Slide 1 Slide 2 Slide 3

CONTOS DO LEITOR



O amigo do meu irmão (Minha primeira vez)

 

Olá turma, eu sou Don (NOME FICTICIO), tenho atualmente 23 anos, 1,77 de altura, 70 kg, olhos âmbar, cabelos pretos, sorriso atraente, sou uma mistura de indianos, argentinos, alemães e brasileiro, dizem que sou muito bonito, sou do interior de São Paulo e atualmente resido em Fortaleza-CE e gosto de ter minhas aventuras por ai.
Me tornei leitor assíduo do site a pouco tempo, e a cada texto fico mais excitado. Então resolvi compartilhar minhas experiências com vocês.
Vamos lá então.
Como citei acima sou do interior de São Paulo, mas desde criança vínhamos ao Nordeste, meu pai tem família no litoral cearense e tínhamos uma casa na capital e outra de veraneio na cidade de Flecheiras, uma praia litorânea. Eu tenho um irmão mais velho que eu 4 anos, que sempre foi muito popular e sempre andava com sua turma. Por eu ser mais novo, meu irmão e eu sempre vivemos fases distintas, então ele sempre me deixava de fora de suas brincadeiras e aventuras com seus amigos.
Na nossa casa em Fortaleza sempre que chegamos era uma festa de macharal, pois os amigos do meu irmão estavam direto com ele, para matar a saudade e também fazer zueira. Eram 7 amigos, mas tinha um em especial que se chamava Aurélio (NOME FICTICIO), era o mais bonito e mais galanteador. A turma do meu irmão sempre pegou muitas mulheres e meio que sem querer ouvia uns papos deles e isso me excitava.
Certa vez escutei o Aurélio conversando com um primo meu sobre masturbação, que ele esporrava muito e sujava tudo. Eu estava sentado junto, mas o cara nem se importou e continuou falando. Perguntou se eu estava curioso, eu disse que nunca tinha batido punheta e não sabia que cor ou textura tinha "porra". Aí ele falou com um olhar safado: "se quiser, quando eu bater a próxima, eu guardo um pouco da minha gala para você ver". Caramba aquilo me fez pirar e nesse dia eu bati punheta pensando na história.
 

Voltamos para Sampa, e meses depois meus pais e meu irmão se estabeleceram de vez em Fortaleza e eu continue em Sampa morando com meus tios (tem historias boas desse tempo, que contarei em contos mais a frente). Devido aos meus pais estarem em outra cidade, eu sempre tinha que ir visita-los quando dava... E fui crescendo assim...
Certa vez, fui passar férias em Fortaleza. Quando cheguei fui super bem recebido e no jantar de boas vindas os amigos do meu irmão estavam também presentes. Eles já estavam entre seus 18 a 22 anos. A amizade deles só fortalecera, e o Aurélio estava lá e mais lindo do que nunca, 1,80 corpo malhado, cara de sacana. Eu nunca havia esquecido aquele papo e nem o olhar que Aurélio me deu.
Passado alguns dias a rotina virou normal, meus pais iam trabalhar e meu irmão ficava zuando com os amigos, fora de casa ou as vezes eles se reunião na nossa casa já que meus pais ficavam fora quase o dia todo. Muitas dessas vezes eles aproveitavam para assistir vídeo pornô juntos, mas meu irmão nunca deixava eu participar e o Aurélio sempre me defendia. Isso sempre me intrigou, mas eu dava um jeito de espiar eles batendo punheta assistindo os vídeos. Um pau maior que o outro e o mais bem dotado era meu irmão, mas o Aurélio não ficava atrás. Nenhum deles encostava no pau do outro, ficavam no solo mesmo, muito “machos”.
Meu irmão era o capitão do time de futebol e sempre após o jogo eles se reunião no jardim de casa para descansar do jogo.... Nesse dia eu tinha ido jogar também, chegamos mortos e eu sentei encostado na parede e o Aurélio sentou a minha frente. Ele estava com um calção de futebol, aqueles bem fino, então do nada ele me olha com aquele mesmo olhar, sobe um pouco o calção sem ninguém notar e mostra a cabeça do pau dele. Rapaz, eu fui a loucura tive que sair daquele lugar, pois meu pau estava dando sinal de vida.
Depois disso foram provocações em cima de provocações, insinuações, mas sempre tive medo de que aquilo fosse da minha cabeça, porque em alguns momentos que ficamos a sós ele não tentou nada, então entendi que era coisa da minha cabeça mesmo, que não tinha como o cara mais macho e mais gato do grupo do meu irmão ser boiola e ainda dar em cima de mim. O tempo passou e deixei de dar atenção para o grupo do meu irmão e fiz meu próprio grupo de amizades.
Já estava perto do dia de eu retornar para Sampa e meus pais resolveram me levar para a nossa casa de veraneio para curtir os últimos dias. Partiríamos na quinta e voltaríamos no domingo. Meu irmão ficou puto, porque queria levar os amigos, mas meu pai disse para que se os amigos deles quisessem ir fossem no sábado somente. Depois de muito charme do meu irmão, meu pai deixou dois amigos dele irem conosco, mas nenhum deles era o Aurélio.
Tudo estava ótimo na casa, a praia nem se fala, linda e super tranquila, quase deserta a região. No sábado os amigos do meu irmão chegaram e alguns deles levaram as namoradas, inclusive o Aurélio. Eu já tinha desencanado dele mesmo, nem me importei. Na hora de dormir, meus pais muito tradicionais dividiram os quarto, as mulheres ficariam no meu quarto e todos os homens no quarto do meu irmão. Meus pais colocaram colchões e redes... ai vocês imaginam a bagunça quase 12 homens no quarto... não conseguimos dormir tamanha bagunça e zueira.
Quando foi por volta da 1 da manhã a turma se aquietou, eu dormi numa cama, e abaixo da minha cama haviam 5 colchões entre eles estava o Aurélio. No meio da noite eu começo a sentir uma mão entre a minha coberta. Aí meio que desperto, quando vejo a mão que estava tocando o meu pau, vejo que é a mão do Aurélio. De onde ele estava deitado ele somente levantou a mão e começou a mexer no meu pau. Fiquei sem entender, mas estava gostando e deixei. 
 
