Slide 1 Slide 2 Slide 3

MINHA VIDA GAY

Atacado por ser LGBT em curso de medicina, aluno discursará em evento da UFRJ.


Gustavo Amorim (ao centro, de óculos) postou um desabafo sobre o preconceito que jovens LGBT sofrem ao cursar medicina e, após o relato viralizar, o rapaz foi convidado a discursar sobre o assunto no evento mais importante da UFRJ


Cansado de ouvir que deveria se afastar da profissão por ser gay, Gustavo Amorim fez um desabafo no Facebook, foi convidado a discursar no evento mais importante do curso e ainda propõe workshop sobre saúde LGBT+

“Viado não pode fazer urologia”, ”viado faz toque retal sem luva” e “você é muito afeminado, contenha-se na enfermaria” são só alguns dos comentários hostis que Gustavo Henrique Amorim, estudante do último ano de medicina na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), está acostumado a ouvir. Em uma publicação de desabafo no Facebook, sua história viralizou e abriu a discussão sobre LGBTfobia na área, debate que pode mudar a realidade vivida pelos LGBT.

O estudante descreve em seu texto como é o dia a dia de uma pessoa  LGBT  que cursa medicina, denunciando ofensas de outros estudantes e a falta de reconhecimento por parte da instituição. Em entrevista ao iGay , ele culpa tanto a UFRJ, uma das maiores e mais tradicionais universidades do país, quanto a área em que trabalha, por ser elitista e heteronormativa.

Após a publicação nas redes sociais ter cerca de 36 mil curtidas e 8 mil compartilhamentos em duas semanas, Amorim conta que ficou surpreso com a repercussão, e que acredita que todos os professores da faculdade leram suas palavras. Além de ter recebido um pedido de desculpas da coordenação, foi também convidado para ler seu texto “Bicha Carbonizada” na congregação da faculdade de medicina, reunião mais importante da instituição, que acontecerá nesta quinta-feira (12). 

Na mesma data, o estudante apresentará a proposta de um workshop obrigatório sobre saúde LGBT+ para os alunos, que está sendo organizado pelo coletivo Diversidade Medicina UFRJ. Amorim conta que, até então, não há nenhum treinamento especializado em saúde para a comunidade. “Eu mesmo, que sou LGBT+, não fui ensinado e não sei prevenir quais as DSTs mais prevalentes no sexo lésbico [por exemplo]. Deveríamos saber, é o papel do médico”, comenta ele.

O estudante afirma que ainda é necessário ter apoio integral da faculdade, já que os profissionais não estão sendo formados para aceitar a diversidade. “Não ter uma disciplina sobre e para LGBTs nega sua existência. É dizer ‘morra com sua DST, morra com sua doença, morra com sua terapia de reposição hormonal’”, afirma, se referindo às pessoas trans que passam por transição hormonal.

Segundo ele, os professores ainda são muito heteronormativos - ou seja, focam no que diz respeito a pessoas hétero - e a universidade não reconhece os estudantes da comunidade LGBT, apesar de eles representarem cerca de 10% do curso. Segundo o estudante, a criação do coletivo pela diversidade “melhorou muito a situação” desses alunos, que, antes, “eram completamente silenciados”.

Amorim conta que vários de seus colegas chegaram a trancar a matrícula ou desistir do curso por sentirem que não pertenciam ao ambiente. “Era desestimulante em nós mesmos, não tínhamos referencial e nem apoio psicológico da faculdade, que também não pune professores”, diz. Ele acredita que a situação poderia mudar com treinamento de professores mais humanizados, com a UFRJ lembrando seus profissionais de que existe diversidade.

Comunidade LGBT no campo da medicina.


O preconceito na Faculdade de Medicina e no campo médico de forma geral dificulta ainda mais a vida dos LGBT na UFRJ


Apesar de ter viralizado, a situação vivida por Amorim não é exclusiva da universidade em que ele estuda. Para ele, a hiperssexualização da comunidade é o principal elemento do preconceito na área da medicina como um todo. “Eles acreditam que as questões de gênero e de identidade se resumem apenas ‘à cama’ e não ao que realmente somos. Se fosse assim, homem hétero não poderia fazer ginecologia”, argumenta ele. 

