Slide 1 Slide 2 Slide 3

NOTICIAS DO MUNDO

Estado do Arizona elege 1ª senadora abertamente bissexual na história dos EUA.


A senadora do Arizona Kyrsten Sinema 


Uma semana após as eleições de meio mandato nos Estados Unidos, a democrata Kyrsten Sinema venceu a disputa do Senado pelo Arizona. Ela é a primeira mulher abertamente bissexual a exercer o posto no estado que tem o costume de eleger republicanos.

Sinema recebeu 49,65% dos votos contra 48% da sua adversária direta, Martha McSally, do Partido Republicano. Com isso, o Partido Democrata volta a ter um senador pelo Arizona pela primeira vez desde 1994. 

Kyrsten é ainda a primeira mulher não-heterossexual a assumir a Câmara Alta, confirmando como a aposta democrata nas minorias. As informações são da agência Ansa.

Vale lembrar que o Partido Democrata, elegeu o primeiro governador gay dos EUA, Jared Polis, para o estado do Colorado. Apesar de não destacar sua vida pessoal na corrida eleitoral, ele apoia causas LGBT como congressista.

Lei homofóbica está excluindo personagens LGBT de livros na Rússia.


Crianças lendo o livro ‘Good stories for rebel girls’.


(Reuters) – “Histórias de ninar para garotas rebeldes”, um livro infantil de sucesso com 100 histórias de mulheres proeminentes, foi publicado na Rússia este ano, mas com uma história a menos. Liza Lazerson, uma blogueira feminista que possui uma cópia, ficou surpresa ao perceber que, enquanto a capa prometia 100 histórias, o livro continha apenas 99 e uma página em branco — supostamente para o leitor adicionar as suas.

— Mas então um seguidor me enviou uma foto da história de Coy Mathis na edição francesa — diz Lazerson, que mora em Moscou.

Mathis, uma menina americana transexual de 11 anos, ganhou um processo marcante contra sua escola em 2013, quando teve reconhecido pela Justiça seu direito a usar o banheiro feminino.

O site de notícias russo “Takie Dela” cita a editora Bombora, responsável pelo lançamento no país, justificando que a história foi retirada do livro devido a uma lei de 2013 que proíbe a “propaganda de relações sexuais não-tradicionais” para menores de idade. Na edição brasileira, publicada pela editora Vergara & Riba, a história de Coy Mathis está presente.

A lei é vista por ativistas como uma tentativa do presidente Vladimir Putin de se aproximar de seu eleitorado, em sua maioria composto por cristãos ortodoxos. A Rússia é um dos países menos favoráveis para as pessoas LGBT da Europa, classificada em 45º lugar entre 49 países pela ILGA-Europa, uma rede de grupos de direitos LGBT+.

Francesca Cavallo, uma das autoras de “Good night stories for rebel girls”, se diz “profundamente triste com a exclusão da história de Coy”. A homossexualidade era considerada um crime na Rússia até 1993 e classificada como uma doença mental até 1999.

Crimes de ódio contra pessoas LGBT+ aumentaram após a aprovação da lei homofóbica e os tribunais ordenaram que vários sites LGBTQI+ fossem bloqueados, dizem os ativistas.

O impacto da lei de propaganda na indústria editorial russa, que chega a 56 bilhões de rublos (ou US$ 848 milhões), ainda é incerto. A escritora americana Victoria Schwab, autora de livros de fantasia diz que a editora Rosman retirou um enredo LGBTQI+ da edição russa de um de seus romances da série “Shades of Magic”.

“Eles editaram todo o enredo gay sem a minha permissão”, criticou Schwab em suas redes sociais.

Uma porta-voz do Rosman se recusou a comentar sobre a edição de conteúdo. A editora disse anteriormente à rádio Echo, de Moscou, que apenas uma cena, e não toda a trama, foi cortada e que os editores russos “são frequentemente forçados a recorrer a esse tipo de edição”.

De acordo com as leis atuais, os editores podem remover conteúdo LGBTQI+ de livros destinados a crianças e adolescentes, ou marcá-los como não apropriados para menores de 18 anos. Além disso, todos os livros classificados como “para maiores de 18” devem ficar envoltos em plástico.

Polícia da Tunísia força homens a fazer exame anal em supostos gays.




A polícia da Tunísia está perseguindo homens supostamente gays e os forçando a fazer exames anais com base nas leis anti-gays. O ato foi denunciado pela Human Righs Watch, como informa o site Gay Star News.

A associação classificou a atitude como cruel, degradante e desumana, além de fazer um apelo para que o país deixe de criminalizar a pratica homossexualidade. De acordo com o código penal local relações homoafetivas têm até três anos de prisão.

“As autoridades locais não tem qualquer respeito a intimidade e práticas sexuais das pessoas, chegando a explorá-las, humilhá-las e violar a privavidade na tentativa de enquadrá-las”, disse Amna Guelali, diretora da HRW.