Meu coração estava a mil, o quarto cheio de pessoas e todos amigos e meu irmão também estava lá... que merda... mas estava tão gostoso... Aí do nada escutamos um barulho e o Aurélio tira logo a mão. Ligaram a luz e abriram a porta do quarto, era um primo meu que também veio dormir e minha mãe disse para ele se ajeitar no quarto dos homens... ele se deita no chão com a o pessoal... poucos segundos depois o Aurélio se levante e reclama "é muito macho junto, não vai dar para dormir desse jeito. “Don divide a cama comigo por favor, já que você esta só, juro que você não vai notar que estou ai. " PUTA QUE ME PARIU, se eu negasse ficaria estranho, ele me olhava com um olhar pidão ai deixei... Ele deitou do meu lado e ficamos invertidos na cama, um olhando para o pé do outro para não dar margem.
Passaram uns 30 minutos, eu pensei que ele tinha se tocado do perigo e eu já estava quase dormindo quando vejo ele pegando outra vez no meu pau por baixo da coberta. O safado só estava esperando a certeza de a galera estar mesmo dormindo, ele pega e começa uma punheta em mim. Não tinha iluminação nenhuma no quarto, então tinha que preocupar era com meu gemido, estava foda segurar. Eu nunca tinha tido nada com ninguém, e sentir um cara lhe batendo uma punheta com maestria, o perigo de ser descoberto, e saber que era o gato do Aurélio, eu suava frio, mordia a coberta, revirava olhos, e o safado quando mais percebia o efeito, mais me martirizava. quando eu estava para gozar ele percebeu, tirou a mão do meu pau, chegou em meu ouvido e com aquele voz de macho safado disse "agora não, estamos só começando". Fui a loucura e quase gozo só com aquela voz. 
 
O safado vai e me taca um beijo louco, aqueles de tirar o fôlego e com mordidinha no lábio no final, ai depois do beijo chega no meu ouvido e fala "agora quero que você me chupe gostoso" e eu falei em sussurro "mas, eu nunca fiz isso". Ele diz, "sei disso, mas faz isso por mim". Não resisti, desci por baixo da coberta baixei o calção dele, e saltou aquele pau com um cheiro inebriante, cabeçudo, eu toquei nele, parecia gigante uns 18 cm grosso, aquilo parecia me hipnotizar e sem nem perceber já estava mamando com gosto aquele pauzão. 
 