De acordo com ele, no curso de medicina, as pessoas sempre são temas de discussões e sempre é preciso lidar com elas, o que pode dar margem para opiniões de professores e até colegas. 

Os crimes – como ele mesmo faz questão de lembrar, LGBTfobia é crime no Rio de Janeiro – aparecem em várias formas, seja em piadinhas ou até em ofensas mais diretas. “Já recebi conselhos para ‘ser mais resiliente e abaixar a bola’ se quisesse sobreviver no curso”, conta, referindo-se ao fato de as pessoas dizerem que ele é “afeminado demais”.

Sobre o futuro da comunidade na área da medicina, ele acredita que as coisas não vão melhorar e que os preconceituosos vão permanecer apenas silenciados. “Minha geração não vai ver o fim da fobia contra a comunidade LGBT no espaço médico”, declara, ressaltando que, na opinião dele, os médicos ainda são muito “cabeça dura”. Para ele, a luta só começou. 

Posicionamento da UFRJ.


Diante da denúncia da realidade vivida pelos LGBT na faculdade, a UFRJ tomou um posicionamento e planeja mudanças


Diante da denúncia da realidade vivida pelas pessoas LGBT, a direção da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro tomou um posicionamento. Em nota enviada à reportagem, o diretor Roberto Medronho esclareceu que foram realizadas ações nos últimos anos para tentar reverter, mesmo que de forma sutil, o preconceito sofrido pela comunidade no ambiente universitário.

Para começar, Medronho afirma que proibiu a atuação do grupo “Esquadrão de Bombas”, que, como explica Amorim, era um coletivo composto por homens heterossexuais com objetivo de organizavar trotes e desrespeitar alunos LGBT+ de propósito. Dessa forma, também foram encerrados os trotes violentos e vexatórios.

Em 2016, a reitoria iniciou um trabalho para ampliar as ações contra diversos tipos de violência, assédio e discriminação na universidade. As ações visam o combate amplo contra manifestações de LGBTfobia, racismo, xenofobia, entre outras. Também foram criados fóruns para avaliar questões de pessoal e um dedicado a acompanhar a vida de pessoas portadoras de deficiência na universidade.

Nos dias 28 e 29 de março, seguindo a denúncia do aluno, a reitoria reuniu grupos de direitos humanos e combate a violências com o objetivo de sistematizar seu funcionamento, ampliar ainda mais o combate a essas situações e a consolidação de canais para denúncias anônimas.

O diretor criou a Comissão de Direitos Humanos (CDH) da faculdade, presidida pela professora Marisa Palacios, que facilita a realização de denúncias de abusos. “Infelizmente, os alunos [ainda] têm medo, pois acreditam que possam ser prejudicados”, afirma Medronho. Assim, explica, a Comissão de Direitos Humanos instituiu o mecanismo de denúncias anônimas.

“É absolutamente inadmissível que tais eventos ocorram em um ambiente onde deveria reinar a liberdade, solidariedade, empatia, justiça, entre tantos belos sentimentos que nos fazem humanos”, alega o diretor, defendendo a comunidade LGBT .

Mãe usa rede social para declarar amor pelo filho após assistir “Indestrutível”: “Tenho orgulho”.




Lançado nesta terça-feira (10/04), o clipe de “Indestrutível” vem emocionando não apenas os fãs LGBTs de Pabllo Vittar! Exemplo disso é a internauta Gisele Sá, mãe do jovem Andre Ferreira, que decidiu compartilhar um relato emocionante após ter assistido ao clipe da drag queen.

Na publicação, Gisele não poupa elogios a Pabllo. “Depois que ouvi essa música tive mais certeza do meu amor pelo meu filho e de quanto tenho orgulho de não esconder de ninguém ou sufocar a verdade do que ele é e representa pra mim”, inicia a publicação. “Admiro a Pabllo sim. Admiro porque ela representa a ousadia e o cair das múltiplas máscaras que muitos ainda insistem em usar por aí”, continuou.

No final, a “super mãe” encerra a publicação garantindo: “levanto a bandeira do arco-íris PRA SEMPRE! Por você, meu filho e por todos quantos dedico a minha gratidão”.


Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...