Em junho chegou a ser cogitado que autoridades do país estariam estudando descriminalizar a homossexualidade em seu território, mas o assunto não foi a frente mesmo com a pressão de grupos ativistas LGBTs e pelos Direitos Humanos. No início deste ano inclusive, um festival de filmes LGBT chegou a ser proibido por lá.

Homem gay é condenado a 15 anos de prisão por se passar por mulher para transar com héteros.


Duarte Xavier condenado a 15 anos de prisão por se passar por mulher para transar com homens héteros


Duarte Xavier, um homem gay britânico de 33 anos, foi condenado a 15 anos de prisão por ter enganado um hétero ao se passar por uma mulher. Utilizando perfis fakes em sites de relacionamento, ele atraia as vítimas para transar sem o seu consentimento.

Xavier se encontrava com os homens em uma das suas casas em Bournemouth ou Londres. E para não ter o seu segredo revelado, ele conseguia convencê-los a utilizar uma venda, com a desculpa de ser uma fantasia sexual. Porém um dos rapazes tirou a venda e descobriu toda a farsa denunciando-o.

Ao declarar Duarte culpado, o juiz entendeu que ele agia de maneira cruel e deliberada ao tentar enganar os seus pretendentes fingindo ser mulher. Em sua sentença, o juiz ressaltou que não houve nenhum remorso ou arrependimento por parte do réu.

A vítima que denunciou Xavier alega ter sofrido sérios problemas psicológicos após o episódio. Além disso, ele relata que perdeu a confiança em qualquer outra pessoa que promova um encontro online.

A polícia espera que outras pessoas que tenham caído no mesmo golpe se identifiquem à justiça para que sejam investigados outros casos. O processo com novas vítimas pode agravar ainda mais a situação do condenado.

STF adia julgamento sobre criminalização da LGBTfobia.




O Supremo Tribunal Federal (STF) adiou o julgamento que iria votar a criminalização da LGBTIfobia, que estava marcado para acontecer nesta quarta-feira (14). O pedido para que a sessão ganhasse uma nova data foi do próprio movimento arco-íris. As informações são do Guia Gay São Paulo.

O motivo para tal iniciativa ocorreu, de acordo com o advogado da Associação Brasileira GLBT (ABGLT) e do partido PPS, Paulo Lotti, pela grande chance de haver uma derrota da demanda, pelo fato dos ministros poderem entender que a mudança na lei não poderia ser feita por esse tipo de pedido.

Então, de maneira estratégica o advogado pediu o adiamento para que a proposta seja analisada a ação direta de inconstitucionalidade por omissão (ADO) 26, impetrada pelo PPS e que é vista como melhor adequada para mudar a legislação. A nova data para o julgamento está prevista para dezembro.

Consulta do Senado sobre proibir casamento do mesmo sexo tem mais de 425 mil “não”.


Proposta buscar revogar resolução do Conselho Nacional de Justiça


Projeto de autoria do senador Magno Malta pretende revogar resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que permite o reconhecimento das uniões entre pessoas do mesmo sexo.

Projeto que proíbe casamento entre pessoas do mesmo sexo, de autoria do senador não reeleito Magno Malta (PR), aliado do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), recebeu mais de 425 mil “não” em consulta pública realizada no portal do Senado até esta quinta-feira (8).

Com campanhas da proposta na internet, o projeto aguarda relator desde 2015. Prevê a suspensão da Resolução 115/2013, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que permite a casais do mesmo sexo efetuar o casamento civil ou converter um status de união estável em casamento.

Na justificativa do projeto, Magno Malta afirma que a resolução do CNJ “usurpa a competência do Legislativo ao extrapolar os limites do poder de regulamentar e esclarecer a lei”. Ele argumenta que permitir ou não que casais do mesmo sexo se casem seria atribuição do Poder Legislativo.

Evangélico e cantor gospel, Malta vai assumir o futuro Ministério do Desenvolvimento e Direitos Humanos, que receberá o nome de Ministério da Família.

Para você também votar NÃO, clique aqui: 

https://www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaomateria?id=112745

Bolsonaro dá resposta atravessada ao ser questionado sobre novo Ministro: “Pode ser gay também”.




Jair Bolsonaro deu uma resposta atravessada a um jornalista que questionou a respeito de quem seria o novo Ministro das Relações Exteriores. A declaração foi dada nesta terça-feira (13) durante uma entrevista coletiva em Brasília na sede do Tribunal Superior do Trabalho.

O presidente eleito foi questionado se o cargo seria ocupado por homem ou mulher. Como resposta disse: “Pode ser gay também, você é voluntário ou não?”, questionou com deboche. Em contrapartida à provocação, o jornalista afirmou que não é diplomata.

Veterano do Itamaraty terá mais chances ao posto

Em outras ocasiões, Bolsonaro disse que o o novo ministro deve ser diplomata de carreira do Itamaraty. “É possível [o anúncio do nome] acontecer até amanhã [quarta, 14]. Está bastante madura essa questão, queremos alguém do quadro do Itamaraty”, afirmou Bolsonaro.

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...