Slide 1 Slide 2 Slide 3

DIREITOS

Quais os sinais de que alguém LGBT está pensando em suicídio e o que fazer.


Quando uma pessoa LGBT ou não começa a se sentir deprimida, ela passa a se isolar e pode acabar pensando em suicídio


Depressão e isolamento podem ser sinais de que alguém está considerando suicídio; saiba o que fazer quando alguém estiver manifestando estes sinais

O paraibano Yago Oliveira tirou, no último dia 14, a própria vida após ter sofrido com a rejeição da família sobre o fato de ter se assumido gay . Em um desabafo compartilhado no Facebook como uma carta aberta para a família, ele ainda pôde registrar, em janeiro deste ano, a realidade que vivia. O caso comoveu os internautas e abriu a discussão sobre os casos de suicídio na comunidade LGBT.

Infelizmente, casos como o de Yago ainda são muito frequentes entre pessoas  LGBT . Ele escreveu nas redes sociais sobre como considerava injusto ser tachado como "a vergonha da família, o pecador". Os usuários apoiaram o menino, mas não foi possível que ele mudasse de ideia, trazendo à tona a importância do papel da família.

Mesmo assim, ainda é possível que família e amigos consigam evitar que alguém cometa suicídio, começando por interpretar os sinais dados pela pessoa. De acordo com Alexandre Saadeh, coordenador do Grupo de Transtorno de Identidade de Gênero e Orientação Sexual do Instituto de Psiquiatria da USP, “cada jovem tem uma maneira de se comportar”.

O profissional afirma que uma das primeiras manifestações mais comuns de se ver é quando o jovem está constantemente deprimido. Ele reprime o que sente e, sem alguém semelhante para discutir sobre seus sentimentos, começa a ter o sentimento de não pertencimento. Fora do padrão, isolado e parando de sair de casa, ele chega até a se automutilar.


Depois disso, mais para os últimos estágios, a pessoa muda totalmente de comportamento. Ao que parece, ela conseguiu resolver todos os seus problemas de uma hora para a outra, sem uma justificativa, e não se apresenta mais da forma cabisbaixa, como anteriormente. Ela pode até decidir visitar pessoas e rever conhecidos de muito tempo - como se fosse se despedir.

“Aí, a coisa fica mais perigosa”, alerta Saadeh. Segundo ele, o indivíduo começa a ter a percepção de que a solução para acabar com o sofrimento e a humilhação de ser LGBT é tirar a própria vida, em um estalo de dedos. “O cuidado das pessoas ao redor deve se multiplicar nesses momentos.”

O que pode ser feito por alguém que percebeu os sinais? Segundo Saadeh, o melhor é sempre buscar o apoio da família, que tem responsabilidade legal e grande importância para a pessoa, principalmente quando se trata de aceitação de sexualidade. Não se deve ter receio de falar em suicídio e morte com a família e até a própria pessoa que esteja manifestando sinais.

Assim, ele explica, é possível encontrar psicólogos que possam ajudar a solucionar a situação e, mais importante ainda, grupos de apoio LGBT, que são fundamentais para que a pessoa se identifique e veja que não está sozinha. Compartilhando seus sentimentos e aprendendo a lidar com isso a partir da experiência de outras pessoas, é mais fácil começar a pensar de forma diferente, além do suicídio.

Para a pessoa que está tendo pensamentos sobre suicídio, ele indica conversar com pessoas, para não se isolar, e, se necessário, buscar ajuda de um profissional. De tal forma, ela pode entender o que está acontecendo com ela mesma e sua sexualidade, podendo lidar com isso de uma maneira construtiva, ouvindo o que outras pessoas têm a dizer para ajudar.

O Saadeh lembra que muitos famosos são gays, que passaram por todo esse processo de descoberta, questionamento e até rejeição, e que sexualidade não define caráter. Ele reforça também que homossexuais, bissexuais e transgêneros não são “coitadinhos” por pensarem em suicídio. Segundo o profissional, transtornos mentais são independentes da orientação sexual.

