Slide 1 Slide 2 Slide 3

NOTICIAS DO MUNDO GAY

Governo Trump quer definir gênero apenas como sexo biológico.




A administração de Donald Trump pretende eliminar o reconhecimento de pessoas transexuais, criando uma definição de gênero baseada na designação determinada pela genitália ao nascer, informou neste domingo (21) o jornal "The New York Times". Se realmente adotada, essa mudança legislativa deve afetar cerca de 1,4 milhão de cidadãos americanos que definiram o seu gênero a partir de uma identitária escolha individual.

Decisões tomadas pelo governo do antecessor Barack Obama haviam flexibilizado o conceito de gênero em programas federais, ao inclui-lo em educação e saúde, reconhecendo o gênero como uma escolha individual que não pode ser determinada pelo sexo biológico. Tal política levantou discussões sobre banheiros, dormitórios e sobre outras áreas onde o gênero era visto como algo simples.

Conservadores, principalmente cristãos evangélicos, ficaram revoltados com as medidas adotadas por Obama.

Hoje, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS, na sigla em inglês) busca esforços para estabelecer uma definição legal de sexo sob o "Título IX", a lei federal de direitos civis que proíbe a discriminação em programas educacionais que recebam assistência governamental, segundo memorando obtido pelo jornal.

O Departamento afirmou, em memorando, que as "agências governamentais precisam adotar uma definição de gênero explícita, com base biológica clara, fundamentada na ciência e objetiva". A definição proposta, então, era definir sexo somente como masculino ou feminino, imutável e determinado pela genitália com a qual a pessoa nasce. Assim, qualquer disputa sobre o sexo de alguém seria resolvida com teste genético. A medida faz parte de uma série de manobras que têm causado preocupação à comunidade LGBT+ americana, uma vez que a administração Trump já tentou barrar as pessoas trans do acesso à carreira militar e retirou as orientações dadas às escolas públicas para que alunos trans pudessem utilizar o banheiro que quisessem.

Bispos jovens pressionam para que Igreja se mostre aberta à comunidade LGBT.




Segundo reportagem do jornal Extra, mais de 250 sacerdotes católicos discutem, esta semana, se enviarão uma mensagem inclusiva à comunidade LGBT no documento final do Sínodo dos Bispos. O encontro no Vaticano durou quase todo o mês de outubro e termina no próximo domingo (28/10).

Os bispos mais jovens são os que mais pressionam para que a Igreja se dirija diretamente aos católicos LGBT, como uma forma de deixar claro que eles são bem-vindos. A iniciativa ainda encontra resistência dentro da Igreja e não está confirmado que o documento final irá conter mensagens a gays, lésbicas bissexuais e transexuais. Cada parágrafo do texto será votado um a um, e deve obter uma maioria de dois terços.

O próprio Vaticano já deu um passo nessa direção ao fazer referência ao termo “LGBT” pela primeira vez em seu documento preparatório que se dirigia à essa reunião dos bispos. No entanto, alguns sacerdotes rejeitaram a noção, incluindo o arcebispo da Filadélfia, Charles Chaput, que em seu discurso chegou a dizer que não existe “LGBT católico”. Outros bispos, entretanto, expressaram a vontade de usar o termo, embora ainda não se saiba se o farão no documento final.

“Os jovens estão falando sobre isso livremente e esta é a linguagem que eles usam. Eles estão encorajando-nos ‘Nos chame assim, dirijam-se a nós assim, porque é o que somos’”, disse o cardeal John Ribat, da Papua Nova Guiné, em uma entrevista coletiva no sábado (20/10).

Bolsonaro diz que homofobia é “coitadismo” e volta divulgar fake news do “kit gay”.





Em entrevista, candidato diz que “tudo é coitadismo. Coitado do negro, coitado da mulher, coitado do gay, coitado do Nordestino, coitado do piauiense”.


A entrevista para a TV Cidade Verde, do Piauí, foi concedida do seu apartamento no Rio de Janeiro ao jornalista Joelson Giordani no sábado (20) e divulgada nesta terça-feira (23).

Diante de uma pergunta sobre violência dentro das escolas, Bolsonaro voltou a falar mentiras sobre o “kit gay”, afirmando que Haddad é o criador do programa..

O projeto ‘Escola sem Homofobia’, chamado de ‘kit gay’ pelos homofóbicos, que, por sua vez, estava dentro do programa Brasil sem Homofobia, do governo federal, em 2004, era voltado à formação de educadores, e não tinha previsão de distribuição do material para alunos. O programa não chegou a ser colocado em prática.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou a remoção de vídeos no Facebook e Youtube em que o candidato do PSL diz que PT teria distribuído, por meio do Ministério da Educação (MEC), o livro “Aparelho Sexual e Cia” como parte do programa.

Em sua decisão, o ministro substituto do TSE Carlos Horbach destacou que o MEC “já registrou, em diferentes oportunidades, que a publicação em questão não integra a base de livros didáticos distribuídos ou recomendados pelo Governo federal”. Em 2013, por exemplo, a pasta já havia dito que a “informação sobre a suposta recomendação é equivocada e que o livro não consta no Programa Nacional do Livro Didático/PNLD e no Programa Nacional Biblioteca da Escola/PNBE”,.

