Slide 1 Slide 2 Slide 3

MINHA VIDA GAY

Homem transgênero dá à luz na Finlândia e causa polêmica por ser fértil.


Pai transgênero dá à luz na Finlândia e causa polêmica diante da legislação do país, que não permite um trans fértil


Homem transgênero finlandês causou polêmica por ainda ser fértil, pois a legislação finlandesa exige esterilidade para alterar sexo em registro legal

Um homem trans da Finlândia tornou-se o primeiro pai transgênero do país, após dar à luz a uma criança, e a notícia ganhou destaque na mídia local do país nesta quarta-feira (4). Apesar de preferir manter sua identidade e de sua família em anônimato, ele deu seu depoimento ao site finlandês “Lannen Media” e afirmou que o bebê nasceu há quinze dias, saudável – com aproximadamente 4 kg e 53 cm.

O homem transgênero  é gay e casado com outro homem. Prestes a completar a transição, ele decidiu cancelar a terapia hormonal e a cirurgia de redesignação de sexo para ter um filho com seu parceiro.

O nascimento da criança causou polêmica, pois é obrigatório ser estéril para realizar a transição de gênero na Filândia e só assim é possível alterar o sexo nos registros de identidade. Nos centros de saúde, as pessoas já trans são consideradas estéreis por passarem por uma longa terapia hormonal.

Assim, o homem trans, teve seu gênero reconhecido legalmente em 2015, após passar por vários tratamentos com testosterona. Mas os medicamentos não o tornaram totalmente estéril e, após parar com a medicação e cancelar a terapia, ele conseguiu  voltar a ser fértil.

“Eu não quero que a sociedade diga para mim o que posso fazer com o meu corpo e com a minha vida. Nada pode me parar, eu sou um homem livre”, declarou o pai de primeira viagem em entrevista ao diário finlandês “Helsingin Sanomat” durante a gravidez. O bebê nasceu e o homem saiu de licença maternidade para cuidar do filho.

Finlândia e direitos LGBT.

Os direitos LGBT na Finlândia estão entre os mais otimistas no mundo. De acordo com a International Lesbian, Gay, Bisexual, Trans and Intersex Association (ILGA), associação internacional pelos direitos da comunidade, a legislação do país é a mais extensiva e mais desenvolvida das legislações europeias.

Em 2014, o país aprovou o casamento entre duas pessoas do mesmo sexo e a adoção de casais homoafetivos, o que foi efetivado em primeiro de março de 2017.

No entanto, a Finlândia é o único país nórdico a exigir a esterilidade de seus cidadãos transgênero que querem alterar o gênero nos documentos de identidade, tornando-se alvo de críticas de organizações a favor dos direitos humanos.

Noiva surpreende madrinha de casamento queer com terno para usar na cerimônia.


A madrinha de casamento Tiffany não ficou feliz com o vestido e recebeu uma surpresa da amiga noiva com um terno


A madrinha de casamento se identifica com roupas mais "masculinas", e a amiga noiva decidiu honrar sua personalidade dando um terno para ela

A noiva Christina Figueroa decidiu fazer com que seu casamento fosse um momento agradável para todos, especialmente para sua amiga de infância e também madrinha de casamento Tiffany Thompson. Tiffany descreve sua personalidade como “masculina e queer” e não estava feliz com o vestido designado pela noiva. Como resposta, Christina consultou seu estilista para fazer uma surpresa com um terno para a amiga.

O vestido foi dispensado por Christina para honrar a personalidade da madrinha de casamento  com o terno, como conta o site “Bustle”. “Sendo uma pessoa masculina e queer, é muito importante para mim representar minha personalidade em minhas roupas”, afirma Tiffany após ter tentado realizar o desejo da amiga com o vestido, sem querer também roubar o momento dela.

Mesmo assim, no momento em que ela colocou o vestido para experimentar, disse instantaneamente que detestou. “Minha mãe ficaria feliz [com a escolha do vestido], mas é muito desconfortável, nem tem alças. O vestido não me faz sentir como eu mesma”, ela revela.

Tiffany é queer e, como parte da comunidade de mulheres LGBT, gosta de vestir e se identifica mais com roupas que são estereotipadamente masculinas. “Quando eu comecei a usar roupas de homens, eu mudei o jeito que sentia sobre mim mesma.”

O terno da madrinha de casamento

Para desenhar a roupa perfeita para sua amiga, a noiva consultou o estilista Jag Beckford, que tem marca própria, Jag & Co, e é especialista em desenhar roupas para mulheres que são de gênero não-conformista, ou seja, que não se conformam com o gênero esperado pela sociedade, no caso de Tiffany, o gênero feminino.

Enquanto trabalhava em um novo look para ela, Beckford não hesitou em arrancar o vestido da mulher. O resultado foi um blazer de polka dot, com remendos cor-de-ameixa no cotovelo e partes improvisadas do tecido do primeiro vestido.

“Jag fez um trabalho maravilhoso, foi perfeito”, disse a madrinha de casamento. Para completar, a noiva Christina deu uma gravata-borboleta especial, que ela mesma fez usando bloquinhos de construção.

Claro, Tiffany contou ter amado o acessório e até se emocionou quando sua amiga entregou o presente. “Representa nossa amizade, foi um momento realmente doce. Eu me senti amada e respeitada por quem eu sou”, afirma a madrinha de casamento sobre a experiência.

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...