Slide 1 Slide 2 Slide 3

HOMOSSEXUALIDADE

Técnica libertadora para parar de se preocupar com o que os outros pensam.




Você já deixou de fazer alguma coisa por medo do que os outros iam pensar?

Já se achou bonito em uma foto, mas acabou postando outra por receio de que aquela primeira parecesse um pouco ridícula?

Já gostou de uma roupa, mas terminou vestindo outra mais “garantida”?

Já teve vontade de corresponder às olhadas daquele boy, mas ficou com vergonha do que os outros poderiam comentar?

Então, seja muito bem-vindo ao clube!

É incrível como nós somos influenciados pela opinião alheia.

Uns mais, outros menos, mas a verdade é que todos somos de alguma forma impactados sobre o que vão pensar da gente.

Até o mais confiante dos caras.

E sabe por quê?

Porque o pertencimento é uma necessidade humana. Somos seres sociáveis e precisamos nos sentir aceitos, amados, admirados.

Acha que você é uma abençoada exceção à regra?

Pense só:

Se você estivesse numa ilha deserta, só você, o marzão e o céu azul, deixaria de fazer o que bem entendesse? Deixaria de soltar um glorioso peido com efeitos pirotécnicos, por exemplo?

Acredito que não, né? Ninguém estaria te vendo mesmo…

Agora, e se tivessem mais pessoas ali? Você agiria sem medo e com a mesma naturalidade?

É provável que não…

Viu só como a opinião dos outros te afeta?

Pois é…

E isso não é de todo ruim: ter consciência sobre como as pessoas nos veem é importante para conseguir viver bem em sociedade.

Se você, em algum momento da vida, estiver agindo de maneira escrota e inapropriada, deverá ter noção disso.

Também é legal que você queira fazer as pessoas na sua volta felizes. A lei da boa convivência agradece.

Agora, quando você depende da aceitação dos outros a ponto de deixar de viver o que tem vontade, já não estamos falando de algo saudável.

Nem recomendável. Nem admirável. Nem aceitável.

Aliás, bem longe disso.

O resultado é se tornar um tipo de pessoa que não toma posição nenhuma sobre nada nunca, e fica ali ocupando espaço em um dos lugares mais lotados do mundo: em cima do muro.

Se esse é o seu caso, você precisa parar JÁ de esgotar as suas energias tentando ser o que você acha que o resto do mundo espera de você.

É sério.

É esse povo todo que vai dormir frustrado toda noite por não realizar o que gostaria? São eles que vão pagar os seus boletos no final do mês? Eles que vão ficar chupando o dedo no sábado à noite sem boy para sair?

Não, né?

É você.

Lamento muito em informar, mas é VOCÊ o único prejudicado nessa história toda.

Migx, a vida tá passando. O tempo é cruel e não espera.

Até quando você vai deixar de viver tudo que tem pra viver por medo o que os outros vão dizer?

Então, aqui vão 7 coisas que você pode fazer para ligar o foda-se e mandar um belo dane-se para opinião alheia.

Isso será LIBERTADOR!

Leia com bastante atenção:

#1. Aceite que você NÃO vai agradar a todos

Tem gente que me xinga por eu ser uma mulher “se metendo em assunto de gay”. E tem quem ama o fato de eu ter escolhido dedicar a minha vida a isso.

E tudo bem. Que viva a democracia.

Tá aí a lição número 1: você NUNCA vai agradar a todos.

Nem Deus agradou a todos, gato! Não coloque essa responsabilidade tão pesada nas suas costas.

Vamos encarar a realidade de frente: algumas pessoas simplesmente não vão ir com a sua cara. E tentar agradar para conquistar a simpatia delas costuma ter o efeito exatamente oposto.

Então, relaxe.

Tem só uma pessoa que você precisa se preocupar em agradar: você mesmo!

O resto é o resto.

#2. Mantenha as coisas em perspectiva

Sempre gosto de incentivar os meus clientes e alunos a colocar as coisas em perspectiva. Isso por um simples motivo: tendemos a problematizar demais e dar uma importância muito maior para coisas que nem são tão grandes assim.

Então, pare e pense:

Quem julgará você? De quantas pessoas exatamente estamos falando? Que importância elas têm na sua vida?

Aqui a grande e libertadora verdade: a maioria das pessoas nem sequer sabe ou se importa que você existe. Consequentemente, não vão dar a mínima para o que você faz ou deixa de fazer.