“Coitadismo”

Quando o jornalista aponta que “o preconceito existe e precisa ser combatido”, Bolsonaro afirma que quando era pequeno “não tinha essa história de bullying, o gordinho dava pancada em todo mundo, hoje o gordinho chora”.

Ele completa que “não tem que ter uma política” específica e faz a listagem: “Tudo é coitadismo. Coitado do negro, coitado da mulher, coitado do gay, coitado do Nordestino, coitado do piauiense. Vamos acabar com isso”.

O candidato já foi registrado em vídeo se classificando como “homofóbico, com muito orgulho” e já disse que preferia ter um filho morto a um filho ou filha LGBT, entre outras declarações homofóbicas ao longo de sua carreira, como que crianças LGBT deveriam apanhar.

Veja a entrevista completa. Aos 11:10 ele fala sobre o assunto:



Condomínio em SP pede que morador retire cortina com as cores da bandeira LGBTQ+.




Um morador de um condomínio localizado na Rua Augusta, região central de São Paulo, usou o seu Facebook para desabafar sobre um ocorrido que vem tirando o seu sossego. No post, o geólogo Francisco Campos, de 28 anos, relata ter sido vítima de homofobia no local onde mora há cinco anos com o namorado, Gabriel Facuri, de 30 anos.

Segundo Campos, ele e o namorado colocaram uma cortina no quarto deles com as cores da bandeira LGBT+, o que resultou em uma série de dores de cabeça para ambos. Alguns dias depois, eles receberam uma intimação do condomínio pedindo a retirada da cortina. Francisco não tirou e pediu para os responsáveis pelo condomínio viessem falar com ele. Não vieram e enviaram uma advertência por suposta infração.

Ainda de acordo com o relato do jovem, ele e seu namorado receberam uma multa sob alegação de que a cortina colocada “interfere na valorização do patrimônio do condomínio”. “Após nossa contestação por escrito, a administração disse que nossa cortina não se trata de uma cortina e que ela pode ‘interferir e influenciar na valorização do patrimônio’. Em todo o momento falam sobre multa e até ligaram na imobiliária dizendo que iriam nos multar”, conta.

Sexto acusado pelo assassinato da travesti Dandara é condenado a 16 anos de prisão.


A travesti Dandara dos Santos brutalmente assassinada em Fortaleza


Sexto acusado pela morte da travesti Dandara dos Santos, em fevereiro de 2017, Júlio César Braga da Costa foi condenado a 16 anos de reclusão em julgamento nesta terça-feira (23), no Fórum Clóvis Beviláquia, em Fortaleza.

O réu foi considerado culpado pelo júri por homicídio triplamente qualificado, por motivo torpe, meio cruel e recurso que impossibilitou a defesa da vítima. Todas as qualificadoras impostas pela denúncia feita pelo Ministério Público. Ele foi absolvido pelo crime de corrupção de menores no qual também foi julgado.

Inicialmente, Costa irá cumprir pena em regime fechado, A defesa pode recorrer da decisão dentro do prazo de até cinco dias. As informações são do G1.

Dandara tinha 42 anos e o crime que a matou em fevereiro do ano passado, chocou o Brasil e o mundo. Um vídeo do momento das agressões foi amplamente divulgado nas redes sociais e marcou pela brutalidade exercida contra a vítima. Outros cinco envolvidos já foram condenados.

Travesti é encontrada morta com dois tiros na cabeça em Maringá (PR).


Travesti Robertha Velmont morta a tiros em Maringá


Uma travesti foi encontrada morta com dois tiros na cabeça, provavelmente com disparos de uma arma 9mm, na estrada da Roseira, no final da Avenida Morangueira, em Maringá, nesta segunda-feira (22).

A policia encontrou na bolsa da vítima um batom e preservativos, mas não havia documentos que pudessem identificá-la, o que só aconteceu tempos depois através de uma carteira de nome social, emitida no Rio Grande do Sul.

O corpo de Robertha Velmont Moraes foi encaminhado para o Instituto Médico Legal e o caso será investigado através da Delegacia de Homicídios. As informações são do G1.

Mais uma vítima: transexual morre após ser esfaqueada por apoiador de Bolsonaro.




Uma jovem transexual morreu após ser agredida e esfaqueada na noite da última quinta-feira (18/10), no Centro de Aracaju, no Sergipe. Segundo relatos de Linda Brasil, amiga que ajudou a socorrer a vítima, Laysa Fortuna, de 25 anos, foi esfaqueada no tórax.

Devido aos ferimentos, ela sofreu uma hemorragia e teve uma parada cardíaca no dia seguinte (19/10) e não resistiu durante tratamento no Hospital de Urgência Sergipe (Huse). Segundo informações do site NLucon, o agressor, identificado como Alex da Silva Cardoso, um morador de rua que percorria as ruas do centro da cidade ameaçando travestis, afirmava que caso Jair Bolsonaro (PSL) fosse eleito presidente, todas as trans seriam mortas.

“O agressor é conhecido, ele sempre passa ameaçando, dizendo que, quando Bolsonaro for eleito presidente do Brasil, todas nós seremos assassinadas”, conta Linda. Alex da Silva foi preso em flagrante, liberado logo em seguida, e preso novamente na manhã deste sábado (20/10), na Praça Fausto Cardoso. Ele está detido na 4ª Delegacia Metropolitana. O corpo de Laysa foi sepultado no sábado, no Cemitério São João Batista, no Bairro Ponto Novo.


Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...