Slide 1 Slide 2 Slide 3

NOTICIAS DO MUNDO GAY

Por unanimidade, prefeitura de Liverpool aprova retirada de outdoor transfóbico e lança movimento de apoio à pessoas trans.


O prefeito de Liverpool Joe Anderson e o outdoor transfóbico


O conselho da cidade de Liverpool encabeçado pelo prefeito Joe Anderson aprovou por unanimidade uma moção em apoio às pessoas transgêneros, após um outdoor e adesivos de cunho transfóbico começaram a circular pela cidade.

A iniciativa foi definida na última quarta-feira (19) e os parlamentares chegaram à conclusão “as mulheres são mulheres” e que “não há lugar em nossa cidade para o ódio e a intolerância”.

A ação propõe cinco pontos, que além dos trabalho dos garis na limpeza das peças ofensivas, a prefeitura também espera utilizar um final de semana a ser programado para trocar a iluminação de outros edifícios públicos para exibir as cores da bandeira trans: azul, branco e rosa.

O movimento também solicita que os oficiais de planejamento do conselho “encorajem ativamente” desenvolvedores e empresas a incluírem banheiros individuais neutros de gênero em prédios públicos.

O governo disse que quer medicalizar o processo para mudar legalmente os gêneros, caminhando para a auto-identificação, que é usada em outros países como a República da Irlanda.

Em seu perfil no Twitter, Anderson publicou uma foto de uma bandeira do orgulho transgênero sobre a Prefeitura de Liverpool. “A  bandeira do Orgulho transgênero sobrevoando a prefeitura hoje para mostrar nosso apoio à comunidade trans em #Liverpool e em torno de o mundo”, escreveu.

Processo sobre lei que pune LGBTfobia no DF passa para as mãos de Cármen Lúcia.


A ministra Cármen Lúcia, ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF


Caso estava sob responsabilidade do ministro Dias Toffoli, que assumiu presidência do STF. Antes de 'sair' do assunto, ele encurtou caminho do processo.

O processo sobre a aplicação da lei anti-LGBTfobia no Distrito Federal agora está nas mãos da ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF). O caso era de responsabilidade do ministro Dias Toffoli, que repassou os processos à colega depois que assumiu a presidência do STF na quinta-feira (13).

O assunto tramita no STF desde julho de 2017. Até esta sexta-feira (21), nenhuma decisão havia sido tomada para garantir punição no DF a ataques LGBTfóbicos.

Antes de deixar a relatoria do processo, no entanto, o ministro Dias Toffoli entendeu que o assunto é de “relevância” e determinou que seja tomada uma decisão em “caráter definitivo”.

Por isso, acionou um artigo da legislação que “encurta” o caminho que o processo tomaria no STF. Em vez de passar pelas turmas, ele será julgado diretamente no Plenário pelos ministros.

A medida faz com que os magistrados analisem logo o mérito da ação (o que ela de fato propõe), em vez de optarem por uma liminar (uma decisão provisória, antes de serem ouvidas todas as partes).

Relembre

No pedido ao STF, a Procuradoria-Geral do DF – que representa o governo juridicamente – solicitou que a Corte derrube com urgência o decreto da Câmara Legislativa que anulou a execução da lei anti-LGBTfobia.

No documento, o GDF argumentou que os distritais feriram o direito de igualdade previsto na Constituição. Por isso, o governo alegou que os deputados agiram de forma inconstitucional.

Também afirmou que os parlamentares invadiram uma competência que é exclusiva do governador, definindo a atuação dos distritais como “interferência” no governo.

Em 26 de junho de 2017, os deputados distritais derrubaram, por 9 votos a 6, o decreto que regulamentava a lei anti-LGBTfobia na capital.

A lei, de autoria do governador Rodrigo Rollemberg (PSB), estava esperando aplicação havia 17 anos. Em 23 de junho de 2017, o GDF trouxe um decreto prevendo multa de até R$ 10 mil em caso de discriminação por orientação sexual ou identidade de gênero.

Homofóbico, Silas Malafaia critica Globo após beijo gay em “Orgulho e Paixão”.




Conhecido por suas falas homofóbicas e constantes ataques à comunidade LGBT, o pastor Silas Malafaia publicou um vídeo crítico à TV Globo, repudiando a cena de beijo gay entre Luccino (Juliano Laham) e Otávio (Pedro Henrique Müller) em “Orgulho e Paixão”, atual trama das 18h da emissora carioca.

