovem levantou um debate sobre a falta de apoio da família quando alguém assume a homossexualidade.

Vários depoimentos de amigos de Yago, que foram deixados em sua rede social, relatam uma forte intolerância por parte dos pais dele. Em um dos comentários, uma mulher que se identificava como tia de Yago respondeu alguns comentários e relatou só ter conhecimento sobre a homossexualidade dele no dia do enterro.

Confira a publicação completa:

Sei que roupa suja se lava em casa, mas vamos lá

*Meu avô paterno, se casou com a minha avó quando ela tinha 12 anos de idade e ele 30, ela se urinou com medo na primeira noite que dormiu com ele.

*Minha avó traiu o meu avô e eles se separaram, minha avó largou todos os filhos pelas casas das irmãs e não criou nenhum deles, assim como meu avô que começou a tratar os filhos do primeiro casamento como estranhos sem nem cumprimentar quando passava por eles na rua.

*O irmão do meu avô teve uma filha esquizofrênica, a qual como ele mesmo disse uma vez “deu fim”, ninguém nunca soube o que aconteceu com ela.

*O meu tio que é pastor evangélico teve seis filhos, com três mulheres diferentes, dos seis ele só criou dois, pagava 50 reais de pensão para a primeira esposa criar os seus outros filhos e achava um absurdo esta quantia e vivia atrasando a pensão.

*Esse mesmo tio que é pastor fugiu da Paraíba perseguido por um membro da igreja, após esse membro descobrir que sua esposa estava tendo um caso com ele.

*Um outro tio abusava sexualmente da minha tia

*A minha tia dizia que tínhamos que chamar a empregada doméstica de “Maria” porque empregada doméstica não tem direito a nome, como ela mesmo disse uma vez.

*Minha avó deu de presente para o meu primo um diploma do ensino médio falsificado, depois dele ter reprovado milhares de vezes na quinta série e todos concordarem que meu primo era um caso perdido.

*Outra tia minha enterrou viva uma ninhada de oito cachorros que sua cadela deu porque simplismente os cachorros nasceram tudo fêmea.

*Para o meu pai todo negro é marginal, todo serviço mal feito foi feito por negro e todas essas coisas racistas que já conhecemos…

Mas segundo todos esses que eu citei anteriormente a vergonha da família sou eu, pelo simples fato que sou gay, afinal como eles dizem, ser gay é pecado, mas ser racista, corrupto, assassino, estuprador, pedófilo e não criar os filhos ta de boa, o importante é você não ser gay.


Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (1) Comente aqui!

Um comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...