Slide 1 Slide 2 Slide 3

NOTICIAS DO MUNDO GAY

63% dos católicos são a favor da comunidade LGBT, diz pesquisa.


Papa Francisco com bandeira LGBT


Uma pesquisa realizada pela campanha Equal Future 2018 revelou que 63% dos católicos são a favor do acolhimento da igreja aos fiéis LGBT.

O estudo ouviu 9,6 mil adeptos da religião, que de acordo com os entrevistados “a Igreja Católica deveria reconsiderar seus ensinamentos atuais sobre questões LGBT para ajudar a apoiar a saúde mental e o bem-estar de crianças e jovens.”

Os participantes do levantamento foram representantes dos oito países com maior presença desta religião no mundo: Brasil, Colômbia, França, Itália, México, Filipinas, Espanha e Estados Unidos.

pesquisa também constatou que entre os católicos batizados mas que não são praticantes, o número de aceitação dos membros da comunidade aumenta para 65%. Outros 49% acreditam que o posicionamento da igreja em relação à diversidade pode fazer com que crianças e jovens desta população sintam que são uma “desgraça ou decepção”.

Em entrevista ao Gay Times, Tiernan Brady, diretor da Campanha Equal Future 2018 comentou o resultado. “A maioria quer que a religião mude sua abordagem. Isto não é um pedido de mudança de fora da Igreja, é de seu próprio povo”, disse.

Disseminação: TSE manda tirar do ar vídeos de Bolsonaro sobre o kit gay.




BRASÍLIA -  O ministro Carlos Horbach, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), determinou a retirada do ar de vídeos em que Jair Bolsonaro (PSL) fala sobre a existência de um "kit gay", supostamente criado "pelo governo do PT" para "ensinar sexo" para crianças.O militar sustenta que a administração petista distribuiu a estudantes do livro "Aparelho Sexual e Cia." e associa o material ao adversário Fernando Haddad (PT), ex-ministro da Educação.

A Justiça deu 48 horas para que Twitter, Facebook, Google e a família Bolsonaro apaguem links com o conteúdo. "Entendem comprovada a difusão de fato sabidamente inverídico, pelo candidato representado e por seus apoiadores", afirma Horbach na decisão. "A difusão da informação gera desinformação no período eleitoral, com prejuízo ao debate político.

Bolsonaro exibiu o livro também na bancada do "Jornal Nacional", da TV Globo, para tratar da "ideologia de gênero" nas escolas. "Este é o livro que seu filho de 5 anos de idade pode ler no segredo das salas de aula", diz Bolsonaro nos vídeos da internet. "[São] livros que estimulam a sexualidade precoce das crianças."

Ele relaciona o material ao programa "Escola sem Homofobia" e diz que o livro é recomendado pelo Ministério da Educação - "o que não é corroborado pelas informações oficiais", determinou o TSE.

Horbach afirma que o MEC desmente a informação sobre o livro desde 2013 e que o projeto "Escola sem Homofobia" sequer foi executado pelo ministério.

"Kit gay" foi um termo cunhado por conservadores para criticar a abordagem em sala de aula de temas relacionados à educação para a diversidade, como o combate à violência de gênero. Essa argumentação serviu de base para o projeto de lei da "Escola Sem Partido".

De acordo com os advogados de Haddad, autores da representação, os vídeos de Bolsonaro tiveram o alcance de cerca de 500 mil visualizações. A coligação informa ter obtido, ao total, a derrubada de cerca de 100 urls originais e mais de 146 mil compartilhamentos com alcance de aproximadamente 20 milhões de visualizações.

"Para além dos prejuízos nesta eleição, temos claramente acompanhado a escalada de notícias falsas com uma disseminação que só pode ser explicada através de um trabalho de inteligência articulado e financiado com robustos recursos", afirma o advogado Angelo Ferraro, que defende Haddad.

Jean Wyllys cobra retratação de Bolsonaro após candidato espalhar mentira.




O deputado federal do Rio Janeiro Jean Wyllys (PSOL) se manifestou cobrando retratação pública de Jair Bolsonaro (PSL), após o candidato à presidência espalhar notícia mentirosa envolvendo a comunidade LGBT, a fim de difamar seu adversário no pleito pelo Planalto, Fernando Haddad.

Ao longo de toda a corrida presidencial, Bolsonaro tem espalhado a notícia falsa de que Haddad pretendia implantar um “kit gay” para “doutrinar as crianças” nas salas de aula.

Após comprovação de que tudo não passava de fake news, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ordenou que Bolsonaro exclua postagens sobre o assunto feitas por ele e sua equipe no Facebook e no YouTube.

Agora, Wyllys e demais ativistas políticos pedem retratação de Jair Blsonaro em rede nacional de televisão.

“Nunca existiu ‘kit gay’; confirma Tribunal Superior Eleitoral (TSE): O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou a remoção de vídeos em que Jair Bolsonaro (PSL) espalhava a mentira sobre o suposto kit gay. O material não existe e nunca existiu como comprova a sentença.

No vídeo, o candidato da extrema direita mostrava um livro chamado “Aparelho Sexual e Cia” afirmando que o material foi distribuído nas escolas, o que é mentira.

Com a decisão, “o coiso” está proibido de falar em kit gay.