Na gravação, Malafaia diz que a Globo é “campeã do lixo moral” e aproveita para fazer campanha para o também homofóbico e postulante à presidência da República, Jair Bolsonaro.

“Todo mundo sabe que a Rede Globo é a campeã do lixo moral. Eu não tô falando de religião, de conselhos religiosos. Vá aos Estados Unidos, a maior democracia do mundo, e vê se às 18h se exibe beijo gay. Vai lá ver, tem mais de 100 canais. Esse tipo de coisa é um canal de adulto especial”, iniciou ele.

“A gente confunde liberdade, democracia, com libertinagem. Por que, minha gente, tem classificação indicativa na Constituição? Para proteger crianças e adolescentes. Isso é uma vergonha”, continuou o pastor, insinuando que demonstrações homoafetivas seriam prejudiciais às crianças.

“A gente confunde liberdade, democracia, com libertinagem. Por que, minha gente, tem classificação indicativa na Constituição? Para proteger crianças e adolescentes. Isso é uma vergonha”, continuou o pastor, insinuando que demonstrações homoafetivas seriam prejudiciais às crianças.

“Minhas crenças, valores e convicções não estão sujeitos a derrotas e vitórias. Os homens, hoje, reconhecidos como heróis, que marcaram a história da humanidade, na sua época foram minoria, foram esculhambados, foram rejeitados, eu não estou preocupado com hoje, eu não estou preocupado se alguém vai escrever um palavrão e vai me xingar em uma linha no meu vídeo, tô nem aí, dou gargalhada, não muda o meu estado emocional”, afirmou Malafaia,que em 2017 foi indiciado pela Polícia Federal por lavagem de dinheiro no âmbito da Operação Timóteo e, em março deste ano, a Procuradoria-Geral da República pediu aprofundamento das investigações contra Silas Malafaia, sob argumentos de que existem provas de que o pastor recebeu “vultosos recursos oriundos de um dos principais investigados” e de que há indícios do crime de lavagem.


“Estou aqui fazendo o meu protesto, a minha indignação, contra esse lixo moral que não se respeita criança e adolescente. Quer mostrar safadeza, depois das 23h fica à vontade, ok? E digo mais, tomara que Bolsonaro ganhe essa eleição, para dar um basta nessa safadeza, para colocar limite”, concluiu.

Preto e viado: Professor denuncia ofensa racista e homofóbica em colégio da Unicamp.




Um professor de Língua Portuguesa publicou um post nas redes sociais no qual denuncia ter sido vítima de ofensas racistas e homofóbicas no Colégio Técnico de Campinas (COTUCA) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

“Caro professor, fica a dica: você é preto e viado (sic) , seu lugar não é na sala de aula”, diz a mensagem preconceituosa deixada no armário do docente.

Nos comentários da publicação, uma aluna garante, no entanto, que os ataques ao professor têm sido constantes. “Ele vem ouvindo comentários racistas e homofóbicos de alunos há semanas”, alegou.

Uma manifestação contra o episódio está marcada para esta sexta-feira (21). O COTUCA emitiu uma nota de repúdio sobre o caso e que vai tomar as medidas cabíveis. “O colégio repudia a ação e irá apurar o caso, buscando identificar as pessoas responsáveis e aplicar as medidas cabíveis”, diz o comunicado, informando ainda que irá apurar o ocorrido através de uma investigação interna.

O texto alega ainda que “não tolera nenhum tipo de discriminação” e que está previsto “um conjunto de ações” de imediato.

Jovem é presa após atacar travesti com barra de ferro na cabeça no DF.




Uma mulher de 19 anos foi presa após tentar matar uma travesti de 37 anos no Setor Comercial Sul, em Brasília, na madrugada desta quinta-feira (20/09). Segundo o site Metrópoles, a acusada golpeou a vítima com uma barra de ferro.

Após a agressão, vizinhos da vítima acionaram a polícia, que prendeu a agressora. A travesti, que não teve a identidade revelada, assim como a sua agressora, foi socorrida pelo corpo de bombeiros, que prestou os primeiros socorros no mesmo momento que a guarnição militar chegou ao local.

Presa, a jovem confirmou o ataque. Ela afirma ter sido agredida recentemente pela travesti. Levada para a 5ª DP (área central), a suspeita foi autuada pela tentativa de homicídio, tendo em vista que, de acordo com informações do hospital, o quadro da vítima evoluiu para traumatismo craniano, lesão de natureza grave.


Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...