Até tem um ditado que diz o seguinte: “as pessoas se preocupariam bem menos com o que os outros pensam sobre elas se soubessem o quão pouco os outros pensam nelas”.

Por isso, fica a pergunta: será que você não está exagerando?

#3. Imagine o pior cenário possível

Do que exatamente você tem medo?

Uma boa técnica para enfrentar os fantasmas internos é imaginar o pior cenário possível.

O que aconteceria se você fosse julgado? Falariam mal de você pelas costas? Espalhariam fotos suas pelas redes sociais? Mandariam prints de postagens suas em grupos do Whatsapp? Deixariam de ser seu amigo? Te expulsariam de casa?

Qual é a pior coisa que pode acontecer?

Se analisar bem, você poderá se dar conta de que o pior cenário nem é tão apavorante assim. Ou que é bem improvável de acontecer…

Seja como for, depois de visualizar a cena mais catastrófica na sua cabeça, ela tende a ficar menos dramática.

E você tende a ficar mais forte para enfrentá-la.

#4. Reconheça que o olhar mais crítico é o SEU!

Sabe aquela história do olho que tudo vê?

É real. Existe, sim, um olho que está sempre prestando atenção nas coisas que você faz.

Só que esse olho não vem dos outros: ele é interno.

Então pare de transferir para os outros insatisfações que são, na verdade, suas.

Você tem medo da opinião do resto mundo ou são as suas próprias crenças sobre si que te apavoram e tiram o sono?

Leia também:
[Como as suas crenças fodem completamente com a sua vida]

#5. Tenha um propósito de vida bem definido

Se você tiver um propósito bem definido, não precisa de mais nada.

Tô falando sério.

Porque, no momento, que você reconhece qual é a sua missão de vida (e o que realmente importa para você), não importa o que os outros digam.

A opinião alheia passa a ser insignificante. Você vai lá e faz.

Por isso, reflita:

Do que você realmente gosta? O que você realmente quer fazer da vida?

As escolhas que você está tomando com relação à sua carreira, relacionamentos e os seus passatempos são baseadas nas suas próprias escolhas ou no que os outros querem que você faça?

Não deixe de ler também:
[5 formas pouco convencionais para encontrar o seu propósito de vida]

#6. Encare as críticas como aprendizados

Quem foi que disse que crítica é ruim?

Crítica é bom, sim. Até mesmo quando não é construtiva: a gente aprende a ficar mais forte às pancadas e a filtrar o que, de fato, interessa.

Então, se você está evitando ser criticado, está, na verdade, evitando crescer.

Saia já dessa bolha!

Isso aqui é mundo real, meu amigo. Vai ter gente mala, sim. Vão ter comentários cruéis, puxadas de tapete e muito urubu querendo te colocar para baixo.

É inevitável e está fora do seu controle.

Mas a forma como você reage a cada tapa na cara está completamente nas suas mãos.

Por isso, encare cada experiência negativa como aprendizado.

Que venham os haters!

No fim, é como eu sempre falo: tudo é bagagem!

#7. Pare de julgar os outros

Tá aí algo que talvez você faça o tempo inteiro e nem perceba: julgar as outras pessoas!

E eu falo por experiência própria.

Chegou um momento na minha vida que eu me dei conta de que deixava de fazer muita coisa com medo do que os outros iam pensar.

Até que o meu namorado meu disse: “você só tem medo do julgamento dos outros porque você vive julgando o tempo inteiro”

“Eu??”, eu pensei. “Eu não, imagina!”

Mas ele tinha razão…

Foi quando eu percebi que eu era extremamente crítica. Às vezes nem precisava falar, mas olhava uma simples foto de alguém no Facebook e já julgava mentalmente. Colocava defeitos, via o lado ruim, o lado bizarro…

E, claro, por causa disso eu também acabava sendo muito crítica comigo mesma.

Resultado: quem acabava sofrendo era eu!

Depois que eu me conscientizei do que estava fazendo, comecei a me policiar e a me desenvolver pessoalmente. Automaticamente, o medo da opinião alheia foi sumindo…

Então, para finalizar, o exercício que eu tenho pra você é bem simples:

Pare de falar mal dos outros!

É sério.

Ao invés disso, sempre pense em 3 qualidades em cada pessoa que você conhecer…

Ah esse cara é gente boa, é simpático, tem estilo.

Faça isso mentalmente e se autopolicie cada vez que pensar algo ruim de alguém.

Tenho certeza de que você vai sentir a diferença.


Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...