Segundo a decisão do Tribunal, “o próprio Ministério da Educação já registrou, em diferentes oportunidades, que a publicação em questão não integra a base de livros didáticos distribuídos ou recomendados pelo Governo federal.” A sentença afirma ainda que “assim, a difusão da informação equivocada de que o livro em questão teria sido distribuído pelo MEC (…) gera desinformação no período eleitoral, com prejuízo ao debate político, o que recomenda a remoção dos conteúdos com tal teor”. Esse episódio de “denuncia” ao kit que nunca existiu é emblemático: Foi ali que “o coiso” se tornou uma figura de projeção nacional. E em cima de uma mentira, atacando a comunidade LGBT“, escreveu o deputado reeleito pelo PSOL.

Segundo a PM, o caso foi registrado no 3º Distrito Policial (Campos Elíseos).

Jair Bolsonaro assina acordo onde se compromete a combater o casamento igualitário.




Mais uma vez, Jair Bolsonaro se mostrou contra os LGBTs. Candidato do PSL à Presidência, Bolsonaro assinou um termo de compromisso em que reconhecerá apenas casamentos entre homens e mulheres, ignorando as uniões homoafetivas. É o que diz o site “Voto Católico Brasil” em sua página on-line.

“Com grande satisfação, comunicamos que Jair Bolsonaro assinou o termo de compromisso do site. Ainda estamos aguardando o recebimento do documento, para que seja publicado aqui, que somente deverá ocorrer na terça-feira, em razão da necessidade do reconhecimento e firma”, diz o comunicado.

Além do reconhecimento do casamento apenas como a “união entre homem e mulher”, o documento ainda defende que a família seja apenas aquela “constituída de acordo com o ensinamento da igreja, e o seu direito de educar os filhos”. Vale ressaltar que esse grupo não tem ligação nenhuma com a CNBB, que é a instituição que realmente representa a igreja católica no Brasil.

Mulher cis é agredida após ser confundida com travesti em Manaus.




Um vídeo que vilarizou nas redes sociais mostra uma mulher cis sendo agredida em Manaus, após ser confundida com uma travesti. O caso aconteceu na última sexta-feira (12/10), por volta das 6h da manhã, durante a saída de uma festa.

Segundo Sandy Salum, de 36 anos, o agressor a empurrou duas vezes, chamou-a de travesti e “escória da humanidade”, além de desferir um soco e puxar seu cabelo. Sandy, que trabalha como chef de cozinha na capital amazonense, alega que foi agredida após defender uma amiga assediada na porta de uma festa.

“Estava saindo do show de braços dados com minha amiga pois tinha uma pequena ladeira na saída e ela estava de salto e cansada. Como eu estava de tênis, pedi para que ela segurasse meu braço para não escorregar. O indivíduo fez questão de passar no meio de nós duas puxando o cabelo da minha amiga e já me empurrando para me separar dela. Ela disse ‘me deixa’ e eu também falei”, disse Sandy nas redes sociais.




Segundo Sandy, foi neste momento que o homem a confundiu com um travesti e a chamou de “escória de humanidade” antes de se dirigir a um táxi que estava parado na rua. Em vídeo que circula pelas redes sociais, é possível ver o momento em que a empresário confronta o homem e acaba agredida por ele com um soco e um puxão de cabelo antes que outras pessoas os separem. “Não pensei em mais nada e o procurei dentro do táxi mesmo, estava com muita raiva de ter sido humilhada, empurrada duas vezes daquela forma. E de graça!”, continua Sandy.

A empresária ainda afirma que algumas pessoas presentes no local a seguraram e foram confrontar o agressor que ainda gritou “isso lá é mulher p**** nenhuma, esse viado”. Por fim, Sandy lamenta o ato de intolerância e que tenham politizado o incidente para tripudiarem de sua dor. A empresária, que é ex-rainha de bateria de uma renomada escola no Amazonas, abriu um Boletim de Ocorrência e fez exame de corpo e delito. O caso foi registrado no 19º Distrito Integrado de Polícia (DIP). “Eu vou atrás dos meus direitos na Justiça”, afirma.

Homens matam travesti a facadas aos gritos de “Bolsonaro” em bar de SP.


Travesti foi morta com facada no Centro de SP. 


Testemunhas ouviram gritos de apoio ao candidato do PSL durante ataque no Largo do Arouche.

Uma travesti foi morta a facadas na madrugada desta terça-feira (16) no Largo do Arouche, região da República, Centro de São Paulo. Uma testemunha disse que, durante o momento em que a travesti foi agredida, em frente a um bar, ela ouviu alguns homens gritando o nome do candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro.

A Polícia Militar informou que o crime ocorreu por volta das 4h50 desta terça, quando recebeu um chamado sobre uma pessoa esfaqueada e sangrando no Largo do Arouche, altura do número 150.

A vítima, que ainda não foi identificada, foi levada pelo Corpo de Bombeiros ao Pronto-Socorro da Santa Casa, mas morreu a caminho do hospital.

Uma vizinha ao bar, que preferiu não se identificar, estava dormindo em seu apartamento na região e disse à reportagem que ouviu os gritos de socorro da travesti quando foi agredida.

“Ela estava com quatro ou cinco homens em frente ao bar. E daí eu comecei a ouvir gritos, uma discussão, uma briga. Chamavam ela de vários nomes, agressões verbais, e gritavam ‘Bolsonaro'”, disse.

A testemunha contou que, em seguida, os homens fugiram e ela ouviu a vítima pedindo ajuda, dizendo que “ia morrer”.

Outra vizinha do bar contou que chegou a ouvir gritos de “Bolsonaro, ele sim!” durante a discussão.
A travesti conseguiu caminhar meia quadra, segundo a testemunha, até um hotel no Largo do Arouche, onde seguranças acionaram a PM e o Corpo de Bombeiros para o resgate.

Segundo a PM, o caso foi registrado no 3º Distrito Policial (Campos Elíseos).

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...