Caralho, nunca imaginei provar algo tão bom. Lambia as bolas, chupava a cabeça, mordia levemente, parecia que eu sabia fazer aquilo a anos (um talento nato que descobri e que sou elogiado até hoje). O Aurélio se contorcia e mordia a coberta gemendo baixo. Nessa hora eu nem mais me importava se alguém acordasse. Quando eu menos espero eu sinto o pau dele inchar e soltar algo salgado na minha boca. Aquilo tinha um gosto diferente, mas tão bom, que no lugar de tirar a boca aí é que chupei com mais gosto... De repente, o Aurélio segura meu cabelo e se contorce... e jatos e mais jatos de gala invadem minha boca. Mesmo sem querer eu bebi, e queria beber mais, não desperdiçar uma gota, mas era tanta porra que escorreu para o colchão. Quando eu percebi, eu tinha gozado sem nem tocar no meu pau.
Subi e olhei para ele, ele sorriu, que sorriso lindo, me deu um beijo e falou "Pra quem nunca tinha feito, esse foi o melhor boquete da minha vida". E quando me virei para dormir, ele disse "calma que ainda é só o começo" levantou a cabeça e olhou para ver se a galera estava dormindo, ai falou mais uma vez com aquela voz roupa "agora você vai saber o que é sentir prazer de verdade".
Eu fiquei sem entender. Ele baixou meu calção, botei a mão para trás e o pau dele estava mais duro que pedra outra vez. Ele colocou o dedinho na minha boca pediu para eu chupar e deixar bem molhado, aí foi descendo e colocou na portinha do meu cu. Nossa, aquilo me levou ao delírio, mas quando ele foi enfiando, doeu muito. Quando eu ia gritar ele tapou minha boca e disse "Calma, respira e confia em mim. Você confia?" Ele beijou minha nuca e mordeu minha orelha... PUTA QUE ME PARIU, nem notei que nisso de ele falar no meu ouvido, beijar minha nuca e morder minha orelha o safado já tinha enfiado 1 dedo inteiro no meu cu... E ele ficou socando o dedo um tempo e beijando minha nuca. Apesar de arder, aquilo era tão bom... Então ele tira o dedo e diz "agora vem a melhor parte, pode doer um pouco, mas confia em mim que vai ser bom". E como ele não mentiu até aquele momento, acreditei.
Ele encaixa a cabeça do dedo dele na porta do meu cu, e começa a forçar a entrada. Como eu nunca tinha dado, era difícil entrar. Ele cuspiu um pouco na mão, molhou a cabeça do pau dele, e foi forçando. Eu fechada os olhos e mordia o travesseiro. Ele beijou minha nuca e segurou minha mão, pedindo calma. Era como se um taco baseball estivesse tentando passar por um buraco de uma agulha, mas aos poucos foi entrando. Passou a cabeça do pau, aí eu soltei um suspiro. Ele parou um pouco, eu suava frio, não sentia minha pernas, ele esperou uns 2 minutos até eu me acostumar com o invasor e foi metendo devagar. Metia em cadencia, e cada estocada eu ia ao céu de dor e prazer. 
 
Ele mordia meu ombro tentado abafar os gemido dele, e eu mordia o travesseiro tentando abafar os meus. A adrenalina corria em nosso corpo, apesar da dor, estava muito gostoso e eu gozei sem tocar no pau mais uma vezes. Ele sentiu a pressão do meu cu apertando o pau dele e gozou também. Ele deixou o pau dentro e me abraçou.... Quando menos esperamos, escutamos uma batida na porta e somos jogados na realidade de onde estávamos. Ele tira o pau do meu rabo nas pressas, guarda no calção e se vira para o outro lado da cama, eu subo o meu calção e a cueca e fico onde eu estou de olhos fechado igual a uma estátua e finjo dormir.
Depois de umas 5 batidas na porta alguém levanta, liga a luz e abre a porta... Era minha mãe, ela chama por mim, e eu abro o olho fingindo que tinha acabado de acordar e ela diz que meu pai tinha ido pescar com os amigos e que era para eu ir para o quarto dela que estava mais confortável para dormir... Na mesma hora eu levanto, pego um dos lençóis e saio enrolado nele... Quando chego no quarto da minha mãe ela fala para ir no banheiro por acha que meu calção estava molhado.... mal sabe ela que era a gala do Aurélio escorrendo da minha bunda. Me limpei e voltei para dormir feliz da vida.
No outro dia me acordei por volta das 14hs, todo dolorido. Tomei banho e quando a água tocou meu rego ardeu muito... Fiquei pensando na noite anterior. Aí veio a culpa, o medo de alguém ter visto o que rolou. Tomei banho rápido e saí para conversar com o Aurélio e ver se ele percebeu algo de estranho, se alguém tinha notado ou comentado algo... Estava com vergonha dele, mas meu medo maior era alguém ter visto, comentar para o meu irmão e isso acabar indo para nos ouvidos do meus pais.
Quando saí do quarto, vi que boa parte do pessoal não estava lá, perguntei a minha mãe onde estavam todos, minha mãe me contou que o Aurélio teve um briga feia com a namorada, pois a namorada dele havia descoberto que o Aurélio tinha traído ela com uma outra menina... e que o climão ficou ruim e os meninos tinham ido embora.
Nessa hora, outro amigo do meu irmão o Junior (NOME FICTICIO) entra na sala e diz no meu ouvido "não se preocupe, o Aurélio foi, mas eu estou aqui pra cuidar de você". Meu corpo gela. Ele se levanta, olha com um sorriso de putão e sai da sala. Mas essa história fica para um próximo conto...
Esse conto é VERÍDICO e relatei como rolou minha primeira vez com um cara.
Sei que o conto ficou um pouco longo, mas ao escrevê-lo estava revivendo em minha cabeça, os detalhes e o tesão que senti naquela noite. Tanto que meu pau babou muito enquanto eu escrevia.
Se curtiram o conto comentem ai! Que me estimula a escrever mais e digo que tem muitas histórias boas na vida desse safadão aqui.
Até mais turma. Se Cuidem.

Poderá gostar também de:
Postado por Mac Del Rey | (2) Comente aqui!

2 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...