O que leva um jovem gay a cometer suicídio?


Um jovem LGBT pode começar a se isolar e sentir que a única solução para seus problemas é o suicídio


Depressão e isolamento podem ser sinais de que alguém está considerando suicídio; saiba o que fazer quando alguém estiver manifestando estes sinais

O paraibano Yago Oliveira tirou, no último dia 14, a própria vida após ter sofrido com a rejeição da família sobre o fato de ter se assumido gay . Em um desabafo compartilhado no Facebook como uma carta aberta para a família, ele ainda pôde registrar, em janeiro deste ano, a realidade que vivia. O caso comoveu os internautas e abriu a discussão sobre os casos de suicídio na comunidade LGBT.

Quando uma pessoa LGBT ou não começa a se sentir deprimida, ela passa a se isolar e pode acabar pensando em suicídio
 
Infelizmente, casos como o de Yago ainda são muito frequentes entre pessoas  LGBT . Ele escreveu nas redes sociais sobre como considerava injusto ser tachado como "a vergonha da família, o pecador". Os usuários apoiaram o menino, mas não foi possível que ele mudasse de ideia, trazendo à tona a importância do papel da família.

Mesmo assim, ainda é possível que família e amigos consigam evitar que alguém cometa suicídio, começando por interpretar os sinais dados pela pessoa. De acordo com Alexandre Saadeh, coordenador do Grupo de Transtorno de Identidade de Gênero e Orientação Sexual do Instituto de Psiquiatria da USP, “cada jovem tem uma maneira de se comportar”.

O profissional afirma que uma das primeiras manifestações mais comuns de se ver é quando o jovem está constantemente deprimido. Ele reprime o que sente e, sem alguém semelhante para discutir sobre seus sentimentos, começa a ter o sentimento de não pertencimento. Fora do padrão, isolado e parando de sair de casa, ele chega até a se automutilar.

Depois disso, mais para os últimos estágios, a pessoa muda totalmente de comportamento. Ao que parece, ela conseguiu resolver todos os seus problemas de uma hora para a outra, sem uma justificativa, e não se apresenta mais da forma cabisbaixa, como anteriormente. Ela pode até decidir visitar pessoas e rever conhecidos de muito tempo - como se fosse se despedir.

“Aí, a coisa fica mais perigosa”, alerta Saadeh. Segundo ele, o indivíduo começa a ter a percepção de que a solução para acabar com o sofrimento e a humilhação de ser LGBT é tirar a própria vida, em um estalo de dedos. “O cuidado das pessoas ao redor deve se multiplicar nesses momentos.”

O que pode ser feito por alguém que percebeu os sinais? Segundo Saadeh, o melhor é sempre buscar o apoio da família, que tem responsabilidade legal e grande importância para a pessoa, principalmente quando se trata de aceitação de sexualidade. Não se deve ter receio de falar em suicídio e morte com a família e até a própria pessoa que esteja manifestando sinais.

Assim, ele explica, é possível encontrar psicólogos que possam ajudar a solucionar a situação e, mais importante ainda, grupos de apoio LGBT, que são fundamentais para que a pessoa se identifique e veja que não está sozinha. Compartilhando seus sentimentos e aprendendo a lidar com isso a partir da experiência de outras pessoas, é mais fácil começar a pensar de forma diferente, além do suicídio.

Para a pessoa que está tendo pensamentos sobre suicídio, ele indica conversar com pessoas, para não se isolar, e, se necessário, buscar ajuda de um profissional. De tal forma, ela pode entender o que está acontecendo com ela mesma e sua sexualidade, podendo lidar com isso de uma maneira construtiva, ouvindo o que outras pessoas têm a dizer para ajudar.


Onde encontrar ajuda para evitar o suicídio?

Se você está passando por isso ou conhece alguém que esteja, é possível entrar em contato com o CVV (Centro de Valorização da Vida). O CVV realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo de forma voluntária todas as pessoas, heterossexuais e LGBT , que querem conversar por telefone (no número 141), email e chat.

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...